browser icon
Você está usando uma versão insegura do seu navegador web. Por favor atualize seu navegado!
Usando um navegador desatualizado torna seu computador inseguro. Para mais segurança, velocidade, uma experiência mais agradável, atualize o seu navegador hoje ou tente um novo navegador.

Psicologia da ‘Manipulação Mental’: 6 Lições do Mestre da Propaganda

Posted by on 10/05/2022

Edward L. Bernays foi um consultor de negócios americano que é  amplamente reconhecido  como o pai das relações públicas.  Bernays foi um dos homens responsáveis ​​por “vender” a Primeira Guerra Mundial ao público americano, rotulando-a como uma guerra necessária para “tornar o mundo seguro para a democracia”. Em 1928, publicou seu mais famoso livro,  Propaganda, no qual delineou as teorias por trás de seus esforços bem-sucedidos de “relações públicas”. O livro fornece insights sobre o fenômeno da psicologia das multidões e descreve métodos eficazes para manipular os hábitos, costumes e opiniões da imensa maioria das pessoas.

Psicologia da ‘Manipulação Mental’: 6 Lições do Mestre da Propaganda Edward L. Bernays

Fonte: Off-Guardian.org por Ryan Matters

Durante a década de 1920, Bernays prestou consultoria para várias grandes corporações, ajudando a impulsionar seus negócios por meio de campanhas de marketing habilmente elaboradas destinadas a influenciar a maioria da opinião pública.

Em 1928, Edward Bernays publicou seu famoso livro, Propaganda, no qual delineou as teorias por trás de seus esforços bem-sucedidos de “relações públicas”. O livro fornece insights sobre o fenômeno da psicologia das multidões e descreve métodos eficazes para manipular os hábitos e opiniões das pessoas.

Para um livro com quase 100 anos, “Propaganda” não poderia ser mais relevante hoje. Na verdade, sua relevância é um testemunho da natureza imutável da psicologia humana da imensa maioria de zumbis inconscientes.

Uma das principais conclusões do livro é que o CONTROLE DA MENTE é um aspecto importante de qualquer sociedade democrática. De fato, Bernays sustenta que sem a “manipulação mental consciente e inteligente dos hábitos e opiniões organizados das massas”, a “democracia” [o circo] simplesmente não “funcionaria”.

Somos governados, nossas mentes moldadas, nossos gostos formados, nossas ideias sugeridas, em grande parte por homens de quem nunca ouvimos falar. Este é um resultado lógico da forma como a nossa sociedade democrática está organizada. Um grande número de seres humanos deve cooperar dessa maneira se quiserem viver juntos como uma sociedade que funcione sem problemas.

Segundo Bernays, aqueles que “governam” constituem uma classe dominante invisível que “entende os processos mentais e os padrões sociais das massas e explora-os em benefício de sua agenda”.

Em “Propaganda“, Bernays se baseia no trabalho de Gustave Le Bon, Wilfred Trotter, Walter Lippmann e Sigmund Freud (seu tio!), delineando o poder da psicologia de massa e como ela pode ser usada para manipular a “Mente Grupal”.

Se entendemos o mecanismo e os motivos da mente grupal, não é possível controlar e arregimentar as massas de acordo com nossa vontade sem que elas saibam disso?

Recentemente explorei esse tópico em um ensaio sobre como os rituais ocultos e a programação preditiva são amplamente usados ​​para manipular a consciência coletiva, influenciando os pensamentos, atitudes, crenças e ações de grandes grupos de pessoas, resultando na criação do que os ocultistas chamam de “Egrégora”.

A seguir apresento alguns insights importantes de Bernays em uma tentativa de mostrar como seu livro Propaganda é, de muitas maneiras, a cartilha usada pela cleptocracia globalista et caterva para “processar, induzir e controlar” a mente grupal das massas de zumbis ignorantes.

1. SE VOCÊ MANIPULAR O LÍDER DE UM GRUPO, AS PESSOAS O SEGUIRÃO

Bernays nos diz que uma das maneiras mais fáceis de influenciar os pensamentos e ações de um grande número de pessoas é primeiro influenciar o seu líder.

Se você pode influenciar os líderes, com ou sem sua cooperação consciente, você automaticamente influencia o grupo que eles influenciam.

De fato, um dos princípios mais firmemente estabelecidos da psicologia de massa é que a “mente grupal” não “pensa”, mas age de acordo com impulsos, hábitos e emoções. E ao decidir sobre um determinado curso de ação, seu primeiro impulso é seguir o exemplo de um líder de “confiança”.

Os seres humanos são, por natureza atávica, uma espécie de grupo. Mesmo quando estamos sozinhos, temos um profundo sentimento de pertencimento ao grupo. Quer saibam disso conscientemente ou não, muito do que as pessoas fazem é um esforço para se conformar aos ideais de seu grupo escolhido, de modo a sentir uma sensação de aceitação e pertencimento [quanto mais baixa a auto estima maior a necessidade de “pertencimento”].

Esse método exato de influenciar o líder e observar as pessoas o seguirem tem sido usado extensivamente nos últimos anos. Um exemplo notável que vem à mente são os pseudo modelos epidemiológicos terrivelmente imprecisos da covid-19 criados por Neil Ferguson, que formaram a base das políticas de bloqueio do primeiro-ministro Boris Johnson para o Reino Unido.

Uma vez que Johnson estava convencido da necessidade de bloquear, distanciar e mascarar, a imensa maioria das pessoas seguiram “o líder” de bom grado.

2. AS PALAVRAS SÃO PODEROSAS: A CHAVE PARA INFLUENCIAR UM GRUPO É O USO INTELIGENTE DA LINGUAGEM

Certas palavras e frases estão associadas a certas emoções, símbolos e reações. Bernays nos diz que através do uso inteligente e cuidadoso da linguagem, pode-se manipular as emoções de um grupo e, assim, influenciar suas percepções e ações.

Jogando com um velho clichê, ou manipulando um novo, o propagandista pode às vezes balançar toda uma massa de emoções de um grupo.

O uso inteligente da linguagem foi empregado durante a pandemia de Covid-19 com grande efeito.  Um exemplo óbvio disso foi quando a definição de “vacina”  foi alterada  para incluir injeções utilizando tecnologia experimental de mRNA.

Veja bem, a palavra “vacina” está associada na mente do público a uma certa imagem – a de uma intervenção médica HISTÓRICA segura e comprovada que não é apenas salvadora de vidas, mas absolutamente necessária.

Se os governos tivessem dito às pessoas para aceitarem suas injeções de “terapias genéticas”, a grande maioria do público provavelmente questionaria os motivos por trás de tal campanha; eles se sentiriam extremamente céticos porque a frase “terapia genética” não está associada às mesmas imagens, emoções e sentimentos que a histórica “vacina”.

O mesmo vale para a palavra “pandemia”, cuja definição também foi alterada. A palavra “pandemia” é geralmente associada na consciência coletiva com medo, morte, caos e emergência (em grande parte graças a Hollywood e aos inúmeros filmes de vírus que lançou ao longo dos últimos anos).

3. QUALQUER MEIO DE COMUNICAÇÃO TAMBÉM [SEMPRE] É UM MEIO DE PROPAGANDA

Qualquer sistema de comunicação, seja telefone, rádio, mídia impressa ou social, nada mais é do que um meio de transmissão de informações. Bernays nos lembra que qualquer meio de comunicação desse tipo também é um canal de propaganda.

Não há meio de comunicação humana que não possa ser também um meio de propaganda deliberada.

O atributo alt desta imagem está vazio. O nome do arquivo é kamaelao-harris-curinga-circo-eua.gif

Bernays continua enfatizando que um bom propagandista deve estar sempre a par das novas formas de comunicação, para que possa cooptá-las como meio de propaganda deliberada.

De fato, os sistemas que a maioria das pessoas associaria à liberdade de expressão e à democracia não são mais do que meios de circulação de propaganda. Os verificadores de fatos do Facebook, a censura da Big Tech [Twitter] e os banners Covid do YouTube certamente se enquadram nessa categoria.

Outros exemplos disso incluem as recentes  atualizações de algoritmos  feitas por vários mecanismos de pesquisa (incluindo Google e DuckDuckGo) para penalizar sites russos. Embora isso não seja surpresa (o Google vem se envolvendo nesse tipo de “propaganda de sombra” há muitos anos).

4. REPETIR A MESMA IDEIA [POR MAIOR QUE SEJA A MENTIRA] VÁRIAS VEZES CRIA HÁBITOS E CONVICÇÕES

Embora Bernays considere isso uma técnica usada pelos “velhos propagandistas”, ele, no entanto, reconhece sua utilidade.

Era uma das doutrinas da psicologia da reação que um certo estímulo muitas vezes repetido criaria um hábito, ou que a mera reiteração de uma ideia criaria uma convicção [mesmo que a IDEIA fosse falsa].

Repetir a mesma ideia ou o mesmo “mantra” repetidamente é uma forma de programação mental neurolinguística destinada a incutir certos conceitos ou emoções na mente subconsciente. De fato, as pessoas que estão se sentindo tristes ou deprimidas são frequentemente aconselhadas a repetir para si mesmas um ditado ou afirmação edificante.

Existem muitos exemplos dessa técnica simples, mas eficaz, sendo usada com grande efeito nos últimos anos. Pense no “confie no plano” de Q, o favorito globalista, “construa de volta melhor” [Build Back Better] ou na repetição incessante daquela frase distorcida, “confie na ciência” e o “Great Reset”. Incluídos nesta categoria estão as estatísticas de morte 24 horas por dia, 7 dias por semana e números de casos, destinadas a promover a ilusão de uma pandemia e manter o medo e o pânico sempre em destaque.

Há exemplos mais óbvios disso também, como âncoras de notícias em diferentes áreas e canais, todos lendo uniforme e exatamente o mesmo script .

5. AS COISAS NÃO SÃO DESEJADAS PELO SEU VALOR INTRÍNSECO, MAS SIM PELOS SÍMBOLOS QUE REPRESENTAM

Depois de estudar por que as pessoas tomam certas decisões de compra, Bernays observou que as pessoas muitas vezes não desejam algo por sua real utilidade ou valor, mas sim porque representa outra coisa que eles inconscientemente desejam e às vezes nem mesmo sabem porque desejam.

Uma coisa pode ser desejada não por seu valor ou utilidade intrínseca, mas porque a pessoa inconscientemente passou a ver nela um símbolo de outra coisa, o desejo pelo qual ele se envergonha de admitir para si mesmo.

Bernays dá o exemplo de um homem comprando um carro. Do lado de fora, pode parecer que o homem está comprando o carro porque precisa de um meio de transporte, mas, na verdade, ele está comprando porque deseja o status social elevado que vem com a posse de um veículo motorizado, seguindo um conceito [status social] criado pela propaganda para vender mais carros.

Essa ideia também se aplica aos eventos dos últimos anos.

Por exemplo, as máscaras são um símbolo de bovina e covarde conformidade. Todo mundo sabe que eles não funcionam, mas as usam pelo desejo de se “encaixar” e de serem vistos como cidadãos honestos que seguem as regras. As injeções de Covid-19  também são um símbolo e muitas pessoas optam por tomá-las porque desejam evitar ser chamadas de “anti-vaxxer” ou “teórico da conspiração” mesmo que estejam sendo envenenados à longo prazo.

6. PODE-SE MANIPULAR AÇÕES INDIVIDUAIS CRIANDO CIRCUNSTÂNCIAS QUE MODIFICAM OS COSTUMES DO GRUPO

Por fim, Bernays nos diz que, se alguém deseja manipular as ações de um indivíduo, a maneira mais eficaz de fazê-lo é criar circunstâncias que gerem o comportamento desejado.

Quais são as verdadeiras razões pelas quais o comprador planeja gastar seu dinheiro em um carro novo em vez de em um piano novo? […] Ele compra um carro, porque no momento é costume do grupo comprar carros. O propagandista moderno, portanto, põe-se a trabalhar para criar circunstâncias que modifiquem esse costume.

Por exemplo, por que de repente todos “ficam com a Ucrânia”? De acordo com Bernays, não é   porque  há uma guerra acontecendo e pessoas inocentes precisam de nosso amor e apoio, mas sim porque é o novo “costume do grupo [da manada]” fazer isso.

O processo de alteração dos costumes do grupo começa de cima para baixo. Em cada nação ou camada social, existem líderes, figuras públicas e influenciadores. Manipular aqueles com mais influência acaba se infiltrando na mente do público. É por isso que quando uma celebridade decide usar algo extravagante no tapete vermelho, uma nova tendência pode surgir da noite para o dia.

Da mesma forma, no início da saga Covid e depois da guerra Rússia-Ucrânia, a mídia foi rápida em divulgar histórias de celebridades “pegando Covid” e pedindo às pessoas que ficassem em casa, ou figuras públicas condenando as ações russas e pedindo sanções mais rígidas (que aconteceu de prejudicar mais o Ocidente  do que a própria Rússia).

A CARTILHA DA PROPAGANDA

O mundo é um lugar volátil e cada vez mais insano agora. As coisas parecem mudar rapidamente e ninguém sabe o que pode acontecer a seguir. No entanto, em meio a todo esse caos no hospício ocidental, há uma coisa que não mudou e é improvável que mude tão cedo: a psicologia humana.

Por causa disso, as táticas usadas para manipular e controlar emoções e os pensamentos, crenças e ações das pessoas também não mudaram. De fato, a maioria deles foi descrita em detalhes há 100 anos por Edward Bernays em seu livro de 1928, Propaganda.

Isso mesmo, a cartilha do Puppet Master [Mestre dos Marionetes] não é um segredo. Está bem ali, disponível gratuitamente para quem quiser entender como os poderes instituídos procuram influenciá-los no dia a dia.

A Propaganda”  de Edward Bernays agora foi adicionada à nossa Biblioteca Proibida. Leia agora , junto com outros livros proibidos.

Ryan Matters é um escritor e pensador livre da África do Sul. Após um período de doença que mudou sua vida, ele começou a questionar a medicina convencional, a ciência e o verdadeiro significado do que é estar vivo. Ryan também é o fundador do  NewBraveWorld.org  , onde publica uma seleção de seus ensaios relacionados a tópicos como ciência, filosofia, medicina, espiritualidade e atualidades. Você também pode segui-lo no  Twitter.


“Precisamos URGENTEMENTE do seu apoio para continuar nosso trabalho baseado em pesquisa independente e investigativa sobre as ameaças do Estado [Deep State] Profundo, et caterva, que a humanidade enfrenta. Sua contribuição, por menor que seja, nos ajuda a nos mantermos à tona. Considere apoiar o nosso trabalho. Disponibilizamos o mecanismo Pay Pal, nossa conta na Caixa Econômica Federal   AGENCIA: 1803 – CONTA: 000780744759-2, Operação 1288, pelo PIX-CPF 211.365.990-53 (Caixa)” para remessas do exterior via IBAN código: BR23 0036 0305 0180 3780 7447 592P 1


Mais informação adicional:

Permitida a reprodução, desde que mantido no formato original e mencione as fontes.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.