Entre ou
Cadastre-se

Compartilhe
Receba nosso conteúdo

Quando a Ucrânia foi invadida há 700 anos… outra ‘Superpotência’ Estava em Declínio

No outono de 1362, nas margens do rio Syniukha, na Europa Oriental, o general Algirdas, do Grão-Ducado da Lituânia, estava prestes a fazer algo impensável apenas algumas décadas antes. Ele ia invadir a Ucrânia e assumir o Principado de Kiev. Kiev na época era um estado cliente do Império Mongol, que há muito era a superpotência dominante do mundo. Mas a Mongólia estava em declínio óbvio. No início de 1200, sob Genghis Khan, todos no mundo conhecido tinham pavor dos mongóis. Ninguém ousaria antagonizá-los.

Quando a Ucrânia foi invadida há 700 anos… outra ‘Superpotência’ Estava em Declínio

Fonte: SovereignMan.com

Os sucessores de Gêngis Khan (Temudjin), incluindo seu neto Kublai Khan, continuaram a exercer esse imenso poder no início doa anos 1300, um século após a formação do império. Mas então as coisas começaram a mudar rapidamente.

Os mongóis ficaram extremamente divididos; eles não tinham mais um senso comum de unidade, e disputas amargas eclodiram sobre quem era o líder legítimo da Mongólia. Além disso, a tolerância lendária da Mongólia começou a desaparecer. O Império sob Gêngis já foi um lugar onde todas as fés, sistemas de crenças e ideologias podiam florescer.

Mas no início de 1300, os mongóis começaram a escolher lados; algumas partes do império tornaram-se muçulmanas, outras budistas. Outros adotaram a cultura e as tradições chinesas. E algumas facções tornaram-se extremamente intolerantes umas com as outras. A Mongólia também sofreu outros problemas sérios. A Peste Bubônica, que pode ter se originado dentro do Império Mongol antes de chegar à Europa, devastou o comércio [a fronteira oeste do império Mongol ficava às margens do Rio Danúbio, na hoje Hungria].

Além disso, a inflação estava furiosa na parte oriental do império, graças à quantidade surpreendente de papel-moeda que o tesouro mongol vinha imprimindo. A inflação era tão ruim, de fato, que até os camponeses estavam começando a se revoltar.

Os problemas da Mongólia se agravaram. E em meados dos anos 1300, potências em ascensão como a Lituânia não eram mais intimidadas. É por isso que Algirdas liderou uma força de 25.000 homens para invadir a Ucrânia em 1362; ele queria conquistar Kiev, essencialmente roubando um dos estados vassalos da Mongólia.

Os mongóis tentaram detê-lo. Eles fizeram ameaças e enviaram advertências duras. Eles até tentaram fazer uma pequena briga. Mas no final, as forças lituanas avançaram decisivamente para a Ucrânia e tomaram Kiev. Mais importante, eles fizeram os mongóis parecerem fracos. Este foi um momento importante na história; a maioria das pessoas já havia percebido o declínio da Mongólia – as lutas internas, a intolerância, a inflação.

Mas foi preciso que os lituanos invadissem o estado vassalo de Kiev, na Mongólia – algo que teria sido impensável apenas algumas décadas antes – para que o mundo finalmente percebesse que o Império Mongol não era mais a superpotência dominante.

A história está cheia de momentos divisores de águas semelhantes em que se torna óbvio que uma antiga superpotência declinou. A Crise do Canal de Suez em 1956 é outro grande exemplo; o Reino Unido, anteriormente superpotência dominante do mundo, invadiu o Egito.

No entanto, quase imediatamente os Estados Unidos (a superpotência em ascensão) ameaçaram o Reino Unido com sanções financeiras se não cessassem a operação e se retirassem do Egito. A Grã-Bretanha obedeceu e retirou suas forças, marcando o fim de seu domínio no mundo… e o início do domínio dos EUA.

Escrevi extensivamente sobre os muitos e óbvios sinais de que o domínio dos EUA está diminuindo e sinais de seu declínio acelerado são evidentes. A retirada vergonhosa e humilhante do ano passado do Afeganistão foi um desses sinais.

Outro sinal é o fanatismo desperto que infectou a comunidade de inteligência e defesa dos EUA, onde muitos formuladores de políticas parecem priorizar a “diversidade e a inclusão” acima da segurança nacional. Mas o sinal mais recente é a invasão da Ucrânia por Putin na semana passada. Isso nunca teria acontecido duas décadas atrás; ele teria muito medo da ira da América.

Ainda hoje, Putin se sente encorajado. O governo “Go Brandon” passou meses ameaçando Putin, na esperança de assustá-lo e fazê-lo recuar. Mas como o Grão-Ducado da Lituânia na década de 1360, Putin vê o declínio – as lutas internas, a intolerância, a corrupção em todos os níveis do governo e da sociedade americana, a inflação (para não mencionar a liderança fraca) – então ele não é mais intimidado… pelos EUA ou pela OTAN.

Também é notável que a China seja a voz mais importante nesta conversa; Putin concordou em negociações de paz com a Ucrânia SOMENTE depois que o presidente chinês Xi Jinping pediu a Putin que o fizesse na sexta-feira. Em outras palavras, os EUA foram impotentes para impedir a invasão, enquanto a China pode ser fundamental para acabar com ela.

Não tenho prazer com esta conclusão; Putin está agindo como um lunático demente, e é triste que o risco de provocar a América não seja mais um impedimento adequado. Mas fatos são fatos, e é importante permanecer objetivo.

Os historiadores futuros, sem dúvida, opinarão sobre o fim do domínio da América e precisamente quando isso aconteceu; eles podem apontar para a retirada do Afeganistão ou a pandemia de COVID-19 na qual os burocratas “faucistas” assumiram o controle da nação.

Talvez eles apontem para o dia em que a dívida nacional dos EUA atingiu impagáveis US$ 30 trilhões. Ou a invasão da Ucrânia pela Rússia. Ou podem apontar para algum outro evento que ainda não ocorreu. Mas deve ser óbvio que o declínio está acontecendo. E isso é motivo suficiente para se ter um plano B.

Lembre-se, uma grande parte de se ter um plano B é ter a coragem de usá-lo… olhar para as circunstâncias e dizer: “OK, o plano B agora é o plano A ”.

Conheço pessoas na Ucrânia que ainda estavam ocupadas com trivialidades do dia-a-dia até a última terça-feira, um dia antes da invasão. Uma mulher que conheço estava preocupada com o vencimento de sua inscrição na academia. Agora ela está presa em Kiev sob pesado bombardeio e invasão com uma criança pequena.

Estas não são pessoas estúpidas; são indivíduos inteligentes e educados que assumiram que “não havia como ele [Putin] invadir”. E sejamos honestos, a maioria das pessoas ao redor do mundo pensou o mesmo e esqueceu as lições do Covid-19: tudo pode mudar da noite para o dia .

Você pode ter o melhor Plano B do mundo. Mas não importa se você não o executar.

Quase sempre há sinais de alerta. Com o Covid, poderíamos ver os países da Europa Ocidental impondo tirânicos bloqueios.  Com a Ucrânia, poderíamos ver mais de 150.000 soldados concentrados na fronteira. Com o domínio dos EUA, podemos ver indicações óbvias de declínio rápido.

Não estamos falando de riscos obscuros; os sinais são claros. É apenas uma questão de superar o viés de negação e normalidade… porque é melhor estar confortável e cedo do que um segundo atrasado.

PS: Se você pode ver o que está acontecendo e para onde tudo isso está indo, você entende por que é tão importante ter um Plano B. É por isso que publicamos nosso Guia Perfeito do Plano B de 31 páginas, totalmente atualizado, que você pode baixar aqui .


“Precisamos URGENTEMENTE do seu apoio para continuar nosso trabalho baseado em pesquisa independente e investigativa sobre as ameaças do Estado [Deep State] Profundo, et caterva, que a humanidade enfrenta. Sua contribuição, por menor que seja, nos ajuda a nos mantermos à tona. Considere apoiar o nosso trabalho. Disponibilizamos o mecanismo Pay Pal, nossa conta na Caixa Econômica Federal   AGENCIA: 1803 – CONTA: 000780744759-2, Operação 1288, pelo PIX-CPF 211.365.990-53 (Caixa)” para remessas do exterior via IBAN código: BR23 0036 0305 0180 3780 7447 592P 1


Mais informação adicional:

Permitida a reprodução, desde que mantido no formato original e mencione as fontes.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *