browser icon
Você está usando uma versão insegura do seu navegador web. Por favor atualize seu navegado!
Usando um navegador desatualizado torna seu computador inseguro. Para mais segurança, velocidade, uma experiência mais agradável, atualize o seu navegador hoje ou tente um novo navegador.

Quatro razões pelas quais pessoas ‘conscientes’, médicos e cientistas recusam a tomar vacinas Covid

Posted by on 06/04/2021

AstraZeNeca = Arma que mata

Não é nenhum segredo que a hesitação em ser vacinado está em alta. A grande mídia [pre$$titute]  tem afirmado que isso é resultado de “teorias de conspiração antivacina” quando, na realidade, há preocupações legítimas pelos mais conscientes e com menor tendência a “seguir a manada” que não estão sendo abordadas. Por que o mainstream pre$$titute não consegue ter conversas apropriadas sobre as preocupações que estão sendo levantadas sobre a vacina COVID?  Por que os efeitos colaterais e as preocupações LEGÍTIMAS permanecem não reconhecidas e são desconsideradas?

Tradução, edição e imagens:  Thoth3126@protonmail.ch

Quatro principais razões pelas quais muitas pessoas [os mais conscientes], médicos e cientistas se recusam a tomar a vacina COVID

Fonte:  Collective Evolution

Quando você pergunta a alguém por que está optando por tomar a vacina secretamente ou por que está usando uma máscara, ela pode responder: “por causa da ciência“. A próxima pergunta a fazer é: quantas dessas pessoas realmente passaram pela ciência das vacinas e se as máscaras podem ou não ser uma ferramenta eficaz para limitar a disseminação do COVID?

Pelo que vejo, a maioria das pessoas recebe suas informações de organizações da grande mídia [pre$$titute$], que são organizações que têm fortes laços com empresas [Big Pharma] farmacêuticas e governos, e são conhecidas por apresentar uma perspectiva que favorece uma “determinada agenda” enquanto ridiculariza completamente a outra.

Às vezes, eles chegam a rotular outra perspectiva como uma “teoria da conspiração”, apesar do fato de haver evidências amplas e confiáveis ​​para apoiar as afirmações dessa perspectiva. As pessoas simplesmente acreditam nas coisas porque sentem que todos os outros também acreditam [consciência de manada] ? Quais são as implicações sociais e culturais de não estar em alinhamento com a maioria?

Devido à dependência de uma única fonte de mídia, muitas pessoas não recebem informações e perspectivas que contam uma história diferente ou mais completa, especialmente quando se trata de tópicos “polêmicos”. Freqüentemente, esses tópicos são evitados pela mídia {pre$$titute$] usando o ridículo em vez de abordar pontos trazidos de outras perspectivas. Vimos muito disso com o COVID, uma quantidade sem precedentes de censura da ciência em relação a todas as coisas do COVID, e muitos acadêmicos têm falado sobre isso há algum tempo.

Uma citação que costumo usar para demonstrar isso, e que usei muitas vezes antes, vem do  Dr. Kamran Abbasi , um recente editor executivo do prestigioso  British Medical Journal , editor do Boletim da Organização Mundial de Saúde , e um editor consultor da PLOS Medicine. Ele é editor do  Journal of the Royal Society of Medicine  e do  JRSM Open . Ele recentemente publicou  um artigo  no BMJ, intitulado “Covid-19: politização, corrupção e supressão da ciência.

A ciência está sendo suprimida [MANIPULADA] para ganho político e financeiro. A Covid-19 desencadeou a corrupção estatal em grande escala e é prejudicial à saúde pública. Os políticos e a indústria são os responsáveis ​​por esse desfalque oportunista.  O mesmo acontece com cientistas e “especialistas” em saúde. A pandemia revelou como o complexo médico-político pode ser manipulado em uma emergência – um momento em que é ainda mais importante proteger a ciência.

Também escrevi recentemente um artigo sobre Vinay Prasad MD MPH, professor associado da Universidade da Califórnia em San Francisco. Ele é um dos muitos especialistas na área durante esta pandemia que tem criticado os verificadores de fatos do Facebook por seus erros ao alegar que o conteúdo é falso, quando na verdade não é.

Um dos melhores exemplos de supressão é a retórica “anti-lockdown”Várias dezenas de estudos  demonstraram e concluíram que os bloqueios não reduzem a infecção por COVID, pelo contrário, matarão mais pessoas do que o próprio vírus COVID devido à falta de acesso a cuidados de saúde, fome, desemprego e muito mais, e causam uma ampla gama de outros problemas de saúde, econômicos e financeiros.

Independentemente disso, os especialistas que publicaram e compartilharam essas informações foram fortemente censurados, especialmente pelas Big Tech de mídia social. E, culturalmente, estamos fingindo que não existe ciência para se opor aos bloqueios [ciência CONTRÁRIA à agenda sendo imposta].

O “Dr Fauci”

Recentemente escrevemos um artigo pelo Dr. Sunetra Gupta, um professor da Oxford University que é considerado por muitos como o epidemiologista e doença infecciosa mais proeminente do mundo. Ela é uma das muitas personalidades do mundo acadêmico [um CIENTISTA] que explica que os bloqueios nada fizeram para proteger as pessoas da COVID e que causaram muitos danos.

Por que uma quantidade tão alarmante de especialistas respeitados que se opõem às medidas que estão sendo tomadas para combater a COVID estão sendo ridicularizados, ignorados e não reconhecidos, mas um médico e político, alguém como [o ridículo] Anthony Fauci, pode obter todo o tempo que quiser na mídia? Por que nem todas as perspectivas, ciência e dados são compartilhados igualmente? Por que tratamentos “alternativos” eficazes foram ignorados e as vacinas consideradas a única opção?

Abaixo estão as quatro principais razões pelas quais a hesitação à vacina COVID está em alta entre pessoas de todas as origens.

1. Falta de confiança no governo e nas empresas farmacêuticas.

Primeiramente, gostaria de chamar sua atenção para uma citação tirada  de um artigo  publicado no International Journal for Crime, Justice and Social Democracy pelo professor Paddy Rawlinson, da Western Sydney University.

A criminologia crítica tem repetidamente chamado a atenção para o nexo Estado-Empresa como um local de corrupção e outras formas de criminalidade, um cenário exacerbado pela intensificação do neoliberalismo em áreas como a saúde. A relação Estado-Farmacêuticas, que influencia cada vez mais a política de saúde, não é exceção. Isso é especialmente verdade quando produtos farmacêuticos como vacinas, um setor em expansão da indústria da “saúde”, são obrigados a violar diretamente o princípio do consentimento informado. Essas políticas têm provocado suspeitas e divergências, à medida que os críticos questionam a integridade da aliança farmacêutico-estado e seu impacto na segurança das vacinas. No entanto, em vez de encorajar o debate aberto, modos draconianos de governança foram implementados para reprimir e silenciar qualquer forma de crítica,  protegendo assim as atividades do estado e da indústria farmacêutica do escrutínio independente. O artigo examina essa relação no contexto da legislação recente da Austrália para intensificar seu regime obrigatório de vacinas. Argumenta que as tentativas de minar a liberdade de expressão e sistematicamente denegrir aqueles que criticam ou discordam dos programas de vacinas obrigatórias funcionam como um processo corruptor e, por extensão, servem para provocar a noção de que a corrupção realmente existe dentro da aliança farmacêuticas estados.

Existem muitos exemplos que ilustram por que tantas pessoas simplesmente não podem confiar nessas instituições quando se trata de qualquer coisa, muito menos saúde. Outro vem  de um artigo publicado em 2010  por Robert G. Evans, PhD, Professor Emérito da Vancouver School of Economics, UBC. O jornal, intitulado “ Difícil contra o crime? Pfizer e o CIHR ”  está acessível através da National Library of Medicine (PubMed) e descreve como a Pfizer tem sido uma empresa “criminoso habitual”, constantemente envolvida em atividades ilegais e criminosas. Este documento em particular aponta que de 2002 a 2010, a Pfizer foi “condenada em US$ 3 bilhões em condenações criminais, penalidades civis e sentenças do júri” e estabeleceu registros tanto para multas criminais quanto para penalidades totais. Lembre-se de que agora estamos em 2021, esse número é provavelmente muito maior.

Um artigo bastante recente publicado no New England Journal of Medicine se concentra em delinear por que os feridos pela vacina COVID-19 não serão elegíveis para compensação do Programa de Compensação de Lesões por Vacina (VICP) porque o COVID ainda é uma “emergência”. Também traz à tona o tópico da hesitação à vacina.

Ele menciona que, entre os afro-americanos, muitos estão hesitantes em receber sua vacina COVID por causa de eventos como o estudo da sífilis em Tuskegee. O estudo usou afro-americanos para ver como a sífilis progredia. As pessoas com sífilis foram informadas de que estavam recebendo tratamento gratuito, mas na verdade não estavam recebendo “nada”. Isso também aconteceu após a descoberta da cura, as pessoas ainda não tinham recebido a cura ou qualquer outro tratamento conhecido. Eles foram enganados.

Não foi até um denunciante, Peter Buxtun, através de informações vazadas sobre o estudo para o New York Times que o jornal publicou na primeira página em 16 de novembro de 1972, que o estudo Tuskegee finalmente terminou. Por esta altura, apenas 74 dos participantes do teste ainda estavam vivos. 128 pacientes morreram de sífilis ou suas complicações, 40 de suas esposas foram infectadas e 19 de seus filhos adquiriram sífilis congênita.

O estudo do NEJM aponta:

Em uma pesquisa da Kaiser Family Foundation realizada em agosto e setembro de 2020, descobriu-se que 49% dos entrevistados negros provavelmente não tomariam ou definitivamente não tomariam a vacina Covid-19, em comparação com 33% dos entrevistados brancos. Da mesma forma, uma pesquisa do Pew Research Center de novembro descobriu que embora 71% dos entrevistados negros conhecessem alguém que havia sido hospitalizado ou morrido de Covid-19, apenas 42% pretendiam receber uma vacina Covid-19 quando ela estivesse disponível. Essas descobertas indicam a necessidade de fornecer fortes redes de segurança e apoios para encorajar a adoção da vacina Covid-19 em comunidades vulneráveis, incluindo compensação adequada de lesões.

Um estudo estima que até 31 por cento dos americanos pesquisados podem não tomar a vacina.  Isso é muita gente se você extrapolar para toda a população. E é difícil saber realmente quantas pessoas não o farão. A CNN deu a impressão de que os apoiadores de Donald Trump não vão querer a vacina, se esse for o caso, pode ser mais de 50 por cento dos americanos, ou pelo menos todos aqueles que votaram em Trump, o que é um grande número.

Existem inúmeros exemplos, não é apenas dentro da comunidade negra. Várias pesquisas no Canadá e nos Estados Unidos mostraram que o que parece ser uma grande minoria não tomará a vacina. Isso também inclui profissionais médicos. Por exemplo, 50 por cento dos profissionais de saúde e funcionários do hospital no Condado de Riverside se recusaram a tomar a vacina COVID-19. Lembre-se de que o Condado de Riverside, na Califórnia, tem uma população de aproximadamente 2,4 milhões. Uma pesquisa conduzida no Hospital Loretto de Chicago mostra que 40 por cento dos profissionais de saúde não tomarão a vacina COVID-19 quando ela estiver disponível para eles.

A hesitação contra a vacina entre médicos e acadêmicos não é novidade. Para ilustrar isso, costumo citar uma conferência realizada no final de 2019 pela Organização Mundial da Saúde (OMS). Na conferência, a Dra. Heidi Larson, Professora de Antropologia e Diretora Cientista de Risco e Decisão do Vaccine Confidence Project, enfatizou este ponto, tendo afirmado :

Outra coisa que é uma tendência e um problema não é apenas a confiança nos profissionais de saúde, mas a confiança nos médicos. Temos uma linha de frente de profissionais de saúde muito vacilante que está começando a questionar as vacinas e a segurança das vacinas. Isso é um grande problema, porque até hoje qualquer estudo que eu tenha visto … ainda assim, a pessoa mais confiável em qualquer estudo que eu tenha visto globalmente é o provedor de serviços de saúde.

2. O vírus tem uma taxa de sobrevivência de 99,95.

O Dr. Jay Bhattacharya, MD, PhD, da Escola de Medicina da Universidade de Stanford  recentemente compartilhou que a taxa de sobrevivência do Covid-19 para pessoas com menos de 70 anos de idade é de cerca de 99,95 por cento. Ele também disse que o COVID é menos perigoso do que a gripe para crianças. Isso se baseia em aproximadamente 50 estudos publicados e em informações que mostram que mais crianças morreram de gripe nos Estados Unidos do que COVID. Isso também se correlaciona com os dados da Suécia.

Jonas F Ludvigsson, um pediatra do Hospital Universitário de Örebro e professor de epidemiologia clínica no Instituto Karolinska , publicou uma pesquisa mostrando que de quase 2 milhões de crianças em idade escolar, nenhuma morreu de covid-19, apesar de nenhum bloqueio, fechamento de escolas ou mandados de máscara durante a primeira onda do pandemia na Suécia.

Há uma percepção crescente e em fermentação de que o COVID não é mais perigoso do que outras doenças respiratórias graves, que são a segunda principal causa de morte no mundo, e que o covid-19 é semelhante aos coronavírus já existentes que circulam no mundo e em nossos corpos há décadas afetando centenas de milhões de pessoas por ano e matando dezenas de milhões.

Outra questão levantada por muitos, que é matéria de registro público agora , é o fato de que não está claro quantas mortes marcadas como COVID são, e foram, na verdade, resultado de COVID.

Essas são as razões pelas quais as pessoas consideram a vacina desnecessária. Em alguns casos, as pessoas acham que o risco de lesão colateral pela vacina é maior do que o risco de morrer de COVID, o que pode ser [muito] verdade. Este é um debate completamente separado, mas aqui estão os dados do Sistema de Notificação de Eventos Adversos de Vacinas (VAERS) dos EUA:

Este sistema (VAERS) é conhecido por capturar apenas cerca de 1 por cento dos tais “efeitos colaterais” provocados pela vacina. Um estudo piloto do HHS de 2010 pela Agência Federal de Pesquisa em Saúde (AHCR) nos Estados Unidos descobriu que 1 em cada 39 vacinas causa lesões, uma comparação chocante com as alegações do CDC de 1 em cada milhão.

Por exemplo, de 1990 a 2007, houve cerca de 80.000 casos da doença de Kawasaki nos Estados Unidos; durante o mesmo período, apenas 56 casos nos EUA foram notificados ao VAERS – 0,07%. (Hua et al, Pediatr Inf Dis J 2009: 28: 943-947) A causa da KD é desconhecida; é raro, é muito grave e é prevalente entre crianças pequenas e freqüentemente vacinadas. Se algum evento merece notificação imediata ao VAERS, é a doença de Kawasaki, mas isso não acontece.

Lembre-se de que aproximadamente 100 milhões de pessoas nos Estados Unidos já receberam pelo menos uma dose de vacina covid. Além disso, você tem relatos de mortes em todas as redes sociais. Parece haver centenas de exemplos, mas no final do dia, não existe um sistema adequado para rastrear adequadamente as reações adversas [efeitos colaterais] e mortes. A mídia [pre$$titute}  mainstream também não está interessado nessa conversa.

3. Algumas pessoas não sabem o quão segura e eficaz é a vacina

O Dr. Peter Doshi, editor associado do British Medical Journal, publicou um artigo no jornal emitindo uma palavra de cautela sobre as supostas vacinas COVID “95% eficazes” da Pfizer-BioNTech e Moderna, usando a tecnologia mRNA. Ele descreve várias razões pelas quais a eficácia alegada pelas empresas farmacêuticas é questionada. Você também pode ler um artigo que se aprofunda nessa questão que publicamos recentemente aqui.

A vacina está sendo fortemente comercializada como um salvador, o que é o caso de quase todas as vacinas, apesar de muitas preocupações serem levantadas ao longo dos anos. Um grande exemplo é no que diz respeito às vacinas contendo alumínio. Os cientistas descobriram que o alumínio injetado é muito diferente do alumínio ingerido. O alumínio injetado não sai do corpo e pode ser detectado no cérebro anos após a injeção. Isso é “antivax”? Não, é apenas ciência, são preocupações legítimas.

Quando se trata da vacina COVID, existem preocupações, especialmente porque a tecnologia de mRNA usada em vacinas da Pfizer-BioNTech e Moderna é muito recente e não foi testada suficientemente.

Alguns outros jornais levantaram preocupações, por exemplo. Um  estudo  publicado em outubro de 2020 no International Journal of Clinical Practice afirma:

As vacinas COVID-19 destinadas a induzir anticorpos neutralizantes podem sensibilizar os receptores da vacina para doenças mais graves do que se não tivessem sido vacinados. Vacinas para SARS, MERS e RSV nunca foram aprovadas, e os dados gerados no desenvolvimento e teste dessas vacinas sugerem uma séria preocupação mecanicista: que as vacinas projetadas empiricamente usando a abordagem tradicional (consistindo no pico viral do coronavírus não modificado ou minimamente modificado para desencadear anticorpos neutralizantes), sejam eles compostos de proteína, vetor viral, DNA ou RNA e independentemente do método de entrega, podem agravar a doença COVID-19 por meio do aumento dependente de anticorpos (ADE). Este risco é suficientemente obscurecido em protocolos de ensaios clínicos e formulários de consentimento para ensaios de vacinas COVID-19 em andamento que é improvável que ocorra a compreensão [ou que ele seja avisado] adequada do paciente sobre esse risco.

Em um novo  artigo de pesquisa  publicado na Microbiology & Infectious Diseases, o imunologista veterano J. Bart Classen expressa preocupações semelhantes e escreve que “as vacinas COVID  baseadas em  mRNA  têm o potencial de causar mais doenças do que a epidemia de COVID-19”.

Por décadas, Classen publicou artigos explorando como a vacinação pode dar origem a condições crônicas como diabetes tipo 1 e tipo 2 – não imediatamente, mas três ou quatro anos depois.  Neste último artigo, Classen alerta que a tecnologia da vacina baseada em mRNA pode criar “novos mecanismos potenciais” de eventos adversos da vacina que podem levar anos para vir à tona.

Alguns anos atrás, uma equipe de cientistas escandinavos conduziu um  estudo  e descobriu que crianças africanas inoculadas com a vacina DTP (difteria, tétano e coqueluche), durante o início dos anos 1980, tinham uma mortalidade 5-10 vezes maior do que seus pares não vacinados.

Eles afirmam:

Deve ser preocupante que o efeito das vacinações de rotina na mortalidade por todas as causas não foi testado em estudos randomizados. Todas as evidências atualmente disponíveis sugerem que a vacina DTP pode matar mais crianças por outras causas do que salvar da difteria, tétano ou coqueluche. Embora uma vacina proteja as crianças contra a doença-alvo, pode simultaneamente aumentar a suscetibilidade a infecções não relacionadas.

Estou colocando este estudo aqui para mostrar que algumas vacinas podem ter consequências desconhecidas para a saúde a longo prazo, mesmo que ofereçam alguma proteção à doença-alvo.

4. Pode haver proteção contra infecções

Como acontece com a maioria dos vírus, o hospedeiro ganha imunidade contra a infecção. Pegue o vírus do sarampo. Uma criança tem 0,01 de chance de morrer de sarampo, mas se sobreviver ao vírus, terá proteção vitalícia contra o vírus, um sistema imunológico fortalecido e mais desenvolvido, e pode até ter mais proteção possível contra alguns tipos de câncer selecionados.

Além disso, é muito questionável se a vacina MMR é eficaz. Há uma longa história de surtos de sarampo em populações altamente vacinadas. As crianças são obrigadas a tomar uma injeção, depois os anticorpos acabam, então eles são obrigados a tomar uma segunda injeção. Um terceiro parece estar em andamento. Não está nem claro se a vacina é mais perigosa que o sarampo ou não .

Martin Kulldorff, professor de medicina da Universidade Harvard e especialista em segurança de vacinas  , tuitou recentemente :

Depois de se protegerem enquanto a classe trabalhadora era exposta ao vírus, os #Zoomers vacinados  agora querem #VaccinePassports onde a imunidade de infecção anterior não conta, apesar de evidências mais fortes de proteção. Mais um ataque aos trabalhadores. 

Ele também twittou recentemente:

A confiança em #vaccines  está diminuindo, mas não culpe o pequeno grupo de antivaxxers. São aqueles que estão promovendo #VaccinePassports,  argumentando que todos devem ser vacinados, e aqueles que censuram as discussões sobre vacinas que estão minando a confiança nas vacinas.

Existem vários estudos sugerindo a opinião do professor, que aqueles que foram infectados com covid podem ter imunidade por anos, e possivelmente décadas. Por exemplo, de acordo com um novo estudo de autoria de cientistas respeitados em laboratórios importantes, os indivíduos que se recuperaram do coronavírus desenvolveram níveis “robustos” de células B e células T (necessárias para combater o vírus) e “essas células podem persistir no corpo por muito, muito tempo”. Este é apenas um de muitos exemplos. Existem estudos que sugerem a infecção por coronavírus anteriores, que antes de COVID-19 circulavam o globo infectando centenas de milhões de pessoas a cada ano, também podem fornecer proteção contra COVID-19.

The Takeaway

No final das contas, existem muitas preocupações sobre a vacina COVID, sua eficácia e sua segurança a curto e longo prazo. Apesar dessas preocupações, a vacina é amplamente comercializada como inquestionavelmente “segura e eficaz”. Uma quinta categoria poderia ter sido adicionada a este artigo, que é o ridículo e o reconhecimento de outros tratamentos eficazes e baratos que demonstraram ter um tremendo sucesso. Parece que esses tratamentos teriam tornado a vacina inútil e desnecessária, mas a vacina é um produto de vários bilhões de dólares.

Temos que considerar essas coisas nos dias de hoje. Será que os “poderes constituídos” realmente preveniriam e ridicularizariam tratamentos que poderiam ter salvado muitas vidas, e podem salvar muitas vidas e torná-los inúteis e perigosos, apesar de tantas evidências que dizem o contrário, fazer com que a vacina seja percebida como a única solução.

Queremos realmente viver em um mundo onde damos a um pequeno grupo de pessoas a capacidade de impor vacinas para ter acesso a certas liberdades que desfrutávamos antes da pandemia pelo COVID-19? Isto está certo? Isso é ético? Se permitirmos que eles façam isso, o que mais vamos permitir que eles façam no futuro? Pensamos que muito em breve descobriremos …


“Parece duvidoso se, de fato, a política de “Botas no rosto” pode continuar indefinidamente.  Minha própria convicção é que a oligarquia governante encontrará maneiras menos árduas e perdulárias de governar e de satisfazer sua ânsia de poder, e essas formas serão semelhantes às que descrevi em Admirável Mundo Novo [uma verdadeira profecia publicada em 1932]

Na próxima geração, acredito que os governantes do mundo descobrirão que o condicionamento INFANTIL e a narco-hipnose são mais eficientes, como instrumentos de governo, do que e prisões e campos de concentração, e que o desejo de poder pode ser completamente satisfeito sugerindo às pessoas que amem sua servidão ao invés de açoita-los e chutando-os até à obediência. ”  Carta de Aldous Huxley  EM 1949 para George Orwell autor do livro “1984” 


Mais informação adicional:

Permitida a reprodução, desde que mantido no formato original e mencione as fontes.

www.thoth3126.com.br

5 Responses to Quatro razões pelas quais pessoas ‘conscientes’, médicos e cientistas recusam a tomar vacinas Covid

  1. Leandro

    Muito obrigado por compartilhar esse post.
    Mais pessoas deveriam ler e compartilhar.

  2. Marlene

    Excelente! Gratidão!!!!

  3. Silvio J. B. Maia

    Quem não sabe se for para saber vai acabar sabendo que isso tudo resulta das ações fundidas de um lado dos dominadores do mundo e de outro dos chineses, para a redução populacional.
    Nossos cientistas podem até produzir medicações e vacinas razoáveis, mas, na hora de serem encaminhadas ao consumo, um dos dois (ou os dois) “sócios” acima vão botá-los na parede e dizer coisa assim “Bota veneno nisso e leva uma grana ou morre”.
    Questão de fé raciocinada: quem não sabe disso e merecer será protegido pelo suporte sideral; e quem souber e duvidar pagará conforme sua culpa nesse cartório.

  4. Maria Ermelinda Sequeira Paixão

    CLARO COMO ÁGUA!!!
    UM GRANDE E MUITO BEM ELABORADO ESQUEMA PARA REDUZIR AO
    MÁXIMO A POPULAÇÃO MUNDIAL E… ABSOLUTAMENTE MAIS NADA
    QUE POSSA TER UTILIDADE ALÉM DE UNICAMENTE ISSO.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.