Quem são os Houthis do Iémen? Eles desafiam os EUA, Israel, Arábia Saudita e prometem Resistência

Nos seus 20 anos de existência, o movimento Houthi habituou-se às lutas contínuas pela sua fé e país xiitas. A imensa maioria das pessoas só está ciente das questões globais que são notícia nas Pre$$tituta$. Se a mídia não noticia a história, sentimos que o problema não existe. Por esta razão, ao contrário dos acontecimentos na Síria, no Iraque ou no Afeganistão, a crise no Iémen permaneceu durante muito tempo um assunto vago e distante para a maioria das pessoas em todo o mundo. 

Quem são os Houthis do Iémen? Eles desafiam os EUA, Israel, Arábia Saudita e prometem Resistência

Fonte: Rússia Today

“Para meu grande pesar, os iemenitas não conseguem lidar com a situação sozinhos. Mas os principais intervenientes da região e a comunidade internacional podem ajudar, porque é nas suas mãos que a solução existe. Portanto, pedimos-lhes que ajudem o nosso país e o nosso povo a acabar com a guerra, a sentar as partes em conflito na mesa de negociações, a iniciar a procura de uma solução que vá ao encontro dos interesses de todas as forças no Iémen, na região e no mundo. . A segurança e a estabilidade no Iémen são parte integrante da segurança e da estabilidade na região e no mundo.” 

– Ali Nasir Muhammad, antigo Presidente do Iémen do Sul (1980-86); citação de uma conferência do Valdai Club, fevereiro de 2018

Mas hoje em dia, quando os houthis iemenitas se voltaram contra os Estados Unidos e os seus aliados, as coisas mudaram subitamente. O movimento Houthi foi o único grupo na região que ousou dizer a verdade sobre os acontecimentos na Palestina e defender os palestinos.

De repente, todos começaram a falar sobre eles. Em 12 de janeiro, os EUA e o Reino Unido atacaram os Houthis no Iémen. O ataque foi uma resposta ao bloqueio que os Houthis impuseram aos navios israelenses (bem como aos navios que navegavam de e para Israel) no Mar Vermelho.

Milhões de pessoas em todo o mundo apoiam os Houthis, oficialmente conhecidos como o movimento “Ansar Allah”. É oportuno descobrir mais sobre este movimento e obter uma compreensão mais profunda do que tem acontecido no Iémen.

Guerra sem fim 

É muito difícil surpreender o povo do Iémen com bombardeamentos. Durante muitos anos, uma guerra sangrenta assolou a região entre as autoridades e os insurgentes Houthi. A situação piorou em 2015, quando uma coligação árabe liderada pela Arábia Saudita interveio no conflito.

De acordo com o Centro para os Direitos Humanos e Desenvolvimento do Iémen, mais de 10.000 civis foram mortos no país em três anos de combates. As vítimas incluíram quase 2.000 mulheres e 2.500 crianças.

Em Novembro de 2017, a Arábia Saudita e os seus aliados decidiram fechar todos os portos terrestres, marítimos e aéreos do Iémen. Como resultado, o país devastado foi submetido a um bloqueio total, que resultou num desastre humanitário. Além daqueles que morreram no campo de batalha, milhares morreram de fome e cólera. Quando os principais portos do país e a ponte aérea para Marib foram finalmente desbloqueados e os iemenitas puderam receber ajuda humanitária, isso não resolveu totalmente o problema. Atualmente, mais de 70% da população ainda necessita de ajuda humanitária. 

Os Houthis aparecem

O Iémen mergulhou no caos após a unificação do Iémen do Sul e do Iémen do Norte em 1990. O conflito atual começou com uma disputa entre sunitas e xiitas em 2004. Em Saada, uma cidade no noroeste do Iémen, os xiitas manifestaram-se contra as autoridades sunitas, que, segundo eles, os oprimiam por motivos religiosos e eram corruptos. A minoria religiosa declarou que queria a independência e logo começou uma revolta armada. 

A rebelião foi liderada pelo líder imã xiita Hussein Badreddin al-Houthi, que foi morto no final de 2004. É por isso que os combatentes do movimento são agora chamados de “Houthis”. No entanto, oficialmente o movimento é chamado de ‘Ansar Allah’ (“Apoiadores de Deus”).

Após a morte de Hussein, seu irmão Abdul-Malik al-Houthi assumiu o posto e os combates continuaram. As autoridades iemenitas chamaram os Houthis de “quinta coluna pró-iraniana”. Em resposta, o movimento acusou o establishment político do Iêmen de traição e de servir aos interesses do Movimento religioso Wahhabi da Arábia Saudita. Contudo, em 2010 as partes conseguiram chegar a um acordo e foi estabelecida uma trégua há muito esperada. Mas isso não durou muito.

Em 2010-2011, a chamada série de revoltas revolucionárias da Primavera Árabe [criada pela CIA/MI6 e Mossad] espalhou-se por todo o Oriente Médio, incluindo o Iémen. Milhares de residentes furiosos saíram às ruas exigindo a renúncia do presidente Ali Abdullah Saleh, que governou o país durante 33 anos. Durante muito tempo, o presidente resistiu e até sobreviveu a uma tentativa de assassinato, mas acabou sendo forçado a renunciar.

Em novembro de 2011, enquanto estava na Arábia Saudita, Saleh renunciou. Em fevereiro de 2012, o pró-saudita Abdrabbuh Mansur Hadi foi eleito presidente. A propósito, as alegações dos Houthis’ de que a Arábia Saudita interferiu nos assuntos internos do Iémen não são de forma alguma infundadas.

Termina a Primavera Árabe, começa a guerra

A demissão de Saleh e a chegada ao poder de um novo líder certamente não resolveram os problemas do país. Pelo contrário, os rebeldes tornaram-se ainda mais poderosos e a corrupção aumentou, enquanto o número de pobres e desempregados cresceu. 

No meio do ódio e dos conflitos civis, os Houthis pegaram novamente em armas, e desta vez lutaram não só contra as autoridades, mas também contra militantes da Al-Qaeda, o partido Al-Islah (a versão local da ‘Irmandade Muçulmana’), e outros radicais. O recém-eleito presidente, que não quis estabelecer um diálogo com os Houthis, apenas colocou lenha na fogueira.

Como resultado, no verão de 2014, os combatentes do Ansar Allah assumiram o controle das províncias de Amran e Saada, no norte, e as libertaram dos terroristas. Quando os Houthis chegaram à capital, Sanaa, Hadi foi forçado a fugir para Aden. Quando Aden também foi tomada pelos xiitas, o presidente iemenita fugiu para a Arábia Saudita.

Aliás, o presidente deposto inicialmente ficou do lado dos Houthis. Apesar das inúmeras tentativas dos inimigos para quebrar a sua aliança, a cooperação entre Saleh e os Houthis parecia bastante forte – pelo menos naquela altura. 

Arábia Saudita entra no jogo

As vitórias dos Houthis no campo de batalha não apenas expulsaram Hadi do país. Também causaram uma forte reação na Arábia Saudita. Em março de 2015, o Reino Saudita anunciou o início de uma operação militar internacional contra a organização Ansar Allah, que agora declarou uma organização terrorista. Unidos pela ideia de “xiifobia”, formou-se uma coligação árabe que incluía o Qatar, os Emirados Árabes Unidos, a Jordânia, o Bahrein, o Kuwait, o Sudão do Norte, o Egito e o Paquistão. 

Mais tarde, representantes do Programa Alimentar Mundial da ONU (PAM) culparam Riad pela crise humanitária no Iémen.

“A Arábia Saudita deveria financiar 100% [das necessidades] da crise humanitária no Iêmen”, disse o Diretor Executivo do PMA, David Beasley. “Ou parar a guerra ou financiar a crise. A terceira opção é fazer as duas coisas.”

Fim da aliança Saleh-Houthi

“Isto também passará” – acredita-se que essas palavras tenham sido gravadas no anel do rei Salomão. E mais uma vez o ditado se mostrou verdadeiro. Saleh e os Houthis – que outrora lutaram lado a lado contra a intervenção estrangeira e as autoridades – acabaram por se tornar inimigos ferrenhos. No entanto, isso não foi surpreendente. O ex-presidente estava ansioso para recuperar o poder e tratava os Houthis apenas como aliados situacionais.

Em Novembro de 2017, o movimento Ansar Allah tentou prender Saleh e a sua família. Na ocasião, os lados conseguiram chegar a um acordo. Mas então, eclodiu um conflito armado entre as partes. Saleh chamou os Houthis de “rebeldes” e acusou-os de incitar uma guerra civil. Ele também apelou à Arábia Saudita para que levantasse o bloqueio e iniciasse o diálogo. Os combates ceifaram a vida de centenas de pessoas de ambos os lados. O próprio Saleh foi assassinado. 

Conclusão

Os iemenitas não são estranhos à guerra e aos bombardeamentos. Resistiram à pressão dos países vizinhos e, com a ajuda do Irã, tornaram-se mais fortes ainda em termos militares. Apesar das suas armas modernas e dos investimentos consideráveis ​​neste esforço, a coligação anti-Houthi não foi capaz de derrotar o Ansar Allah. O grupo conseguiu até organizar unidades de defesa antimísseis, atacar uma área perto do aeroporto internacional de Riad na Arábia Saudita e atacar bases militares sauditas.

E agora os Houthis do Iémen estão desafiando abertamente os Estados Unidos, os europeus e Israel.

Por Abbas Juma, jornalista internacional, comentarista político e especialista em Oriente Médio e África


“E ouvireis falar de GUERRAS e de rumores de GUERRAS; olhai, não vos assusteis, porque é mister que isso tudo aconteça, mas ainda não é o fim.  Porquanto se levantará nação contra nação, e reino contra reino, e haverá FOMES, PESTES e TERREMOTOS, em vários lugares. Mas todas estas coisas são [APENAS] o princípio de dores.  –  Apocalipse 13:16


Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Receba nosso conteúdo

Junte-se a 4.326 outros assinantes

compartilhe

Últimas Publicações

Indicações Thoth