Entre ou
Cadastre-se

Compartilhe
Receba nosso conteúdo

Raiva dos franceses ‘Muda de Foco’ para se concentrar em Emmanuel Macron

O adiamento de uma visita de Estado do [vampiro] rei britânico Carlos III [descendente de Vlad Dracul] à França tornou-se quase inevitável: a ótica do presidente Emmanuel Macron jantando com o monarca britânico no Château de Versailles enquanto Paris queimava em meio aos protestos não seria apenas ruim, mas teria parecido uma provocação descarada para os operários liderando uma onda de manifestações e greves em todo o país.

Raiva dos franceses ‘Muda de Foco’ para se concentrar em Macron

Fonte: SeattleTimes.com

Esses protestos massivos e literalmente incendiários mudaram de caráter na semana passada. Eles ficaram mais raivosos e, em algumas cidades, mais violentos – especialmente após o anoitecer. Eles têm falado menos sobre a fúria com o aumento da idade de aposentadoria de 62 para 64 anos, e mais sobre Macron e a maneira como ele tiranicamente forçou a lei no parlamento sem votação total.

Finalmente, eles se ampliaram em algo que se aproxima de uma crise constitucional e a dissociação do governo com os governados.

“Passamos de uma crise social relacionada à aposentadoria para o início de uma crise democrática”, disse Laurent Berger, líder da Confederação Democrática Francesa do Trabalho, o maior e mais moderado sindicato da França, em entrevista. “A raiva está aumentando e diante de nós temos um presidente que não vê essa realidade.”

Pichações rabiscadas na parede de um prédio de Paris – “Você me elege, eu decido, e você cala a boca” – resumia uma visão crescente de Macron como um governante de cima para baixo e desdenhoso e se afastando do povo. Outro grafite pergunta – “Carlos III, você conhece a guilhotina?” – capturou a maneira como a visita real agora cancelada levou a uma fusão do rei britânico e um presidente francês visto por seus críticos como monárquico [mas é apenas mais um marionete, dos khazares Rothschild].

A França gosta de sonhar e flertar com revolução, sempre reencenando a revolta popular de 1789 que levou à guilhotina os pescoços do rei e da rainha e à abolição da monarquia três anos depois. O país quase certamente não está à beira de uma nova convulsão transformadora deste quilate . . . ainda.

Mas os franceses parecem sentir que Macron cruzou uma linha vermelha. Pichações rabiscadas na parede de um prédio de Paris – “Você me elege, eu decido, e você cala a boca” – resumia uma visão crescente de Macron como um governante de cima para baixo e desdenhoso afastando o povo.

Ele impôs sua vontade de garantir uma lei que nunca foi votada pela câmara baixa do Parlamento, em um momento em que as pesquisas mostravam que dois terços da população se opunham à medida. Seu apoio caiu para 28%, de acordo com as pesquisas, o menor desde o início do levante social dos coletes amarelos em 2018.

O artigo 2º da Constituição francesa diz que o princípio da república é [deveria ser] “o governo do povo, pelo povo e para o povo”. O artigo 3º diz que “a soberania nacional pertence ao povo, que a exerce por meio de seus representantes e por meio de referendo”.

Mas o Artigo 49.3, agora usado 100 vezes desde a fundação da Quinta República em 1958 e 11 vezes pelo governo de Élisabeth Borne, a primeira-ministra escolhida por Macron no verão passado, permite que o governo aprove um projeto de lei sem votação, desde que coloca sua própria sobrevivência em risco em uma votação parlamentar.

O governo sobreviveu por pouco a este voto de desconfiança esta semana, por apenas nove votos. É claro que a votação de um projeto de lei e a votação da sobrevivência de um governo são duas coisas diferentes. Eles carregam peso diferente.

De fato, é precisamente porque Macron julgou que seu projeto de lei que aumentava a idade de aposentadoria poderia não sobreviver a uma votação, mas seu governo tinha uma chance melhor de fazê-lo, que ele optou por usar o 49,3 de cima para baixo, visto por seus críticos como anti- democrático.

Foi uma aposta arriscada e a repercussão negativa foi intensa [para o ‘peão’ dos Rothschilds].

Um blog hospedado pelo Mediapart, um site de investigação on-line, sugeriu que uma versão mais precisa do artigo 3 da constituição seria:

“A soberania nacional pertence ao povo, que a exerce por meio de seus representantes e por meio de referendo, exceto em casos excepcionais casos em que o desejo do povo soberano é julgado inadequado pelo presidente”.

A crescente rejeição à presidência toda-poderosa concebida por Charles de Gaulle para a Quinta República, após o caos parlamentar da Quarta República, foi alimentada pela intransigente entrevista televisiva de Macron esta semana.

Nele, ele disse que “não aceitaria insurgentes ou facções” em um momento em que “os Estados Unidos viviam o que viviam no Capitólio”.

Muitas pessoas acharam provocativa a analogia de Macron entre os protestos franceses contra uma lei impopular, que só se transformou em violência nos últimos 10 dias, e o ataque da multidão ao Capitólio em Washington em 2021.

“O que vimos é a extrema verticalidade do poder do sr. Macron”, disse Berger. “Nosso sindicato gostaria de negociar e chegar a um acordo, mas para isso você precisa de dois à mesa.” Desde janeiro, ele disse, ele e seu sindicato não foram recebidos por Macron, Borne ou Olivier Dussopt, o ministro do Trabalho.

Na entrevista à televisão, Macron também disse que sentia um solene senso de responsabilidade para garantir que o sistema previdenciário francês permanecesse viável, argumentando que isso era impossível com os trabalhadores ativos sendo solicitados a sustentar cada vez mais aposentados que vivem mais.

A reforma, na visão de Macron, é essencial para uma economia estável e dinâmica. As reformas econômicas anteriores durante sua presidência levaram a uma queda acentuada no desemprego. A criação de empregos e o investimento estrangeiro aumentaram. O setor de tecnologia francês cresceu exponencialmente.

Mas grande parte da França agora está zangada demais para ouvir as lições econômicas de Macron.

“Mais e mais pessoas estão em um ponto de combate e não querem ouvir a linguagem da moderação”, disse Guy Groux, especialista em sindicatos franceses da Sciences Po em Paris. “Os manifestantes estão se separando dos sindicatos e indo para as ruas a noite toda.”

Mais uma grande manifestação e greves foram convocadas para terça-feira, um dos motivos do adiamento da visita real britânica. Com mais de 1 milhão de pessoas nas ruas na quinta-feira, de acordo com o Ministério do Interior (estimativas sindicais foram muito maiores), os protestos não mostram sinais de diminuir.

Tampouco [o rei] Macron deu sinais de fazer um gesto conciliatório. “É hora de Macron mostrar empatia, acalmar as coisas, tranquilizar as pessoas”, disse Berger, pedindo diálogo e uma pausa na aplicação da lei. “Ele precisa ouvir o batimento cardíaco francês.”

Durante a pandemia do COVID-19, Berger acrescentou: “Colocamos o ser humano de volta no centro da vida e fizemos algumas coisas incríveis. E agora, de repente, voltamos para onde estávamos antes. Você não pode fazer isso. As pessoas querem consideração, querem ser ouvidas e querem ser protegidas”.

Por enquanto, há poucos sinais disso por parte do governo.

Mas, disse Philippe Labro, escritor e comentarista político, o cancelamento de última hora da visita do rei Carlos III sugere que “os centros de poder agora estão com medo” [estão descobrindo que, em breve, vão ficar SEM PODER NENHUM].


Nota de Thoth: O que esperar de um fantoche dos judeus khazares Rothschild, colocado na presidência da França, não para governar para os franceses, mas para implementar agendas de interesses dos globalistas, et caterva? Podemos inferir o seu governo e nível de conduta ao analisarmos o conteúdo à seguir:

A esposa do presidente francês Brigite Macron propôs ‘FALO e BOLAS DE OURO’ para a reconstrução da catedral Notre Dame

A esposa [transgênero?] do presidente francês Emmanuel Macron pressionou para que o teto da catedral de Notre Dame fosse reconstruída na forma de um falo com bolas de ouro, revelou a ex-ministra da cultura francês.

De acordo com um livro de memórias, “682 joursle bal des hypocrites” [ 682 dias, a bola dos hipócritas] publicado por Roselyne Bachelot, a esposa de Macron, Brigitte Macron a abordou com o design fálico depois de a pressionar pelo design de pináculo “mais contemporâneo”.

Incêndio que engolfou a catedral gótica de Notre-Dame de Paris em 15 de abril de 2019.

Ela também observa que o governo Macron acusou a ex-ministra de “apenas fazer o que lhe agradava” em relação à reconstrução da Catedral.

“Quando voltei ao ministério, o escritório estava em estado de estresse: o Palácio do Eliseu sonhava com um ‘gesto arquitetônico contemporâneo’ [um pênis gigante com bolas de ouro, o Hospício ocidental não tem limites . . .] e me acusava de fazer apenas o que me agradava”, ao propor a restauração original do monumento, escreve ela:

“Não me arrependo dessa insubordinação quando, em um almoço com Brigitte Macron alguns dias depois, ela me mostra um projeto encimado por uma espécie de falo ereto com sua base cercada por duas bolas douradas.”

Para ser franco, a primeira-dama da França queria um PÊNIS em vez da torre de Notre-Dame-de-Paris. O projeto de reconstrução de Notre-Dame apresentado por Brigitte Macron incluía um “sexo ereto” cercado por “bolas de ouro” [em um monumento histórico dedicado à energia Feminina da Deusa . . .]

Foi um dos vários projetos distintos propostos por arquitetos, depois que o presidente Macron endossou abertamente “um gesto arquitetônico ‘contemporâneo‘… já que a torre não fazia parte da catedral original”.


E os dez chifres que viste são dez reis, que ainda não receberam o reino, mas receberão poder como reis por uma hora, juntamente com a BESTA. Estes têm um mesmo intento, e entregarão o seu poder e autoridade à besta. Estes combaterão contra o Cordeiro, e o Cordeiro os vencerá, porque é o Senhor dos senhores e o Rei dos reis; Vencerão os que estão com Ele, Chamados, e Eleitos, e Fiéis. E disse-me: As águas que viste, onde se assenta a prostituta [ROMA], são povos, e multidões, e nações, e línguas“. – Apocalipse 17:12-15

O atributo alt desta imagem está vazio. O nome do arquivo é nabucodonoor-estatua-daniel.png

A estátua do sonho de Nabucodonosor, um símbolo daquilo que a humanidade construiria na Terra. Os dias de insanidade da atualidade estão contados, muito em breve, a “Grande Prostituta”, a cidade de Roma será varrida da face da Terra, dando início a derrota completa dos servidores das trevas e o fim de seus planos nefastos para o controle do planeta. Em 2023 o Brasil terá um papel decisivo na Guerra entre a Luz e as trevas.


“Precisamos URGENTEMENTE do seu apoio para continuar nosso trabalho baseado em pesquisa independente e investigativa sobre as ameaças do Estado [Deep State] Profundo, et caterva, que a humanidade enfrenta. Sua contribuição, por menor que seja, nos ajuda a nos mantermos à tona. Considere apoiar o nosso trabalho. Disponibilizamos o mecanismo Pay Pal, nossa conta na Caixa Econômica Federal  AGENCIA: 1803 – CONTA: 000780744759-2, Operação 1288, pelo PIX-CPF 211.365.990-53 (Caixa)”. para remessas do exterior via IBAN código: BR23 0036 0305 0180 3780 7447 592P 1


Saiba mais, leitura adicional:

Permitida a reprodução desde que mantida a formatação original e a citação das fontes.

2 respostas

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *