Entre ou
Cadastre-se

Compartilhe
Receba nosso conteúdo

Rota da Seda do Iraque: Projeto de porto e canal para modificar Influência Geopolítica de Bagdá

Os dois ambiciosos projetos de corredores comerciais do Iraque apresentam uma oportunidade para uma Bagdá sitiada melhorar seu status geopolítico e estabelecer a sua independência econômica. “O transporte marítimo é a espinha dorsal do comércio internacional e da economia global. Mais de 80% do volume do comércio internacional de mercadorias é transportado por via marítima”, de acordo com a Conferência das Nações Unidas sobre Comércio e Desenvolvimento (UNCTAD).

Rota da Seda do Iraque: projeto de porto e canal definido para transformar a influência geopolítica de Bagdá

Fonte: The Cradle – Por Mohamad Hasan Sweidan

As nações costeiras têm vários graus de importância econômica com base em sua localização geográfica. A região da Ásia Ocidental – desde a Turquia do Mar Mediterrâneo ao Golfo Pérsico – tem importância estratégica fundamental como porta de entrada entre a Ásia e as economias dos países da Europa. 

Sua posição geográfica única impulsiona o investimento em infraestrutura [portos, rodovias, canais, refinarias, etc] – para atrair as principais economias a confiar em suas passagens e para solidificar o papel da região no transporte de mercadorias entre os dois continentes.

O projeto Grand Faw Port

Nesse contexto, o Iraque lançou dois grandes projetos destinados a se tornar um elo vital entre a Ásia e a Europa e aumentar sua importância geopolítica. O projeto Grand Faw Port, iniciado em 2010, é um desses esforços.

Localizado na costa de Al-Faw, na província de Basra, no sul do Iraque, que fica no norte do Golfo Pérsico, o porto busca oferecer uma alternativa às rotas de trânsito tradicionais, incluindo o Canal de Suez no Egito. Depois que os jornais iraquianos começaram a promover o porto de Grand Faw como uma passagem substituta, isso causou alarme em países como o Egito, que obtém benefícios financeiros significativos com o trânsito de navios de mercadorias pelo Suez.

O projeto enfrentou longos atrasos devido a dificuldades financeiras e outros problemas. No entanto, em 2020, Bagdá assinou um contrato de US$ 2,625 bilhões com a Daewoo Engineering & Construction da Coréia do Sul para construir a primeira fase do porto em quatro anos.

Desde então, o Ministério dos Transportes do Iraque tem trabalhado em cooperação com o setor privado para acelerar a conclusão do projeto, reconhecendo sua importância estratégica e econômica para o Iraque. Espera-se que o porto comece a operar em 2024 e esteja totalmente concluído até 2025, de acordo com o ministério.

O Grand Faw Port foi projetado para incluir 50 berços (17 km de comprimento, capacidade de 25 milhões de contêineres/ano), 20 berços não conteinerizados (5 km, 50 milhões de toneladas/ano) 20 berços para mercadorias em geral (5 km), um carro berço (400.000 carros/ano), 6 berços de exportação de petróleo (230.000 bpd) e tanques para importação de derivados de petróleo (300.000 metros cúbicos).

Com 99 berços, Grand Faw será o maior porto da Ásia Ocidental, superando Jebel Ali Port nos Emirados Árabes Unidos, que tem apenas 67 berços de contêineres.

O Projeto do Canal Seco

Paralelamente, o Iraque está trabalhando no projeto Dry Canal [Canal Seco], que consistirá em ferrovias, rodovias e oleodutos e gasodutos para ligar o porto de Grand Faw do Iraque à Europa, diretamente através da Turquia ou via Síria. Isso potencialmente transformará o Iraque em um importante centro de transporte de grandes quantidades de mercadorias entre a Ásia e a Europa e entre o leste e o oeste.

Em dezembro de 2022, a conferência “Grand Faw Port and Dry Canal: Future Visions and Investment Opportunities” foi realizada em Basra. Farhan al-Fartousi, diretor-geral da Iraqi Ports Company, referiu-se ao porto e ao canal como a “Rota da Seda” do Iraque, chamando-os de projetos econômicos e estratégicos mais importantes da região.

Fartousi enfatizou que os dois projetos vão mudar o mapa da economia global, reduzindo em 20 a 25 dias o tempo de trânsito dos navios que viajam das hidrovias da Ásia Ocidental e do Mar Vermelho, via Canal de Suez, para a Europa, e reduzindo os custos de transporte em dezenas de milhões de dólares.

Mapa dos projetos de Al Faw Port e Dry Canal no Iraque (Crédito da foto: The Cradle)

Capturando o interesse da China

De acordo com cálculos do Centro de Estudos Estratégicos e Internacionais (CSIS), com sede em Washington, cerca de 20% do comércio marítimo global e 60% dos fluxos comerciais da China passam pelo Estreito de Malaca e pelo Mar da China Meridional, tornando-o o mais importante rota marítima para a economia chinesa.

Devido à sua localização geográfica conectando as principais economias asiáticas da Índia, China, Taiwan e Filipinas à economia global, o Estreito de Malaca tornou-se uma arena para conflitos políticos e operações de pirataria. Esses empecilhos contínuos levaram Pequim a buscar rotas alternativas para o Oceano Índico, a fim de evitar o “dilema de Malaca” ou assédio de navios por piratas no estreito.

Em 2013, a China anunciou o Corredor Econômico China-Paquistão (CPEC). Faz parte da ambiciosa Iniciativa do Cinturão e Rota (BRI) de muitos trilhões de dólares, ligando a província de Xinjiang, no noroeste da China, ao porto paquistanês de Gwadar, no Oceano Índico – a apenas 400 km do Estreito de Ormuz porta de entrada do Golfo Pérsico – por meio de uma rede de estradas, ferrovias e oleodutos para o transporte de mercadorias, petróleo e gás.

O corredor, cuja conclusão está prevista para 2030, oferece à China uma maneira mais curta e barata de negociar com a maioria dos países da Ásia e da África. Também conecta a China diretamente com o Oceano Índico e a Ásia Ocidental e, significativamente, reduz a dependência de Pequim do Mar da China Meridional, que se tornou uma zona de conflito político entre a China e várias potências regionais e internacionais, como Japão, Filipinas e, principalmente, os Estados Unidos.

Como o Iraque se relaciona com o BRI

Com a chegada das mercadorias ao porto de Gwadar com vista para o Mar Arábico, o Iraque ganha grande importância para a China, que busca rotas rápidas e baratas para levar produtos à Europa.

O Grand Faw Port e o Dry Canal fornecem a Pequim uma passagem essencial para o transporte de suas mercadorias para o Velho Continente. O Iraque, portanto, aspira que o porto de Grand Faw faça parte do BRI, especialmente porque o Dry Canal reduzirá o tempo de chegada de mercadorias à Europa em 25 dias e reduzirá os custos de envio pela metade.

Entre 2005 e meados de 2022, os investimentos chineses na Ásia Ocidental e nos países árabes da África totalizaram US$ 2,25 trilhões, representando 12,6% do total de investimentos da China no exterior. Nesse período, o Iraque ocupou o terceiro lugar entre os países que atraíram investimentos chineses na região.

Uma vez que os portos são uma rota chinesa essencial para os mercados mundiais, Pequim manifestou interesse em construir o Porto Grand Faw em Basra. Em setembro de 2019, o Iraque fechou um acordo com a China para ajudar a garantir os fundos necessários, conhecidos como Petróleo para Reconstrução.

O acordo  estabelecia um fundo no qual o Iraque depositaria as receitas de 100 mil barris de petróleo vendidos diariamente a duas empresas chinesas, enquanto o restante viria de empréstimos de bancos chineses com limite de US$ 10 bilhões.

Mas o acordo, que deveria durar 20 anos, foi arquivado devido aos protestos iraquianos que eclodiram um mês depois, à pandemia global, à queda nos preços do petróleo e ao atraso de Bagdá na aprovação do orçamento de 2020.

Algumas facções políticas iraquianas acusaram o ex-primeiro-ministro Mustafa Al Kadhimi de se inclinar demais para os EUA e seus aliados – às custas da China – e se curvar às exigências de Washington para anular o acordo com a China. Sua campanha se intensificou depois que o governo de Kadhimi em dezembro de 2020 selecionou a Daewoo Engineering and Construction Company da Coreia do Sul para construir o Porto Grand Faw.

Um corredor para o trânsito de energia

Após a eclosão da guerra OTAN-Rússia na Ucrânia, a Europa decidiu reduzir sua dependência de fontes de energia russas, especialmente gás natural liquefeito (GNL). O Catar, que possui a terceira maior reserva de gás do mundo, tornou-se a opção mais destacada para substituir o gás russo, mas seu alto custo devido às despesas de embarque permanece um desafio ao aumentar os custos.

Mapa da rota de GNL muito mais curta (em vermelho) do Qatar para a Europa, através de novas rotas de trânsito iraquianas (Crédito da foto: The Cradle)

A longo prazo, com a conclusão da construção do Grand Faw Port e do Dry Canal, o Iraque pode se tornar uma rota de trânsito essencial para o gás do Catar para a Europa via Turquia. A distância de embarque do Catar para a Europa será bastante reduzida se o corredor de trânsito iraquiano for adotado e reduzirá significativamente os custos. No entanto, isso requer um acordo entre os dois países para ligar o gás do Catar aos oleodutos iraquianos e estabelecer estações receptoras de gás do Catar dentro do Iraque.

Relações com os curdos

Da mesma forma, o Canal Seco é uma passagem importante para o transporte de petróleo e gás iraquiano para a Europa. Inclui oleodutos de Al-Faw, no sul do Iraque, até a fronteira com a Turquia, no norte, passando pela região do Curdistão e depois até a fronteira com a Síria. Assim, o Canal permite que o Iraque entregue seu petróleo e gás à Europa, seja diretamente pela Turquia ou pela Síria.

De acordo com os procedimentos da mencionada conferência Grand Faw Port realizada em Basra no final do ano passado, “a oportunidade de se conectar através da região do Curdistão parece mais realista do que através da Síria”. No entanto, para que a Europa se beneficie dos recursos energéticos iraquianos, uma miríade de problemas entre o governo central de Bagdá e o Governo Regional do Curdistão (KRG) deve ser resolvida primeiro.

A aproximação entre Erbil e Bagdá permitirá ao Iraque aumentar sua produção de energia por meio de investimentos no Curdistão iraquiano e se refletirá na queda dos preços do petróleo. A região do Curdistão também tem reservas comprovadas de gás de mais de 25 trilhões de pés cúbicos, equivalentes a 20% do total de reservas comprovadas de gás no Iraque.

Nesse caso, o Iraque, que atualmente importa entre 30 e 40 por cento de suas necessidades de gás do Irã, pode reduzir a dependência investindo nos campos de gás do Curdistão e exportando gás para a Europa através do Dry Canal via Turquia.

Posição geopolítica de Bagdá

Talvez isso explique a atividade recente de Amos Hochstein, o Coordenador Especial dos EUA para Infraestrutura Global e Segurança Energética, que visitou Bagdá em meados de janeiro para se encontrar com o primeiro-ministro iraquiano Mohammed Al Sudani. Hochstein também falou por telefone com o primeiro-ministro da região do Curdistão, Masrour Barzani, durante o qual eles concordaram com a necessidade de remover todos os obstáculos ao desenvolvimento do setor de energia do Iraque.

Embora o Canal Seco e o Porto de Grand Faw ofereçam oportunidades para o Iraque impulsionar sua posição geopolítica, desafios internos, como má administração, corrupção e divisão política, e desafios externos, como a competição de investimentos entre a China e os EUA, apresentam obstáculos ao sucesso da iniciativa.

Embora os projetos representem uma ameaça para alguns países da região, eles oferecem benefícios para outros, como Irã, Turquia, Catar e Síria. O Irã, por exemplo, manifestou interesse em ligar suas ferrovias ao canal para oportunidades comerciais. Apesar do impacto potencial na economia do Iraque e nas relações com outros países, os desafios não serão fáceis de serem superados.

As opiniões expressas neste artigo não refletem necessariamente as do The Cradle.


“Precisamos URGENTEMENTE do seu apoio para continuar nosso trabalho baseado em pesquisa independente e investigativa sobre as ameaças do Estado [Deep State] Profundo, et caterva, que a humanidade enfrenta. Sua contribuição, por menor que seja, nos ajuda a nos mantermos à tona. Considere apoiar o nosso trabalho. Disponibilizamos o mecanismo Pay Pal, nossa conta na Caixa Econômica Federal  AGENCIA: 1803 – CONTA: 000780744759-2, Operação 1288, pelo PIX-CPF 211.365.990-53 (Caixa)”. para remessas do exterior via IBAN código: BR23 0036 0305 0180 3780 7447 592P 1


E os dez chifres que viste são dez reis, que ainda não receberam o reino, mas receberão poder como reis por uma hora, juntamente com a BESTA. Estes têm um mesmo intento, e entregarão o seu poder e autoridade à besta. Estes combaterão contra o Cordeiro, e o Cordeiro os vencerá, porque é o Senhor dos senhores e o Rei dos reis; Vencerão os que estão com Ele, Chamados, e Eleitos, e Fiéis. E disse-me: As águas que viste, onde se assenta a prostituta [ROMA], são povos, e multidões, e nações, e línguas“. – Apocalipse 17:12-15

O atributo alt desta imagem está vazio. O nome do arquivo é nabucodonoor-estatua-daniel.png

A estátua do sonho de Nabucodonosor, um símbolo daquilo que a humanidade construiria na Terra. Os dias de insanidade da atualidade estão contados, muito em breve, a “Grande Prostituta”, a cidade de Roma será varrida da face da Terra, dando início a derrota completa dos servidores das trevas e o fim de seus planos nefastos para o controle do planeta. Em 2023 o Brasil terá um papel decisivo na Guerra entre a Luz e as trevas.


Saiba mais, leitura adicional:

Permitida a reprodução, desde que mantido no formato original e mencione as fontes.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *