Entre ou
Cadastre-se

Compartilhe
Receba nosso conteúdo

Rússia corteja Países Muçulmanos [1,6 bilhões de pessoas] como Parceiros Estratégicos da Eurásia

Tudo o que importa no complexo processo de integração da Eurásia esteve mais uma vez em jogo em Astana, quando a – renomeada – capital do Cazaquistão sediou a 6ª Conferência sobre Interação e Medidas de Fortalecimento da Confiança na Ásia (CICA) . A chamada foi uma beleza euro-asiática – apresentando os líderes da Rússia e Bielorrússia (EAEU), Ásia Ocidental (Azerbaijão, Turquia, Iraque, Irã, Catar, Palestina) e Ásia Central (Tajiquistão, Uzbequistão, Quirguistão). China e Vietnã (leste e sudeste da Ásia) participaram no nível de vice-presidentes.

Rússia corteja países muçulmanos [1,6 bilhões de pessoas] como Parceiros Estratégicos da Eurásia [para horror dos judeus khazares de Israel]

Fonte: PressTvPor Pepe Escobar

O CICA é um fórum multinacional focado na cooperação para a paz, segurança e estabilidade em toda a Ásia. O presidente cazaque Tokayev revelou que o CICA acaba de adotar uma declaração para transformar o fórum em uma organização internacional.

A CICA já estabeleceu uma parceria com a Eurasia Economic Union (EAEU). Então, na prática, em breve estará trabalhando lado a lado com a SCO, a EAEU e certamente o BRICS+.

A parceria estratégica Rússia-Irã foi destaque na CICA, especialmente depois que o Irã foi recebido na SCO como membro pleno. O presidente Raeisi, dirigindo-se ao fórum, destacou a noção crucial de uma “nova Ásia” emergente, onde “convergência e segurança” são “não compatíveis com os interesses dos países hegemônicos e qualquer tentativa de desestabilizar nações independentes tem objetivos e consequências além das geografias nacionais, e, de fato, visa a estabilidade e a prosperidade dos países regionais”.

Para Teerã, ser parceiro na integração do CICA, dentro de um labirinto de instituições pan-asiáticas, é essencial depois de todas essas décadas de “pressão máxima” desencadeada pelo Hegemon imperialista ocidental. Além disso, abre uma oportunidade, como observou Raeisi, para o Irã lucrar com “a infraestrutura econômica da Ásia”.

O presidente russo Vladimir Putin, previsivelmente, foi a estrela do show em Astana. É essencial notar que Putin é apoiado por “todas” as nações representadas na CICA. Reuniões Bilaterais de alto nível com Putin incluíam o Emir do Catar: todos que importam na Ásia Ocidental querem conversar com a Rússia “isolada” [pelo hospício ocidental e seus psicopatas].

Putin pediu “compensação pelos danos causados ??aos afegãos durante os anos de ocupação” (todos sabemos que o Império do Caos, Mentiras e Pilhagem a recusará) e enfatizou o papel fundamental da SCO no desenvolvimento do Afeganistão. Ele afirmou que a Ásia, “onde novos centros de poder estão se fortalecendo, desempenha um grande papel na transição para uma ordem mundial multipolar”.

Ele alertou que “há uma ameaça real de fome e choques em larga escala contra o pano de fundo da volatilidade dos preços da energia e dos alimentos no mundo”.

Ele ainda pediu o fim de um sistema financeiro que beneficie os “bilhões de ouro” – que “vivem às custas dos outros” (não há nada de “dourado” nesse “bilhão”: na melhor das hipóteses, essa definição de riqueza se aplica a 10 milhões de pessoas). E ressaltou que a Rússia está fazendo de tudo para “formar um sistema de segurança igual e indivisível”. Exatamente o que leva as elites de psicopatas imperiais hegemônicas completamente frenéticas.

“Oferta que você não pode recusar” morde a poeira

A justaposição iminente entre a CICA e a SCO e a EAEU é mais um exemplo de como as peças do complexo quebra-cabeça da Eurásia estão se juntando. A Turquia e a Arábia Saudita – em teoria, aliados militares imperiais fiéis do hegemon – estão ansiosos para se juntar à SCO, que recentemente deu as boas-vindas ao Irã como membro pleno. Isso explica a escolha geopolítica de Ancara e Riad de evitar à força a ofensiva imperial russofobia [Rússia] com sinofobia [China].

Erdogan, como observador na recente cúpula da SCO em Samarcanda, enviou exatamente esta mensagem. A SCO está chegando rapidamente ao ponto em que podemos ter, sentados à mesma mesa, e tomando importantes decisões consensuais, não apenas os “RICs” (Rússia, Índia, China) nos BRICS (em breve expandidos para BRICS+), mas sem dúvida os melhores jogadores em países muçulmanos: Irã, Paquistão, Turquia, Arábia Saudita, Egito e Catar.

Esse processo em evolução, não sem seus sérios desafios, atesta o esforço conjunto Rússia-China para incorporar as terras do Islã. com cerca de 1,6 bilhões de habitantes [quatro vezes a população da UE, o “jardim” do planeta segundo um psicopata europeu], como parceiros estratégicos essenciais na construção do mundo multipolar pós-ocidental. Chame isso de uma islamização suave da multipolaridade. Não admira que o eixo anglo-americano do hospício ocidental esteja absolutamente petrificado.

Agora corte para uma ilustração gráfica de todos os itens acima – a forma como está sendo jogado nos mercados de energia: a já lendária reunião da Opep+ em Viena há uma semana. Uma mudança geopolítica tectônica foi embutida na decisão – coletiva – de reduzir a produção de petróleo em 2 milhões de barris por dia.

A deputada dos EUA Ilhan Omar (D-MN) (E) conversa com a presidente da Câmara Nancy Pelosi (D-CA) durante um comício com outros democratas antes de votar no HR 1, ou Lei do Povo, na Escadaria Leste dos EUA Capitólio em 08 de março de 2019 em Washington, DC.  (foto AFP)
O presidente iraniano Ebrahim Raeisi (E) e o presidente russo Vladimir Putin (D) participam da cúpula da CICA em Astana, Cazaquistão, em 13 de outubro de 2022.

O Ministério das Relações Exteriores saudita emitiu uma nota muito diplomática com uma informação impressionante para aqueles que estão preparados para ler nas entrelinhas. Para todos os efeitos práticos, a combinação por trás do senil marionete leitor de teleprompter [‘Dementia’ Joe] em Washington havia emitido uma ameaça registrada da Máfia de interromper a “proteção” a Riad se a decisão sobre os cortes de petróleo fosse tomada antes das eleições de meio de mandato de novembro dos EUA.

Só que desta vez a “oferta que você não pode recusar” não colou. A OPEP+ tomou uma decisão coletiva, liderada pela Rússia, Arábia Saudita e Emirados Árabes Unidos.

Após Putin e MbS da Arábia Saudita se dar bem, coube a Putin receber o presidente dos Emirados Árabes Unidos, Sheikh Zayed – ou MbZ, o mentor de MbS – no impressionante Palácio Konstantinovsky em São Petersburgo, que remonta a Pedro, o Grande.

Foi uma espécie de celebração informal de como a Opep+ provocou, com um único movimento, um desastre estratégico de superpotência no que diz respeito à geopolítica do petróleo, que o Império hegemon imperialista controlava há um século com seus petrodólares.

Todos se lembram, após o bombardeio, invasão e ocupação do Iraque em 2003, como os neoconservadores americanos se gabavam: “nós somos a nova OPEP”. Bem, não mais. E a medida teve que partir dos “aliados” russos e norte-americanos do Golfo Pérsico, quando todos esperavam que isso acontecesse no dia em que uma delegação chinesa desembarcar em Riad e pedir o pagamento de toda a energia necessária em yuan.

A OPEP+ chamou o blefe americano e deixou a superpotência alta e seca. Então, o que eles vão fazer para “punir” Riad e Abu Dhabi? Chamar o CENTCOM no Catar e no Bahrein para mobilizar seus porta-aviões e frotas de navios e desencadear a mudança de regime?

O que é certo é que os psicopatas judeus khazares straussianos/neoconservadores no comando em Washington vão dobrar a aposta na guerra híbrida.

A arte de “espalhar a instabilidade”

Em São Petersburgo, ao se dirigir à MbZ, Putin deixou claro que é a OPEP + liderada pela Rússia, Arábia Saudita e Emirados Árabes Unidos – que agora está definindo o ritmo para “estabilizar os mercados globais de energia” para que consumidores e fornecedores “se sintam calmos, estável e confiante” e oferta e demanda “seriam equilibradas”.

Na frente do gás, na Semana da Energia Russa, o CEO da Gazprom, Alexey Miller, deixou claro que a Rússia ainda pode “salvar” a Europa de um buraco negro de energia. Os gasodutos Nord Stream (NS1) e Nord Stream 2 (NS2) podem se tornar operacionais: mas todos os obstáculos políticos devem ser removidos antes que qualquer trabalho de reparo nas tubulações comece.

E na Ásia Ocidental, Miller disse que adições ao gasoduto Turk Stream já foram planejadas, para o deleite de Ancara, ansiosa para se tornar um importante centro de distribuição de energia.

Em uma trilha paralela, é absolutamente claro que a aposta desesperada do hospício ocidental G7 de impor um teto para o preço do petróleo – que se traduz como o armamento das sanções estendidas ao mercado global de energia – é uma proposta perdida.

Pouco mais de um mês antes de sediar o G-20 em Bali, o ministro das Finanças da Indonésia, Sri Mulyani Indrawati, não pôde deixar mais claro: “Quando os Estados Unidos estão impondo sanções usando instrumentos econômicos, isso cria um precedente para tudo”, espalhando instabilidade “não apenas para a Indonésia mas para todos os outros países.”

Enquanto isso, todos os países de maioria muçulmana estão prestando muita atenção à Rússia. A parceria estratégica Rússia-Irã está agora avançando paralelamente à entente Rússia-Sauditas-EAU como vetores cruciais da multipolaridade.

Em um futuro próximo, todos esses vetores devem se unir no que idealmente deveria ser uma supra-organização capaz de gerenciar a história principal do século XXI : a integração da Eurásia, um pesadelo para a minoria de judeus khazares que controlam os EUA e seu fantoche na Casa Branca.

(As opiniões expressas neste artigo são do próprio autor e não refletem necessariamente as da Press TV.)


Pepe Escobar, nascido no Brasil, é correspondente e editor-geral do Asia Times e colunista do Consortium News and Strategic Culture. Desde meados da década de 1980, ele viveu e trabalhou como correspondente estrangeiro em Londres, Paris, Milão, Bruxelas, Los Angeles, Cingapura, Bangkok. Ele cobriu extensivamente o Paquistão, Afeganistão e Ásia Central para a China, Irã, Iraque e todo o Oriente Médio. Pepe é o autor de Globalistan – How the Globalized World is Dissolving into Liquid War; do Red Zone Blues, a snapshot of Baghdad during the surge um instantâneo de Bagdá durante o surto. Ele estava contribuindo como editor para The Empire e The Crescent e Tutto in Vendita na Itália. Seus dois últimos livros são Empire of Chaos e 2030. Pepe também está associado à Academia Europeia de Geopolítica, com sede em Paris. Quando não está na estrada, vive entre Paris e Bangkok. Ele é um colaborador regular da Global Research, The Cradle e da Press TV.


O atributo alt desta imagem está vazio. O nome do arquivo é fim-dominio-eua-otan-nabucodonosor-fim-roma.jpg

{Nota de Thoth: Em breve haverá um novo papa, será um francês, e será o ÚLTIMO  . . .  A estrondosa queda da “Estátua de Nabucodonosor“, com o fim do Hospício e os psicopatas da civilização ocidental e a própria destruição da região da cidade de Roma [incluso a cloaca do Vaticano] estão bem próximos de acontecer. O Hospício Ocidental, o circo do G-7 [do qual dois marionetes já caíram, Mario Draghi e Boris Johnson], os ditos “Países de Primeiro Mundo” vão fazer face ao seu carma “liberal“}


“Precisamos URGENTEMENTE do seu apoio para continuar nosso trabalho baseado em pesquisa independente e investigativa sobre as ameaças do Estado [Deep State] Profundo, et caterva, que a humanidade enfrenta. Sua contribuição, por menor que seja, nos ajuda a nos mantermos à tona. Considere apoiar o nosso trabalho. Disponibilizamos o mecanismo Pay Pal, nossa conta na Caixa Econômica Federal   AGENCIA: 1803 – CONTA: 000780744759-2, Operação 1288, pelo PIX-CPF 211.365.990-53 (Caixa)” para remessas do exterior via IBAN código: BR23 0036 0305 0180 3780 7447 592P 1

Artigos Relacionados:

Permitida a reprodução, desde que mantido no formato original e mencione as fontes.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *