Entre ou
Cadastre-se

Compartilhe
Receba nosso conteúdo

‘Se controlarmos o CO², controlaremos a vida das pessoas’, denuncia o Eurodeputado Rob Roos

Falando num evento do Grupo ECR na Polônia, o membro holandês do Parlamento Europeu (“MEP”) Rob Roos expôs as várias formas como os tecnocratas globalistas não eleitos da União Europeia (“UE”) estão tentando assumir o controle totalitário completo da população do continente – incluindo como instrumento a fabricada “Crise Climática”, a Emissão Zero CO², impondo a identificação digital, a moeda digital CBDC, a guerra aos agricultores e a produção de alimentos com preços acessíveis.

‘Se controlarmos o CO², controlaremos a vida das pessoas’, denuncia o Eurodeputado Rob Roos

Fonte: The Exposé News

Rob Roos é engenheiro de profissão com experiência substancial no setor de energia e foi um empresário de sucesso antes de entrar na política. É eurodeputado desde 2019 e é membro do Grupo dos Conservadores e Reformistas Europeus (“ECR”), um grupo político de centro-direita no Parlamento Europeu. 

O Grupo dos Conservadores e Reformistas Europeus (“ECR”) foi estabelecido em 2009 sob os princípios fundadores da Declaração de Praga, ele reuniu eurodeputados de toda a União Europeia que apoiaram uma visão de reforma de bom senso para toda a UE.

evento em Varsóvia, na Polônia, foi realizado de 5 a 9 de fevereiro. A sessão do último dia foi intitulada A UE como um superestado ou uma comunidade de estados soberanos? . Foi durante esta sessão que o Sr. Roos fez um discurso esclarecedor e franco de dez minutos.

“Os burocratas e centralistas em Bruxelas são viciados em poder e vou explicar seis maneiras que eles usam para ganhar cada vez mais poder com o tempo”, disse Roos.

“Primeiro, eles usam e abusam de todas as crises: crise financeira, crise covid, crise da Ucrânia, crise energética”, disse Roos. “E a solução é sempre a mesma… mais União Europeia.”

“Se não houver crise…eles criam uma crise. Por exemplo, as “alterações climáticas”; chamam-lhe uma ameaça existencial e a solução é o Acordo Verde [Green New Deal]. O Acordo Verde destruiu o nosso sistema energético e está destruindo o nosso sistema alimentar. Eles estão tentando controlar as emissões de CO² . Se você controla o CO², você controla as pessoas, porque tudo o que fazemos na vida tem a ver com emissões de CO²: viver, respirar, comer, viajar, produzir. Então, se você pode controlar isso, você pode controlar a vida das pessoas.”

Em segundo lugar, é a guerra contra a desinformação. “É sobre o fim da liberdade de expressão. É uma questão de censura”, disse ele. “A liberdade de expressão não é apenas um direito, é uma obrigação.”

“Mas agora eles introduziram a identidade digital e a moeda digital do banco central. Assim, eles podem ver tudo e controlar tudo o que fazemos, porque podem desligar o nosso sistema financeiro sempre que quiserem. Já vimos isso no Canadá durante a crise covid e o protesto dos caminhoneiros.”

Em terceiro lugar, existe um “go trail” nos tratados existentes. Por exemplo, a dívida comum de 800 bilhões de euros através do Fundo de Recuperação da Covid. Nada é tão permanente como algo implementado temporariamente pelos burocratas”, disse Roos.

Em quarto lugar, disse ele, “os centralistas da UE simulam a “participação” da democracia sentando-se à mesa com as chamadas organizações não governamentais (“ONGs”) que são pagas pelos mesmos governos e pelos oligarcas. “A União Europeia gastou 3,7 bilhões de euros por ano em passatempos liberais de esquerda: imigração, políticas de gênero, alterações climáticas”, disse ele.

Em quinto lugar, a legislação da UE substitui a legislação nacional. “Isso é um problema porque o [Tribunal de Justiça Europeu] é politizado”, explicou Roos.

A sexta e última forma pela qual os burocratas da UE em Bruxelas ganham mais poder é através da alteração dos tratados. “Mesmo que uma pequena parte destas alterações ao tratado seja adotada, elas ganharão muito mais poder e transformarão os nossos Estados nação em meras províncias de Bruxelas”, disse ele. “Os parlamentos nacionais [não serão] mais relevantes. As pessoas sairão para votar apenas para demonstrar, porque quase tudo será decidido em Bruxelas.”

“Estamos perante uma máquina gigantesca que se chama Comissão Europeia onde trabalham diariamente 35 mil funcionários públicos para uma União cada vez mais próxima. E eles usarão tudo o que puderem para atingir esse objetivo. Estamos caminhando para um grande superestado europeu”.

“Eles querem abolir o Estado-nação porque, quando isso acontecer, eles terão o controle total. Estamos caminhando para o que eu chamo de um novo tipo de comunismo… É um comunismo de tecnocratas.”

Para o bem dos nossos filhos e netos, “o nosso principal objetivo deve ser deter os globalistas, deter o wokeismo e fazer a manutenção do Estado nação a nossa prioridade”, disse Roos.


Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *