Sim, é Genocídio

Na maioria dos casos de genocídio, da Bósnia à Namíbia, de Ruanda à Armênia, os perpetradores afirmaram que agiam em legítima defesa. O fato de o que está a acontecendo em Gaza não se assemelhar ao Holocausto, escreve o investigador do Holocausto, o judeu Amos Goldberg, não significa que não seja genocídio do povo palestino praticado por Israel.

Sim, é Genocídio

Fonte: Mekomit.co.il – Por Amos Goldberg

Sim, é genocídio. Embora seja tão difícil e doloroso admitir isto e apesar de todos os esforços para pensar o contrário, ao final de seis meses de uma guerra brutal já não é possível escapar a esta conclusão. A história judaica ficará doravante manchada com o sinal de Caim do “crime dos crimes”, que não poderá ser apagado de sua testa. Como tal, resistirá ao teste do tempo.

Do ponto de vista jurídico, ainda não se sabe o que decidirá o Tribunal Internacional de Justiça de Haia, embora, à luz das suas decisões temporárias até agora e à luz dos relatórios crescentes de juristas, organizações internacionais e jornalistas-investigadores, parece que a direção é bastante clara.

De Moum Moom a Haag Schmag: Chegou o fim da imunidade israelense?

Já em 26 de Janeiro, o tribunal decidiu por uma esmagadora maioria (14 a 2) que Israel pode estar cometendo genocídio dos palestinos em Gaza. Em 28 de março, após a fome deliberada que Israel impõe a Gaza, o tribunal emitiu ordens adicionais (e desta vez por uma maioria de 15 a 1, o juiz judeu Aharon Barak votou contra) apelando a Israel para não negar aos palestinos os seus direitos protegidos pela Convenção do Genocídio de Genebra.

O relatório detalhado e fundamentado da Missão Especial da ONU sobre a Situação dos Direitos Humanos nos Territórios Palestinos Ocupados, de Francesca Albanza, chegou a uma conclusão ligeiramente mais decisiva e é mais um passo no estabelecimento da percepção de que Israel está de facto cometendo genocídio em Gaza.

relatório detalhado e atualizado do Dr. Lee Mordechai, que reúne informações sobre o nível de violência israelita em Gaza, chega à mesma conclusão. Acadêmicos muito experientes, como Jeffrey Sachs, professor de economia na Universidade de Columbia (e um judeu com uma atitude calorosa em relação ao sionismo tradicional ), com quem chefes de estado de todo o mundo consultam regularmente sobre questões internacionais, falam do genocídio israelense como uma questão clara.

Palestinos esperam para receber os corpos de seus parentes mortos em um ataque aéreo israelense ao Hospital Al-Najjar em Rafah, sul da Faixa de Gaza, em 24 de outubro de 2023. (Abed Rahim Khatib/Flash90)

Excelentes investigações como as de Yuval Avraham em “Tasha Mekimim”, e especialmente a sua recente investigação sobre os sistemas de inteligência artificial utilizados pelo exército israelense para selecionar e prejudicar aqueles designados para eliminação, aprofundam ainda mais esta acusação. O fato de o exército ter permitido, por exemplo, o assassinato de 300 pessoas inocentes e a destruição de um bairro residencial inteiro para prejudicar um general do Hamas, mostra que os objetivos militares são objetivos quase incidentais para matar civis e que a mente palestina, em Gaza é de fato filho da morte. Esta é a lógica do genocídio.

Sim. Eu sei, todos eles são anti-semitas ou que nos odeiam. Somente nós, os israelenses, que nos alimentamos das mensagens do porta-voz das FDI e apenas estamos expostos às imagens que a mídia israelense filtra para nós, vemos a realidade presente Como se não tivesse sido escrita uma literatura interminável sobre os mecanismos de negação social e cultural. de sociedades que cometem graves crimes de guerra Israel é verdadeiramente um caso paradigmático de tais sociedades, um caso que será estudado em todos os seminários universitários do mundo que tratam do vergonhoso assunto.

Passarão alguns anos até que o tribunal de Haia dê o seu veredicto, mas não devemos olhar para a realidade catastrófica apenas através de lentes jurídicas. O que está acontecendo em Gaza é genocídio porque o nível e o ritmo da matança indiscriminada, da destruição, das deportações em massa, da deslocação, da fome, das execuções , da eliminação de instituições culturais e religiosas, do esmagamento das elites (incluindo a matança dos jornalistas) e a desumanização generalizada dos palestinos – criam um quadro geral de genocídio, de esmagamento intencional e consciente da existência palestina em Gaza.

De formas conhecidas, a Gaza Palestina como um complexo geográfico-político-cultural-humano já não existe. Genocídio é a destruição deliberada de um coletivo humano ou de parte dele – não de todos os seus indivíduos. E é isto que está acontecendo em Gaza. O resultado é sem dúvida genocida. As numerosas declarações de extermínio por parte de altos funcionários do governo israelita, e a atmosfera pública destrutiva geral, que foi corretamente apontada por Carolina Landesman, mostram que esta também era a intenção desde o início.

Os judeus estão errados ao pensar que o genocídio deveria ser parecido com o Holocausto. Imaginam comboios, câmaras de gás, incineradores, fossos de matança, campos de concentração e extermínio, e uma perseguição sistemática de todos os membros do grupo de vítimas até ao último. Um evento deste tipo não acontece em Gaza. À semelhança do que aconteceu no Holocausto, a maioria dos israelitas também imagina que o grupo de vítimas não está envolvido em atividades violentas ou num conflito real, e que os assassinos os estão destruindo devido a uma ideologia louca e irracional. Este também não é o caso de Gaza.

O ataque brutal do Hamas em 7 de Outubro foi um crime hediondo e terrível. Durante esse período, cerca de 1.200 pessoas foram mortas ou assassinadas, das quais mais de 850 eram cidadãos israelitas (e estrangeiros), incluindo muitas crianças e idosos, cerca de 240 israelitas vivos foram raptados para Gaza e foram cometidas atrocidades como o estupro. Este é um acontecimento com efeitos traumáticos catastróficos, profundos e duradouros, durante muitos anos, certamente para as vítimas diretas e o seu círculo imediato, mas também para a sociedade israelita no seu conjunto. O ataque forçou Israel a responder em legítima defesa.

A história judaica será manchada pelo que Israel faz em Gaza. Palestinos após o atentado bombista em Rafah, abril de 2024 (Foto: Abed Rahim Khativ/Flash 90)

No entanto, embora cada caso de genocídio tenha um caráter diferente, em termos da extensão do assassinato e das suas características, o denominador comum da maioria deles é que foram cometidos por um autêntico sentimento de autodefesa. Do ponto de vista jurídico, um evento não pode ser ao mesmo tempo um evento de legítima defesa e um evento de genocídio. Estas duas categorias jurídicas são mutuamente exclusivas. Mas, historicamente, a autodefesa não está em conflito com o genocídio, mas é geralmente um dos seus fatores centrais, se não o principal.

Em Srebrenica – que o Tribunal Penal Internacional para a ex-Iugoslávia determinou em duas instâncias, que o genocídio ocorreu lá em Julho de 1995 – “apenas” cerca de 8.000 rapazes e homens muçulmanos bósnios, com mais de 16 anos, foram deportados antes de serem assassinados.

No caso de Gaza, as “zonas seguras” transformaram-se frequentemente em armadilhas mortais e zonas de extermínio intencional, e nestas áreas de refúgio Israel está deliberadamente matando a população à fome. Por causa disto, há alguns comentadores que estimam que a limpeza étnica é o objetivo dos combates israelenses em Gaza.

O primeiro genocídio do século XX também foi levado a cabo a partir de um conceito de autodefesa dos colonos alemães contra os povos Herero e Nama no Sudoeste de África (hoje Namíbia). Como resultado da dura opressão dos colonos alemães, os habitantes locais rebelaram-se e num ataque brutal assassinaram cerca de 123 (talvez mais) homens alemães desarmados. A sensação de ameaça na pequena comunidade de colonos, que contava com apenas alguns milhares, era real, e a Alemanha temia ter perdido o seu poder de dissuasão contra os nativos.

A resposta dos alemães foi correspondente. A Alemanha enviou um exército liderado por um comandante desinibido, e também lá, por um sentimento de autodefesa, a maioria dos membros destas tribos foram assassinados entre 1904 e 1908 – alguns por morte direta, alguns pelas condições de fome e sede que os alemães lhes impuseram (novamente por deportação, desta vez para o deserto de Omaka) e alguns em campos de prisão e trabalho brutal. Processos semelhantes também ocorreram durante a deportação e extermínio dos povos indígenas na América do Norte, principalmente durante o século XIX.

Não precisamos de esperar por uma decisão em Haia para olharmos para a realidade. Palestinos em um caminhão em Beit Lahia em 7 de dezembro (foto: uso de acordo com a seção 27a da Lei de Direitos Autorais)

Em todos estes casos, os perpetradores do genocídio sentiram uma ameaça existencial, mais ou menos justificada, e o genocídio surgiu como resposta. A destruição coletiva das vítimas não se opôs ao ato de legítima defesa, mas sim a partir de um autêntico motivo de legítima defesa.

Em 2011, publiquei um pequeno artigo no jornal Haaretz sobre o genocídio no Sudoeste da África e concluí com as seguintes palavras:

“A partir do genocídio dos Herero e dos Nama, podemos aprender como o controle colonial, baseado num sentido de superioridade cultural e racial, poderia deslizar, face à rebelião dos habitantes locais, para crimes horríveis como a deportação em massa, a limpeza étnica e o genocídio. O caso da rebelião Herero deveria servir como um terrível sinal de alerta para nós aqui em Israel, que já conheceu uma Nakba [êxodo dos palestinos de suas terras] em sua história.”

Amos Goldberg é um judeu pesquisador do Holocausto e Genocídio na Universidade Hebraica, seu livro Va Zecharet: Cinco Leituras Críticas na Memória do Holocausto Israelense será publicado pela Reslanig nas próximas semanas


4 respostas

  1. Não, não é genocídio. Genocidio pressupoe um plano estatal para exterminio em massa de uma etnia, e não há nenhum plano do tipo em Israel. Os palestinos estão aos milhares vivos, mesmo depois de 6 meses de guerra. Das trinta e tres mil vitimas palestinas, a maioria absoluta são de integrantes do Hamas, paramilitares. Portanto, cai por terra esta mentira proposta por esta mídia, que infelizmente, se torna cada dia uma mídia aliada as trevas e a Magogue (Russia).

  2. Você esteve lá para realmente averiguar os numeros reais ou está citando os numeros do hamas? Mostre as forogtafias das supostas crianças mortas?Claro que há mortos ,pois é uma guerra.Se fosse genocidio como está disendo, as baixas Isrealitas seriam quase nulas.Um exercito normal feria 5 veses mais baixas do que fez o exercito Israelits.Outra coisa,não o incomoda ver possoas servindo de escudos humanos.Nao o incomoda a vida que a população levava nas mãos do hamas,nao o incomoda os refens que o hamas tem em seu poder,não o incomoda as crianças que são orientadas ao odio. Outra coisa ,porque o hamas não libera os refens para chegar a um real acordo de paz?Mas a final quem é voce??? Está pensando que está tudo cego?

    1. José, eu acompanho thoth há bastante tempo e percebo agora o quanto ele vem se tornando militante do mal. O que era para ser informativo vem se tornando cada vez mais deliberativo. Lamentável.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Receba nosso conteúdo

Junte-se a 4.326 outros assinantes

compartilhe

Últimas Publicações

Indicações Thoth