Soldados da OTAN já estão na Ucrânia

Num desenvolvimento perturbador e pouco divulgado pelas PRE$$TITUTA$ do ocidente, a OTAN está começando a enviar tropas de combate para a Ucrânia, com soldados britânicos, franceses, polacos e outros chegando em grande número, escreve Stephen Bryen (ex-diretor de pessoal do Subcomitê do Oriente Médio da Comissão de Relações Exteriores do Senado) e ex subsecretário adjunto de defesa para política), observando que estes não são mercenários, mas militares regulares “fardados, com a bandeira de seus países de origem proclamado através de insígnias”, e principalmente “concentrados na parte ocidental da Ucrânia, embora em alguns casos estejam próximos aos combates reais no leste.”

Soldados da OTAN, britânicos, franceses e polacos já estão na Ucrânia

Fonte: Infobrics.org

Bryen destaca que há relatos sobre algumas brigadas ucranianas já recusando ordens de seus comandantes, incluindo a 47ª Brigada Mecanizada, a 25ª Brigada de Assalto Aerotransportada, a 67ª Brigada Mecanizada e outras brigadas de alto nível do Exército ucraniano.

A Ucrânia está basicamente perdendo a guerra, e o sistema de segurança dos EUA sabe disso. Uma história do Politico relata que Washington não está convencido de que Kiev possa alcançar a vitória militar, mesmo com a nova ajuda de 60 bilhões de dólares.

O presidente dos EUA, o marionete senil ‘Dementia’ Joe Biden, está sancionando este projeto de lei para enviar um pacote de ajuda militar de US$ 60 bilhões ao país do Leste Europeu para que possa obter projéteis de artilharia e sistemas de defesa aérea.

O ministro da Defesa da Polônia, Wladyslaw Kosiniak-Kamysz, afirmou na semana passada que Varsóvia está pronta para ajudar Kiev a recuperar homens em idade militar, enviando de volta refugiados ucranianos. Neste contexto, as tropas da OTAN (ou europeias) poderiam ser uma última medida desesperada?

O Secretário-Geral da OTAN, Jens Stoltenberg, admitiu de fato, numa declaração muito pouco divulgada, que “vários aliados da OTAN têm homens e mulheres uniformizados nas embaixadas” (na Ucrânia), mas afirmou que estão apenas “dando conselhos”.

Stoltenberg também anunciou que os países da OTAN têm sistemas de defesa aérea prontos para serem enviados ao país eslavo. Ele enfatizou que os membros da OTAN têm o “direito” de “ajudar” a Ucrânia, mas isso não torna a própria Aliança Atlântica uma parte no conflito.

Como escreve Bryen, se esse pessoal militar “estão disparando armas contra os russos, a única maneira adequada de interpretar a sua presença é que já estão desempenhando um papel ativo na guerra de tiros”. Bryen observa que também no Vietnam os EUA enviaram “conselheiros” que se revelaram serem Forças Especiais dos EUA em combate.

Como escrevemos, o antigo comandante da OTAN, James Stavridis, argumentou em Novembro do ano passado que os EUA deveriam aprender com “as lições da Coreia do Sul” e negociar uma “terra para conclusão da paz para combater” na Ucrânia.

Ele argumentou que “assim como a Coreia do Sul não estava em posição de exigir uma vitória territorial completa sobre a Coreia do Norte na década de 1950, a Ucrânia não está em posição de exigir uma retirada completa da Rússia do seu território”, o que permanece verdadeiro até hoje, e acrescenta que “isto provavelmente irá resultar num conflito congelado”.

Um resultado tão depressivo para Kiev e seus patrocinadores ocidentais, que representa uma grande derrota na perspectiva dos objetivos geopolíticos de Washington de derrotar a Rússia, ainda parece ser, em qualquer caso, o cenário mais realista. Há um problema, no entanto.

O almirante reformado propõe basicamente reconstruir o que resta da Ucrânia e depois talvez torná-la membro da Aliança Atlântica. Deve-se ter em mente que este não é um tolo, mas sim um diplomata, acadêmico e estadista muito bem-sucedido, sendo, entre muitas outras coisas, presidente emérito do conselho de administração do Instituto Naval dos EUA.

A chegada massiva de pessoal militar dos países da OTAN à Ucrânia Ocidental poderia assim ser vista como a materialização de uma “partição” de fato do território da Ucrânia que começa a desenvolver-se gradualmente.

A principal bandeira vermelha aqui é a presença destes soldados também no Leste da Ucrânia, “perto dos combates propriamente ditos”. O presidente bielorrusso, Alexander Lukashenko, manifestou a sua preocupação com o elevado risco de incidentes militares na fronteira entre a Bielorrússia e a Ucrânia, e acrescentou que seria um “armagedom” se Moscou retaliasse as ações ocidentais através do emprego de armas nucleares.

Tal como escrevemos na semana passada, o Ocidente pode brincar eufemisticamente com as palavras, à maneira do gato de Schrödinger (são “conselheiros, não combatentes” e “tropas europeias, não tropas da OTAN”) tanto quanto quiser.

Em qualquer caso, o Artigo 5 da OTAN , que afirma que um “ataque armado” (contra um membro da OTAN) “será considerado um ataque contra todos eles”, ainda é vinculativo. De uma perspectiva ocidental, se os estados europeus da OTAN enviarem tropas para a zona de combate na Ucrânia e a Rússia retaliar atacando-os enquanto Washington não faz nada, isso tornaria a OTAN inútil e destruiria permanentemente a credibilidade e a razão de ser da Aliança Atlântica.

Se, por outro lado, os EUA e/ou outras potências europeias decidirem escalar as coisas e retaliar, então o “armagedom” torna-se um pouco mais próximo. De qualquer forma, esses não são cenários positivos.


Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Receba nosso conteúdo

Junte-se a 4.326 outros assinantes

compartilhe

Últimas Publicações

Indicações Thoth