Entre ou
Cadastre-se

Compartilhe
Receba nosso conteúdo

Submarino Nuclear do Brasil incomoda ‘Potências’ que temem Avanço Tecnológico do país

Em entrevista à Sputnik Brasil, especialistas em assuntos militares analisam por que o submarino nuclear brasileiro causa tanto temor em países da Organização das Nações Unidas (ONU) e quais as chances de o projeto brasileiro não obter o aval da organização. O projeto do submarino nuclear brasileiro está previsto no Programa de Desenvolvimento de Submarinos (Prosub), o acordo militar firmado por Brasil e França em 2009, que já entregou dois dos quatro modelos de propulsão convencional baseados no modelo francês Scorpène. 

Submarino nuclear do Brasil incomoda potências que temem avanço tecnológico do país, dizem analistas

Fonte: Sputnik

O modelo mais recente, o Humaitá, entrou em operação no dia 12. No Prosub, está previsto também um modelo de propulsão nuclear, o submarino Álvaro Alberto, nome dado ao submergível em homenagem ao ex-vice-almirante da Marinha e cientista brasileiro, que morreu em 1976. O submarino de propulsão nuclear é um projeto antigo da Marinha brasileira, elaborado em 1979, que vislumbrou a chance de sair do papel após o acordo militar com a França.

Porém, conforme apontou Grossi à mídia, essa migração do sonho para a realidade não será fácil. Para obter o aval da ONU, o Brasil terá de abandonar as posições históricas de resistência a inspeções detalhadas de suas instalações atômicas. Se tudo der certo, o sinal verde para o submarino deve sair em cinco anos, com chance de acontecer em menos tempo, segundo Grossi.

Em entrevista à Sputnik Brasil, especialistas explicam por que o submarino nuclear brasileiro causa tanto temor na ONU, o que aconteceria caso o país tenha o aval rejeitado e decida insistir no projeto. Guilherme Carvalho, pesquisador da Escola de Guerra Naval (EGN) e ex-militar da Marinha do Brasil, aponta que :

“o desenvolvimento desse tipo de energia, como o modelo de propulsão em um submarino, sempre enfrentou certa resistência de potências nucleares e, no caso brasileiro, principalmente dos Estados Unidos”. “Esse incômodo pode ser explicado por um medo da expansão do uso dessa tecnologia para fins não pacíficos no futuro — o que poderia causar o surgimento de um ‘fator novo’ causador de desequilíbrio de forças nas Américas, bem como outro aspecto importante, que é o bom controle de instalações nucleares em aspectos de infraestrutura e segurança. Apesar de serem fatores historicamente críticos no Brasil, no caso da energia nuclear, apresentam — como mencionado anteriormente — um excelente nível de organização e desenvolvimento.”

Entretanto, ele destaca que “a forte parceria com a França no projeto, as excelentes relações diplomáticas com o Reino Unido em geral e, especificamente, na aquisição de meios navais e armamentos, uma boa relação com a Rússia e, principalmente, a China podem garantir um caminho mais tranquilo ao Brasil no desenvolvimento e na conclusão do seu programa de submarino nuclear”.

Austrália pode ultrapassar o Brasil e obter antes a aprovação para seu projeto?

A Austrália entrou com um pedido semelhante ao do Brasil na ONU para a construção de submarinos de propulsão nuclear em solo australiano, no âmbito da aliança AUKUS, firmada com os Estados Unidos e o Reino Unido.

Na entrevista à mídia brasileira, Grossi afirmou que deu o mesmo prazo de cinco anos ao país da Oceania para obter o aval da ONU. Questionados se a cooperação com os EUA e o Reino Unido poderia beneficiar a Austrália, fazendo o país obter o aval do Brasil antes, Carvalho afirma considerar o oposto.

“Acredito ser um pouco mais difícil, ou ao menos mais longa, as negociações [da Austrália] para a aprovação do projeto pela AIEA, uma vez que China e Rússia possuem fortíssima influência e presença na atuação do órgão. Como exemplo, declarações recentes do governo chinês claramente não desaprovam o projeto brasileiro, mas se opõem veementemente à AUKUS por entenderem que esse projeto afeta sua zona de influência na Ásia e na Oceania.”

Ele acrescenta que, embora tenham o mesmo objetivo, a construção de submarinos dotados de propulsão nuclear, mas possuidores de armamento convencional, não nuclear, as origens e as motivações dos projetos diferem claramente.

“Enquanto o projeto brasileiro já possui quase meio século de maturação, debate e desenvolvimento, o projeto australiano é bastante recente e abertamente definido como uma estratégia de contenção da influência da China na Ásia e na Oceania, além de envolver um acordo geral de desenvolvimento das relações de defesa entre os países, que trespassam o próprio projeto do submarino nuclear. Outro aspecto diferente e interessante do AUKUS é que ele se baseará na classe Astute de submarinos britânicos, mas será dotado de armamentos e sistemas oriundos dos Estados Unidos.”

Quando o Brasil vai ter um submarino nuclear?

Em 2004, Lula vetou a AIEA de inspecionar ultracentrífugas que promovem a transformação de gás urânio em combustível nuclear e possibilitam o enriquecimento de urânio, de forma a ser usado em combustível ou bombas. Esse histórico de rejeição a inspeções foi um dos principais entraves apontados por Grossi.

Questionado se algo semelhante poderia acontecer no cenário atual, Carvalho argumenta que “naturalmente, as inspeções e os processos da AIEA são bastante rígidas e completas e, no caso de um submarino nuclear, envolvem questões militares e tecnológicas extremamente sensíveis, que basearam o primeiro veto”.

Porém, ele diz acreditar que o estágio atual do projeto, somado à postura diplomática construída ao longo do início deste século, “resultam na autorização das inspeções, ainda que com algum tipo de ressalva ou reedição das atividades da AIEA, que poderão ser construídas, ainda que um pouco difíceis de serem obtidas”.

Como está o projeto do submarino nuclear brasileiro?

Em entrevista à Sputnik Brasil, Jéssica Germano, doutora em Estudos Marítimos pelo Programa de Pós-Graduação em Estudos Marítimos da Escola de Guerra Naval (PPGEM-EGN), explica que, para entender o incômodo que o submarino nuclear brasileiro causa em grandes potências, primeiramente, é preciso analisar o perfil do Brasil em relação ao mundo.

“O Brasil é um país do Sul Global [e do BRICS] que possui destaque e prestígio no cenário internacional. A economia cada vez mais vem apresentando sinais de crescimento. A gente tem um elevado contingente populacional, uma abundância de recursos, e o Brasil é um país que está em diversas mesas de diálogo. E, como posso dizer, na projeção internacional também. Então isso já põe o Brasil numa condição, digamos que, estratégica para o mundo. E, nos últimos anos, o Brasil tem estabelecido essas parcerias estratégicas no desenvolvimento da tecnologia nuclear para fins pacíficos, inclusive de forma autóctone”, afirma Jéssica. [faltou dizer que o Brasil tem um litoral de cerca de 7.500 quilômetros e mar territorial com cerca de 4 milhões de quilômetros quadrados, a Amazônia Azul, não precisamos de UM submarino nuclear, mas sim uma frota deles para vigiar esta vasta área e seus recursos]

“Então, não necessariamente o Brasil ter esse tipo de tecnologia é algo interessante para outras potências, sobretudo com a possibilidade de utilizar esse tipo de tecnologia para a propulsão de um submarino, o que dá ao país o poder de dissuasão militar também. Então, creio que seja sobretudo por questões geopolíticas que o Prosub cause incômodo a grandes potências”, complementa.

Segundo a especialista, o Brasil — tendo a capacidade de possuir um submarino que tem capacidade de ocultação — eleva o status de defesa do próprio país, e também é uma garantia de defesa da nossa soberania. “Porque nós temos a Amazônia Azul, um espaço marítimo bastante vasto e riquíssimo em recursos natyurais [Pré Sal, da Petrobras], que temos que proteger, e nesse sentido o submarino nuclear será muito bem empregado.”

Porém, ela acrescenta que “um submarino com propulsão nuclear dá uma capacidade mais elevada de dissuasão militar para o país, visto que é um meio bastante ágil, que possui fácil ocultação, uma detecção mais difícil e, também, uma elevada autonomia”.

“Ou seja, uma vez que o submarino submergir, ele não tem a necessidade de emergir novamente para recarregar suas baterias como nos modelos convencionais, então isso já causa dúvida de onde estaria esse submarino. […] Isso em si já causa essa dissuasão, porque ele pode estar em qualquer lugar, claro, qualquer lugar que tenha mar [ou em grandes rios, como o Amazonas]. Então causa essa dúvida, o que para as potências não é algo interessante, por mais que seja apenas um único exemplar”, afirma.

Jéssica Germano afirma que o fato de o Brasil ser signatário do Tratado de Não Proliferação de Armas Nucleares (TNP, na sigla em inglês) mostra “tanto nacional quanto internacionalmente que o país não é um possível proliferador”, o que é um fator positivo para a aprovação. Ademais, a especialista menciona que a tradição diplomática do país preza pela busca do diálogo.

Sobre as inspeções da AIEA, ela destaca que as ultracentrífugas, alvo da crise entre o governo Lula e a AIEA em 2004, tiveram a inspeção negada por ser um tema sensível.

“Essas ultracentrífugas foram desenvolvidas com tecnologia brasileira, ou seja, de forma autóctone, e envolvem segredos industriais e comerciais. Então essas inspeções basicamente são verificações da AIEA para garantir que o país não esteja proliferando, ou seja, de alguma forma, desviando material nuclear ou enriquecendo urânio para além dos níveis permitidos”, explica a especialista.


SEJA UM ASSINANTE DO BLOG: Para os leitores do Blog que ainda não são assinantes e desejam acessar as postagens em seus endereços de E-Mail, solicitamos, por favor, que façam a sua inscrição aqui neste LINK: https://linktr.ee/thoth3126

Convidamos também a conhecerem e seguirem nossas redes sociais:
Instagram: https://www.instagram.com/th.oth3126/
Facebook: https://www.facebook.com/thoth3126.blog
X (antigo Twitter): https://twitter.com/thoth3126_blog
Youtube: https://www.youtube.com/@thoth3126_blog

Siga o canal “Blog Thoth3126” no WhatsApp: https://www.whatsapp.com/channel/0029VaF1s8E9Gv7YevnqRB3X


Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *