Entre ou
Cadastre-se

Compartilhe
Receba nosso conteúdo

SVB doou mais de US$ 70 milhões para BLM e outras causas “Acordadas” antes de Quebrar

Silicon Valley Bank doou mais de US$ 70 milhões para Black Lives Matter e outras causas “acordadas”. O mesmo relatório também destacou que o Signature Bank doou US$ 850.000 ao Black Lives Matter antes de quebrar. O relatório foi publicado pela organização conservadora Instituto Claremont, anunciada em um artigo publicado pela Newsweek. Falando ao The Federalist, Will Hild, diretor executivo da Consumers’ Research, afirmou que a falha do SVB “é mais uma indicação de que o SVB estava focado na sinalização de virtude (!!??) “acordada” em vez de proteger os depósitos de seus clientes”.

O “Acordado” (e agora extinto) Silicon Valley Bank doou mais de US$ 70 milhões para Black Lives Matter e outras causas “acordadas”, divulgado em relatório

Fonte: LifeSiteNews

Um relatório recém-publicado revelou que o falido Silicon Valley Bank (SVB) doou mais de US$ 70 milhões para o movimento Black Lives Matter (BLM), bem como para outras “causas acordadas“.

O relatório foi publicado pela organização conservadora Instituto Claremont, e anunciado em um artigo  publicado pela Newsweek . O relatório também afirmou que o Signature Bank deu $ 850.000 ao BLM antes de quebrar.

Não está claro como o dinheiro doado foi usado, embora o Claremont Institute tenha sugerido que o dinheiro usado pela organização controladora do BLM, a Global Network, para investir milhões de dólares para “apoiar operações futuras,  comprando imóveis de luxo,  envolvendo-se em nepotismo, desembolsando doações para dezenas de divisões do BLM e organizações revolucionárias, e  operar um PAC  para ‘eleger líderes comunitários progressistas, ativistas e candidatos da classe trabalhadora lutando pela “libertação negra‘” poderia servir como uma possível indicação.

De acordo com o The Federalist , o SVB prometeu aumentar seu compromisso de “Diversidade, Equidade e Inclusão (DEI)” no local de trabalho após os distúrbios de George Floyd no verão de 2020. De fato, o banco declarou em um relatório do DEI em agosto que “Inovação é global e está afetando todos os aspectos de nossas vidas, o que está criando ainda mais necessidade de inclusão de ideias e abordagens.”

“Estamos em uma jornada comprometida em aumentar a diversidade, equidade e inclusão (DEI) em nosso local de trabalho, com nossos parceiros e em toda a economia da inovação”, continuou o relatório.

Um Relatório de Responsabilidade Corporativa divulgado no mesmo ano detalhou o compromisso da empresa em apoiar a “diversidade” com base em raça e sexo, e uma carta anexada ao relatório do CEO Greg Becker declarou:

“Nos últimos meses, expandimos nossas doações filantrópicas por meio de doações corporativas e programas de correspondência de funcionários … Esses programas se concentram na resposta à pandemia, justiça social, sustentabilidade e apoio a mulheres, talentos emergentes negros e latinos e outros grupos sub-representados“.

O relatório também detalhou que o banco gastou US$ 2,8 milhões em “inovação de paridade de gênero” e “talento emergente diversificado” o que quer que isso signifique para mentes doentias e corruptas.

Também em 2020, o SVB lançou um programa chamado Missions, “uma plataforma de software projetada para engajar os funcionários a apoiar as causas que mais lhes interessam, como educação eleitoral e justiça e equidade racial”, na qual os funcionários doaram US$ 400.000 para “justiça e equidade para os negros americanos”, relatouPost Millennial.

No ano seguinte, o banco reiterou seu compromisso com a DEI, com uma Declaração de Procuração Corporativa afirmando “O foco do Comitê de Governança na diversidade geral continua em 2021, incluindo raça/etnia e outras categorias sub-representadas”.

A declaração também detalhou que o banco “respondeu” à morte de Floyd “expandindo as oportunidades de diálogo, incluindo a hospedagem de mais de 40 pequenos grupos de ‘Círculos de Conversação’ nos quais mais de dois terços de nossos funcionários participaram de discussões sobre questões de equidade racial” e como fez um acordo com a “Act One Ventures para lançar a iniciativa The Diversity Term Sheet Rider for Representation at the Cap Table, que defende que as empresas de capital de risco incluam em todas as suas folhas de termo uma promessa de trazer membros de grupos sub-representados em negócios como co-investidores.”

O comunicado afirma ainda que o SVB deu a seus funcionários “uma semana de eventos voluntários focados em parte na equidade racial, justiça social e acesso à economia da inovação”.

Um Relatório de Responsabilidade Corporativa publicado pela empresa naquele ano também detalhou que o SVB pretendia doar US$ 50 milhões em seu programa DEI chamado Acesso à Inovação até 2025 “com foco em mulheres, indivíduos negros e latinos”. Em maio daquele ano, a empresa também propôs um plano de benefícios comunitários de US$ 11,5 bilhões em colaboração com o Greenling Institute, uma organização de esquerda.

O banco também deu dinheiro para apoiar metas de “sustentabilidade”, como uma promessa em janeiro de 2022 de US$ 5 bilhões “em empréstimos, investimentos e outros financiamentos para apoiar os esforços de sustentabilidade”, segundo comunicado divulgado pela empresa. No ano anterior, o SVB reiterou a promessa de seus padrões de Meio Ambiente, Social e Governança (ESG) ao Fórum Econômico Mundial (WEF) em um índice fornecido à organização.

O índice ESG do SVB direcionado ao WEF no ano passado também afirmou que a empresa doou mais de US$ 18 milhões para várias organizações sem fins lucrativos, valores que não estão incluídos no relatório do Claremont Institute, de acordo com o Post Millennial .

Falando ao The Federalist, Will Hild, diretor executivo da Consumers’ Research, afirmou que a quebra do SVB “é mais uma indicação de que o banco “acordado” e cheio de “virtudes” estava focado na sinalização de virtude acordada em vez de proteger os depósitos e negócios de seus clientes”.

“De tempos em tempos, vemos o mesmo padrão: as empresas que estão mais preocupadas com as pontuações ESG, DEI, wokism, LGBTQ+, Transgenerismo, et caterva e com a política acordada fazem os piores trabalhos atendendo a seus clientes”, continuou Hild. “O restante da América corporativa deve aprender com o fracasso do SVB agora, antes que eles sejam a próxima empresa a aparecer nas manchetes por causa de uma administração idiota e comicamente ruim . . . apesar de “acordada”.

SVB e Signature Bank não são os únicos bancos que quebraram desde o início do mês. O governo suíço resgatou o Credit Suisse em um esforço para impedir o colapso do segundo banco da Suíça, sendo que neste caso se tratou de corrupção no mais alto grau.


“O indivíduo é deficiente mentalmente [os zumbis], por ficar cara a cara, com uma conspiração tão monstruosa, que nem acredita que ela exista. A mente americana [humana] simplesmente não se deu conta do mal que foi introduzido em seu meio. . . Ela rejeita até mesmo a suposição de que as [algumas] criaturas humanas possam adotar uma filosofia, que deve, em última instância, destruir tudo o que é bom, verdadeiro e decente”.  – Diretor do FBI J. Edgar Hoover, em 1956.


“Precisamos URGENTEMENTE do seu apoio para continuar nosso trabalho baseado em pesquisa independente e investigativa sobre as ameaças do Estado [Deep State] Profundo, et caterva, que a humanidade enfrenta. Sua contribuição, por menor que seja, nos ajuda a nos mantermos à tona. Considere apoiar o nosso trabalho. Disponibilizamos o mecanismo Pay Pal, nossa conta na Caixa Econômica Federal  AGENCIA: 1803 – CONTA: 000780744759-2, Operação 1288, pelo PIX-CPF 211.365.990-53 (Caixa)”. para remessas do exterior via IBAN código: BR23 0036 0305 0180 3780 7447 592P 1


Saiba mais, leitura adicional:

Permitida a reprodução, desde que mantido no formato original e mencione as fontes.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *