Terceira Guerra Mundial está prestes a começar? Complexo Industrial Militar e o Estado Profundo estão nos levando à Guerra? (II)

Por que é que os EUA/Europa se recusam a pôr fim à loucura da Ucrânia? Por que não pode ser declarada ou pelo menos procurada uma era de “coexistência pacífica” na Europa e no mundo? Que tal uma distensão com a Rússia? Com a Rússia e a China? E também no Oriente Médio? O que há de errado com isso, em fazer e viver em Paz ? – Começaremos a descascar a cebola observando o Complexo Industrial Militar dos EUA.

Terceira Guerra Mundial está prestes a começar? Complexo Industrial Militar e o Estado Profundo estão nos levando à Guerra? (II)

Fonte: ScheerPost.com – Por Richard C. Cook

É claro que o Presidente Eisenhower alertou-nos contra os grandes conglomerados aeroespacial e da indústria de armas do Complexo Industrial Militar-CIM dos EUA, e há mais de 60 anos no seu “Discurso de Despedida” de 20 de Janeiro de 1961. Entre outras observações, ele disse:

“Nos conselhos de governo, devemos proteger-nos contra a aquisição de influência injustificada, procurada ou não, pelo Complexo Industrial Militar. O potencial para o aumento desastroso do poder mal colocado existe e persistirá.”

Hoje, cerca de 2,1 milhões de pessoas trabalham na indústria de defesa [da MORTE]. De acordo com a Acara Solutions, uma importante empresa de recrutamento da CIM, o seu salário médio anual é de 106.700 dólares, 40% superior à média nacional.

As empresas para as quais trabalham geraram receitas em 2022 de US$ 741 bilhões. Quanto da sua produção é lixo caro, como o “moderno jato Lockheed Martin F-35 Lightning II ou F-35 Joint Strike Fighter” ninguém sabe. O desempenho dos armamentos produzidos nos EUA no conflito na Ucrânia não parece impressionante. Nenhuma arma moderna dos EUA foi jamais testada numa guerra de tipo industrial contra um adversário igual.  

O CIM também inclui pessoal uniformizado na ativa de 1,37 milhão e reservas de 849.000. Existem 750 bases militares dos EUA em mais de 80 países fora dos EUA. Mais de 100.000 militares dos EUA estão estacionados na Europa. O salário anual e os benefícios dos militares são atualmente de 146 bilhões de dólares por ano, aumentando com os COLA compostos por dois a três por cento ao ano, por vezes mais. Presume-se que alguns antigos militares dos EUA estejam a lutar na Ucrânia como mercenários ou a ajudar a dirigir os combates a partir de locais seguros como Kiev ou Lviv. 

Depois, há os funcionários civis. De acordo com o DoD, emprega mais de 700.000 civis “numa série de posições críticas em todo o mundo”, com compensações totalizando cerca de mais 70 bilhões de dólares de gastos. De acordo com o Government Accountability Office, também podemos adicionar 560.000 funcionários terceirizados, cuja remuneração é normalmente superior à da força de trabalho de funcionários de carreira. 

Também podemos adicionar centenas de milhares de executivos, gerentes, funcionários e contratados das agências de três letras do Estado Profundo, como a CIA, a NSA, a DEA, o FBI e agora o DHS, etc., que interagem com o CIM todos os dias e dia após dia e fazem parte do mesmo tecido de força sancionada pelo Estado e de identificação e interdição do inimigo.   

Somam-se a isso os membros do Congresso que votam nos orçamentos militares e fazem as leis que protegem o CIM da responsabilização, os lobistas que pressionam esses membros para votarem favoravelmente aos seus clientes do CIM, os funcionários dos serviços financeiros do setor privado que gerem as contas de reforma dos Multidão do CIM, estrangeiros que trabalham em bases no exterior e vários canalhas e parasitas. Eu incluiria nesta última categoria a multidão de líderes de torcida do CIM de Hollywood que produzem espetáculos inúteis como o filme “Top Gun”. 

Acima de tudo, há milhões de reformados que recebem anuidades que excedem o que ganha a maioria dos americanos da classe trabalhadora, muitos destes reformados a duplicar ou triplicar com empregos lucrativos nas empresas ou no governo.

Cada um dos indivíduos acima mencionados apoia vários membros da família, trabalhadores e fornecedores da economia civil que, com o efeito cascata e a velocidade do dinheiro, mantêm vilas, cidades, estados, regiões e indústrias inteiras à tona. Um exemplo é a construção do F-35, que conta com trabalhadores montando-o em 350 distritos eleitorais. Provavelmente não é exagero dizer que, dada a grande saída de fábricas e empregos civis dos EUA ao longo do último meio século para países com mão-de-obra barata no estrangeiro, as empresas do CIM são provavelmente o principal motor econômico dos EUA como um todo.

Então vamos contar o que soma dezenas de milhões de pessoas, desculpe, seus serviços não são mais necessários? Boa sorte com isso. E não é óbvio que todas estas pessoas, especialmente os escalões mais elevados, farão tudo o que estiver ao seu alcance para nos persuadir de que os seus empregos são tão essenciais que sem eles seremos em breve subjugados e comidos vivos por todos os “inimigos” da América distribuídos pelo planeta? 

Se você duvida do que estou dizendo, pergunte a qualquer coronel ou general aposentado que tenha sido contratado como locutor da CNN ou MSNBC. É também por isso que o DoD declarou formalmente a Rússia e a China como os nossos dois “adversários”, porque, afinal de contas, é preciso apontar o dedo a alguém e culpá-lo pela sua própria sociedade disfuncional.

Mas, como testemunhei pessoalmente nos meus dias na NASA, muitos funcionários do CIM nunca fazem um trabalho honesto, ou estão principalmente ocupados com o embaralhamento de papéis ou outros trabalhos pesados, especialmente com o trabalho em casa agora na moda, com muitos passando os dias navegando na Internet, ou pior, ao mesmo tempo que atingem um nível de remuneração que coloca a maioria dos trabalhadores civis na sombra. 

Sem mencionar as mães que ficam em casa, os professores e cuidadores, os socorristas, os agentes da lei, os funcionários dos serviços de alimentação ou os desempregados, subempregados ou sem-abrigo. No entanto, muitas destas pessoas, embora trabalhem arduamente por baixos salários, se é que os têm, têm um sentimento de realização e de auto-estima que ultrapassa os enxames de burocratas e parasitas do CIM que não conseguem evitar de se sentirem degradados na sua estagnação vocacional supérflua e muitas vezes inútil. 

Será tudo isto suficiente para criar um imperativo para iniciar a Terceira Guerra Mundial? Você me diz. Certamente tem que ser um fator contribuinte. Além disso, mina a força natural da nação. Poderíamos até dizer que a máquina de guerra dos EUA é um tumor cancerígeno que se espalhou por toda a sociedade americana, poluindo e corrompendo todos os aspectos da vida, incluindo o corpo político, o ambiente, a indústria do entretenimento, os meios de comunicação de massa, a educação, a ciência, pesquisa, etc. 

Foram os militares, por exemplo, que apoiaram o planejamento dos confinamentos dos EUA durante a chamada pandemia de COVID, conforme documentado por Robert F. Kennedy, Jr., na sua monumental acusação de conluio Big Pharma/CIM/Militares no seu livro The Real Anthony Fauci: Bill Gates, Big Pharma, and the Global War on Democracy and Public Health (Children’s Health Defense) . 

Um subconjunto da questão de saber se o CIM poderia levar-nos à guerra pelas suas próprias razões egoístas é se um presidente, um partido político, ou o próprio Estado Profundo poderia usa-los para gerar uma guerra para salvar os seus próprios traseiros num momento de escândalo ou possível derrota eleitoral em novembro, nos moldes do filme Wag the Dog ? 

Vamos deixar essa questão em aberto por enquanto. Pelo menos Tucker Carlson parece pensar assim na sua previsão de que a administração Biden desencadeará uma guerra quente com a Rússia antes das eleições de 2024. É claro que não podemos saber o que realmente eles estão planejando, porque se escondem atrás de milhares de milhões de documentos confidenciais e aprisionam aqueles que ousam levantar o véu do segredo. Estamos vagamente conscientes de que os chefes têm os seus próprios planos de “continuidade de governo” com bunkers escondidos, um “Pentágono subterrâneo”, esconderijos de MREs que podem durar décadas, etc. Só não peça para ver nada disto.

Todas as guerras que os EUA travaram desde a Coreia, incluindo a guerra por procuração contra a Rússia na Ucrânia, foram uma bonança para os cofres do CIM. Depois, há o simples fato de que se você é um indivíduo que possui uma arma de qualquer tipo, seja uma pistola militar ou um ICBM, apesar dos protocolos que regem seu uso, você ainda fantasia em usar essa arma em alguém. Isto por si só cria um imperativo social em relação à guerra. Além disso, a esposa de um funcionário do CIM me disse sem rodeios que ela era a favor da guerra porque, caso contrário, como a família deles comeria

Outra forma de ver a questão é que temos um sistema profundamente enraizado de socialismo militar. Acontece que acho que ele é muito corrupto, muito ineficiente e muito perigoso. 

SERÁ OS BRICS+ CONTRA O OCIDENTE (EUA/OTAN) QUE DECIDE OS PARÂMETROS DO FUTURO CONFLITO GLOBAL?

Isso nos leva ao assunto da economia. O nível nacional de despesas no CIM e o seu papel como eixo central da economia dos EUA apontam certamente para motivos econômicos em qualquer corrida à guerra. Mas a riqueza depende dos recursos e da sua exploração. Na verdade, a apreensão dos recursos mundiais tornou-se uma especialidade apurada das potências europeias, com a adesão dos EUA nas fases posteriores, durante toda a era da colonização. Ainda hoje, as populações das antigas colônias ocidentais continuam a trabalhar nas quintas, plantações, minas e instalações de transporte dos proprietários ocidentais.

É claro que os europeus e os americanos têm justificado a sua expropriação dos recursos de outros países durante séculos em virtude de ideologias como o “direito de conquista”, a “sobrevivência do mais apto”, o “fardo do homem branco, etc.”, sempre proclamando o choque na resistência nativa. Durante o século XIX tal resistência foi decisivamente subjugada pela invenção da metralhadora Maxim. 

Os EUA ganharam experiência precoce na apropriação da terra e da sua riqueza através da desapropriação dos nativos americanos e do crescimento maciço da agricultura de plantação trabalhada por escravos. A expansão para o oeste trouxe a tomada de terras para prospecção de ouro e prata. Na altura em que os EUA começaram a ganhar mais colônias, o rico solo do Havai oferecia riqueza aos produtores de abacaxis. Um dos principais motivos da Guerra Hispano-Americana foi o confisco das plantações de açúcar cubanas. Na América Central foram bananas e café. No Chile foi o cobre. 

Na viragem do século XX os banqueiros norte-americanos emprestaram dinheiro aos britânicos para os ajudar na luta contra os bôeres, a fim de garantir os incríveis depósitos de diamantes e ouro abaixo da superfície da África do Sul. Sabemos também que os banqueiros dos EUA viram uma grande oportunidade de negócio na oportunidade de emprestar dinheiro à Grã-Bretanha e à França para que pudessem levar a cabo a Primeira Guerra Mundial contra a Alemanha.

Depois dessa guerra, o império petrolífero Rockefeller iniciou a sua expansão no Oriente Médio. Suspeita-se que o Presidente Franklin D. Roosevelt tenha incitado o Japão a atacar Pearl Harbor porque não havia nada melhor do que uma boa guerra para aumentar o emprego, depois de não ter conseguido criar uma economia de pleno emprego durante a Grande Depressão. Quando a “Guerra ao Terror” começou, o tema principal da agenda das reuniões de gabinete do Presidente George W. Bush era a tomada dos campos petrolíferos do Iraque. 

Hoje, o CIM tem uma missão primordial: proteger os interesses estrangeiros dos grandes bancos dos EUA, dos fundos de investimento e de cobertura e das empresas multinacionais. A maior empresa de defesa dos EUA é a Lockheed Martin, que é em grande parte propriedade de três gigantescos fundos de cobertura: State Street, Vanguard e BlackRock [todos controlados por . . .judeus khazares].

A CIA [Cocaine Import Agency, pois controla o tráfico de drogas globalmente] existe para controlar e manipular governos e agentes estrangeiros, derrubá-los conforme necessário, e manter líderes e jornalistas prostitutas estrangeiros na folha de pagamento enquanto tremem de medo pelas suas carreiras ou mesmo pelas suas vidas.

O paradigma é mais flagrante na Europa, que os anglo-americanos vêem como vassalos, sendo a UE a polícia. A OTAN é um mecanismo de imposição do controle dos EUA/Reino Unido, e não de defesa contra a Rússia e/ou China, que hoje não tem qualquer interesse discernível no controle político sobre a Europa, mesmo que fosse capaz de tomar tal medida, o que não é e não quer.

Em vez de se defender contra uma ameaça russa inexistente, o Ocidente adoraria deitar as mãos ao petróleo, ao gás e aos recursos minerais russos, como começou a fazer na década de 1990, antes de Putin assumir o poder e promover um renascimento nacionalista. Há muito que os EUA têm como alvo a Bacia do Cáspio e a Ásia Central, que agora pareciam vulneráveis ​​com a separação do Turquemenistão, Uzbequistão, Tajiquistão, Quirguizistão e Cazaquistão da Rússia. Estes países ainda estão em jogo para o Ocidente, tal como os microestados do Cáucaso. 

O golpe de 2014 patrocinado pelos EUA na Ucrânia foi, em parte, para a aquisição de terras e recursos ucranianos, incluindo as férteis terras agrícolas das estepes. Os grandes intervenientes são a Cargill, a ADM e a BlackRock, juntamente com inúmeras empresas da UE. Apesar do aquecimento global e das profissões de eliminação dos combustíveis fósseis, tentar obter hidrocarbonetos em todo o mundo continua a ser uma questão de urgência e hipocrisia ocidental

Mas com a situação atual, outra dimensão é a “hegemonia do dólar”. Isto nos leva ao BRICS. Talvez a maior ameaça ao imperialismo econômico ocidental seja a formação do pacto econômico que consiste no Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul. À medida que o conflito na Ucrânia se aprofunda, a expansão dos BRICS tornou-se de particular importância para a Rússia, pois é obviamente um meio de flanquear o Ocidente e vencê-lo no seu próprio jogo geopolítico. 

Na cimeira sul-africana dos BRICS de 22 a 24 de agosto de 2023, seis novas nações foram adicionadas: Arábia Saudita, Irão, Emirados Árabes Unidos, Egipto, Etiópia e Argentina, que acabou desistindo, levando ao BRICS+5. Somados à aproximação anterior entre a Arábia Saudita e o Irã, os efeitos dos BRICS e da sua expansão serão sísmicos. Outras nações que manifestaram interesse nos BRICS são Cuba, a República Democrática do Congo, Comores, Gabão, Cazaquistão e pelo menos mais uma dúzia de outras nações. 

O potencial dos BRICS é a inclusão de metade ou mais da população mundial. As economias dos BRICS ultrapassaram as economias do G-7 em 2022, e o fosso entre as economias dos BRICS e do G-7 está a aumentar irreversivel e desfavoravelmente ao G-7.

O PIB não é uma medida viável do desempenho econômico para nações com “moeda de reserva”, como os EUA, que podem imprimir dinheiro “do nada” e à vontade. Mas existe uma relação linear entre a produção real de bens e a energia. Assim, uma avaliação do desempenho econômico muito mais fiável pode ser inferida a partir da produção de eletricidade, como ilustra o gráfico seguinte :

O seguinte pode ser observado:

  • As economias dos BRICS ultrapassaram as economias do G-7 em 2012, tendo a diferença aumentado continuamente desde então.
  • As economias do G-7 não testemunharam qualquer crescimento desde a “Grande Crise Financeira” de 2008-2009.
  • As economias do G-7 encolheram 6% desde o seu pico em 2007.
  • As economias dos BRICS eram 50 por cento maiores do que as economias do G-7 em 2020.
  • As economias BRICS+ (BRICS mais seis países candidatos) eram 60% superiores às economias do G-7 em 2020.

O gráfico também explica por que razão os países BRICS não estão a seguir políticas agressivas, apesar da propaganda ocidental, pois consideram que o tempo está do seu lado. Naturalmente, recusam a prerrogativa da “moeda de reserva”, que permite aos países do G-7 desviar a riqueza arduamente obtida do resto do mundo. O aspecto mais preocupante para os EUA é a intenção óbvia dos BRICS de promover trocas comerciais em moedas locais, contornando a primazia do dólar e, secundariamente, do euro. 

De acordo com Stephen Jen, CEO da Eurizon SLJ Capital Ltd. e antigo economista do FMI/Morgan Stanley, “A participação do dólar nas reservas estrangeiras perdeu cerca de 11 por cento desde 2016. O acontecimento decisivo foram as sanções ocidentais e o congelamento das reservas em dólares da Rússia”. Ele acrescenta: “Tendo em conta o poder de compra, os países BRICS representam atualmente 32% da produção econômica global, em comparação com 30% cobertos pelos países do G-7.” Este diferencial deverá piorar à medida que novas nações forem adicionadas aos BRICS.

À medida que os BRICS, a ASEAN e outros países comercializam cada vez mais em moedas nacionais em vez de moedas de reserva ocidentais, isto resulta no enfraquecimento dessas moedas ocidentais, como evidenciado pela queda do seu poder de compra, também conhecida como inflação. Com o tempo, os padrões de vida proporcionais à produção de bens comercializáveis ​​resultarão num aumento da pobreza nos EUA e na UE, o que resultará em instabilidade social. Mas os danos recairão em grande parte sobre os escalões de rendimentos mais baixos, resultando no crescimento de uma disparidade de riqueza já insustentável, com o fator GINI para a distribuição de riqueza nos EUA a atingir 0,85 em 2020. 

Isso explica várias observações:

  1. Porque é que os BRICS não consideram necessário emitir uma nova moeda: O comércio em moedas nacionais porá fim ao mecanismo de desvio de riqueza da hegemonia do dólar americano. 
  2. Porque é que a Rússia e a China estão tentando manter políticas não conflituosas apesar das provocações: À medida que o comércio fora dos EUA, do Reino Unido e da UE aumenta com o uso crescente de moedas nacionais, resultará instabilidade política, especialmente nas nações ocidentais mais desindustrializadas. O descontentamento social e a instabilidade política já podem ser testemunhados em todo o Ocidente. Isto só aumentará à medida que o empobrecimento se espalhar devido à depreciação das moedas, levando à eventual implosão do sistema político neoliberal. Assim, a Rússia, a China e outras nações soberanas adotaram uma política de “esperar”, em vez de arriscar uma guerra cinética que resultaria na morte de milhões de pessoas. No entanto, estes países também estão embarcando num programa acelerado de desenvolvimento militar, juntamente com alianças reforçadas, caso a guerra seja inevitável. 
  3. Porque é que o Ocidente está embarcando em políticas altamente agressivas: As cabalas neoliberais que controlam o Ocidente percebem que as mudanças que ocorrem no mundo, particularmente no que diz respeito à arquitetura monetária e financeira global, significam a sua ruína e, portanto, agem cada vez mais histericamente, fomentando conflitos e caos sempre que puderem. 

Foi a hegemonia do dólar, que remonta aos Acordos de Bretton Woods da época da Segunda Guerra Mundial e à remoção nixoniana da indexação ao ouro da moeda internacional, que permitiu aos EUA tentar superar o seu enorme déficit comercial e a sua dívida pública de 33,1 Trilhões de dólares e crescente.

Só através da contínua venda de Trilhões de dólares em obrigações do Tesouro a países estrangeiros, especialmente à China, ao Japão e à Coreia, é que os EUA conseguiram abranger o mundo com as centenas de bases militares e outras instalações de que dependem para garantir uma ordem mundial amigável aos seus interesses.

Durante décadas, os países estrangeiros necessitaram de dólares para comercializar petróleo e outras mercadorias. Mas com os BRICS, esse imperativo poderá acabar mais cedo ou mais tarde. A secretária do Tesouro, Janet Yellen, disse que isto nunca acontecerá, mas outros decisores políticos estão vendo o que já está escrito na parede e em LETRAS BEM GRANDES. 

Serão as perspectivas dos BRICS tão sérias que os EUA possam lançar a Terceira Guerra Mundial contra as suas principais potências, a Rússia, a China e agora o Irã, como um último ato de desespero, à medida que toda a sua ordem mundial se encaminha para o colapso? 

Não é um bom presságio que estas três nações, juntamente com a Coreia do Norte, tenham sido identificadas pela senadora republicana Marsha Blackburn, do Tennessee, como o novo “eixo do mal”. Ela fala por grande parte da classe política dos EUA. 


SEJA UM ASSINANTE DO BLOG: Para os leitores do Blog que ainda não são assinantes e desejam acessar as postagens em seus endereços de E-Mail, solicitamos, por favor, que façam a sua inscrição aqui neste LINK: https://linktr.ee/thoth3126

Convidamos também a conhecerem e seguirem nossas redes sociais:
Instagram: https://www.instagram.com/th.oth3126/
Facebook: https://www.facebook.com/thoth3126.blog
X (antigo Twitter): https://twitter.com/thoth3126_blog
Youtube: https://www.youtube.com/@thoth3126_blog

Siga o canal “Blog Thoth3126” no WhatsApp: https://www.whatsapp.com/channel/0029VaF1s8E9Gv7YevnqRB3X


Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Receba nosso conteúdo

Junte-se a 4.326 outros assinantes

compartilhe

Últimas Publicações

Indicações Thoth