Texas processa Pfizer por ‘Exagerar a Eficácia da “Vacina” mRNA Covid-19’ e ‘Conspirar para Censurar o discurso público’

O procurador-geral do Texas está processando a gigante farmacêutica Pfizer por deturpar a eficácia da “vacina” Covid-19 da empresa e por conspirar para censurar aqueles que questionavam as suas reivindicações SOBRE A EFICÁCIA DE SEU PRODUTO. A ação, aberta na quinta-feira, alega que a Pfizer violou a Lei de Práticas Comerciais Enganosas do Texas ao se envolver em atos falsos e enganosos ao promover a droga mRNA Covid-19.

Texas processa Pfizer por ‘Deturpar a Eficácia da “Vacina” mRNA Covid-19’ e ‘Conspirar para Censurar o discurso público’ contrário ao seu produto

Fonte: Zero Hedge

Texas processa Big Pharma Pfizer por “deturpar a eficácia da “vacina” mRNA Covid-19″ e “Conspirar para censurar o discurso público” contrário à pseudo “vacina”.

A ação, movida na quinta-feira, alega que a Pfizer violou a Lei de Práticas Comerciais Enganosas do Texas ao se envolver em atos falsos e enganosos ao promover a droga mRNA Covid-19.

“Os fatos são claros. A Pfizer não disse a verdade sobre as suas vacinas contra a COVID-19”, afirmou. disse o procurador-geral Kenneth Paxton em uma declaração revelando o processo judicial. 

“Estamos buscando justiça para o povo do Texas, muitos dos quais foram coagidos por mandatos tirânicos de vacinas a aceitar um produto defeituoso vendido por mentiras.

O processo judicial ocorre cerca de oito meses depois que Paxton anunciou uma investigação sobre Pfizer, Moderna e Johnson & Johnson por possíveis deturpações sobre a eficácia das vacina contra a Covid-19 e pela “potencial manipulação de dados de ensaios de vacinas”.

Ele acusou a empresa de “deturpar ilegalmente a eficácia da vacina contra a COVID-19 da empresa e tentar censurar a discussão pública sobre o produto,” de acordo com um comunicado à imprensa.

A Pfizer se envolveu em atos e práticas falsas, enganosas e mentirosas ao fazer alegações infundadas sobre a vacina contra a COVID-19 da empresa, em violação da Lei de Práticas Comerciais Enganosas do Texas”, continua a declaração.

Grande parte da reclamação de 54 páginas de Paxton se concentra na Pfizer’ em 20 de dezembro de 2020, afirmam que sua vacina foi “95% eficaz.”

No entanto, de acordo com a denúncia, “morreram mais americanos em 2021, com a vacina da Pfizer disponível, do que em 2020, o primeiro ano da pandemia”. Ele também cita relatórios do governo que concluem que, em alguns lugares, as mortes entre pessoas vacinadas ultrapassaram as mortes entre as pessoas não vacinadas, mesmo numa base percentual. 

A alegação da Pfizer de 95% de eficácia baseava-se no enquadramento enganoso das observações dos ensaios clínicos, afirma a denúncia:  

Esse número só foi legítimo de forma solitária, altamente técnica e artificial –representava um cálculo da chamada “redução de risco relativo” para indivíduos vacinados no então inacabado ensaio clínico principal da Pfizer.

Mas as publicações da FDA indicam que a “redução relativa do risco” é uma estatística enganosa que “influencia indevidamente” a escolha do consumidor.

Na verdade, de acordo com a FDA: “quando as informações são apresentadas em um formato de risco relativo, a redução do risco parece grande e os tratamentos são vistos de forma mais favorável do que quando as mesmas informações são apresentadas” usando métricas mais precisas.

A afirmação crítica de 95% ocorreu num momento em que a Pfizer tinha apenas uma média de dados de dois meses sobre os participantes dos ensaios, diz Paxton. Especificamente, o procurador de justiça do Texas afirma que dos 17.000 participantes que receberam um placebo, apenas 162 contraíram a doença, o que constitui uma base fraca para avaliar a eficácia da chamada vacina. 

Se a Pfizer tivesse usado a métrica preferida da FDA – redução absoluta do risco – teria informado ao público que “a vacina tinha apenas 0,85% de eficácia”, disse Paxton.

“Além disso, de acordo com os próprios dados da Pfizer, prevenir um caso de COVID-19 exigia a vacinação de 119 pessoas [!!!!].”

Paxton também acusa a Pfizer de criar uma falsa impressão sobre a duração da proteção da vacina sem qualquer fundamento. Pior ainda, a denúncia acusa a Pfizer de “reter dados e informações altamente relevantes do público consumidor, mostrando que a eficácia da injeção mRNA diminuiu”. A Pfizer também é acusada de ter feito afirmações e insinuações infundadas sobre a suposta capacidade da vacina de impedir a transmissão e de ser útil contra as variantes do vírus. 

A denúncia também diz que a Pfizer “tomou medidas evidentes para intimidar e silenciar pessoas que divulgam informações factuais sobre a eficácia da vacina,” uma campanha de censura que permitiu à empresa “garantir compromissos de compra de pelo menos $ 415 milhões de dólares e 2,7 bilhões de doses dos EUA e de governos estrangeiros, respectivamente”. As ações da Pfizer incluíram pressionar as plataformas de mídia social para silenciar e censurar os céticos influentes. 

É com muita hesitação que nos referimos à vacina da Pfizer como uma “vacina”. Afinal, na prática, não se comportou de forma diferente da forma como esse termo era entendido antes da pandemia. Por exemplo, antes da Covid-19, os Centros de Controle e Prevenção de Doenças (CDC) dos EUA definiam “vacinação” como “o ato de introduzir uma vacina no corpo para produzir imunidade a uma doença específica”.

Depois que as chamadas vacinas contra a Covid-19 provaram produzir algo muito aquém de uma imunidade confiável, o CDC mudou as metas para beneficiar a indústria farmacêutica empresas e seus companheiros de viagem na burocracia da saúde pública. Como destacou o congressista de Kentucky, Thomas Massie, em setembro de 2021, CDC postou nova linguagem definindo vacinação como “o ato de introduzir uma vacina no corpo para produzir proteção contra uma doença específica ”:

Aqui está o precessão judicial do estado do Texas contra a Pfizer completo:

O procurador-geral do Texas, Ken Paxton, está processando a Pfizer por exagerar a eficácia da vacina Covid-19. Lembra quando o CEO Bourla afirmou falsamente que era 95% eficaz e interromperia a transmissão? Aqui está o processo: “As vacinas COVID-19 são o milagre que não existia”.


AVISO PARA OS ASSINANTES DO BLOG: Para os leitores assinantes do Blog, que recebiam link para acessar as postagens em seus endereços de E-Mail, solicitamos, por favor, que refaçam a sua inscrição aqui neste LINK: https://linktr.ee/thoth3126, devido à problemas técnicos e perda de dados que tivemos com a migração de servidor. Também avisamos aos nossos leitores que estamos preparando uma NOVA VERSÃO do Blog que em breve será disponibilizada para todos.

Convidamos também a conhecerem e seguirem nossas redes sociais:
Instagram: https://www.instagram.com/th.oth3126/
Facebook: https://www.facebook.com/thoth3126.blog
X (antigo Twitter): https://twitter.com/thoth3126_blog
Youtube: https://www.youtube.com/@


“Precisamos do seu apoio para continuar nosso trabalho baseado em pesquisa independente sobre as ameaças do Estado [Deep State] Profundo, et caterva, que a humanidade enfrenta. Sua contribuição nos ajuda a nos mantermos à tona. Considere apoiar o nosso trabalho. Disponibilizamos o mecanismo Pay Pal, nossa conta na CEF, Agência: 1803 – CONTA: 000780744759-2, Operação 1288, pelo PIX-CPF 211.365.990-53 (Caixa)”


Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Receba nosso conteúdo

Junte-se a 4.330 outros assinantes

compartilhe

Últimas Publicações

Indicações Thoth