browser icon
Você está usando uma versão insegura do seu navegador web. Por favor atualize seu navegado!
Usando um navegador desatualizado torna seu computador inseguro. Para mais segurança, velocidade, uma experiência mais agradável, atualize o seu navegador hoje ou tente um novo navegador.

The Great Reset, Parte I – Expectativas reduzidas e Bio-Tecno-Feudalismo

Posted by on 08/07/2021

A Grande Reinicialização está na mente de todos, quer todos saibam disso ou não. É pressagiado pelas medidas tomadas por estados usando de medidas draconianas e totalitárias, contra seus cidadãos, em todo o mundo em resposta à [pseudo] crise covid-19. (Quero dizer com “crise” não a chamada pandemia em si, mas as respostas a um novo vírus chamado SARS-Cov 2 e o impacto das respostas nas condições sociais, finaneiras e econômicas.)

Tradução, edição e imagens:  Thoth3126@protonmail.ch

A Grande [Great Reset] Reinicialização – Parte I: expectativas reduzidas e bio-tecno-feudalismo

Fonte:  Mises.Org

Por Michael Rectenwald  [foi professor de estudos liberais na New York University (aposentado).]

Em seu livro, COVID-19: The Great Reset , o fundador e presidente executivo do Fórum Econômico Mundial (WEF), Klaus Schwab, escreve que a crise do covid-19 deve ser considerada como uma “oportunidade [que deve ser] aproveitada para tornar o tipo de mudanças e escolhas de políticas que colocarão as economias dos países do mundo no caminho de um futuro mais justo e verde”.

Embora Schwab venha promovendo o seu “Great Reset” por anos, a crise [fabricada] pelo Covid-19 forneceu um pretexto para finalmente decretá-lo. De acordo com Schwab, não devemos esperar que o sistema mundial pós-covid retorne aos seus modos anteriores de operação. Em vez disso, alternando entre a descrição e a prescrição, Schwab sugere que as mudanças serão, ou deveriam ser, implementadas em domínios interdependentes e interligados para produzir um novo normal.

Então, o que é o Great Reset e qual é o “novo normal” que ele estabeleceria?

A Grande [Great Reset] Reinicialização significa redução de receitas e uso de carbono. Mas Schwab e o WEF também definem a Grande Reinicialização em termos da convergência dos sistemas econômico, monetário, tecnológico, médico, genômico, ambiental, militar e de governança política.

A Grande [Great Reset] Reinicialização envolveria grandes transformações em cada um desses domínios, mudanças que, de acordo com Schwab, não apenas alterarão nosso mundo, mas também nos levarão a “questionar o que significa ser humano”.

Em termos de economia e política monetária, a Grande Reinicialização envolveria uma consolidação da riqueza, por um lado, e a provável emissão de renda básica universal (UBI), por outro. [3]  Pode incluir uma mudança para uma moeda digital, [4]  incluindo uma centralização consolidada de contas bancárias, dinheiro digital, tributação imediata em tempo real, taxas de juros negativas e vigilância centralizada e controle sobre gastos e dívidas.

Embora todos os aspectos da Grande [Great Reset] Reinicialização envolvam tecnologia, a Grande Reinicialização envolve especificamente “a Quarta Revolução Industrial”[5] ou o transumanismo, que inclui o uso e implantação da genômica, nanotecnologia e robótica e sua penetração nos corpos e cérebros humanos.

Claro, a quarta Revolução Industrial envolve a redundância de trabalho humano em setores crescentes, a ser substituída pela automação. Além disso, Schwab elogia o uso de nanotecnologia e varreduras cerebrais para prever, prevenir e controlar o comportamento humano.

A Grande [Great Reset] Reinicialização significa a emissão de passaportes médicos, que logo serão digitalizados, bem como acesso dos registros médicos, incluindo histórico médico, composição genética e estados de doença de todos os indivíduos do planeta. 

Mas pode incluir o implante de microchips que leiam e relatam sobre a composição genética e estados cerebrais de tal forma que “[mesmo] cruzar uma fronteira nacional pode um dia envolver uma varredura cerebral detalhada para avaliar o risco de segurança oferecido por um indivíduo.” [6]

Na frente genômica, o Great Reset inclui avanços em engenharia genética e a fusão de genética, nanotecnologia e robótica no transumanismo. Em termos militares, o Great Reset implica a criação de novos espaços de batalha, incluindo ciberespaços e o cérebro humano como um espaço de batalha [para ser controlado]. [7]

Em termos de governança, o Great Reset significa governo e “governabilidades” cada vez mais centralizado, coordenado e expandido, a convergência de grandes corporações [Complexo Industrial Militar, Big Techs, Big Pharma num “BIG GOVERNO”] e estados e a digitalização das funções governamentais, incluindo, com o uso de 5G [REDE SKYNET] e algoritmos preditivos,  rastreamento em tempo real e vigilância de corpos no espaço ou a “governança antecipatória” do comportamento humano e dos sistemas de controle. [8]

Dito isso, a “Grande [Great Reset] Reinicialização” é apenas uma campanha de propaganda coordenada envolta em um manto de inevitabilidade. Em vez de uma mera teoria da conspiração, como sugeriu o New York Times ,[9]  a Grande [Great Reset] Reinicialização é uma tentativa de conspiração, ou o “pensamento positivo” [10] dos planejadores socioeconômicos de ter “partes interessadas” [11] corporativas  e os governos adotarem os desideratos dos oligarcas defensores desta iniciativa do WEF.

Para vender este pacote rotulado de Grande [Great Reset] Reinicialização, o WEF mobiliza a retórica aquecida de “igualdade econômica”, “justiça”, “inclusão” e “um destino compartilhado”, entre outros “eufemismos”. [12] Juntas, tais frases de efeito representam o componente coletivista, socialista político e ideológico do socialismo corporativo [controlado pelos grandes conglomerados] imaginado [13] (uma vez que o socialismo econômico nunca pode ser promulgado, é sempre apenas político e ideológico).

Vou examinar as perspectivas para a Grande [Great Reset] Reinicialização nas próximas edições. Mas basta dizer, por enquanto, que o WEF imagina uma ordem global biotécnica-feudal, com planejadores socioeconômicos e “partes interessadas” corporativas no comando e a maior parte da humanidade em sua escravidão servil aos seus “senhores” oligarcas.

A massa da humanidade, diriam os planejadores, viverá sob uma estase econômica de expectativas reduzidas, com a sua autonomia e direito individual grandemente reduzidas, se não totalmente obliterada. Como Mises sugeriu, esses planejadores são autoritários que pretendem suplantar os planos de atores individuais por seus próprios planos centralizados. Se promulgados, tais planos fracassariam, mas sua adoção teria um preço.


Notas:


Questione tudo, nunca aceite nada como verdade sem a sua própria análise, chegue às suas próprias conclusões


“Parece duvidoso se, de fato, a política de “Botas no rosto” pode continuar indefinidamente.  Minha própria convicção é que a oligarquia governante encontrará maneiras menos árduas e perdulárias de governar e de satisfazer sua ânsia de poder, e essas formas serão semelhantes às que descrevi em Admirável Mundo Novo [uma verdadeira profecia publicada em 1932]Na próxima geração, acredito que os governantes do mundo descobrirão que o condicionamento INFANTIL e a narco-hipnose são mais eficientes, como instrumentos de governo, do que e prisões e campos de concentração, e que o desejo de poder pode ser completamente satisfeito sugerindo às pessoas que amem sua servidão ao invés de açoita-los e chutando-os até à obediência. ”  Carta de Aldous Huxley  EM 1949 para George Orwell autor do livro “1984” 


Mais informação adicional:

Permitida a reprodução, desde que mantido no formato original e mencione as fontes.

www.thoth3126.com.br

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.