browser icon
Você está usando uma versão insegura do seu navegador web. Por favor atualize seu navegado!
Usando um navegador desatualizado torna seu computador inseguro. Para mais segurança, velocidade, uma experiência mais agradável, atualize o seu navegador hoje ou tente um novo navegador.

Trocaram as moscas, mas a M… continua piorando, agora “saindo” mais à “direita”

Posted by on 01/10/2019

O ministro Gilmar Mendes, do Supremo Tribunal Federal (STF), determinou a suspensão dos processos envolvendo a quebra do sigilo do senador Flávio Bolsonaro (PSL-RJ) no caso do seu ex-assessor Fabrício Queiroz, atendendo a um pedido do advogado do político, Frederick Wassef. A retomada das investigações ficou, por isso, condicionada a uma decisão do plenário do Supremo, que deve discutir o tema em 21 de novembro de 2019. Gilmar ressaltou ainda que sua decisão não “traduz qualquer antecipação do entendimento” dele “quanto ao mérito da tese de repercussão geral, a ser apreciada no julgamento” pelo plenário do Supremo, marcado para novembro.

Edição e imagens:  Thoth3126@protonmail.ch

Gilmar Mendes suspende ações contra Flávio Bolsonaro no caso Queiroz

Fonte:  https://www.dw.com/pt-br/gilmar-suspende-ações-contra-flávio-bolsonaro-no-caso-queiroz/a-50653725

Ministro do STF atende a pedido do senador e reforça decisão de Dias Toffoli de suspender investigações que usam dados de órgãos de controle sem autorização judicial. Defesa argumentou que determinação não foi cumprida.

Flávio Bolsonaro é alvo de investigação sobre um suposto esquema de “rachadinha” quando ele era deputado estadual no Rio de Janeiro

Wassef encaminhou no início de setembro uma reclamação ao STF, argumentando que as investigações envolvendo seu cliente continuavam, apesar de uma decisão do presidente do tribunal, Dias Toffoli, de que fossem suspensos todos os processos judiciais em que dados foram compartilhados por órgãos de controle sem autorização da Justiça.

O defensor de Flávio alega que o Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro (TJ-RJ) determinou em 27 de agosto a inclusão de dois habeas corpus do senador em sua pauta de julgamentos, o que desrespeitaria a determinação em caráter liminar de Toffoli.

O inquérito diz respeito a um suposto esquema de “rachadinha” (quando um servidor repassa parte ou total do seu salário ao político que o contratou) no gabinete de Flávio, na época em que ele exercia mandato na Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro.

Trocaram as “MOSCAS” mas a M… continua a mesma, só que agora é produzida mais à “DIREITA”

Em julho, Toffoli atendeu a um pedido do filho mais velho do presidente Jair Bolsonaro e determinou a suspensão de todos os processos e investigações em que tenha havido compartilhamento sem autorização judicial prévia de dados sigilosos de órgãos de inteligência, como o Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf), Banco Central e Receita Federal.

A retomada das investigações ficou, por isso, condicionada a uma decisão do plenário do Supremo, que deve discutir o tema em 21 de novembro.

Em sua decisão, assinada em 27 de setembro e divulgada nesta segunda-feira (30/09), Gilmar destacou um e-mail enviado pelo Ministério Público do Rio de Janeiro (MP-RJ) em 14 de dezembro de 2018 pedindo informações ao Coaf (rebatizado posteriormente como Unidade de Inteligência Financeira, UIF), sem autorização judicial prévia.

O ministro do STF também pediu ao Conselho Nacional do Ministério Público (CNMP) a investigação de possíveis irregularidades no compartilhamento de dados entre o Coaf e o Ministério Público do Rio.

Gilmar ressaltou ainda que sua decisão não “traduz qualquer antecipação do entendimento” dele “quanto ao mérito da tese de repercussão geral, a ser apreciada no julgamento” pelo plenário do Supremo, marcado para novembro.

MD/ots


Enquanto isso, no mundo dos cidadãos “comuns” (mas honestos e trabalhadores que sustentam toda a bandalheira) o STF recebeu “Parabéns pela demora em julgar”, dizem advogadas a Rosa Weber após morte de cliente que aguardava decisão do STF há ONZE ANOS.

Fonte:  https://gauchazh.clicrbs.com.br/

Defensoras enviaram carta a ministra do Supremo, Rosa Weber, para criticar impasse que se arrasta há 11 anos sem nenhuma decisão pela “alta corte” de … Justiça

Em uma manifestação enviada à ministra do Supremo Tribunal Federal (STF) Rosa Weber, duas advogadas de Pelotas, no sul do Estado do RS, criticaram a demora no julgamento de um caso envolvendo um homem de 80 anos. Segundo a carta enviada à Corte, o homem aguardava há 11 anos uma decisão do Supremo e morreu no mês passado sem ver o seu pleito atendido. O comunicado das defensoras ironiza:

“Parabéns, ministra, pela demora”.

Assinado pelas advogadas Lílian Velleda Soares e Maria Emília Valli, o comunicado conta a história de Celmar Lopes, servidor aposentado da Universidade Federal de Pelotas (UFPel) que, juntamente com outros ex-servidores públicos, pleitearam o reajuste de 28,86% em suas aposentadorias.

Em 2001, o processo foi alvo de embargos de declaração e, em maio de 2008, o INSS ingressou no STF com um recurso extraordinário, com o objetivo de suspender o pagamento das prestações. O pagamento da parcela ficou congelado até que o STF decida pela manutenção da sentença inicial.

Em entrevista ao programa Estúdio Gaúcha, da Rádio Gaúcha, a advogada Lilian Soares afirmou que a defesa chegou a entrar em contato com o gabinete institucional do STF solicitando agilidade na decisão e explicando as condições que Celmar passava, sem sucesso. O aposentado morreu no dia 16 de setembro.

— Chegamos a colocar o Seu Celmar na linha por telefone com membros do gabinete do STF, mas mesmo assim não tivemos nenhum retorno — contou a advogada.

Em um trecho do comunicado, as advogadas citam a morte do idoso e ironizam a licitação publicada em abril deste ano para a compra de lagostas e vinhos para os ministros do STF degustarem em suas refeições:

“Informamos também que as cerimônias fúnebres do cidadão brasileiro foram singelas, sem as lagostas e os vinhos finos que os nossos impostos suportam.”

Segundo a advogada, a crítica não teve a intenção de ferir pessoalmente a ministra Rosa Weber, mas sim expor a situação da instituição STF. Sobre o uso da ironia, ela diz que são figuras de linguagem utilizadas no Direito para contextualizar as situações.

GaúchaZH entrou em contato com o gabinete da ministra Rosa Weber, mas não obteve retorno até as 10h.(ela deveria estar ocupada saboreando os acepipes…)


Image result for puppet gifA Matrix (o SISTEMA de CONTROLE MENTAL):  “A Matrix é um  sistema de controle, NEO. Esse sistema é o nosso inimigo. Mas quando você está dentro dele, olha em volta, e o que você vê? Empresários, professores, advogados, políticos, carpinteiros, sacerdotes, homens e mulheres… 

As mesmas mentes das pessoas que estamos tentando salvar. “Mas até que nós consigamos salvá-los, essas pessoas ainda serão parte desse  sistema de controle e isso os transformam em nossos inimigos. Você precisa entender, a maioria dessas pessoas não está preparada para ser desconectada da Matrix de Controle Mental. E muitos deles estão tão habituados, tão desesperadamente dependentes do sistema, que eles vão lutar contra você  para proteger o próprio sistema de controle que aprisiona suas mentes …”


 Mais informações, leitura adicional:

Permitida a reprodução desde que mantida na formatação original e mencione as fontes.

phi-cosmoswww.thoth3126.com.br

 

2 Responses to Trocaram as moscas, mas a M… continua piorando, agora “saindo” mais à “direita”

  1. Silvio J. B. Maia

    Observe-se, bem, que a intervenção precisa ser também contra esse governo, envolvido em tramóias em que natural, logicamente e para variar vão dançar os interesses do povo.

    Convidamos a apreciarem os posts da https://www.facebook.com/groups/multilistalivre/

  2. Antifa

    Boa. Órimo artigo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.