browser icon
Você está usando uma versão insegura do seu navegador web. Por favor atualize seu navegado!
Usando um navegador desatualizado torna seu computador inseguro. Para mais segurança, velocidade, uma experiência mais agradável, atualize o seu navegador hoje ou tente um novo navegador.

Trump x Complexo Industrial Militar: Escalada da Guerra “Invisível” e o perigo de golpe militar nos EUA

Posted by on 17/09/2020

Na conferência do Dia do Trabalho desta semana, o presidente Donald Trump lançou o desafio em oposição aos interesses dos grandes conglomerados da indústria de armas e aeroespacial, o chamado Complexo Industrial Militar anglo-americano, quando ambos inspiraram esperança em muitos espectadores de que a era das “guerras intermináveis” dos Estados Unidos pudesse finalmente chegar ao fim, mas também temia que um emergência do perigo de um Golpe Militar para derrubar Trump estava próximo. Esse perigo foi enunciado pelo senador estadual Richard Black (um ex-coronel e oficial de inteligência) durante uma conferência de 5 de setembro.

Tradução, edição e imagens:  Thoth3126@protonmail.ch

Trump versus  Complexo Industrial Militar: Escalada da Guerra “Invisível” e o perigo de golpe militar nos EUA

Fonte:Por Matthew Ehret para o The Saker 

Esse perigo de um Golpe Militar nos EUA foi enunciado pelo senador estadual Richard Black (um ex-coronel e oficial de inteligência) durante uma conferência de 5 de setembro de 2020. Em seu discurso de conteúdo forte que ganhou a ira dos chefes do Pentágono, o presidente Donald Trump pediu aos militares para finalmente trazerem as tropas [soldados] da América para casa e acabar com as inúmeras “guerras sem fim”, dizendo:

“Não estou dizendo que os militares estão apaixonados por mim; os soldados estão. As pessoas do alto escalão do PENTÁGONO provavelmente não estão, porque não querem fazer nada a não ser travar guerras para que todas essas empresas maravilhosas [os grandes conglomerados do “Complexo Industrial Militar” anglo-americano] que fazem as armas, as bombas, navios e os aviões e [tudo o mais para que] continuem felizes. Mas estamos saindo das guerras sem fim…. Vamos trazer nossos soldados de volta para casa”.

Para aqueles devotos que odeiam Trump que não estão dispostos a aceitar a possibilidade de que tenha havido um golpe ativo contra o presidente nos últimos 3,5 anos, ou que o colapso econômico iminente (desencadeado sob a cobertura da pandemia pelo COVID-19) e o perigo de uma guerra civil geral dentro dos EUA pode dar início a um golpe de Estado … pensem novamente.

O fato é que a América chegou e está mais perto do que muitos pensam de uma ditadura militar total sob o controle dos banqueiros de Wall Street / Londres / Complexo Industrial Militar anglo-americano em mais de uma ocasião e, a menos que as lições da história sejam rapidamente compreendidas, não apenas isso acontecerá novamente, mas acompanhará um nova [e última] guerra mundial da qual pouquíssimas vidas, ricas ou pobres, seriam poupadas.

A solução fascista do milagre econômico de 1932

O período de 1932-1934 foi um período da história que viu o mundo mergulhar em uma profunda depressão com a quebra dos mercados em 1929, que a mídia disse ao povo da Europa e da América, que só poderia ser resolvida pela “solução econômica milagrosa” através de um novo sistema de governança conhecido como “fascismo”.

Essa “solução econômica fascista” se apoderou da Europa com a rápida ascensão do nazismo, do corporativismo de Franco na Espanha e Mussolini na Itália e do que mais tarde se tornou a França de Vichy. No Canadá inglês, a Liga para a Reconstrução Social  estava pronta para assumir o poder em 1932 e o Canadá de língua francesa estava rapidamente abraçando o partido político de inspiração nazista de Adrien Arcand. 

A classe governante britânica, “liderada” pela família real, apoiava totalmente o nazismo, e a União Britânica de Fascistas de Sir Oswald Mosley crescia mais rápido do que nunca. Todos esses movimentos vieram embalados em diferentes sabores e cores, mas estavam unidos sob uma fria filosofia utilitária de governo, um amor devoto pela eugenia (a “ciência” racista do controle populacional por uma elite de “eleitos”) e o vício controlar o dinheiro da City de Londres / Wall Street. Nos Estados Unidos, entretanto, as coisas não estavam indo tão bem para a execução destes planos.

A eleição de Franklin Delano Roosevelt [FDR]  presidência dos EUA

Franklin Delano Roosevelt [FDR]

Mesmo que a elite financeira de Wall Street tivesse desligado o sistema [a grande depressão de 1929] quatro anos antes, a população ainda não havia sido quebrada o suficiente para aceitar o fascismo nos EUA como a solução que a revista Time disse a eles que era necessário. 

Em vez disso, o povo votou nas eleições presidenciais em um dos poucos candidatos antifascistas disponíveis em 1932, quando Franklin D. Roosevelt foi eleito presidente sob o lema de tirar do poder os agiotas de Wall Street / City de Londres e restaurar a constituição. Em seu  discurso de posse de 4 de março de 1933, FDR declarou: 

“As práticas dos “cambistas [banqueiros de Wall Street/City de Londres] inescrupulosos” são indiciadas no tribunal da opinião pública, rejeitadas pelos corações e mentes dos homens. É verdade que eles tentaram, mas seus esforços foram lançados no padrão de uma tradição ultrapassada. Diante da falta de crédito, eles propuseram apenas o empréstimo de mais dinheiro. Despojados da isca de lucro [fácil] com a qual induzem nosso povo a seguir sua falsa liderança, eles recorrem a exortações, suplicando em pranto pela restauração da confiança [no cassino, ops, mercado financeiro]. Eles conhecem apenas as regras de uma geração de buscadores de si mesmos. Eles não têm visão, e quando não há visão, o povo perece. Os cambistas inescrupulosos fugiram de seus lugares altos no templo de nossa civilização. Podemos agora restaurar esse templo às verdades antigas”.

Durante  os famosos 100 dias de FDR, uma guerra total foi declarada contra os “cambistas [banqueiros de Wall Street/City de Londres] inescrupulosos” que haviam conquistado e derrubado a nação. Auditorias e investigações foram conduzidas nos bancos na forma da Comissão Pecora, e as maiores casas financeiras que gastaram bilhões financiando partidos fascistas da Europa foram quebradas enquanto a especulação era refreada sob a investigação  Glass-Steagall . Enquanto isso, uma nova forma de banco surgiu mais em alinhamento com as tradições constitucionais dos Estados Unidos na forma de crédito produtivo e obras públicas de longo prazo que criaram empregos reais e aumentaram os poderes produtivos nacionais do trabalho gerando riqueza REAL.

Muitas pessoas ainda permanecem totalmente ignorantes de que mesmo antes de sua posse em 4 de março de 1933, Franklin D. Roosevelt escapou por pouco de uma tentativa de assassinato na Flórida que viu 5 pessoas atingidas por balas e o prefeito de Chicago morrendo por seus ferimentos 3 semanas depois. Poucos dias após a morte do prefeito, o assassino Giuseppe Zingara foi rapidamente rotulado de “atirador solitário” e executado sem qualquer inquérito e investigação séria sobre suas conexões maçônicas. No entanto, isso foi apenas um fato precursor para uma batalha ainda maior que os financistas de Wall Street/City de Londres [Rothschild] lançariam para derrubar a presidência de FDR no final daquele ano. Esse esforço só seria interrompido pela intervenção corajosa de um militar fuzileiro naval patriótico chamado Smedley Darlington Butler.

Quem foi o General Major Smedley Darlington Butler?

Nascido em 1881 em uma família de conservadores Quakres patrióticos, Smedley Butler rapidamente subiu na hierarquia militar nas forças armadas dos EUA, tornando-se a figura militar mais condecorada da história dos Estados Unidos – um recorde que ele mantém até hoje com várias medalhas de honra, uma medalha de serviço distinta do Exército e fuzileiro naval Medalha do Corps Bruvet (para citar apenas alguns).

No final do “moedor de carne” orquestrado pelos banqueiros da City de Londres conhecido como Primeira Guerra Mundial, o General Butler se tornou um patriota ativista fazendo discursos por toda a América em denúncia dos financiadores privados que então dirigiam a economia americana movida pela máquina de guerra do incipiente Complexo Industrial Militar. Falando aos veteranos em agosto de 1933,  o general Butler disse :

“Passei 33 anos [de minha vida] sendo um homem forte de alta classe para as grandes empresas, para Wall Street e os seus banqueiros. Resumindo, eu era  um golpista [agia de acordo com os interesses] do capitalismo … Ajudei a “purificar” a Nicarágua para a casa bancária internacional dos Irmãos Brown em 1909-1912. Eu ajudei a tornar o México e especialmente Tampico seguro para os interesses petrolíferos americanos em 1916. Eu ajudei a tornar o Haiti e Cuba um lugar decente para os meninos do National City [Banco] coletarem receita. Eu ajudei a estuprar meia dúzia de repúblicas da América Central em benefício de Wall Street … Na China, eu ajudei a garantir que a Standard Oil [EXXON, dos Rockfellers] seguisse seu caminho sem ser molestada … Eu tinha uma grande algazarra. Fui recompensado com honras, medalhas e promoções. Eu poderia ter dado algumas dicas a Al Capone. O melhor que Capone pôde fazer foi operar uma quadrilha em três cidades. Os fuzileiros navais operavam em três continentes [após SETENTA ANOS parece que NADA MUDOU]… ”

Apesar de sua crítica aberta ao capitalismo de compadrio, a elite de Wall Street simplesmente presumiu que todos os homens tinham seu preço, e que o General Butler provavelmente só ficou indignado porque nunca recebeu um pedaço grande de torta.

Lançado o “Golpe” dos banqueiros de Wall Street

Esses financiadores precisavam de alguém como Butler para canalizar a fúria dos soldados veteranos da Primeira Guerra Mundial em greve por toda a América, que lutavam pelo pagamento do bônus prometido anos antes, mas que não foi pago devido ao colapso dos mercados [o cassino de Wall Street] de 1929 que gerou a grande depressão e quebrou os EUA. Uma força de centenas de milhares de soldados experientes e descontentes era exatamente o que era necessário para derrubar o presidente Roosevelt, mas estava faltando uma liderança para manipulá-los e conduzi-los a serem o instrumento de Wall Strret e sua agenda golpista, e o general Butler era seu homem para o trabalho. Ele era um herói de guerra mais condecorado dos EUA e visto como honesto e amado pelos veteranos. Ele era perfeito para esse papel.

Sob a orientação de Grayson Prevost Murphy do banqueiro J.P. Morgan, dois representantes da Legião Americana (Comandante Bill Doyle e vendedor de títulos de Guerra Gerald MacGuire) abordaram Butler em julho de 1933 para a tarefa de reunir os veteranos da Legião e começaram a dar dicas de um plano de um golpe maior. Butler ficou desconfiado, mas continuou seguindo o plano apresentado para ver até onde isso subia na escada do poder (1).

Ao longo dos meses seguintes, Butler descobriu que a elite financeira da América girava em torno de John Pierpont Morgan Jr., os Harrimans, os Melons, Warburgs, Rockefellers e Duponts estavam no centro da trama para derrubar FDR. Esses homens usaram seus agentes, como Gerald MacGuire, um vendedor de títulos afiliado ao JP Morgan, os controladores do Partido Democrata John W. Davis e Thomas Lamont (ambos ocupando cargos de direção na Casa JP Morgan), Robert Sterling Clark (herdeiro da fortuna da máquina de costura Singer), Grayson Prevost Murphy e o banqueiro de investimentos da Família Harriman, Prescott Bush. Todos esses personagens se tornaram “investidores” bem conhecidos na implantação do fascismo europeu, possuíam, eram os proprietários das maiores plataformas de mídia, incluindo as revistas Fortune e a Time Magazine (ambas promovendo Mussolini extensivamente durante anos) e controlando as alavancas da indústria.

Felizmente, a Comissão Pecora de 1932-1934 expôs a agenda dessas forças publicamente como os arquitetos da Grande Depressão, e a quebra dos mercados nos EUA tornando sua capacidade de obter apoio popular e simpatia mais do que um pouco difícil. Descrevendo as conclusões de seu Comitê, Pecora havia escrito publicamente:  

“Sem dúvida, este pequeno grupo de financistas de Wall Street altamente colocados, controlando as próprias fontes da atividade econômica, detém mais poder real do que qualquer grupo semelhante nos EUA”

Butler Denuncia o complô

Quando chegou a hora certa, o General Butler deu o alarme ao abordar o Comitê Especial de Atividades Não Americanas (o Comitê McCormack-Dickstein), que iniciou uma investigação em 20 de novembro de 1934. Ao contrário do Comitê de Atividades Não Americanas, que fez sua reputação por destruir vidas patrióticas sob a caça comunista às bruxas do macarthismo, esta versão anterior estava alinhada a FDR e dedicada exclusivamente a identificar a atividade nazista/fascista na América.

A princípio cético em relação às alegações do general Butler, o comitê logo substanciou tudo ao longo de um mês de investigação e tornou suas conclusões públicas para FDR e o congresso em 29 de dezembro de 1934. Uma parte de inestimável importância das audiências foram os testemunhos do jornalista Paul Comly French a quem Butler recrutou para agir como intermediário do general com os banqueiros. por Butler declarando ao comitê que MacGuire declarou que  “não seria necessária nenhuma mudança constitucional para autorizar outro “funcionário” [presidente, após a derrubada de FDR] do gabinete ovalda Casa Branca, alguém a assumir os detalhes do cargo – tirá-los dos ombros do presidente” e que “faríamos com ele o que Mussolini fez ao Rei da Itália”.

Quando French perguntou a MacGuire como o golpe para remover FDR da presidência dos EUA ajudaria a resolver o desemprego no pais, MacGuire respondeu:  

Precisamos de um governo Fascista para salvar a nação [os EUA] dos comunistas … Foi o plano que Hitler usou para colocar todos os desempregados em campos de trabalho ou presos em quartéis – executando trabalho. Isso resolveria o problema da noite para o dia. ”

Embora as transcrições completas não tenham sido tornadas públicas, o General Butler transmitiu a mensagem à população ao contar sua história ao maior número possível de jornalistas e gravou uma mensagem ao povo em 1935 que deveria ser ouvida na sua íntegra.

O Resultado da Exposição da tentativa de golpe contra FDR

Essa exposição de tentativa do Golpe fascista dos banqueiros de Wall Street, junto com as  descobertas da Comissão Pecora e uma tentativa anterior fracassada de assassinato do presidente, deram a FDR a munição de que ele precisava para forçar o estado [DEEP STATE] profundo da América à submissão (pelo menos por um tempo) às leis do estado de direito. Como descrevi  em meu artigo recente , a luta de FDR para deter a ditadura do banco [FeD] central [controlado, ainda hoje, pelos banqueiros de Wall Street] começou desde os primeiros dias de sua presidência até seu último suspiro em 14 de abril de 1945.

Incrivelmente, após a “higienização” e redação de relatório que foi publicado em 1934, a comissão foi dissolvida (a ser reformada mais tarde, sob um mandato fascista), e as milhares de páginas de transcrições foram enterrados durante décadas, longe do escrutínio público da podridão de Wall Street – que só foi oficialmente aberta ao acesso do público no 21 st  Century  cujo conteúdo pode ser encontrado aqui  com depoimentos censurados em vermelho é claro.

Os conspiradores do golpe contra FDR não perderam tempo em formar uma nova organização em 22 de agosto de 1934, chamada American Liberty League, que passou a década seguinte sabotando o New Deal de FDR. Este grupo fez todos os esforços para promover uma aliança americana com as potências do Eixo (até o ataque japonês a Pearl Harbor em 1941), financiando amplamente a eugenia, e depois que FDR morreu, agiu como a força motriz por trás do estado policial machartista na América durante a Guerra Fria. Este profundo golpe de estado na América derrubou a visão de FDR / Wallace de uma ordem mundial anti fascista no pós-guerra, fundada em uma aliança estratégica EUA-Rússia-China que ilustrei em um seminário recente, ver aqui https://youtu.be/1IHVkJPfsx8

Essa organização fascista anglo-americana também deu origem a “grupos de reflexão[manipulação]” como a American Enterprise Association, a Heritage Foundation e o CATO institute, que gradativamente tornaram a economia da escola austríaca uma parte da direita americana. Qualquer pessoa que deseje entender o que criou o Monstro de Frankenstein chamado de “neoconservadorismo” durante os últimos 60 anos não iria muito longe sem entender o papel da Liga da Liberdade americana e sua cria infernal.

Nos primeiros anos da Guerra Fria, certos estadistas mais velhos da Segunda Guerra Mundial ainda detinham o poder e se reuniram para educar um jovem presidente Kennedy que estava prestes a mostrar uma resistência curta, [porque foi assassinado justamente por causa desta resistência], mas ao mesmo tempo corajosa e valente contra este crescimento imperial canceroso dentro da América.

A trama do Estado [Deep State] Profundo contra JFK

O perigo de uma III Guerra Mundial e de um golpe militar contra o governo de JFK ressurgiu novamente durante a curta administração de John F. Kennedy, que se viu preso em uma luta de vida ou morte não com a URSS ou Cuba, mas com os gigantes conglomerados aeroespaciais e armamento do Complexo Industrial Militar que havia sido dominado por muitos psicopatas maníacos do tipo Dr. Stragelove do Estado-Maior Conjunto e da CIA que fanatica e estupidamente acreditavam que os Estados Unidos poderiam vencer uma guerra nuclear com a URSS. 

Os esforços corajosos de Kennedy para alcançar o diálogo com seus colegas soviéticos, avançar em direção à paz no Vietnã, apoio à libertação colonial, promoção da exploração espacial e defesa de um tratado de proibição de testes nucleares fizeram dele um alvo do Estado {Deep State] Profundo de seu tempo. Durante este período, esse esforço foi liderado do topo pelos dois oponentes americanos mais poderosos de JFK: Allan Dulles (diretor da CIA) e o General Lyman Lemnitzer (chefe do Estado-Maior Conjunto), Operação Northwoods  (um precursor definitivo do “trabalho interno” do pseudo ataque terrorista de 11 de setembro às torres gêmeas em N. York, que JFK subverteu). Como o historiador Anton Chaitkin  relatou recentemente :

“O General Lemnitzer exibiu o que ‘sua facção’ via como suas qualificações para esse papel em agosto de 1960, quando, como chefe do Estado-Maior do Exército, anunciou que o Exército estava pronto para “restaurar a ordem” nos Estados Unidos após uma guerra nuclear com a União Soviética – para trazer o pais de volta a normalidade, assim como os militares fazem após uma enchente ou motim”.

Esse enredo foi detalhado em um livro quase ficcional escrito pelos jornalistas investigativos Fletcher Knebel e Charles Bailey publicado em 1962, intitulado Seven Days in May  e rapidamente transformado em um filme famoso com o apoio sem precedentes do próprio JFK para a sua produção, que deu à equipe de filmagem e ao diretor John Frankenheimer acesso à Casa Branca, aos assessores do governo e materiais para o filme que ele acreditava que todo americano deveria ver.

Na história narrada no filme, um tenente patriótico descobre os planos para o golpe para derrubar o governo que está programado para acontecer durante um vasto exercício militar em que um presidente que está perto de finalizar um tratado de desarmamento com a URSS será incapacitado em um bunker enquanto um regime militar toma o controle sobre a América.

Tragicamente, onde o tenente consegue expor o enredo e salvar a nação na história, na época do lançamento do filme em 1964, JFK  havia sido deposto por outros meios, pelo assassinato direto . Agora, 56 anos depois, a história começou a se repetir com as características distintas do século XXI … e uma reviravolta viral e total. Quando não aprendemos com os nossos erros somos forçados a repeti-los e enfrentá-los novamente

Hoje, um novo colapso sistêmico [do cassino de Wall Street] de uma bolha de derivativos de US$ 1,5 quatrilhão ameaça quebrar “os mercados” [o cassino] novamente e tem grandes semelhanças com o “crash de 1929” e outras semelhanças com a  hiperinflação de Weimar em 1923. na Alemanha  Embora a pandemia [Fake] do coronavírus “possa ou não estar sendo usada” para desencadear essa nova explosão, uma coisa é certa: um novo golpe fascista em desenvolvimento [em vários paises] tem que ser levado mais a sério do que nunca. 

Os repetidos apelos do atual presidente Donald Trump para reviver as políticas de Abraham Lincoln, acabar com as operações de mudança de regime e guerras sem fim em diversos países no exterior e trabalhar com outros Estados-nação soberanos em oposição aos ideólogos da criação de um governo mundial totalitário [estilo NWO-Nova Ordem Mundial] são mais importantes do que a maioria das pessoas imagina.

Portanto, em vez de enfatizar quem pode estar sendo eleito em 2020, é mais sensato fazer a pergunta: Onde estão os Mordomos Gerais hoje?


Matthew Ehret  é o editor-chefe da  Canadian Patriot Review  , um especialista do BRI em  palestras táticas e é autor de 3 volumes da série de livros ‘Untold History of Canada . Em 2019, ele foi cofundador da Rising Tide Foundation, com sede em Montreal , no Canadá.


“E ouvireis de guerras e de rumores de guerras; olhai, não vos assusteis, porque é mister que isso tudo aconteça, mas ainda não é o fim.  Porquanto se levantará nação contra nação, e reino contra reino, e haverá FOMES, PESTES e TERREMOTOS, em vários lugares. Mas todas estas coisas são [APENAS] o princípio de dores. – Mateus 24:6-8

“E faz que a todos, pequenos e grandes, ricos e pobres, livres e servos, lhes seja posto um sinal na sua mão direita, ou nas suas testas, Para que ninguém possa comprar ou vender, senão aquele que tiver o sinal, ou o nome da besta, ou o número do seu nome. Aqui há sabedoria. Aquele que tem entendimento, calcule o número da BESTA; porque é o número de um homem, e o seu número é seiscentos e sessenta e seis[666]“.  –  Apocalipse 13:16-18


Mais informações, leitura adicional:

Permite reproduzir desde que mantida a formatação original e a conversão como fontes.

phi-cosmoswww.thoth3126.com.br

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.