Entre ou
Cadastre-se

Compartilhe
Receba nosso conteúdo

UBS oferece 0,25 por ação [US$ 1 bilhão] pelo Credit Suisse, que recusou oferta. Mercados vão Explodir nesta segunda …

Faltando apenas algumas horas para a reabertura dos futuros para negociação no que poderia ser uma sessão muito turbulenta, o UBS se ofereceu para comprar o Credit Suisse por até US$ 1 bilhão, informou o FT, com as autoridades suíças planejando mudar as leis do país para contornar uma votação dos acionistas sobre a transação enquanto correm para finalizar o negócio projetado para restaurar a confiança no sistema bancário ANTES DE SUA ABERTURA.

UBS oferece 0,25 por ação [US$ 1 bilhão] pelo Credit Suisse, que recusou oferta

Fonte: Zero Hedge

A oferta de aquisição foi comunicada na manhã desse domingo com um preço de CHF 0,25 por ação a ser pago com ações do UBS, muito abaixo do preço de fechamento do Credit Suisse de míseros CHF 1,86 na sexta-feira. E embora os termos atuais avaliem o patrimônio do Credit Suisse em insignificantes US$ 1 bilhão, o valor não reflete provisões adicionais de cerca de US$ 6 bilhões do Banco Nacional Suíço para garantir que o negócio seja fechado.

Em outras palavras, o UBS obtém um backstop explícito do banco central de $ 6 bilhões (o que significaria que o banco central está em um centavo, em um trilhão), paga $ 1 bilhão com ações e passa a controlar um megabanco cuja sede em Zurique sozinha provavelmente vale mais. Pode-se ver por que o JPMorgan, com o perdão do UBS, adoraria o negócio… e por que o Credit Suisse ficou menos do que entusiasmado.

O acordo de todas as ações entre os dois maiores bancos suíços deve ser assinado no domingo à noite e será cotado a uma fração do preço de fechamento do Credit Suisse na sexta-feira, quase eliminando os acionistas do negócio, disseram fontes do FT. 

Eles também observaram que, em uma reviravolta inesperada, haverá uma cláusula de saída adversa material única: se os spreads de inadimplência de crédito do UBS saltarem 100 pontos-base ou mais, o negócio estará cancelado! 

Em outras palavras, se o mercado recusar o acordo pro forma e acreditar que mais contágio está chegando, o UBS não quer nada disso, e o governo suíço e o SNB podem lidar com as consequências com o risco sistêmico.

Desnecessário dizer que os acionistas do Credit Suisse – liderados pelo Saudi National Commercial Bank, uma lista completa dos 40 principais é mostrada abaixo – ficaram menos entusiasmados com a perspectiva de perder tudo…

… e a Bloomberg observa que o Credit Suisse está adiando o acordo proposto com o apoio de seu maior acionista: “O Credit Suisse acredita que a oferta é muito baixa e prejudicaria os acionistas e funcionários que adiaram vender suas ações.”

O FT ecoa o ceticismo e diz que a situação está mudando rapidamente e não há garantia de que os termos permanecerão os mesmos ou que um acordo será alcançado: “Algumas pessoas disseram que os termos atuais eram injustos para o Credit Suisse e seus acionistas. Outros criticaram os planos de anular as regras normais de governança corporativa, impedindo o voto dos acionistas do UBS sobre o negócio.”

A razão pela qual nestas horas tardias parece haver pouca convergência em direção a um consenso é porque houve contato limitado entre os dois bancos e os termos foram fortemente influenciados pelo Banco Nacional Suíço e pelo regulador Finma, disseram as fontes do FT. Enquanto isso, o Federal Reserve deu seu consentimento para o andamento do negócio.

Ambos os lados estão em discussões com os reguladores desde quarta-feira, quando o Credit Suisse pediu ao SNB uma linha de crédito emergencial de CHF $ 50 bilhões de francos suíços (US$ 54 bilhões).  esse backstop falhou em deter o colapso na confiança dos depositantes e no preço das ações – como dissemos – o banco central interveio para forçar uma fusão depois de ficar preocupado com a viabilidade do segundo maior banco do país. 

Ontem, soubemos que as saídas de depósitos do Credit Suisse chegaram a $ 10 bilhões de francos suíços em um dia no final da semana passada, depois que uma corrida bancária recorde retirou $ 111 bilhões de francos suíços do grupo nos últimos três meses do ano passado.

De acordo com o Financial Times, na noite de sábado, o gabinete suíço se reuniu no ministério das finanças em Berna para uma série de apresentações de funcionários do governo, do SNB, do regulador de mercado Finma e de representantes do setor bancário.

O UBS encolherá drasticamente o banco de investimentos do Credit Suisse, com a Reuters informando que cerca de 10.000 trabalhadores serão demitidos, e a entidade combinada representará não mais do que um terço do grupo resultante da fusão, disseram duas das pessoas. No entanto, a planilha de termos atual para o acordo não especifica o que acontecerá com as divisões de negócios individuais do Credit Suisse e simplesmente descreve uma aquisição de 100% do grupo pelo UBS.

O governo está preparando medidas de emergência para acelerar a aquisição e planeja introduzir uma legislação que contornará o período normal de consulta de seis semanas exigido para os acionistas do UBS para que o acordo possa ser selado imediatamente. A estrutura do acordo foi projetada pelos reguladores suíços para fornecer estabilidade máxima ao sistema bancário do país [e de todo o Hospício europeu], disseram pessoas informadas sobre o assunto.

No entanto, se o Credit Suisse recusar a aquisição – como talvez devesse e se arriscar no tribunal de falências, onde seu patrimônio pode ser avaliado acima de míseros 0,25 – o Banco Nacional da Suíça e todos os outros bancos centrais não terão escolha a não ser enfrentar um resgate forçado de todo o sistema financeiro pela segunda vez em 15 anos.

ATUALIZAÇÃO 15:15:  O Financial Times informa que o UBS concordou em comprar o Credit Suisse depois de aumentar sua oferta para mais de US$ 2 bilhões, com as autoridades suíças prontas para mudar as leis do país para contornar a votação dos acionistas do UBS sobre a “transação” enquanto correm para finalizar o negócio antes da abertura dos mercados na segunda-feira.

O preço de compra é uma fração do valor de mercado de US$ 8 bilhões avaliado pela empresa no fechamento de sexta-feira; isso significa que o UBS agora pagará um pouco mais de SFr 0,50 por ação com as suas próprias ações, acima de uma oferta de SFr 0,25 hoje cedo, mas muito abaixo do preço de fechamento do Credit Suisse de SFr 1,86 na sexta-feira.

Também ficamos sabendo que o UBS concordou em suavizar uma cláusula de alteração material adversa que anularia o acordo se seus spreads de inadimplência de crédito aumentassem; não ficou imediatamente claro se toda a cláusula foi descartada ou se o gatilho do CDS foi apenas puxado para mais longe.

Os acionistas do UBS – que não serão consultados sobre o acordo que contornará as regras normais de governança corporativa ao impedir o voto dos acionistas do UBS – estão furiosos

Como observa o FT, Vincent Kaufmann, presidente-executivo da Fundação Ethos, que representa os fundos de pensão suíços que possuem entre 3% e 5% do Credit Suisse e do UBS, disse ao Financial Times que a medida dos órgãos do governo para contornar o voto dos acionistas no acordo foi uma má ideia corporativa.

“Não acredito que nossos membros e acionistas do UBS ficarão felizes com isso”, disse ele. “Nunca vi tais medidas tomadas; isso mostra o quão ruim está a situação.” 

Finalmente, o The Wall Street Journal relata que, em um esforço para facilitar o negócio, o Swiss National Bank ofereceu ao UBS US$ 100 bilhões em liquidez para ajudá-lo a assumir as operações do Credit Suisse.

Em outras palavras, o governo suíço estendeu uma linha de liquidez igual a US$ 11,5 milhões per capita: feito ao contrário, ou seja cada família de 4 pessoas está apoiando com quase $ 50 milhões em ativos do UBS.

Usar o UBS para salvar o Credit Suisse  marca uma reviravolta  em relação a quase 15 anos atrás, durante a quebra de mercado em 2008, quando a Suíça resgatou o próprio UBS depois que ele ficou preso com bilhões de ativos tóxicos em seus negócios nos Estados Unidos. O Credit Suisse recusou o auxílio estatal na época e saiu da crise mais forte . . . 


ATUALIZAÇÃO as 12:02: Suíça considera a nacionalização do Credit Suisse enquanto a proposta de aquisição do UBS vacila :

Poucas horas depois de ter sido divulgado que o UBS poderia comprar o Credit Suisse por US$ 1 bilhão, uma proposta que os acionistas do banco CS rejeitaram, a Bloomberg informou que as autoridades suíças já estão considerando uma nacionalização total ou parcial do Credit Suisse – um resultado que acabaria com o patrimônio e detentores de títulos de resgate – como a única outra opção viável fora de uma aquisição do UBS Group AG. E sim, 0,25 por ação ainda é mais do que 0,0.

De acordo com o BBG, “o país está considerando assumir o banco integralmente ou manter uma participação acionária significativa se uma aquisição pelo UBS Group AG fracassar devido às complexidades do acordo e ao curto prazo envolvido para o negócio”.

Desnecessário dizer que a situação permanece “muito fluida” e está mudando a cada hora, à medida que as autoridades e reguladores suíços buscam finalizar uma solução para o banco neste final de semana, tendo em vista que os mercados asiáticos estão quase abrindo, já que é quase noite na Europa, disseram as pessoas. Tic, Tac . . .


“Precisamos URGENTEMENTE do seu apoio para continuar nosso trabalho baseado em pesquisa independente e investigativa sobre as ameaças do Estado [Deep State] Profundo, et caterva, que a humanidade enfrenta. Sua contribuição, por menor que seja, nos ajuda a nos mantermos à tona. Considere apoiar o nosso trabalho. Disponibilizamos o mecanismo Pay Pal, nossa conta na Caixa Econômica Federal  AGENCIA: 1803 – CONTA: 000780744759-2, Operação 1288, pelo PIX-CPF 211.365.990-53 (Caixa)”. para remessas do exterior via IBAN código: BR23 0036 0305 0180 3780 7447 592P 1


O atributo alt desta imagem está vazio. O nome do arquivo é fim-dominio-eua-otan-nabucodonosor-fim-roma.jpg

{Nota de Thoth: A estrondosa queda da “Estátua de Nabucodonosor“, com o fim do Hospício e os psicopatas da civilização ocidental e a própria destruição da região da cidade de Roma [incluso a cloaca do Vaticano] estão bem próximos de acontecer. O Hospício Ocidental, o circo do G-7 os ditos “Países de Primeiro Mundo” vão fazer face ao seu carma “liberal“, “acordado” . . .}


Mais informações, leitura adicional:

Permitido reproduzir desde que mantida a formatação original e a conversão como fontes.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *