Entre ou
Cadastre-se

Compartilhe
Receba nosso conteúdo

UE recua do impraticável Embargo do Petróleo/Gás da Rússia

Ukraine Tensions Timeline

Os líderes da UE deixaram de impor um embargo imediato às importações russas de petróleo e derivados, uma vez que a impraticabilidade da política se tornou clara. Impor um embargo imediato aos combustíveis fósseis da Rússia “de um dia para o outro significaria mergulhar nosso país e toda a Europa em uma recessão”, disse o chanceler Olaf Scholz aos legisladores alemães nesta semana. As exportações russas de petróleo e derivados para a Europa são o segundo maior fluxo bilateral de petróleo entre quaisquer dois parceiros comerciais no mundo, atrás dos Estados Unidos e do Canadá, segundo dados da BP. 

A Rússia forneceu 29% das importações de petróleo da Europa e 51% das importações de produtos petrolíferos do continente em 2019, o último ano antes da pandemia (“Revisão estatística da energia mundial”, BP, 2020)

Por John Kemp, analista de mercado sênior da Reuters

Nenhum outro parceiro comercial chegou perto da participação da Rússia, o que tornaria extremamente difícil a substituição do óleo e gás russo no curto prazo.

Portanto, mesmo a especulação sobre uma possível proibição elevou os preços do petróleo esta semana, com os comerciantes pesando as dificuldades práticas, antes que os preços recuassem, pois ficou claro que os formuladores de políticas da UE estavam se afastando da ideia.

Novo pedido de óleo?

Alguns defensores do embargo sugeriram que a UE poderia proibir as importações russas de petróleo e, em seguida, incentivar o redirecionamento dos fluxos internacionais para minimizar a perda líquida de suprimentos, causando um aumento nos preços. Nesse cenário, o petróleo russo sancionado seria deixado para os compradores na China e na Índia, liberando petróleo do Oriente Médio para ser entregue às refinarias na Europa.

Do lado do produto, óleo combustível e destilados russos poderiam ser enviados para a América do Sul, África e Ásia, enquanto a Europa leva mais produtos não autorizados dos Estados Unidos, China, Índia e Oriente Médio.

Mas existem vários obstáculos sérios para fazer esse trabalho, e é provavelmente por isso que foi adiado por enquanto.

Para produtores e consumidores, as rotas de abastecimento se tornariam muito mais longas, aumentando o número de toneladas-milha de frete, aumentando a demanda por navios-tanque e aumentando significativamente os custos de transporte. Mais importante, os óleos brutos são apenas semifungíveis. A maioria das refinarias é otimizada para trabalhar com qualidades específicas de petróleo. A troca de petróleo da Rússia e do Oriente Médio reduziria a eficiência, elevando custos e preços dos combustíveis.

O redirecionamento de fluxos interromperia relacionamentos de longa data com clientes contratuais. Os profissionais de marketing do Oriente Médio investiram tempo e esforço construindo relacionamentos de longo prazo com refinarias na China, Índia e no resto da Ásia. A Ásia é percebida como o mercado crescente do futuro, enquanto a Europa é o mercado em declínio do passado, especialmente com seu plano de transmissão acelerada para emissões líquidas zero.

Romper contratos de longo prazo e abrir mão dos lucrativos mercados em crescimento da Ásia para fornecer refinarias na Europa em declínio, possivelmente apenas por alguns meses ou anos, faria pouco sentido estratégico. Da mesma forma, as refinarias da América do Norte têm mercados lucrativos e semi-cativos nas Américas Central e do Sul e relutarão em trocar pelos mercados da Rússia na Europa.

Para refinarias na Ásia, há pouco incentivo para interromper relacionamentos de longo prazo com fornecedores seguros do Oriente Médio para se tornarem dependentes de exportadores russos se essas exportações estiverem sujeitas a sanções extraterritoriais dos EUA e da UE mais tarde.

Uma Teia complexa 

Os fluxos de petróleo e produtos ao redor do mundo formam uma rede ou matriz densa interconectada. A reprogramação forçada das exportações da Rússia por meio de sanções implica mudanças em todos os outros relacionamentos com fornecedores e clientes. Por razões comerciais, a maioria dos exportadores e refinadores de petróleo bruto envia para o mercado de exportação disponível mais próximo e compra da fonte de importação adequada mais próxima.

Até agora, a Rússia abasteceu de forma esmagadora a Europa, o seu principal comprador mais próximo, embora os fluxos estivessem sendo lentamente reorientados para a Ásia, o mercado de crescimento mais rápido, mesmo antes da invasão russa da Ucrânia. Pelas mesmas razões de distância, a Europa comprou a maior parte de seu petróleo e produtos importados da Rússia e de outros países da antiga União Soviética.

O imperativo político para acabar com esses fluxos e co-dependência está agora em conflito com as razões comerciais e geográficas para mantê-los. Imperativos políticos podem prevalecer, mas é improvável que o façam rapidamente. Em 2019, as exportações da Rússia para a Europa representaram mais de 6% de todo o petróleo comercializado no mundo e mais de 8% de todos os seus produtos comercializados internacionalmente, segundo dados da BP. Reprogramar uma fatia tão grande do comércio mundial no espaço de algumas semanas ou meses criaria uma enorme reviravolta.

Calças como um tambor 

Os mercados globais de petróleo estavam apertados antes da invasão da Ucrânia pela Rússia, com estoques abaixo da média de cinco anos pré-pandemia e com tendência de queda. Mesmo que a imposição de um embargo ou outras sanções causasse apenas uma pequena redução nas exportações líquidas da Rússia, para privar o país de receita, ainda criaria um alto risco de aumento de preços.

Embargos anteriores impostos ao Iraque na década de 1990 e Irã e Venezuela na década de 2010 foram compensados ??por suprimentos extras de outros produtores, reduzindo seu impacto geral nos preços. No momento, nem a Arábia Saudita nem as empresas de xisto dos EUA parecem interessadas em aumentar a produção para compensar a perda de suprimentos russos, e a Casa Branca ainda não chegou a acordos para suspender as sanções ao Irã e à Venezuela.

Com pouca capacidade ociosa, os formuladores de políticas da UE concluíram que os riscos de preços de embargar as exportações russas de petróleo são muito altos e se afastaram da ideia por enquanto.


“Precisamos URGENTEMENTE do seu apoio para continuar nosso trabalho baseado em pesquisa independente e investigativa sobre as ameaças do Estado [Deep State] Profundo, et caterva, que a humanidade enfrenta. Sua contribuição, por menor que seja, nos ajuda a nos mantermos à tona. Considere apoiar o nosso trabalho. Disponibilizamos o mecanismo Pay Pal, nossa conta na Caixa Econômica Federal   AGENCIA: 1803 – CONTA: 000780744759-2, Operação 1288, pelo PIX-CPF 211.365.990-53 (Caixa)” para remessas do exterior via IBAN código: BR23 0036 0305 0180 3780 7447 592P 1


Mais informação adicional:

Permitida a reprodução, desde que mantido no formato original e mencione as fontes.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *