Entre ou
Cadastre-se

Compartilhe
Receba nosso conteúdo

Tornar o Nazismo Grande Novamente?

O alvo supremo é a mudança de regime na Rússia, a Ucrânia é apenas um peão no jogo – ou pior, mera bucha de canhão… Todos os olhos estão em Mariupol. Na noite de quarta-feira, mais de 70% das áreas residenciais estavam sob controle de Donetsk e das forças russas, enquanto fuzileiros navais russos, o 107º batalhão de Donetsk e a Spetsnaz da Chechênia, liderados pelo carismático Adam Delimkhanov, entraram na fábrica de Azov-Stal – o quartel-general do batalhão neonazista Azov. Azov recebeu um último ultimato: render-se até a meia-noite – ou então, ficar numa estrada sem prisioneiros direto para o inferno.

Tornar o Nazismo Grande Novamente?

Fonte: Zero Hedge

Isso implica em um grande divisor de águas no campo de batalha ucraniano; Mariupol está finalmente prestes a ser completamente desnazificada – já que o nazista Batalhão Azov há muito entrincheirado na cidade e usando civis como escudos humanos eram sua força de combate mais endurecida.

Enquanto isso, os ecos do Império das Mentiras entregaram todo o jogo. Não há nenhuma intenção em Washington de facilitar um plano de paz na Ucrânia – e isso explica as táticas ininterruptas do comediante e marionete do hospício do ocidente, o palhaço Zelensky. O alvo supremo é a mudança de regime na Rússia, e para isso  Totalen Krieg  contra a Rússia e todas as coisas russas é garantido. A Ucrânia é apenas um peão no jogo – ou pior, mera bucha de canhão.

A manchete da Bloomberg que apontou o óbvio: que Biden emitiu uma declaração apontando claramente para a mudança de regime… “Vladimir Putin NÃO PODE PERMANECER NO PODER”

Isso também significa que as 14.000 mortes no Donbass nos últimos 8 anos devem ser atribuídas diretamente aos excepcionalistas. Quanto aos neonazistas ucranianos de todos os matizes, eles são tão dispensáveis ??quanto os “rebeldes moderados” na Síria, sejam eles ligados à Al-Qaeda ou ao Daesh. Aqueles que eventualmente sobreviverem podem sempre juntar-se à Neo-Nazi Inc. patrocinada pela CIA – o remix espalhafatoso da Jihad Inc. dos anos 1980 no Afeganistão. Eles serão devidamente “Calibrados”.

Uma rápida recapitulação neonazista

Até agora, apenas os ZUMBIS mortos cerebrais em toda a OTAN – e há hordas deles – não estão cientes de Maidan em 2014. No entanto, poucos sabem que foi o então Ministro do Interior ucraniano Arsen Avakov, um ex-governador de Kharkiv, que deu luz verde para 12.000 equipamento paramilitar para se materializar fora dos hooligans de futebol da Seita 82 que apoiavam o clube de futebol Dínamo de Kiev. Esse foi o nascimento do batalhão Azov, em maio de 2014, liderado por Andriy Biletsky, também conhecido como Führer Branco, e ex-líder da gangue neonazista Patriots of Ukraine.

Juntamente com o agente da OTAN Dmitro Yarosh, Biletsky fundou o Pravy Sektor, financiado pelo padrinho da máfia ucraniana e bilionário judeu khazar Ihor Kolomoysky (mais tarde o benfeitor da meta-conversão de Zelensky de comediante medíocre para presidente marionete do ocidente medíocre).

Pravy Sektor passou a ser raivosamente anti-UE – diga isso a Ursula von der Lugen – e politicamente obcecado em ligar a Europa Central e os Bálticos em um novo e espalhafatoso Intermarium. Crucialmente, Pravy Sektor e outras gangues nazistas foram devidamente treinadas por instrutores da OTAN e CIA.

Biletsky e Yarosh são, é claro, discípulos e adoradores do notório colaborador nazista da Segunda Guerra Mundial, Stepan Bandera, para quem os ucranianos puros são proto-germânicos ou escandinavos, e os eslavos são   untermenschen .

O Batalhão nazista Azov acabou absorvendo quase todos os grupos neonazistas na Ucrânia e foi enviado para lutar contra o Donbass – com seus acólitos ganhando mais dinheiro do que soldados regulares. Biletsky e outro líder neonazista, Oleh Petrenko, foram eleitos para a Rada. O Führer Branco ficou sozinho. Petrenko decidiu apoiar o então presidente Poroshenko. Logo o batalhão Azov foi incorporado como Regimento Azov à Guarda Nacional Ucraniana.

Eles fizeram uma campanha de recrutamento de mercenários estrangeiros – com pessoas vindas da Europa Ocidental, Escandinávia e até da América do Sul.

Isso foi estritamente proibido pelos Acordos de Minsk garantidos pela França e pela Alemanha (e agora de fato extintos). Azov montou campos de treinamento para adolescentes e logo alcançou 10.000 membros. Erik [do exército mercenário] “Blackwater” Prince, em 2020, fechou um acordo com os militares ucranianos que permitiria que sua equipe renomeada como Academi, supervisionasse o Batalhão Azov.

Foi ninguém menos que a sinistra distribuidora de biscoitos Maidan, Vicky “F**k the EU” Nuland, que sugeriu a Zelensky – ambos, a propósito, judeus khazares ucranianos – nomear o declarado nazista Yarosh como conselheiro do Comandante-em-Chefe das Forças Armadas Ucranianas, Gen Valerii Zaluzhnyi. O objetivo: organizar uma blitzkrieg no Donbass e na Crimeia – a mesma blitzkrieg que a SVR, inteligência estrangeira russa, concluiu que seria lançada em 22 de fevereiro, impulsionando assim o lançamento da Operação Z dois dias depois.

Todos os itens acima, na verdade apenas uma rápida recapitulação, mostram que na Ucrânia não há diferença alguma entre neonazistas brancos e al-Qaeda/ISIS/Daesh de cor marrom, por mais que neonazistas sejam tão “cristãos” quanto takfiri Salafi-jihadistas são “muçulmanos”.

Quando Putin denunciou um “bando de neonazistas” no poder em Kiev, o presidente palhaço, comediante e marionete do hospício ocidental respondeu que era impossível porque ele era judeu. Absurdo. Zelensky e seu patrono Kolomoysky, para todos os efeitos práticos, são zio-nazistas.

Mesmo quando ramos do governo dos Estados Unidos  admitiram  neonazistas entrincheirados no aparato de Kiev, a máquina excepcionalista fez com que os bombardeios diários do Donbass por 8 anos simplesmente desaparecessem.  Esses milhares de vítimas civis nunca existiram.

A “grande mídia” pre$$titute$ norte-americana até arriscou uma peça ou reportagem estranha sobre os neonazistas de Azov e Aidar. Mas então uma narrativa neo-orwelliana foi gravada em pedra: não há nazistas na Ucrânia. A NED, ramificação da CIA, até começou a  deletar registros  sobre o treinamento de membros de Aidar. Recentemente, uma rede de notícias de baixa qualidade promoveu devidamente um vídeo de um comandante Azov treinado e armado pela OTAN – completo com iconografia nazista.

Por que a “desnazificação” faz sentido

A ideologia banderastan remonta a quando esta parte da Ucrânia era de fato controlada pelo império austro-húngaro, o império russo e a Polônia. Stepan Bandera nasceu na Austro-Hungria em 1909, perto de Ivano-Frankovsk, no – então autônomo – Reino da Galiza.

A Primeira Guerra Mundial desmembrou os impérios europeus em pequenas entidades frequentemente inviáveis. No oeste da Ucrânia – uma interseção imperial – isso inevitavelmente levou à proliferação de ideologias extremamente intolerantes.

Os ideólogos do Banderastan se aproveitaram da chegada dos nazistas em 1941 para tentar proclamar um território independente. Mas Berlim não apenas o bloqueou, mas os enviou para campos de concentração. Em 1944, porém, os nazistas mudaram de tática: libertaram os banderanistas e os manipularam em ódio anti-russo, criando assim uma força de desestabilização na URSS ucraniana.

Portanto, o nazismo não é exatamente o mesmo que os fanáticos do Banderastan: eles são, na verdade, ideologias concorrentes. O que aconteceu desde Maidan é que a CIA manteve um foco de laser em incitar o ódio russo por quaisquer grupos marginais que pudesse instrumentalizar. Portanto, a Ucrânia não é um caso de “nacionalismo branco” – para dizer o mínimo –, mas de nacionalismo ucraniano anti-russo, para todos os efeitos práticos manifestado por meio de saudações ao estilo nazista e símbolos ao estilo nazista.

Então, quando Putin e a liderança russa se referem ao nazismo ucraniano, isso pode não ser 100% correto, conceitualmente, mas toca todos os russos.

Os russos rejeitam visceralmente o nazismo – considerando que praticamente todas as famílias russas têm pelo menos um ancestral morto durante a Grande Guerra Patriótica contra os nazistas de Hitler. Do ponto de vista da psicologia da guerra, faz todo o sentido falar de “ucro-nazismo” ou, direto ao ponto, uma campanha de “desnazificação”.

Como os anglos amavam os nazistas

O governo dos Estados Unidos aplaudindo abertamente os neonazistas na Ucrânia dificilmente é uma novidade, considerando como apoiou Hitler ao lado da Inglaterra em 1933 por razões de equilíbrio de poder.

Em 1933, Roosevelt emprestou a Hitler um bilhão de dólares em ouro, enquanto a Inglaterra lhe emprestou dois bilhões de dólares em ouro. Isso deve ser multiplicado 200 vezes para chegar aos dólares fiduciários de hoje. Os anglo-americanos queriam construir a Alemanha como um baluarte contra a Rússia. Em 1941, Roosevelt escreveu a Hitler que, se ele invadisse a Rússia, os EUA ficariam do lado da Rússia, e escreveu a Stalin que, se Stalin invadisse a Alemanha, os EUA apoiariam a Alemanha. Fale sobre uma ilustração gráfica do equilíbrio de poder mackinderesco.

Os britânicos ficaram muito preocupados com a ascensão do poder russo sob Stalin, enquanto observavam que a Alemanha estava de joelhos com 50% de desemprego em 1933, se contarmos os alemães itinerantes não registrados.

Mesmo Lloyd George tinha dúvidas sobre o Tratado de Versalhes, enfraquecendo insuportavelmente a Alemanha após sua rendição na Primeira Guerra Mundial. O propósito da Primeira Guerra Mundial, na visão de mundo de Lloyd George, era destruir a Rússia e a Alemanha juntos. A Alemanha estava ameaçando a Inglaterra com o Kaiser construindo uma frota para dominar os oceanos, enquanto o czar estava muito perto da Índia para o conforto. Por um tempo, a Britannia venceu – e continuou a dominar as ondas dos mares.

Então, construir a Alemanha para lutar contra a Rússia tornou-se a prioridade número um – completa com a reescrita da História. A união de alemães austríacos e alemães dos Sudetos com a Alemanha, por exemplo, foi totalmente aprovada pelos britânicos.

Bandeira nazista de Hakenkreuz acenada por uma equipe de combatentes do Batalhão Azov da Ucrânia (Fonte da imagem: Twitter)

Mas então veio o problema polonês. Quando a Alemanha invadiu a Polônia em 1939, a França e a Grã-Bretanha ficaram à margem. Isso colocou a Alemanha na fronteira da Rússia, e Alemanha e Rússia dividiram a Polônia. Isso é exatamente o que a Grã-Bretanha e a França queriam. A Grã-Bretanha e a França haviam prometido à Polônia que invadiriam a Alemanha pelo oeste, enquanto a Polônia lutava contra a Alemanha pelo leste.

No final, os poloneses foram traídos. Churchill até elogiou a Rússia por invadir a Polônia. Hitler foi avisado pelo MI6 de que a Inglaterra e a França não invadiriam a Polônia – como parte de seu plano para uma guerra germano-russa. Hitler tinha sido apoiado financeiramente desde a década de 1920 pelo MI6 por suas palavras favoráveis ??sobre a Inglaterra em Mein Kampf. O MI6 de fato encorajou Hitler a invadir a Rússia.

Avanço rápido para 2022, e aqui vamos nós de novo – como farsa, com os anglo-americanos “encorajando” a Alemanha sob o fraco Scholz a se recompor militarmente, com 100 bilhões de euros (que os alemães não têm), e montando em tese, uma força européia renovada para depois ir à guerra contra a Rússia.

Dica para a histeria russofóbica na mídia anglo-americana sobre a parceria estratégica Rússia-China. O medo mortal anglo-americano é Mackinder/Mahan/Spykman/Kissinger/Brzezinski, tudo em um: Rússia-China como concorrentes gêmeos assumem a massa de terra da Eurásia – a Iniciativa do Cinturão e Rota encontra a Parceria da Grande Eurásia – e, assim, governam o planeta, com os EUA relegados ao status de ilha inconsequente [recheada de elementos transgênero, “acordados”, LGBTQ+, pedófilos, satanistas, et caterva] tanto quanto a anterior “Regra Britannia”.

A Inglaterra, a França e mais tarde os americanos o impediram quando a Alemanha aspirava fazer o mesmo, controlando a Eurásia lado a lado com o Japão, do Canal da Mancha ao Pacífico. Agora é um jogo completamente diferente.

Assim, a Ucrânia, com suas patéticas gangues neonazistas, é apenas um peão – dispensável – na tentativa desesperada de parar algo que está além do anátema, do ponto de vista de Washington: uma Nova Rota da Seda Alemão-Russo-Chinesa totalmente pacífica.

A russofobia, massivamente impressa no DNA do [hospício do] Ocidente, nunca foi embora. Cultivado pelos britânicos desde Catarina, a Grande – e depois com O Grande Jogo. Pelos franceses desde Napoleão. Pelos alemães porque o Exército Vermelho libertou Berlim. Pelos americanos porque Stalin forçou a eles o mapeamento da Europa – e então continuou e continuou durante a Guerra Fria.

Estamos apenas nos estágios iniciais do empurrão final do Império moribundo para tentar deter o fluxo da História. Eles estão sendo superados, eles já estão superados pela maior potência militar nuclear do mundo e serão derrotados. Existencialmente, eles não estão equipados para matar o Urso – e isso dói. Cosmicamente.


“Precisamos URGENTEMENTE do seu apoio para continuar nosso trabalho baseado em pesquisa independente e investigativa sobre as ameaças do Estado [Deep State] Profundo, et caterva, que a humanidade enfrenta. Sua contribuição, por menor que seja, nos ajuda a nos mantermos à tona. Considere apoiar o nosso trabalho. Disponibilizamos o mecanismo Pay Pal, nossa conta na Caixa Econômica Federal   AGENCIA: 1803 – CONTA: 000780744759-2, Operação 1288, pelo PIX-CPF 211.365.990-53 (Caixa)” para remessas do exterior via IBAN código: BR23 0036 0305 0180 3780 7447 592P 1


Mais informação adicional:

Permitida a reprodução, desde que mantido no formato original e mencione as fontes.

0 resposta

    1. Holodomor é uma palavra ucraniana que quer dizer “deixar morrer de fome”, “morrer de inanição”. Tal palavra passou a ser empregada no contexto da história ucraniana para definir os acontecimentos que levaram à morte por fome de milhões de ucranianos entre os anos de 1931 e 1933. Grosso modo, o holodomor, assim como o holocausto nazista contra os judeus, consistiu em um genocídio contra a população da Ucrânia empreendido pelo comunismo soviético, que era liderado por Stalin.

    1. Holodomor é uma palavra ucraniana que quer dizer “deixar morrer de fome”, “morrer de inanição”. Tal palavra passou a ser empregada no contexto da história ucraniana para definir os acontecimentos que levaram à morte por fome de milhões de ucranianos entre os anos de 1931 e 1933. Grosso modo, o holodomor, assim como o holocausto nazista contra os judeus, consistiu em um genocídio contra a população da Ucrânia empreendido pelo comunismo soviético, que era liderado por Stalin.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *