Entre ou
Cadastre-se

Compartilhe
Receba nosso conteúdo

Um Golpe de Estado Global e Digital

Um novo vírus apareceu assim de repente e todos estavam pirando e destruindo todo o funcionamento normal do tecido social. Embora muitos comentadores externos tenham dito que o agente patogênico deveria ser tratado da forma normal – com tratamento conhecido e calma, enquanto os mais suscetíveis permaneciam cautelosos até à endemicidade – muitas pessoas foram vítimas de uma grande falácia. Eles passaram a acreditar em modelos de computador em vez de realidades conhecidas. Eles pensaram [planejaram] que seria possível separar todos, reduzir as infecções e então o vírus desapareceria.

Um Golpe de Estado Global e Digital

Fonte: The Brownstone Institute – De autoria de Jeffrey Tucker

A desculpa acaba sendo apenas a história de cobertura. Ainda assim, vale a pena examina-la.

Este nunca foi um cenário plausível, como diria qualquer pessoa que soubesse algo sobre a história das pandemias. Toda a experiência conhecida se opôs a esse esquema absurdo. A ciência era muito clara e estava amplamente disponível: os confinamentos não funcionam. As intervenções políticas em geral não alcançam nada.

Mas, ei, eles disseram que foi um experimento nascido de um novo pensamento. Eles dariam uma chance.

Quando se tornou claro que os confinadores tinham ganho influência sobre a política, muitos de nós pensamos, verdadeiramente, quanto tempo isto pode realmente durar? Uma semana, talvez duas. Então terminaríamos. Mas então algo estranho aconteceu. O dinheiro começou a fluir. E fluir. Os estados acharam isso incrível, então continuaram na mesma marcha. As impressoras de dinheiro começaram a funcionar. E eclodiu o caos geral: social, cultural, educacional, econômico e político.

Tudo aconteceu tão rápido. Os meses se passaram sem nenhuma interrupção na narrativa. Ficou uma loucura [tirânica] depois de certo tempo. Houve tão poucos críticos. Não sabíamos, mas eles estavam sendo silenciados por um novo maquinário que já havia sido construído para esse fim.

Entre o que foi censurado estavam as críticas às injeções experimentais de terapia genética mRNA que estava freneticamente sendo lançada e que acabaria por ser imposta à força às populações de todo o mundo. Eles disseram que a injeção mRNA era 95% eficaz, mas não estava claro o que isso poderia significar. Nenhum coronavírus jamais foi controlado por qualquer vacina. Como isso pode ser verdade? Não era verdade. As injeções também não impediram a propagação do vírus, pelo contrário.

Muitas pessoas disseram isso na época. Mas não conseguimos ouvi-los. Suas vozes foram abafadas ou silenciadas. As empresas de redes sociais já tinham sido assumidas por interesses ligados ao governo que trabalhavam em nome de agências de inteligência. Acreditávamos que essas ferramentas foram projetadas para aumentar nossas conexões com outras pessoas e permitir a liberdade de expressão. Agora eles estavam sendo usados ​​para transmitir uma narrativa predefinida do regime tirânico que emergiu usando o vírus.

Ocorreram estranhas mudanças industriais. Os carros a gasolina foram preteridos em favor de uma nova experiência em veículos elétricos, graças à intensa procura dos consumidores causada pela escassez devido a quebras na cadeia de abastecimento. As plataformas digitais de aprendizagem tiveram um grande impulso porque as salas de aula físicas foram fechadas. Os pedidos de compras online e as entregas ao domicílio tornaram-se moda porque as pessoas foram orientadas a não sair de casa e as pequenas empresas foram fechadas à força.

As empresas farmacêuticas estavam em alta, é claro, aculturando gradualmente a população a um modelo de assinatura. Houve tentativas de converter países inteiros num sistema de passaportes de saúde. A cidade de Nova Iorque tentou isto, juntamente com a segregação física real de toda a cidade, com os vacinados considerados limpos, enquanto os não vacinados eram a escória imunda negacionista e não eram autorizados a entrar em restaurantes, bibliotecas, cinemas, bares ou teatros. O aplicativo digital, entretanto, não funcionou, então o plano desmoronou rapidamente.

Tudo isso aconteceu em menos de um ano. O que começou como um erro intelectual na saúde pública acabou parecendo um Golpe de Estado GLOBAL digital.

Os golpes do passado contavam com exércitos rebeldes das colinas atacando as cidades e acompanhados pelos militares enquanto invadiam o palácio e o líder e sua família fugiam em uma carruagem ou helicóptero, dependendo da época.

Mas isto era diferente. Foi organizado e planejado por agências de inteligência dentro da estrutura do Estado Global, uma grande reinicialização para rejeitar as formas do passado e substituí-las todas por uma nova distopia [incluindo o despovoamento pelas mortes em massa].

Inicialmente, as pessoas que disseram que esta era uma grande reinicialização foram ridicularizadas como loucos teóricos da conspiração. Mas depois descobriu-se que o chefe do Fórum Económico Mundial (WEF), Klaus Schwab, tinha escrito um livro com o mesmo título que podia ser comprado na Amazon. Acontece que é “The Open Conspiracy” de HG Wells atualizado para a tecnologia do século XXI.

Acontece que há muito mais do que isso. Houve um ângulo em tudo isto que tem impacto nos mecanismos que utilizamos para o controle democrático das sociedades. Enterrada na enxurrada de projetos de lei aprovados em março de 2020 em função da “terrível pandemia global”, estava uma liberalização da votação que nunca teria sido tolerada antes. Em nome do distanciamento social, as cédulas de votação em eleições por correio tornar-se-iam a norma, juntamente com as conhecidas irregularidades que elas introduzem.

Implausivelmente, isso também fazia parte do plano.

Pesquisar e perceber tudo isso em tempo real tem sido um pouco demais. Destruiu os velhos paradigmas ideológicos. As velhas teorias já não explicam o mundo à medida que ele se desenrola. Faz com que todos nós revisemos nossos antecedentes, pelo menos aqueles com mentes adaptáveis ​​o suficiente para prestar atenção. Para vastas camadas da classe intelectual, isto não é possível.

Olhando para trás, deveríamos saber desde o início que algo estava acontecendo. Havia muitas anomalias. Os responsáveis ​​foram realmente tão estúpidos a ponto de acreditar que é possível fazer com que um vírus desapareça fazendo com que todos fiquem em casa usando focinheiras? É um absurdo. Não é possível controlar o reino microbiano desta forma, e certamente qualquer pessoa com um mínimo de inteligência sabe disso.

Outra pista: nunca houve um plano de saída. O que exatamente quatorze dias de atividade congelada iriam alcançar? Qual foi a referência de sucesso? Nunca nos disseram. Em vez disso, as elites da comunicação social e do governo simplesmente encorajaram o medo. E então enfrentamos esse medo com protocolos ridículos, como nos molhar com desinfetante, usar máscara enquanto caminhamos e presumir que todas as outras pessoas são vetores de doenças.

Isto foi uma guerra psicológica. Com que finalidade e quão ambiciosos são estes planos ocultos para nós?

Apenas quatro anos depois, estamos compreendendo a plenitude do que estava acontecendo.

Para aqueles de nós educados na persistente incompetência do governo para fazer tudo certo, e muito menos implementar um plano com qualquer precisão, elaboradas teorias de conspiração de conspirações e esquemas parecem sempre implausíveis. Nós simplesmente não acreditamos neles.

É por isso que demoramos tanto para ver a totalidade do que foi implementado em março de 2020, um esquema que combinou uma infinidade de ambições governamentais/industriais aparentemente díspares, incluindo:

  • 1) implementação do modelo de assinatura/plataforma de distribuição farmacêutica,
  • 2) censura em massa,
  • 3) gestão/fraude eleitoral,
  • 4) renda básica universal,
  • 5) subsídios industriais para plataformas digitais,
  • 6) vigilância populacional em massa,
  • 7) cartelização da indústria,
  • 8) mudança na distribuição de renda e consolidação do poder administrativo do Estado,
  • 9) esmagamento dos movimentos “populistas” em todo o mundo, e
  • 10) a centralização do poder em geral.

Para completar, todos esses esforços tiveram escopo e alcance GLOBAL. Todo esse modelo realmente amplia os limites da plausibilidade. E, no entanto, todas as evidências apontam exatamente para o que foi dito acima. Isso só mostra que mesmo que você não acredite em conspirações, as conspirações acreditam em você e VÃO chegar até voce. Foi um golpe de estado na era digital, diferente de tudo o que a humanidade já experimentou.

Quanto tempo levará para processarmos essa realidade? Parece que estamos apenas nos estágios iniciais de compreensão e muito menos de resistência.


Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *