Um Jogo de Guerra de US$ 250 milhões e seu resultado chocante

Com um custo de 250 milhões de dólares, o exercício de guerra Millennium Challenge 2002 foi o maior e mais caro jogo de guerra da história do Pentágono. Com mais de 13.500 militares participantes, o governo dos EUA levou mais de dois anos para projetá-lo. O exercício colocou o Irã contra os militares dos EUA. Washington pretendia demonstrar como os militares dos EUA poderiam derrotar o Irã com facilidade.

Um Jogo de Guerra de US$ 250 milhões e seu resultado chocante

Fonte: Internationalman.com – por Nick Giambruno

Paul Van Riper, um general de três estrelas e veterano de 41 anos no Corpo de Fuzileiros Navais dos EUA, liderou as “forças iranianas” no jogo de guerra. Sua missão era enfrentar toda a força militar dos EUA, liderada por um grupo de batalha de porta-aviões e uma grande força de desembarque anfíbia no Golfo Pérsico.

Os resultados chocaram a todos…

O general Van Riper esperou que a Marinha dos EUA passasse pelo raso e estreito Estreito de Ormuz, o que os tornou alvos fáceis para as técnicas de guerra não convencionais e assimétricas do Irã.

O Golfo de Oman, o Golfo Pérsico e o Estreito de Ormuz, por onde passam cerca de 30% de todo o petróleo consumido no planeta

A ideia seria de nivelar o campo de jogo contra um inimigo superior com enxames de lanchas suicidas carregadas de explosivos, aviões voando baixo carregando mísseis anti-navio, minas navais, drones e mísseis balísticos anti-navio baseados em terra, entre outros produtos de baixo custo, mas medidas altamente eficazes.

Em minutos, Van Riper saiu vitorioso sobre seu oponente superior e afundou todos os 19 navios dos EUA incluindo porta aviões e suas aeronaves. Se fosse na vida real, 20 mil marinheiros e fuzileiros navais dos EUA teriam morrido.

O exercício/simulação militar Desafio do Milénio 2002 foi um desastre completo para o Pentágono, que gastou 250 milhões de dólares para montar o extenso jogo de guerra. Produziu exatamente o resultado oposto do que eles queriam.

E então, o que fez o Pentágono com estes resultados humilhantes?

Como uma criança jogando videogame, eles apertam o botão de reset. Eles então manipularam e planejaram o jogo para que os EUA tivessem a garantia de vencer. Depois de perceber que a integridade do jogo de guerra havia sido comprometida, Van Riper, enojado, saiu no meio do jogo. Ele então disse:

“Nada foi aprendido com isso. E uma cultura que não está disposta a pensar muito e a se testar não é um bom presságio para o futuro.”

A principal lição do exercício/simulação militar Desafio do Milénio 2002 é que os porta-aviões – os maiores e mais caros navios alguma vez construídos – não durariam um único dia em combate naquela região, mesmo contra uma potência regional menor como o Irã. A Rússia e a China teriam ainda mais facilidade para despachá-los. São brinquedos superfaturados.

Isso significa que os EUA desperdiçaram incontáveis ​​bilhões em equipamento militar que poderia revelar-se inútil num conflito grave. No entanto, o governo dos EUA ainda desfila porta-aviões por todo o mundo de vez em quando para tentar intimidar os seus inimigos, como esta fazendo atualmente no Mediterrâneo oriental apoiando Israel em seu conflito com o Hamas.

Porta aviões nuclear USS Eisenhower

No entanto, é uma estratégia falha, propensa a resultados catastróficos se alguém perceber que está blefando. Embora o Desafio do Milênio 2002 tenha ocorrido há mais de 20 anos, o exercício militar é de suma importância hoje.

O Irã melhorou considerável e substancialmente as suas capacidades de guerra assimétrica e não convencional. É duvidoso que os militares dos EUA se saíssem muito melhor hoje do que há 20 anos.

Em suma, uma guerra total com o Irã hoje poderia ser ainda mais desastrosa do que a simulação do Desafio do Milénio de 2002. Infelizmente, a guerra com o Irã é um resultado cada vez mais provável, uma vez que as tensões no Oriente Médio e os interesses de Israel estão no seu ponto mais alto em gerações e tendem a aumentar.

Anteriormente, morei em Beirute, no Líbano, durante vários anos, enquanto trabalhava para um banco de investimento. A experiência foi efetivamente um curso de formação avançada em geopolítica do Oriente Médio. Hoje, isso me ajuda a ver o panorama geral da região… e, infelizmente, não é bonito.

Penso que uma próxima grande guerra no Oriente Médio está para acontecer em breve e poderá ser a maior de sempre. O foco será no Irã. E o mercado não avalia o quão perto estamos de uma grande guerra e as implicações dela para a região e o mercado internacional no preço do petróleo.


Uma resposta

  1. Jogo. Guerra é diferente. Todos os cenários apontavam que milhares de soldados de Israel morreriam se invadissem Gaza, um superpovoado enclave costeiro. Pentagono, Otan, ONU e todos os analistas militares advertiam que haveriam um banho de sangue de ambos os lados. Israel venceu o Hamas em uma semana. E perdeu poucos soldados. Portanto esse entusiasmo pelos homicidas de Teera não passa de entusiasmo. Jogo é jogo, guerra é guerra.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Receba nosso conteúdo

Junte-se a 4.326 outros assinantes

compartilhe

Últimas Publicações

Indicações Thoth