Entre ou
Cadastre-se

Compartilhe
Receba nosso conteúdo

Um Superestado Europeu está sendo criado sem Consentimento do Povo, alerta eurodeputado da Polônia

O público europeu não deve notar que um golpe está em movimento e prestes a ocorrer, o de que a União Europeia como uma comunidade de estados soberanos está sendo abolida e um superestado europeu está para ser criado sem qualquer conhecimento e consentimento do povo, declarou o eurodeputado polaco Jacek Saryusz-Wolski em entrevista.

NWO-Nova Ordem Mundial: Um Superestado Europeu está sendo criado sem o Consentimento do Povo, alerta eurodeputado da Polônia

Fonte: RemixNews – Autor Oliver Bault

A Comissão de Assuntos Constitucionais do Parlamento Europeu adotou uma resolução em 25 de outubro com um relatório contendo mudanças de longo alcance no tratado, elaborado pelo chamado Grupo Verhofstadt, uma equipe liderada pelo euro federalista belga Guy Verhofstadt.

A votação em plenário está prevista para 22 de novembro e desencadeará formalmente o procedimento de alteração dos tratados existentes.

O eurodeputado polaco Jacek Saryusz-Wolski, que foi membro deste Grupo Verhofstadt até julho, explica nesta entrevista exclusiva à Remix News porque esta última tentativa de transformar a União Europeia num superestado antidemocrático, que ele descreve como um golpe silencioso com raízes comunistas, tem uma chance real de sucesso se não for interrompido rapidamente.

Houve eleições na Polônia e sabemos que um novo governo será provavelmente formado pela Coligação Cívica juntamente com a Terceira Via e a Nova Esquerda. Significa isto que a Polônia apoiará agora as mudanças de grande alcance aos tratados da UE propostas pela esquerda e pelo centro-direita no Parlamento Europeu?

Prefiro falar de forma condicional porque, a partir de hoje, a formação de um governo pela oposição é provável, mas não é uma conclusão precipitada. No entanto, se isso acontecer, é de fato verdade que já não se pode esperar que a Polônia bloqueie estas mudanças na forma como a UE funciona.

A oposição polaca, na fase de trabalho parlamentar, apoiou estas mudanças, tanto através dos votos dos representantes dos seus grupos políticos na equipe de co-relatores do relatório, que chamamos coloquialmente de Grupo Verhofstadt e da qual saí em Julho em protesto, e com os seus votos na Comissão dos Assuntos Constitucionais, e também na votação em plenário.

Quanto às votações em plenário, no Relatório sobre Parlamentarismo, Cidadania Europeia e Democracia , onde houve uma alteração para eliminar o direito de veto dos Estados-Membros, a oposição votou pela eliminação deste direito de veto.

Durante a votação na Comissão de Assuntos Constitucionais do Parlamento Europeu em 25 de Outubro, os representantes destes partidos polacos expressaram o seu apoio de princípio a este plano para criar um superestado e reduzir o papel dos estados membros ao de “Länder” de estilo alemão. .”

Portanto, é quase certo que se estes três partidos formarem um governo liderado por Donald Tusk na Polônia, apoiarão estas mudanças.

Assumindo que é isso que vai acontecer, poderão estas mudanças ser bloqueadas por países mais pequenos, como a Hungria e a Eslováquia, cujo novo primeiro-ministro, Robert Fico, expressou a sua feroz oposição à eliminação do direito de veto?

Temos de considerar a experiência com o Tratado Constitucional. Houve muitos resistentes e, eventualmente, sob pressão e chantagem, até mesmo o mais resistente, a Grã-Bretanha, concordou. Este tratado só foi bloqueado por dois referendos, na Holanda e na França. Só então este tratado foi abandonado. No entanto, acabou por ser adotado de forma truncada e rebatizado como Tratado de Lisboa. Assim, a história do Tratado Constitucional prova que mesmo os mais resistentes cedem e cedem sob pressão ao longo do tempo.

Aqui, a pressão é muito grande e os instrumentos que a Comissão Europeia tem à sua disposição são muito mais poderosos do que na época em que tentava fazer aprovar o Tratado Constitucional. Naquela época, a Comissão não podia bloquear fundos, como o faz hoje. Não poderia colocar um Estado-Membro contra a parede sob acusações inventadas relativas ao chamado Estado de direito, por exemplo.

O arsenal de meios de extorsão e chantagem é hoje muito maior e é utilizado ativamente. A francesa Marine Le Pen disse que a primeira-ministra italiana, Giorgia Meloni, não queria votar a favor do pacote de imigração e relocalização, acreditando que era necessário um bloqueio naval, e não este tipo de medida ineficaz. No entanto, foi ameaçada de que uma parcela dos fundos de recuperação italianos seria bloqueada e cedeu à pressão, uma vez que corria o risco, como sabemos, de um ataque dos mercados financeiros a Itália.

Os italianos estão de fato familiarizados com isto desde 2011 . Mas disse que deixou o chamado Grupo Verhofstadt, ou seja, a equipe que trabalha no relatório sobre as propostas do Parlamento Europeu para a alteração dos tratados, num ato de protesto. Um ato de protesto contra o quê?

Contra esta fórmula final e a falta de respeito pelo princípio do consenso. Trabalhamos no relatório de julho de 2022 a julho de 2023. Foram centenas de horas de negociações. Estiveram presentes seis representantes de seis grupos políticos, incluindo eu próprio, em nome do grupo Conservadores e Reformistas Europeus (ECR). O grupo Identidade e Democracia não foi autorizado a entrar.

Por que?

Esta é a chamada política de “cordão sanitário” aplicada pelos outros grupos, desde o PPE de centro-direita até à extrema-esquerda. Quanto aos seis relatores, a Conferência dos Presidentes decidiu que haveria seis co-relatores, ou seja, deveria ser aplicado o princípio do consenso. Isso significa que era esperado que todos concordassem com a versão final.

Na qualidade de um desses seis co-relatores, protestei contra diversas soluções, infelizmente sem sucesso. Propus outras soluções, como uma Câmara da Subsidiariedade do TJUE composta pelos Presidentes dos Tribunais Constitucionais Nacionais, ou um procedimento de cartão vermelho em que metade dos parlamentos nacionais poderiam impedir a legislação na Comissão Europeia, etc.

Tudo isto foi rejeitado e o princípio do “consenso de seis co-relatores” foi transformado num “consenso menos um”. Por outras palavras, os outros cinco grupos políticos concordaram em assuntos entre si, e o ECR acabou também por ser colocado fora do cordão sanitário. Por isso, bati a porta em nome do meu grupo.

No seu projeto de resolução que trata precisamente destas propostas de alterações ao Tratado, o Parlamento Europeu cita a chamada Conferência sobre o Futuro da Europa como a fonte destas ideias. Isso não significa que existe um procedimento democrático por trás destas mudanças propostas? Afinal, foi uma consulta cidadã, não foi?

Absolutamente não.

Em primeiro lugar, gostaria de alertar contra a leitura do próprio projeto de resolução, porque ouvi com os meus próprios ouvidos como foi dito entre os co-relatores que a resolução deveria ser formulada de forma a esconder as propostas mais radicais e a reorganizar para que mesmo dentro do campo desses cinco grupos políticos, desde a esquerda comunista até ao Partido Popular Europeu, não suscitassem resistência. Portanto, a própria resolução é uma versão “light”, uma versão que é deliberadamente adulterada para esconder o verdadeiro radicalismo do que está nas 110 páginas do relatório.

Quanto à Conferência sobre o Futuro da Europa, foi apenas uma preparação. Estavam reunidos oitocentos representantes da chamada sociedade civil. Foram submetidos a coaching e formatados com a ajuda de ONG do tipo Soros, de modo a colocar na sua boca a mensagem de que o establishment de Bruxelas queria ser ouvido pelo público em geral. Isso não teve nada a ver com consulta pública. Era apenas uma tela, um cenário, uma aldeia Potemkin construída para que houvesse algo para invocar. Na realidade, o conteúdo da Conferência foi escrito nos escritórios da Comissão Europeia e do Grupo Spinelli.

É interessante notar que na resolução do Parlamento Europeu, os seus autores se referem ao Manifesto Ventotene de Altiero Spinelli, um comunista trotskista italiano. O seu manifesto é citado em primeiro lugar, com a declaração de Schuman em segundo lugar. Isto mostra claramente que esta ideia de alterar o Tratado da UE está enraizada na visão marxista comunista para a Europa, onde os Estados-nação estão para ser abolidos e onde a democracia é basicamente inexistente.

Basta ler o que Spinelli escreveu sobre o assunto. Schuman proclamou que a sua ideia não era unir os países para criar um superestado, e a ideia da União como um superestado tem a sua origem nos conceitos que Spinelli expôs no Manifesto de Ventotene.

Diz que “deriva a sua visão e certeza do que deve ser feito do conhecimento de que representa as necessidades mais profundas da sociedade moderna e não de qualquer reconhecimento prévio da vontade popular, ainda inexistente. Desta forma, emite as diretrizes básicas da nova ordem, a primeira disciplina social dirigida às massas informes. Através desta ditadura do partido revolucionário será formado um novo Estado, e em torno deste Estado crescerá uma nova e genuína “democracia.”

Isto é puro bolchevismo! Esta futura democracia, tal como no comunismo, será liderada pela ditadura dos partidos revolucionários. O Manifesto Ventotene diz ainda que será um estado federal estável com um exército europeu, etc.

Sejamos claros: este projeto de reforma dos tratados da UE é comunista e rejeita o conceito democrático-cristão de Schumann. O Grupo Spinelli, coautor das propostas, é um grupo informal no Parlamento Europeu com dezenas de eurodeputados. Eles afirmam ser federalistas, mas o seu projeto é na verdade antifederalista.

Numa federação, se olharmos para a Bundesrepublik alemã, a Suíça ou os Estados Unidos, as partes constituintes da federação são iguais ou quase iguais. Cada estado dos Estados Unidos tem dois representantes no Senado. Os Länder (estados) alemães têm representação quase igual no Bundesrat. O mesmo se aplica ao Conselho de Estados na Suíça.

Em contraste, na União Europeia, o peso dos votos dos estados membros é proporcional à sua população. Portanto, este não é apenas um projecto antidemocrático, mas também anti-federalista, apesar de se autodenominarem federalistas. Na verdade, eles estão longe dos conceitos federais. Eles são centralizadores.

Trata-se de uma espécie de grupo de ideólogos políticos, alguns dos quais eu até chamaria de fanáticos, que querem construir um superestado sobre as ruínas dos Estados-nação, onde uma oligarquia política governará inexplicavelmente e escapará ao controle democrático dos cidadãos [será uma tirania].

Entre as alterações propostas aos tratados da UE, há também esta regra bastante revolucionária em comparação com a que está em vigor até agora: os tratados subsequentes seriam adotados por uma maioria de 4/5 dos estados membros. Por outro lado, este primeiro tratado, que seria inovador e introduziria tal princípio, terá de ser adotado por unanimidade, certo?

Sim. E uma vez adotado, não haverá mais necessidade de forçar a vontade de alguns Estados-Membros, quando puderem ser contornados. Isto é uma curiosidade, porque em nenhuma organização internacional existe tal coisa, que um ato estatutário e constitucional de uma organização seja adotado a não ser por unanimidade.

Outra mudança revolucionária diz respeito à forma como as competências da União são atribuídas. Até agora – pelo menos em teoria, porque na prática é um pouco diferente – são os Estados-membros que conferem novos poderes à União. Em contrapartida, de acordo com este novo tratado proposto, que o Parlamento Europeu está atualmente debatendo, tornar-se-ia oficialmente possível para a União atribuir-se novas competências e decidir sobre as competências dos Estados-Membros.

Neste momento, pelo menos no papel, de acordo com o artigo 5.º, existe o chamado princípio da atribuição. Isto significa que a União dispõe apenas dos poderes que lhe foram conferidos pelos Estados-Membros e que estão enumerados nos tratados.

Em contrapartida, o relatório do chamado Grupo Verhofstadt propõe a transferência de 10 áreas de competência para a União, incluindo duas como competências exclusivas, nas esferas do clima e do ambiente, e oito como as chamadas competências partilhadas. As competências partilhadas, diz o tratado, são aquelas em que a União tem prioridade no seu exercício, e os Estados-Membros só podem agir na medida em que a União não exerça essas competências.

Em suma, é a União quem decidirá quais são os poderes e o âmbito da soberania dos Estados, e não o contrário. Assim, a soberania dentro da União Europeia já não residiria nos Estados-membros, mas na própria União, e os primeiros estariam subordinados.

Aliás, a moeda euro deverá tornar-se obrigatória para todos os membros da UE. É também por isso que estou a falar da ameaça dos Estados-Membros se tornarem simples “Länder”: serão apenas Estados da União Europeia, tal como existem os estados alemães.

Em teoria, a imigração ainda é da competência exclusiva dos estados membros da UE neste momento…

Neste momento, a imigração econômica é de fato da competência exclusiva dos Estados-Membros com base nos tratados europeus existentes, mas isto não é respeitado na prática. O pacto de migração, que está em vias de ser finalizado, com o seu princípio de deslocalização, confere à UE poderes que não foram conferidos pelos Estados-Membros.

E em termos de competências futuras, se analisarmos todas estas competências que a UE iria adquirir – ambiente, clima, silvicultura, saúde pública, infra-estruturas de transporte transfronteiriços, política de fronteiras externas, assuntos externos, assuntos de segurança interna, assuntos de defesa, assuntos civis defesa, indústria, educação… não resta muito para os estados membros. As competências dos Estados-Membros serão, portanto, residuais e parciais.

A isto acrescenta-se o grande capítulo da revolução cultural, ou ideologia de gênero, onde em todo o Tratado a “igualdade entre homens e mulheres” é substituída pelo conceito de “gênero”. E isto é para entrar no catálogo dos chamados “valores” europeus.

Significa isto que se os tratados forem modificados de acordo com as atuais propostas do Parlamento Europeu, a UE poderá impor oficial e legalmente o casamento entre pessoas do mesmo sexo a todos os Estados-Membros?

Na verdade, não permitir casamentos entre pessoas do mesmo sexo num Estado-Membro constituirá uma violação do Estado de direito, tal como entendido pela sua nova definição da UE. Acrescente-se a isto que o artigo 7º, com o qual a Polônia e a Hungria têm sido interrogadas durante anos, seria alterado para que a falta de respeito pelo Estado de direito de um país pudesse ser estabelecida e o referido país pudesse ser punido já não por unanimidade, mas por maioria dos outros Estados-membros.

A adoção destas alterações terá o efeito de incapacitar os Estados nesta matéria. Será mais fácil punir um Estado-Membro e bloquear os fundos da UE a que tem direito. Em suma, o que fazem agora ilegalmente, poderão doravante fazer legalmente, porque tudo estaria consagrado no Tratado.

Como se comparam estas alterações com as propostas em Setembro por um painel de peritos nomeado pela França e pela Alemanha? As duas iniciativas estão de alguma forma relacionadas?

Não, eles não estão. O trabalho da equipe parlamentar começou em julho de 2022. Em contrapartida, estamos aqui falando de uma equipe formada por iniciativa dos ministros dos Assuntos Europeus da Alemanha e da França. O seu relatório é da autoria de acadêmicos que escreveram algo personalizado a que estes dois ministros podem agora referir-se. Os temas são semelhantes e as intenções coincidem, mas é aí que terminam as semelhanças.

O relatório do Parlamento é anterior, mais amplo e mais profundo e, acima de tudo, tem um papel formal. Baseia-se no artigo 48.º do Tratado da União Europeia e desencadeia o processo de alteração do Tratado, enquanto o relatório franco-alemão é apenas um parecer de peritos feito sob encomenda. Os dois relatórios têm pesos muito diferentes.

Então, qual é a sua previsão? Será que o novo tratado tem apoio suficiente nos grandes países da UE e será simplesmente imposto aos restantes?

Primeiro, ele será aprovado no Parlamento Europeu. A julgar aproximadamente pelas votações anteriores, prevejo que deverão ser cerca de 330 votos “a favor” e 170 “contra”. É isso que mostram as votações anteriores, como a eliminação total do direito de veto, que está prevista num outro relatório votado no Parlamento Europeu em Setembro.

Após a sua adoção pelo Parlamento Europeu, a proposta de alteração dos tratados da UE chegará à mesa do Conselho da UE, que reúne os ministros interessados ​​da UE27. Será transmitido ao Conselho Europeu, ou seja, à reunião de chefes de Estado e de governo.

O Conselho Europeu pode então decidir, por maioria simples de votos, o que é algo invulgar, convocar uma Convenção. É o tipo de Convenção que Giscard d’Estaing presidiu uma vez, e que produziu o fracassado Tratado Constitucional da UE. Essa convenção é uma instituição prevista nos Tratados atuais. O próximo passo é a decisão de convocar uma Conferência Intergovernamental, que promulga tudo isto com um acordo comum sobre alterações ao tratado.

A minha resposta à sua pergunta é que, se as sociedades e as forças políticas europeias não acordarem agora e não impedirem esta situação numa fase inicial, o rolo compressor da UE irá até ao fim. Por outro lado, se se opuser agora e se a resistência se construir nas sociedades dos Estados-membros e tiver influência nos debates políticos e nas eleições, se as forças que se opõem a esta mudança de regime chegarem ao poder na França, como é esperado, e se Se houver uma mudança da cena política para a direita nas eleições do próximo ano para o Parlamento Europeu, se esta se tornar uma questão importante para estas eleições europeias como deveria, então há uma oportunidade de bloquear estas alterações ao Tratado.

Mas se isto for feito discretamente, como tem sido o caso até agora, com os políticos e os meios de comunicação social em silêncio, então este processo irá até ao fim. Agora o trabalho está sendo feito debaixo do radar. Apenas especialistas e um número muito pequeno de jornalistas notaram isso.

E essa é a intenção, aliás, de fazer isso internamente, de forma discreta. O público não deve notar que um golpe de Estado está prestes a ocorrer, que a União Europeia como uma comunidade de Estados soberanos está para ser abolida e um super-Estado está para ser criado sem qualquer consentimento do povo, e que os Estados-Membros estão sendo reduzidos ao papel dos estados alemães.

Portanto, assim como os Gansos Capitolinos, hoje é preciso alertar e alarmar que esse golpe está para acontecer. Estaria tudo bem se as sociedades europeias concordassem com isso. Se as pessoas querem a abolição dos Estados-nação, então estaria tudo bem, mesmo que eu não goste disso. Vocês querem um superestado onde uma casta de eurocratas governará sem o controle dos cidadãos? Se sim, expresse sua aprovação.

Mas em Bruxelas sabem muito bem que tal acordo não existe nem existirá. Então, eles querem fazer isso secretamente, e é por isso que chamo isso de conspiração e golpeÉ um ataque à democracia. Robert Schumann deve estar se revirando no túmulo. Se ele estivesse vivo e fosse hoje eurodeputado, votaria contra. O mesmo aconteceria com o italiano Alcide de Gasperi, outro dos fundadores da Europa.

O problema é que a Europa foi sequestrada, foi roubada. Tal como Zeus, em forma de touro, raptou a Europa, os círculos liberais de esquerda apoderaram-se de algo que era um conceito de gênese cristã, algo que se baseava no princípio da subsidiariedade, que, aliás, deriva da doutrina social da Igreja. Este algo está sendo transformado por eles num projeto com raízes comunistas. Os autores do projeto de resolução e do relatório do Parlamento Europeu nem sequer escondem isto.


O euro deputado Jacek Saryusz-Wolski é economista e especialista em estudos europeus. Foi um dos principais negociadores da Polônia para a adesão à União Europeia e foi responsável pelas relações com a UE em vários governos da Polônia na década de 1990 e no início dos anos 2000. É membro do Parlamento Europeu desde 2004. Foi vice-presidente do Parlamento Europeu de 2004 a 2007 e presidiu a Comissão dos Negócios Estrangeiros do PE de 2007 a 2009. Jacek Saryusz-Wolski também foi membro do sindicato Solidariedade sob o regime comunista na década de 1980. Desgostoso com a forma como os seus colegas liberais procuraram impor sanções contra a Polônia em Bruxelas após a derrota nas eleições de 2015, distanciou-se da Plataforma Cívica (PO), da qual era uma figura de destaque (era então vice-presidente do Parlamento Europeu). Partido Popular) e aproximou-se do Direito e Justiça (PiS), com quem agora faz parte do grupo dos Conservadores e Reformistas Europeus (ECR).


“A sabedoria (Sophia) clama lá fora; pelas ruas levanta a sua voz. Nas esquinas movimentadas ela brada; nas entradas das portas e nas cidades profere as suas palavras:  “Até quando vocês, inexperientes, irão contentar-se com a sua inexperiência? Vocês, zombadores, até quando terão prazer na zombaria? E vocês, tolos [ignorantes], até quando desprezarão o conhecimento?  Atentai para a minha repreensão; pois eis que vos derramarei abundantemente do meu espírito e vos farei saber as minhas palavras [o conhecimento]”. – Provérbios 1:20-23


AVISO PARA OS ASSINANTES DO BLOG: Para os leitores assinantes do Blog, que recebiam o link para acessar as postagens em seus endereços de E-Mail, solicitamos, por favor, que refaçam a sua inscrição aqui neste LINK: https://linktr.ee/thoth3126, devido à problemas técnicos e perda de dados que tivemos com a migração de servidor. Também avisamos aos nossos leitores que estamos preparando uma NOVA VERSÃO do Blog que em breve será disponibilizada para todos.

Convidamos também a conhecerem e seguirem nossas redes sociais:
Instagram: https://www.instagram.com/th.oth3126/
Facebook: https://www.facebook.com/thoth3126.blog
X (antigo Twitter): https://twitter.com/thoth3126_blog
Youtube: https://www.youtube.com/@


Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *