Entre ou
Cadastre-se

Compartilhe
Receba nosso conteúdo

Uma Rothschild quer fusão entre as Grandes Corporações, ‘Governos’ e I.A. para “Salvar o Capitalismo”

Se você ainda não conhece e/ou ouviu falar de uma pequena organização chamada “Conselho para o Capitalismo Inclusivo-CCI”, não se preocupe, a maioria das pessoas nunca ouviu falar dela. O grupo foi formado no auge da pandemia de covid; à medida que o medo e o pânico instilado pelos funcionários do governo e pelas pre$$tituta$ da mídia propagava os feeds de notícias, a maioria do público ficou bastante distraída [a maioria imensa AINDA está “distraída”].

Uma Rothschild quer fusão entre as Grandes Corporações, ‘Governos’ e I.A. para “Salvar o Capitalismo”

Fonte: Alt-Market.us – De autoria de Brandon Smith

A CCI é essencialmente sobre tudo o que os teóricos da conspiração alertam há anos, reunido em uma única entidade orwelliana distópica, completa com música dramática de piano ao fundo e uma máscara de “filantropia humanitária”.

A função básica do Conselho para o Capitalismo Inclusivo é centralizar a maioria ou todas as grandes corporações (corporações com influência global) e fundi-las aos governos em uma rede que coloca a ideologia acima da motivação do lucro. 

Algumas pessoas podem argumentar que as empresas precisam adotar um sistema de valores compartilhados em vez de simplesmente vaguearem por aí como tubarões devorando tudo o que conseguem cravar os dentes. Mas quem vai escolher o “conjunto de valores” que os gigantes corporativos e seus oligarcas controladores seguem?

O CCI é um órgão físico que representa o braço de atuação do conceito “acordado” ESG. Pretende criar incentivos e punições para o mundo empresarial com base na sua conformidade bovina com os valores do globalismo e do socialismo “acordado”, bem como na sua submissão às “necessidades” da agenda das mudanças climáticas.

Escrevi extensivamente sobre esse assunto, mas meu artigo ‘What Is The “Council For Inclusive Capitalism?” É a Nova Ordem Mundial’ é provavelmente a melhor visão geral do grupo de oligarcas multibilionários e de suas intenções.

A ideia é simples: alinhar a maioria das empresas com a ordem política de extrema esquerda com viés de tirania e absolutismo. Uma vez feito isso, eles forçarão essas empresas a usarem suas plataformas e exposição pública para doutrinar as massas. 

Vimos essa estratégia em ação nos últimos anos, com muitas empresas produzindo um crescimento constante no fluxo de produtos, conteúdo de mídia e marketing repleto de propaganda “acordada” de Diversidade, Equidade e Inclusão, sem mencionar a propaganda antiocidental e anticonservadora.

Estas empresas estão tão arraigadas no formato DEI e ESG que muitas delas estão dispostas a alienar a maioria dos seus clientes e a perder grandes lucros como exemplifica a “acordada” Disney. Os últimos vestígios da economia de mercado livre são assim destruídos, porque a motivação do lucro foi substituída por uma motivação e agenda política.

Porque é que as empresas optariam por aderir a uma organização deste tipo se pretendem ser constantemente microgeridas nas suas operações? Não deve ser apresentado a eles como uma escolha, mas sim como uma exigência inevitável. Aqueles que entram no andar térreo conseguem os melhores lugares na mesa da cabala; aqueles que aderirem tarde poderão ser esmagados sob o peso de uma burocracia socialista opressiva, “acordada” e distópica.

Por outro lado, a escolha também poderia ser voluntária, com a promessa de que aos líderes empresariais serão atribuídos amplos papéis de governação após a “Grande Reinicialização” do capitalismo, que os psicopatas do WEF-Fórum Económico Mundial tantas vezes discutiram.

Tenha em mente que a única maneira de tais empresas sobreviverem depois de serem rejeitadas pela maioria do público é se unirem aos governos, receberem um monopólio patrocinado pelo Estado e serem apoiadas por subsídios perpétuos. Eles podem até estar operando sob a suposição de que, enquanto continuarem a servir a religião desperta, eventualmente serão recompensados ​​com o status de “acordados demais para falhar”.

Mussolini certa vez definiu o encontro do poder corporativo com o poder governamental como o projeto original do fascismo. O Conselho para o Capitalismo Inclusivo é a expressão viva dessa semente autoritária.

O grupo é liderado por Lady Lynn de Rothschild, da famosa [e satânica] dinastia Rothschild, e expandiu-se para incluir um exército de parceiros empresariais, parceiros governamentais, parceiros da ONU e até mesmo o Vaticano.

Um componente-chave da agenda globalista que é frequentemente mencionado é a Inteligência Artificial (IA, a Besta), juntamente com a sua suposta capacidade de derrubar para sempre tudo na nossa sociedade e economia. Embora as capacidades da IA ​​sejam altamente superestimadas, as elites parecem pensar que é algum tipo de aparelho divino que irá refazer o mundo. Lady Rothschild envolveu-se recentemente com a mídia para promover um argumento interessante e revelador:

Surpreendentemente, a senhora (Lady) Rothschild encontra alguma resistência por parte dos seus entrevistadores, o que a força a fazer uma admissão indireta: A I.A. exigirá uma “reforma radical da economia”, ou seja, os mercados livres terão que acabare os parceiros governamentais/empresariais terão que intervir para controlar tudo, para o bem da população e do “bem maior”, é claro.

Exceto que é tudo uma farsa.

A IA, tal como as alterações climáticas, está rapidamente a tornar-se mais uma desculpa fabricada para a centralização global em um governo único, déspota e tirânico. A CIC, juntamente com instituições como o WEF e a ONU, têm afirmado nos últimos anos que “alguém” precisa intervir para moderar a IA, para que nenhum governo abuse do seu poder aparentemente ilimitado. Em outras palavras: Problema [que eles criam], Reação, Solução, a velha e boa dialética hegeliana.

Os globalistas criam um problema do nada (I.A.), depois sugerem que é um benefício (ou ameaça) muito maior para a humanidade do que realmente é, e depois oferecem os seus serviços como árbitros justos e benevolentes da tecnologia e dos seus efeitos. A própria Rothschild sugere-o na entrevista quando afirma que os “capitalistas” terão de ajustar as suas prioridades às causas sociais na sequência da I.A.. Como afirmei antes, é apenas ESG e DEI de outra forma.

Gostaria de salientar o tom de desdém na reação de Rothschild quando os mercados livres são trazidos para o debate. Essas pessoas ODEIAM qualquer noção de mercado livre. O sistema de Adam Smith foi elaborado em resposta direta às transgressões do controle mercantilista. As duas construções são mutuamente exclusivas. Não é possível ter mercados livres (ou liberdade) num império mercantilista centralizado. Não se pode ter mercados livres e socialismo na mesma economia.

E para ser claro, o sistema que temos hoje nos EUA NÃO é um sistema de mercado livre, é um antigo sistema de mercado livre que foi lentamente minado ao longo do tempo.

Os mercados livres já são justos. As elites empresariais interferem nessa justiça quando se unem aos governos para manipular o sistema a seu favor e obter vantagens indevidas. As desigualdades que Rothschild descreve como uma desculpa para a centralização foram de fato criadas por elites como ela. A CIC e a agenda da Grande Reinicialização de Klaus Schwab, outro khazar como a senhora Rothschild, nada mais são do que ferramentas para consolidar para sempre o poder corporativo e elitista dos globalistas et caterva.

Eles decidem quais empresas prosperam ou morrem. Eles decidirão os valores sociais do próximo século. Eles determinam como os recursos do mundo são utilizados e quem tem acesso a eles. E os governos, usando a força militar, garantirão que serão protegidos da fúria do povo, caso o público tome conhecimento da sua tomada de poder hostil.

A parte mais insultuosa? Quem criticar ou atacar esta invasão ideológica da nossa vida econômica será acusado de ser um monstro, cancelado, censurado e por fim até mesmo será eliminado. Afinal, a CIC só quer salvar a humanidade de si mesma, certo? Se quiser detê-los, você deve ser algum tipo de vilão egoísta que valoriza a liberdade individual, livre mercados, livre iniciativa e com liberdade de expressão acima do “bem comum”, acordado, transgênero, LGBTQ+ e transhumanista.

A grande PERGUNTA que os globalistas não querem que façamos é:

  • O que os torna qualificados e aptos para determinar o bem comum acima e para todos?
  • Por que se presume que eles deveriam ser os árbitros de tudo?
  • Mesmo a crise de estagflação que enfrentamos hoje é um resultado direto da intervenção de governos e bancos centrais com bilhões em moeda fiduciária para salvar as empresas “demasiado grandes para falir” das suas próprias práticas desastrosas e desonestas.
  • Por que deveríamos confiar-lhes o nosso bem-estar social, ou qualquer outra coisa nesse sentido?

Os globalistas responderão a este argumento com a I.A.. Dirão que a IA é o mediador “objetivo” final porque não tem lealdades emocionais ou políticas. Afirmarão que a IA deve tornar-se o aparelho de fato de tomada de decisões para a civilização humana.

E agora você vê porque Lady Rothschild está tão ansiosa para liderar a criação de um quadro regulamentar global para a IA – quem controla as funções da IA, quem quer que programe o software, eventualmente controlará o mundo e sua população, tudo isto enquanto usa a IA como proxy. Se algo der errado, eles podem simplesmente dizer que foi a IA que tomou a decisão, e não eles que a programarem.

É o governo paralelo perfeito; um Mágico de OZ tecnocrático usando a fumaça e os espelhos de um fantoche de IA para governar o planeta, eliminando toda responsabilidade e deslocando toda rebelião. Pois como pode a população argumentar ou revoltar-se contra um algoritmo sem rosto flutuando no éter digital?


Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *