Entre ou
Cadastre-se

Compartilhe
Receba nosso conteúdo

Victoria Nuland: Ucrânia Tem “Instalações de Pesquisa Biológica”, admitiu subsecretária de estado dos EUA

Os autoproclamados “verificadores de fatos” da imprensa corporativa pre$$titute$ dos EUA passaram duas semanas zombando como  desinformação e Falsa teoria da Conspiração a alegação de que a Ucrânia possui laboratórios de armas biológicas, desenvolvidos sozinhos ou com o apoio dos EUA. Eles nunca apresentaram nenhuma evidência para sua decisão, afinal como eles poderiam saber [?] e como eles poderiam provar sua negação [?] – mas, no entanto, eles invocaram seu tom caracteristicamente autoritário, acima de tudo, de autoconfiança e direito auto arrogante de decretar a verdade, rotulando definitivamente tais alegações como falsas. AGORA com a confissão pública da neoconservadora subsecretária de Estado para Assuntos Políticos Victoria Nuland lançando Luz Crítica sobre o papel dos EUA na pesquisa biológica na Ucrânia, levanta questões vitais sobre esses laboratórios biológicos que merecem respostas.

Victoria Nuland “falha em depoimento” no Congresso: Ucrânia Tem “Instalações de Pesquisa Biológica”, admitiu subsecretária de estado dos EUA, derrubando a propaganda da mídia pre$$titute$

Fonte: Greenwald.substack.com – Por Glenn Greenwald

As alegações de que a Ucrânia atualmente mantém vários laboratórios de armas biológicas perigosos vieram da Rússia e da China. O Ministério das Relações Exteriores da China afirmou este mês :

“Os EUA têm 336 Laboratórios Biológicos em 30 países sob seu controle, incluindo 26 apenas na Ucrânia”. 

O Ministério das Relações Exteriores da Rússia afirmou que “a Rússia obteve documentos provando que os laboratórios biológicos ucranianos localizados perto das fronteiras russas trabalhavam no desenvolvimento de componentes de armas biológicas”. Tais afirmações merecem o mesmo nível de ceticismo que as negações dos EUA: ou seja, nada disso deve ser considerado como evidência ausente verdadeira ou falsa, a mídia pre$$titute$ zomba deles como teorias da conspiração QAnon.

WASHINGTON, DC – 08 DE MARÇO: A subsecretária de Estado para Assuntos Políticos Victoria Nuland testemunha perante uma audiência do Comitê de Relações Exteriores do Senado sobre a Ucrânia em 08 de março de 2022 em Washington, DC. (Foto por Kevin Dietsch/Getty Images)

Infelizmente para esse esquema de propaganda disfarçado de verificação de fatos neutra e altiva, a oficial neocon há muito encarregado da política dos EUA na Ucrânia testemunhou na segunda-feira perante o Comitê de Relações Exteriores do Senado e sugeriu fortemente que tais alegações são, pelo menos em parte, verdadeiras.  Ontem à tarde, a subsecretária de Estado Victoria Nuland compareceu perante o Comitê de Relações Exteriores do Senado. O senador Marco Rubio (R-FL), na esperança de desmascarar as crescentes alegações de que existem laboratórios de armas químicas na Ucrânia, perguntou presunçosamente a Nuland: “A Ucrânia tem armas químicas ou biológicas?”

Rubio, sem dúvida, esperava uma negação por parte de Nuland, fornecendo assim mais “provas” de que tal especulação é uma Fake News covarde emanada de autoridades políticas do Kremlin, do PCC chinês e do QAnon: por algum motivo, ela deixou escapar uma versão da verdade. Sua resposta surpreendeu Rubio visivelmente, que – assim que percebeu o dano que ela estava causando à campanha de propaganda dos EUA ao dizer a verdade – a interrompeu e exigiu que ela afirmasse que, se ocorrer um ataque biológico, todos devem ter “100% de certeza” de que foi a Rússia quem o fez. Agradecido pelo bote salva-vidas, depois de sua gafe, Nuland disse a Rubio que ele estava certo.

Mas o ato de limpeza de Rubio veio tarde demais. Quando perguntado se a Ucrânia possui “armas químicas ou biológicas”, Nuland não negou: absolutamente. Em vez disso, ela – com desconforto palpável girando a caneta e com fala vacilante, um contraste gritante com seu estilo normalmente arrogante de falar em ofuscadores oficiais do Departamento de Estado – reconheceu a verdade admitindo: “uh, a Ucrânia tem, uh, instalações de pesquisa biológica”

Qualquer esperança de retratar tais “instalações” como benignas ou banais foi imediatamente destruída pelo aviso que ela rapidamente acrescentou: “então estamos trabalhando com os ucrainianos [sic] em como eles podem impedir que qualquer um desses materiais de pesquisa caia nas mãos das forças russas caso eles se aproximem” — [então ocorre a interrupção do senador Rubio].

A bizarra admissão de Nuland de que “a Ucrânia tem instalações de pesquisa biológica” que são perigosas o suficiente para justificar a preocupação de que possam cair nas mãos dos russos ironicamente constituiu uma evidência mais decisiva da existência de tais programas na Ucrânia do que o que foi oferecido em 2002 e 2003 para corroborar as alegações dos EUA sobre os programas químicos e biológicos de Saddam no Iraque. Uma confissão real contra os interesses de um alto funcionário dos EUA sob juramento é claramente mais significativa do que Colin Powell segurando um tubo de ensaio com uma substância desconhecida dentro enquanto apontava para imagens de satélite granuladas que ninguém conseguia decifrar.

Não é preciso dizer que a existência de um programa de “pesquisa” biológica ucraniana não justifica uma invasão da Rússia, muito menos um ataque tão abrangente e devastador quanto o que está se desenrolando: não mais do que a existência de um programa biológico semelhante sob Saddam tornaram justificável a invasão do Iraque pelos EUA em 2003. Mas a confissão de Nuland lança luz crítica sobre várias questões importantes e levanta questões vitais que merecem respostas.

Qualquer tentativa de alegar que as instalações biológicas da Ucrânia são apenas laboratórios médicos benignos e padrão é negada pela preocupação explicitamente grave de Nuland de que “as forças russas podem estar tentando obter o controle” dessas instalações e que o governo dos EUA, portanto, está, neste minuto, “trabalhando com os ucranianos sobre como eles podem impedir que qualquer um desses materiais de pesquisa caia nas mãos das forças russas”. 

A Rússia tem seus próprios laboratórios médicos avançados. Afinal, foi um dos primeiros países a desenvolver uma vacina contra a COVID, que a Lancet, em 1º de fevereiro de 2021, declarou ser “segura e eficaz” (mesmo que as autoridades dos EUA tenham pressionado vários países, incluindo o Brasil, a não aceitar nenhuma vacina russa, enquanto aliados dos EUA, como a Austrália, se recusaram por um ano inteiro a reconhecer a vacina russa COVID para fins de seu mandato de vacina). 

A única razão para estar “bastante preocupado” com essas “instalações de pesquisa biológica” da neocon Srª Nuland, caindo nas mãos dos russos é se elas contêm materiais sofisticados que os cientistas russos ainda não desenvolveram por conta própria e que podem ser usados ??para propósitos nefastos – ou seja , ou sistemas biológicos avançados armados ou “pesquisa” de uso duplo que tem o potencial para ser armada [weaponized].

O que há nesses laboratórios biológicos ucranianos que os tornam tão preocupantes e perigosos para os EUA? E a Ucrânia, não exatamente conhecida por ser uma grande potência com pesquisa biológica avançada, teve a ajuda de outros países no desenvolvimento dessas substâncias perigosas? A assistência americana está confinada ao que Nuland descreveu na audiência – “trabalhar com os ucranianos sobre como eles podem impedir que qualquer um desses materiais de pesquisa caia nas mãos das forças russas” – ou a assistência dos EUA se estendeu à construção e desenvolvimento do “instalações de pesquisa biológica”?

PolitiFact, 25 de fevereiro de 2022.

Apesar de toda a linguagem desdenhosa usada nas últimas duas semanas pelas autoproclamadas pro$$tituta$ “verificadores de fatos”, confirma-se que os EUA trabalharam com a Ucrânia, ainda no ano passado, no “desenvolvimento de uma cultura de gerenciamento de material biológico; parcerias internacionais de pesquisa; e a capacidade dos parceiros para melhorar as medidas de biossegurança e biovigilância”. A Embaixada dos EUA na Ucrânia se gabou publicamente de seu trabalho colaborativo com a Ucrânia “para consolidar e proteger patógenos e toxinas de preocupação de segurança e continuar a garantir que a Ucrânia possa detectar e relatar surtos causados ??por patógenos perigosos antes que eles representem ameaças à segurança ou estabilidade”.

Essa pesquisa biológica conjunta EUA/Ucrânia é, obviamente, descrita pelo Departamento de Estado da maneira menos ameaçadora possível. Mas isso novamente levanta a questão de por que os EUA estariam tão seriamente preocupados com uma pesquisa benigna e comum caindo nas mãos dos russos. Também parece muito estranho, para dizer o mínimo, que Nuland tenha escolhido reconhecer e descrever as “instalações” em resposta a uma pergunta clara e simples do senador Rubio sobre se a Ucrânia possui armas químicas e biológicas. Se esses laboratórios são apenas projetados para encontrar uma cura para o câncer ou criar medidas de segurança contra patógenos, por que, na mente de Nuland, isso teria algo a ver com um programa de armas biológicas e químicas na Ucrânia?

A realidade indiscutível é que – apesar das convenções internacionais de longa data que proíbem o desenvolvimento de armas biológicas – todos os países grandes e poderosos realizam pesquisas que, no mínimo, têm a capacidade de serem convertidas em armas biológicas. O trabalho realizado sob o pretexto de “pesquisa defensiva” pode, e às vezes é, facilmente convertido nas próprias armas biológicas e/químicas proibidas. Lembre-se de que, de acordo com o FBI , os ataques de antraz em 2001 que aterrorizaram a nação vieram de um cientista de pesquisa do Exército dos EUA, Dr. Bruce Ivins, que trabalhava no laboratório de pesquisa de doenças infecciosas do Exército dos EUA em Fort Detrick, Maryland. A alegação era de que o Exército estava “meramente” realizando pesquisas defensivas para encontrar vacinas e outras proteções contra o antraz como arma, mas para isso, o Exército teve que criar cepas de antraz altamente armadas, que Ivins então usou e liberou como uma arma.

Um programa PBS Frontline de 2011 sobre esses ataques de antraz explicou: “em outubro de 2001, o microbiologista da Northern Arizona University Dr. Paul Keim identificou que o antraz usado nas cartas de ataque era a cepa Ames, um desenvolvimento que ele descreveu como ‘arrepiante’ porque essa cepa em particular foi desenvolvido em laboratórios do governo dos EUA.” Falando ao Frontline em 2011, o Dr. Keim explicou por que era tão alarmante descobrir que o Exército dos EUA estava cultivando cepas tão altamente letais e perigosas em seu laboratório, em solo americano:

Ficamos surpresos que fosse a cepa Ames. E foi arrepiante ao mesmo tempo, porque a cepa Ames é uma cepa de laboratório que foi desenvolvida pelo Exército dos EUA como uma cepa de desafio de vacina. Sabíamos que era altamente virulento. Na verdade, é por isso que o Exército a usou, porque representava um desafio mais potente às vacinas que estavam sendo desenvolvidas pelo Exército dos EUA. Não era apenas um tipo aleatório de antraz que você encontra na natureza; era uma cepa de laboratório, e isso foi muito significativo para nós, porque foi o primeiro indício de que isso poderia realmente ser um evento de bioterrorismo.

Esta lição sobre os graves perigos da chamada pesquisa de uso duplo em armas biológicas foi reaprendida nos últimos dois anos como resultado da pandemia de COVID. Embora as origens desse vírus ainda não tenham sido comprovadas com evidências dispositivas (embora lembre-se, os verificadores de fatos declararam desde o início que foi definitivamente estabelecido que ele veio de saltos de espécies e que qualquer sugestão de vazamento de laboratório era uma “teoria da conspiração”, apenas para a Casa Branca de Biden em meados de 2021 admitir que não conhecia as origens e ordenar uma investigação para determinar se veio de um vazamento de laboratório), o que é certo é que o Instituto de Virologia de Wuhan estava manipulando várias cepas de coronavírus para torná-los mais contagiosos e letais. 

A justificativa era que isso seria necessário para estudar como as vacinas poderiam ser desenvolvidas, mas, independentemente da intenção, o cultivo de cepas biológicas perigosas tem a capacidade de matar um grande número de pessoas. Tudo isso ilustra que pesquisas classificadas como “defensivas” podem ser facilmente convertidas, deliberadamente ou não, em armas biológicas extremamente destrutivas.

Política Externa , 2 de março de 2022.

No mínimo, a surpreendente revelação de Nuland revela, mais uma vez, quão fortemente envolvido o governo dos EUA está e há anos tem estado na Ucrânia, na parte da fronteira da Rússia que autoridades dos EUA e acadêmicos de todo o espectro passaram décadas alertando é o mais sensível e vulnerável para Moscou. Foi a própria Nuland, enquanto trabalhava para Hillary Clinton e o Departamento de Estado de John Kerry sob o presidente Obama, que estava fortemente envolvida no que alguns chamam de revolução de 2014 Euromaidan e que outros chamam de “golpe de estado” que resultou em uma mudança de governo na Ucrânia de um regime amigo de Moscou para um muito mais favorável à UE/OTAN e ao Ocidente. Tudo isso aconteceu enquanto a empresa de energia ucraniana Burisma pagava US$ 50.000 por mês não ao filho de um oficial ucraniano, mas ao filho de Joe Biden, o viciado em drogas Hunter Biden: um reflexo de quem exercia o poder real dentro da Ucrânia.

Nuland não só trabalhou para os Departamentos de Estado de Obama e Biden para administrar a política da Ucrânia (e, de muitas maneiras, a própria Ucrânia), mas também foi vice conselheira de segurança nacional do vice-presidente Dick Cheney e depois embaixadora do presidente Bush na OTAN. Ela vem de uma das famílias reais neoconservadoras mais prestigiadas da América; seu marido, [o judeu khazar] Robert Kagan, foi cofundador do notório grupo neoconservador de guerra Project for the New American Century [PNAC], que defendia a mudança de regime no Iraque muito antes do 11 de setembro. Foi Kagan, junto com o ícone liberal Bill Kristol, que (ao lado do atual editor-chefe do The Atlantic Jeffrey Goldberg [outro khazar]), foi o maior responsável pela mentira de que Saddam estava trabalhando lado a lado com a Al Qaeda, uma mentira que desempenhou um papel fundamental em convencer os americanos a acreditar que Saddam estava pessoalmente envolvido no planejamento do ataque de 11 de setembro.

O fato de uma neoconservadora como Nuland ser admirada e empoderada independentemente do resultado das eleições ilustra como as alas do establishment de ambos os partidos estão unidas e em sintonia quando se trata de questões de guerra, militarismo e política externa. De fato, o marido de Nuland, Robert Kagan, estava sinalizando que os neoconservadores provavelmente apoiariam Hillary Clinton para presidente – fazendo isso em 2014, muito antes de alguém imaginar Trump como seu oponente – com base no reconhecimento de que o Partido Democrata agora era mais hospitaleiro à ideologia neocon do que o GOP, onde o neo-isolacionismo de Ron Paul e depois de Trump estava crescendo.

Você pode votar contra os neocons o quanto quiser, mas eles nunca vão embora. O fato de que um membro de uma das famílias neoconservadoras mais poderosas dos Estados Unidos vem conduzindo a política da Ucrânia para os EUA há anos – tendo passado de Dick Cheney para Hillary Clinton e Obama e agora para Biden – ressalta a pouca dissidência em Washington. em tais questões. 

É a vasta experiência de Nuland em exercer o poder em Washington que torna sua confissão de ontem tão surpreendente: é o tipo de coisa sobre a qual pessoas como ela mentem e escondem, não admitem. Mas agora que ela admitiu, é crucial que essa revelação não seja enterrada e esquecida.


“Precisamos URGENTEMENTE do seu apoio para continuar nosso trabalho baseado em pesquisa independente e investigativa sobre as ameaças do Estado [Deep State] Profundo, et caterva, que a humanidade enfrenta. Sua contribuição, por menor que seja, nos ajuda a nos mantermos à tona. Considere apoiar o nosso trabalho. Disponibilizamos o mecanismo Pay Pal, nossa conta na Caixa Econômica Federal   AGENCIA: 1803 – CONTA: 000780744759-2, Operação 1288, pelo PIX-CPF 211.365.990-53 (Caixa)” para remessas do exterior via IBAN código: BR23 0036 0305 0180 3780 7447 592P 1


Mais informação adicional:

Permitida a reprodução, desde que mantido no formato original e mencione as fontes.

0 resposta

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *