browser icon
Você está usando uma versão insegura do seu navegador web. Por favor atualize seu navegado!
Usando um navegador desatualizado torna seu computador inseguro. Para mais segurança, velocidade, uma experiência mais agradável, atualize o seu navegador hoje ou tente um novo navegador.

Visão Remota de reuniões de presidentes dos EUA com Extraterrestres – Acordos Secretos com Aliens

Posted by on 02/05/2021

Um dos processos menos compreendidos na história moderna sobre Extraterrestres e UFOs são as reuniões secretas realizadas entre alguns presidentes dos Estados Unidos e raças de visitantes extraterrestres, os acordos efetuados subsequentes que surgiram a partir deles. Vários insiders e testemunhas oculares se apresentaram ao longo das últimas décadas para compartilhar seu conhecimento/participação sobre esses eventos altamente classificados, que continuam a permanecer secretos até hoje e são acaloradamente discutidos entre os pesquisadores de OVNIs.

Tradução, edição e imagens:  Thoth3126@protonmail.ch

Visão Remota de reuniões de presidentes dos EUA com Extraterrestres – Acordos Secretos com Aliens

Fonte:  Exonews Org

A este corpo de evidência testemunhal de que tais reuniões com várias raças de extraterrestres e acordos assinados ocorreram, podemos agora adicionar sessões de visão remota recentes [Remote Viewing] conduzidas pelo Farsight Institute usando um protocolo cientificamente rigoroso. Os dados fornecidos pela Farsight nos dão um meio independente de avaliar o conjunto anterior de depoimentos sobre os presidentes dos Estados Unidos se reunindo secretamente e fechando negócios e acordos com raças de extraterrestres. 

Antes de discutir as recentes sessões de visão remota efetuadas pelo Farsight Institute sobre “Reuniões Presidenciais com Extraterrestres” , preciso explicar o que já era conhecido de várias fontes sobre essas reuniões e acordos efetuados com raças alienígenas.

As primeiras referências a presidentes americanos se encontrando com extraterrestres vieram de uma carta datada de 16 de abril de 1954 , escrita por um líder metafísico altamente respeitado, Gerald Light, menos de dois meses depois que o presidente Eisenhower supostamente se encontrou com uma delegação extraterrestre na Base Aérea de Edwards, da qual Light alega ter participado à convite do próprio governo . A carta de Light descreveu seu relato em primeira mão dos extraterrestres, suas espaçonaves, da reunião e os eventos que aconteceram depois que uma delegação de extraterrestres de aparência humana chegou em uma nave com estilo clássico de disco voador.

Gerald Light descreveu as expectativas de que ao público em geral seria revelada a verdade da existência de diferentes raças de extraterrestres pelo governo Eisenhower, mas um encobrimento de alto nível foi implementado em vez disso. Infelizmente, não houve nenhuma corroboração independente do encontro importante que Light diz ter testemunhado. Consequentemente, o relato de Light foi rapidamente descartado, ridicularizado e esquecido pelo público em geral, num esforço de membros da inteligência dos EUA para manter a história encoberta.

Ao longo das décadas subsequentes, denunciantes e insiders anônimos ocasionalmente apareciam para serem entrevistados por um jornalista intrépido ou por pesquisadores de OVNIs corajosos, como Timothy Good, que incluíam as informações obtidas em seus artigos de jornal ou livros. O livro de 1991 de Good, Alien Contact , foi um dos primeiros a divulgar detalhes dessa reunião de extraterrestres com Eisenhower. Muito poucas pessoas estavam dispostas a declarar esse fato e enfrentar o escrutínio, o ridículo e os riscos associados à divulgação de um tópico tão confidencial e sensível para o próprio governo e todo o establishment da época.

Além disso, em 1991, um ex-instrutor de inteligência da Marinha dos Estados Unidos, William [Bill] Cooper, lançou seu livro altamente polêmico, Behold a Pale Horse, onde revelou alguns dos conteúdos de arquivos oficiais que testemunhou, descrevendo o encontro do presidente Eisenhower com diferentes delegações de extraterrestres na Edwards AFB e em outros locais no período de 1954-1955.

Cooper disse que a primeira delegação de extraterrestres não conseguiu chegar a um acordo com a administração de Eisenhower, mas que eles o avisaram sobre outros grupos de raças de extraterrestres que logo fariam contato com o governo dos EUA. Eisenhower foi informado que este último grupo estaria mais disposto a chegar a um acordo, mas se mostraria traiçoeiro e levaria o planeta inteiro e a humanidade por um caminho muito sombrio.

Bill Cooper relata em seu livro que um acordo foi finalmente alcançado com uma raça de extraterrestres Greys que permitiu sua instalação em bases subterrâneas secretas, em conjunto com militares dos EUA, o acordo permitia um número limitado de abduções de seres humanos pelos alienígenas, mas estas abduções aumentaram exponencialmente como resultado da permissão dada (veja meu artigo de janeiro de 2004 ) aos aliens.

A partir de 2007, depoimentos em primeira mão surgiram de várias testemunhas e insiders que estiveram presentes na Base Aérea Holloman AFB em fevereiro de 1955, mostrando conclusivamente pela primeira vez que uma segunda reunião havia de fato ocorrido. O pesquisador de UFOs Art Campbell  coletou uma série de relatos internos de insiders sobre o que aconteceu, junto com documentos que corroboram seus testemunhos. Em suma, o presidente Eisenhower foi visto entrando em um disco voador que havia pousado na base, mas poucos detalhes surgiram sobre o que foi discutido com os extraterrestres tripulantes da espaçonave.

Com os dados de visualização remota recentemente fornecidos pelo Dr. Courtney Brown e sua equipe de visualizadores remotos, um meio independente de corroborar tais relatórios privilegiados está agora disponível pela primeira vez. Além disso, um raro vislumbre dessas reuniões altamente confidenciais entre presidentes dos Estados Unidos e extraterrestres, e o que foi acordado secretamente entre os governo dos EUA e raças de alienígenas.

Conforme explicado em meu artigo anterior sobre os protocolos de visão remota do Farsight Institute, todas as sessões são conduzidas em “condições cegas”. O visualizador remoto é simplesmente instruído a visualizar um alvo, por exemplo, “Alvo X”, sem receber nenhum detalhe. Apenas o indivíduo que está preparando as sessões, Dr. Brown, está ciente do alvo. Aqui estão os dois alvos que foram dados aos cinco visualizadores remotos que participaram das sessões.

Alvo 1: O primeiro encontro entre um Presidente dos EUA e extraterrestres da Federação Galáctica durante o século XX.

Alvo 2: Parte A: A reunião de mais alto nível entre um presidente dos EUA e / ou seus representantes e extraterrestres reptilianos e / ou seus representantes durante o século XX.

Parte B: O primeiro encontro entre um Presidente dos EUA e / ou seus representantes e extraterrestres do Sistema Orion durante o século XX.

Embora houvesse diferenças significativas entre os observadores remotos sobre detalhes particulares das cenas que estavam testemunhando, o quadro geral que descreveram tinha uma coerência notável. Este é um dos aspectos impressionantes de múltiplas sessões de visão remota de alvos cegos por visualizadores remotos competentes e altamente treinados. É fácil entender por que a Comunidade de Inteligência dos EUA tem usado a visualização remota por décadas para complementar a inteligência coletada por outras fontes tradicionais: humana (HUMINT), eletrônica (ELINT), fotográfica (IMINT), etc.

No caso dos Alvos 1 e 2, os visualizadores remotos foram capazes de confirmar de forma independente que representantes humanos de alto nível (administração Eisenhower – 1953 – 1961) se reuniram com diferentes grupos de extraterrestres que chegaram em espaçonaves a locais remotos onde as reuniões ocorreram. Os extraterrestres vieram de alianças concorrentes; alguns eram de aparência humana (Federação Galáctica), enquanto outros eram Reptilianos (Império Draco) ou aliados deles (Constelação de Orion) e conforme o material SERPO, houve contato e acordo firmado com a raça extraterrestre GREY oriunda da constelação de Zeta Reticulum 1 e 2 .

Algumas das negociações não deram em nada (com extraterrestres confederados da Federação Galáctica), enquanto outras levaram a acordos sendo fechados (Draco, Orion, Zeta Reticulum 1 e 2). Os grupos extraterrestres que fizeram acordos secretos com os EUA deram tecnologias em troca de acesso a genética humana via abdução em massa de seres humanos e tiveram permissão para estabelecer bases subterrâneas conjuntas na Terra, sendo a mais importante delas a de instalação DUMB conjunta Ets/militares norte americanos de Dulce no estado do Novo México.

O presidente dos EUA Eisenhower eventualmente mais tarde sentiu grande pesar por dar algo valioso (seres humanos e locais para as bases subterrâneas) pelo que ele reconheceu como bugigangas de tecnologia inúteis. Por outro lado, os extraterrestres que conseguiram um acordo (Draco, Zetas e Orion) sentiram que haviam alcançado uma vitória significativa sobre os outros extraterrestres seus inimigos (raças confederadas da Federação Galáctica).

Isso sugeriu que o lado humano (EUA) estava negociando de uma posição de fraqueza [e sendo absoluta e completamente manipulados pelos extraterrestres], uma vez que eles não viam nenhum dos diferentes grupos extraterrestres como inimigos, mas como licitantes neutros em uma negociação. Em contraste, os extraterrestres reptilianos viam o lado humano (da Terra) como inimigos ingênuos naturais a serem manipulados e explorados enquanto fingiam nos ceder suporte tecnológico.

Depois de assistir às observações de Visão Remota dos telespectadores remotos, deve-se apreciar que eles falaram em termos gerais sobre seres humanos da Terra e não humanos extraterrestres encontrando-se e interagindo em diferentes locais [bases subterrâneas], sem nomear grupos ou locais específicos. Somente quando o Dr. Brown analisa seus dados em relação às duas metas que ele havia estabelecido para as sessões de RV, é que surge uma imagem mais clara do que havia acontecido.

Veja como o Dr. Brown resumiu os dados de visualização remota:

Veja, houve uma reunião, não apenas uma reunião, mas algumas reuniões. Os encontros foram entre vários grupos extraterrestres e um ou mais dos presidentes dos Estados Unidos e seus representantes. Os ETs não eram todos da mesma opinião. Todos eles “queriam algo”.  Alguns pareciam querer alertar [afiliados à Federação Galáctica] a humanidade para não fazer um acordo com os outros grupos de ETs. Todos queriam algum tipo de aliança. Mas a liderança dos EUA também queria algo, coisas [tecnológicas].

Na verdade, a liderança humana parecia desesperada para chegar a um acordo, e esse desespero levou a um acordo do qual muitos depois se arrependeram profundamente. Esse é um dos motivos do continuado sigilo. O negócio com os aliens foi tão ruim que a liderança humana atual tem medo de falar sobre ele. Portanto, do lado dos ETs e da liderança humana, o pesado silêncio sobre os acordos continua.

O que é notável aqui é que os dados de visualização remota corroboram muito do que os insiders têm revelado sobre reuniões secretas entre a administração Eisenhower e extraterrestres que datam desde 1954. A reunião inicial com representantes da Federação Galáctica não resultou em acordos, mas os encontros subsequentes com as alianças Reptiliana, Greys e de Orion sim.

Os avisos do primeiro grupo de extraterrestres (afiliados à Federação Galáctica) foram desconsiderados [especialmente porque eles queriam o fim do uso da energia atômica], e os acordos feitos com os demais grupos (aliança Draco, Greys e Orion) foram lamentados pelo presidente Eisenhower.

É sabido que o presidente Eisenhower estava muito descontente com a forma como a questão extraterrestre estava sendo administrada pelo Grupo Majestic-12 (MJ-12). Embora o presidente Truman tenha criado o MJ-12 em setembro de 1947, Eisenhower deu-lhe muito mais poder seguindo as recomendações de conselheiros de segurança nacional, como Nelson Rockefeller.

Vídeo de introdução ao próximo webinar

Eisenhower expressou sua decepção em particular a assessores militares de confiança e até  ameaçou invadir as instalações subterrâneas S-4 da Área 51, onde tecnologias de espaçonaves extraterrestres estavam sendo armazenadas e estudadas pelo pessoal do MJ-12. Tecnologias extraterrestres avançadas estavam sendo submetidas a engenharia reversa com sucesso limitado, conforme confirmado pelo insider denunciante Bob Lazar em 1989, que teve acesso aos programas pois trabalhou nas instalações subterrâneas S-4 da Área 51. Enquanto isso, um número crescente e enorme de pessoas estava sendo abduzido por alienígenas e submetido a terríveis experimentos genéticos, especialmente na Base de DULCE.

A percepção de Eisenhower de que o acordo com os extraterrestres era péssimo levou a seu famoso discurso de despedida sobre os perigos do Complexo Industrial Militaralertou o Presidente Kennedy sobre o Grupo MJ-12 .

No entanto, os acordos persistem até hoje, conforme evidenciado por Dan Sherman, um ex-especialista em comunicações eletrônicas da Força Aérea dos Estados Unidos (1982-1994) que em 1998 revelou em seu livro, Above Black: Project Preserve Destiny , que a NSA o havia treinado para comunicar-se com extraterrestres Greys que relataram as abduções que estavam realizando.  Quando Sherman percebeu que havia um acordo secreto entre extraterrestres Greys e o governo dos Estados Unidos que permitia sequestros de seres humanos, ele decidiu renunciar e deixou a Força Aérea desgostoso.

Os acordos vão muito além de simplesmente permitir que seres humanos sejam abduzidos para experimentos genéticos. De acordo com vários relatórios internos, os acordos também se estendem a soldados enviados em missões para lutar contra extraterrestres reptilianos com poucas chances de sucesso, e milhões de indivíduos desaparecendo anualmente em um comércio de escravos que envolve pessoas sendo enviados para bases subterrâneas remotas (DUMBs) ou para bases em locais fora do planeta (para bases existentes na Lua e em Marte) sem nenhuma perspectiva de retorno.

Tudo isso torna mais fácil apreciar a conclusão do Dr. Brown de que os líderes políticos humanos têm medo de revelar os diferentes acordos efetuados com extraterrestres. A reação do público ao saber a verdade seria de revolta absoluta e uma demanda imediata para rescindir tais acordos. A resposta pública esperada é muito elevada entre os fatores que perpetuam o sistema de sigilo que ainda permanece em vigor [sete] décadas depois que os acordos iniciais foram firmados pela primeira vez e periodicamente renovados em total sigilo, sem que o público saiba nada sobre os acordos e suas cláusulas ocultas e as suas consequências sobre a humanidade.

As sessões de visão remota do Dr. Brown sobre “Reuniões Presidenciais com Extraterrestres”  fornecem uma valiosa fonte de evidências de que tais reuniões realmente ocorreram e resultaram em acordos com grupos extraterrestres manipuladores que continuam a atormentar a evolução e o desenvolvimento da grande maioria da humanidade. Nesse ínterim, o grupo extraterrestre (Federação Galáctica) que foi rejeitado pelas “autoridades” norte americanas na década de 1950, tem estado esperando silenciosamente pelo dia em que os acordos opressivos anteriores seriam publicamente expostos e substituídos por arranjos mais equitativos ou que sejam eliminados.

Enquanto a humanidade passa por seu Grande Despertar Evolutivo e aprende sobre as muitas atividades sombrias do Estado Profundo e os seus aliados Extraterrestres, será importante incluir a divulgação completa desses acordos secretos. Mais criticamente, precisamos abrir contato aberto com as raças confederadas da Federação Galáctica, cujos representantes foram os primeiros a nos alertaram sobre os perigos dos acordos com a aliança extraterrestre Orion, Greys e Draconianos, raças membros da Federação Galáctica que desempenham um papel importante nos bastidores auxiliando o Grande Despertar da uma parcela da humanidade, os que não são zumbis controlados pelo sistema.

© Michael E. Salla, Ph.D.


“Conhece-te a ti mesmo e conheceras todo o universo e os “deuses”, porque se o que tu procuras não encontrares primeiro dentro de ti mesmo, tu não encontrarás em lugar nenhum”.  –  Frase escrita no pórtico do Templo do Oráculo de Delphos, na antiga Grécia.


Matrix (o SISTEMA de CONTROLE)

“A Matrix é um sistema de controle, NEO. Esse sistema é o nosso inimigo. Mas quando você está dentro dele, olha em volta, e o que você vê? Empresários, professores, advogados, políticos, carpinteiros, sacerdotes, homens e mulheres… As mesmas mentes das pessoas que estamos tentando despertar. 

Mas até que nós consigamos despertá-los, essas pessoas ainda serão parte desse sistema de controle e isso as transformam em nossos inimigos. Você precisa entender, a maioria dessas pessoas não está preparada para ser desconectada da Matrix de Controle. E muitos deles estão tão habituados, tão profunda e desesperadamente dependentes do sistema, que eles vão lutar contra você  para proteger o próprio sistema de controle que aprisiona suas mentes …” 


Mais informações, leitura adicional:

Permitida a reprodução desde que mantida a formatação original e mencione as fontes.

thoth(172x226)www.thoth3126.com.br

2 Responses to Visão Remota de reuniões de presidentes dos EUA com Extraterrestres – Acordos Secretos com Aliens

  1. Gabriel

    Posso estar enganado, mas creio que quando o texto fala do primeiro grupo de ETs que tentaram, mas não conseguiram fechar um acordo com Eisenhower (e alertaram sobre outros grupos traiçoeiros) seria ligado a Federação.
    Segundo a Pleiadiana Shell Y Ann (que é de um planeta confederado) que fala através da Mônica de Medeiros, um grupo de seres ligado a lei da fraternidade tentou fechar um acordo com nossos líderes. Eles teriam oferecido tecnologias de energia livre, transporte, cultivos de alimentos, etc., sob a condição de parar de usar armas atômicas. Mas é claro que recusamos.

    Na minha opinião, como somos seres (ainda) regidos pelo medo, esses políticos ficaram como medo desse grupo, achando que eles queriam que nós desativassemos nossas defesas pra nos atacar.

    • Rafael

      Já li algo parecido, provavelmente você está correto. Fico apenas na dúvida se o motivo da recusa foi mesmo medo, como você disse, ou se foi puro e simples interesse na oferta de armas do segundo grupo – era início da Guerra Fria e a vontade de estar a frente dos soviéticos talvez tenha falado mais alto.
      PS: também acompanho o trabalho da Mônica de Medeiros, ela é fantástica!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.