Entre ou
Cadastre-se

Compartilhe
Receba nosso conteúdo

WEF em Davos, deuses, ditadores, psicopatas e as verdadeiras ‘Ameaças à Democracia’

O candidato presidencial republicano (e agora candidato presumível) Donald Trump venceu o caucus de Iowa e as primárias de New Hampshire na semana passada, quebrando recordes em ambas as disputas. Em Iowa, Trump recebeu uma percentagem sem precedentes de 51% dos votos expressos – mais de 30 pontos percentuais à frente do segundo classificado, o governador da Florida, Ron DeSantis (que desde então abandonou a corrida e apoiou Trump).

WEF em Davos, deuses, ditadores, psicopatas e as verdadeiras ‘Ameaças à Democracia’

Fonte: The Epoch Times, – De autoria de Laura Hollis

Em New Hampshire, Trump recebeu um recorde de mais de 175 mil votos e derrotou a ex-governadora da Carolina do Sul, Nikki Haley, por mais de 12 pontos percentuais.

Previsivelmente, a esquerda americana está em pânico.

Durante meses, os seus interlocutores têm alertado que a eleição de Trump dará início a uma ditadura literal. Como escrevi na semana passada, as acusações infundadas são lançadas tanto contra o ex Presidente Trump como contra os americanos que o apoiam. Os democratas estão intensificando esta retórica de polarização [DEI-Divide Et Impera], que utilizam há anos.

Em 2008, Barack Obama caracterizou os americanos que se opuseram à sua candidatura à presidência como pessoas “amargas” “agarradas” às suas “armas ou religião ou antipatia por pessoas que não são [Gays, transgênero, liberais, ‘acordados’, transhumanistas, LGBTQ+, dementes] como eles”.

Durante a sua campanha presidencial de 2016, Hillary Clinton declarou que os apoiantes de Trump eram um “cesta de deploráveis”. Agora em 2024, os democratas acusam os eleitores de Trump de quererem o autoritarismo e o fascismo.

Esta última pilha fumegante de propaganda das Pre$$tituta$ é indesculpavelmente ignorante. Ou talvez seja mais um exemplo de projeção de suas agendas.

Os americanos que vão votar no ex Presidente Trump não o apoiam porque preferem as suas inclinações ditatoriais às do outro candidato, mas porque querem alguém responsável pelo poder executivo que não veja o papel do governo como o de controlar todos os aspectos das suas vidas.

Isto contrasta fortemente com os esforços do Partido Democrata para eliminar a existência de indústrias inteiras, ou com os sonhos loucos, anti-liberdade e anti-humanos de um punhado de psicopatas globalistas, exibidos na reunião anual do Fórum Econômico Mundial (WEF) em Davos, na Suíça.

Em 2014, o palestrante do WEF, o ativista LGBTQ+ casado com outro homem, o judeu khazar Yuval Noah Harari, informou ao público do evento TEDx que os direitos humanos não existem realmente; eles são “como o céu ou como Deus – apenas uma história fictícia que inventamos e espalhamos”.

Na reunião do WEF de 2022, o presidente do Alibaba, J. Michael Evans, elogiou o desenvolvimento de um “rastreador individual da pegada de carbono” que monitoraria para onde você viaja, como você viaja, o que você come e o que você lê na internet.

E as previsões dos psicopatas doWEF de 2016 para 2030 – incluindo o pagamento de multas pela emissão de dióxido de carbono (isso inclui a respiração?), restrições ao consumo de carne, substituída por insetos e o fim da propriedade privada (“Você não será dono de nada e será feliz”). – são infames, indignas e ultrajantes à dignidade humana.

Os americanos que apoiam o Presidente Trump compreendem que este país desfruta da prosperidade que goza, não porque as pessoas “certas” controlam tudo, mas porque ninguém “ainda” tem o controle total, apesar de muitos almejarem-no.

Quanto maior o controle que uma pessoa ou um pequeno grupo de pessoas tiver – política ou economicamente – maiores serão os riscos para todos.

Considere o seguinte: se a liderança de uma empresa tomar uma decisão catastroficamente errada, essa empresa poderá fracassar. Mas num país livre e empreendedoramente capitalista, outras empresas estarão disponíveis para fornecer os bens e serviços que a empresa falida já não consegue produzir. O risco de erro é suportado por relativamente poucos.

No entanto, se aqueles que tomam uma decisão catastroficamente errada controlarem toda uma indústria ou toda uma economia, então todo o sistema pode entrar em colapso, com consequências devastadoras para milhões – dezenas de milhões – de pessoas.

A história está repleta de exemplos. A antiga União Soviética [URSS] entrou em colapso político porque a sua economia planificada centralmente sofreu desastre após desastre. A tomada de controle da economia venezuelana pelo governo destruiu aquele país outrora próspero, mergulhando os seus residentes na pobreza abjecta.

Quando o presidente do Sri Lanka proibiu os fertilizantes à base de nitrogênio, para atender à agenda globalista de emissões zero CO², o setor agrícola do país entrou em colapso, tal como as suas exportações, deixando os cingaleses sem alimentos, combustível ou petróleo adequados para aquecer as suas casas e provocando a invasão do palácio presidencial com a consequente fuga do marionete globalista e seu governo caiu.

Aqui nos Estados Unidos, testemunhamos as consequências desagradáveis ​​de muitas falhas [intencionais] nas políticas governamentais: os riscos para a saúde das injeções mRNA contra a COVID-19; a falha espetacular da energia eólica no Texas durante a tempestade de inverno de 2021; a incapacidade dos veículos elétricos de arrancarem nas temperaturas extremas e geladas do norte dos EUA há duas semanas; A escassez de água na Califórnia e a difícil capacidade da sua rede de energia elétrica.

Homens mentalmente perturbados, psicopatas dementes e egoístas como o fundador do WEF, o judeu khazar Klaus [Rothschild] Schwab, e os seus comparsas com complexos de deus e com ideias semelhantes em todo o mundo nunca consideram que possam estar errados sobre alguma coisa.

Mas eles estão sempre errados sobre alguma coisa muito importante. Os eleitores de Trump não querem um ditador; eles não querem de forma alguma uma presidência imperial.

Querem um presidente que compreenda que as empresas livres e independentes que operam num ambiente minimamente regulamentado são a força vital da prosperidade americana. Eles reconhecem que um poder executivo que se recusa a fazer cumprir as leis federais está [intencionalmente] falhando nas suas principais obrigações constitucionais para com o público americano. Eles entendem que um sistema de justiça que escolhe quem processar com base na sua raça, etnia ou crença política não é justiça alguma.

  • Estão cansados ​​da inflação causada por políticas energéticas, comerciais e ambientais equivocadas.
  • Eles estão cansados ​​de ver nossos veteranos de guerra sofrendo e morrendo sem que suas necessidades de saúde física e mental sejam atendidas;
  • cansados de moradores de rua vivendo e defecando nas ruas;
  • cansados das ideologias transgênero, wokism, LGBTQ+,
  • cansados de fronteiras abertas e o país sendo invadido,
  • cansados de tiroteios em massa nas escolas,
  • cansados de ver dezenas de milhares de americanos morrendo de overdose de fentanil e
  • cansados de crimes impunes,

enquanto centenas de bilhões de dólares de nossos impostos suados são lavados através de guerras estrangeiras nos bolsos de empreiteiros multinacionais de defesa [o Complexo Industrial Militar] , políticos corruptocratas como o próprio demente e senil presidente e sua família, e bajuladores belicistas que nunca viram um conflito estrangeiro que não quisessem explorar.

Estes americanos votantes em Trump rejeitam os senhores globalistas que empurram as suas filosofias anti-humanas garganta abaixo de todos, e temem ser escravizados por governos infiltrados por drones estúpidos, escravizados pela mais recente tomada de poder apocalíptica.

A imprensa das pre$$tituta$ e a esquerda podem acenar e hiperventilar tudo o que quiserem sobre “ameaças à nossa democracia” e a “segurança nacional”. Mas os eleitores americanos finalmente vêem onde realmente residem as ameaças do autoritarismo, e não é com Donald Trump.


SOBRE A AUTORA: Laura Hirschfeld Hollis nasceu em Champaign, Illinois. Ela se formou em Inglês e em Direito pela Universidade de Notre Dame. A carreira de Hollis como advogada se estende por 28 anos, dos quais os últimos 23 foram no ensino superior. Ela lecionou direito em níveis de pós-graduação e graduação e tem quase 15 anos de experiência no desenvolvimento e ministração de cursos, seminários e workshops de empreendedorismo para diversos públicos. Seus interesses acadêmicos incluem empreendedorismo e políticas públicas, desenvolvimento econômico, comercialização de tecnologia e direito comercial em geral. Além de suas publicações jurídicas, Hollis é redatora política freelancer desde 1993, escrevendo para o The Detroit News, a revista HOUR Detroit, Townhall.com e o Christian Post, sobre questões de política e cultura. Ela é uma oradora pública frequente. Hollis recebeu vários prêmios por seu ensino, pesquisa, serviço comunitário e contribuições à educação para o empreendedorismo. Ela é casada com Jess Hollis, músico, dublador e engenheiro de áudio. Eles moram em Indiana com seus dois filhos, Alistair e Celeste.


SEJA UM ASSINANTE DO BLOG: Para os leitores do Blog que ainda não são assinantes e desejam acessar as postagens em seus endereços de E-Mail, solicitamos, por favor, que façam a sua inscrição aqui neste LINK: https://linktr.ee/thoth3126

Convidamos também a conhecerem e seguirem nossas redes sociais:
Instagram: https://www.instagram.com/th.oth3126/
Facebook: https://www.facebook.com/thoth3126.blog
X (antigo Twitter): https://twitter.com/thoth3126_blog
Youtube: https://www.youtube.com/@thoth3126_blog

Siga o canal “Blog Thoth3126” no WhatsApp: https://www.whatsapp.com/channel/0029VaF1s8E9Gv7YevnqRB3X


Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Receba nosso conteúdo

Junte-se a 4.311 outros assinantes

compartilhe

Últimas Publicações

NOSSOS PRODUTOS

Indicações Thoth

Seja um Anunciante

Divulge seu produto ou serviço em nosso portal!
Converse com a equipe comercial no WhatsApp