browser icon
Você está usando uma versão insegura do seu navegador web. Por favor atualize seu navegado!
Usando um navegador desatualizado torna seu computador inseguro. Para mais segurança, velocidade, uma experiência mais agradável, atualize o seu navegador hoje ou tente um novo navegador.

WEF – Por e Para Que essa entidade Globalista influente e ‘Não Oficial’ realmente existe?

Posted by on 27/02/2022

Muito mais luz deve ser lançada sobre a agenda do Fórum Econômico Mundial-WEF e seus puxadores de cordas e os marionetes políticos que eles controlam> Quando o parlamentar canadense, Colin Carrie, do Partido Conservador, perguntou ao governo do primeiro-ministro Justin Trudeau nesta semana quantos ministros canadenses estavam realmente “a bordo da agenda do Fórum Econômico Mundial” – antes de sua conexão “quebrar” na videoconferência – ele e os canadenses que ele representa mereciam uma resposta honesta ao invés de acusações de espalhar “desinformação”, como fez o parlamentar de esquerda do Novo Partido Democrático Charlie Angus.  

WEF – Por e Para Que essa entidade Globalista influente e ‘Não Oficial’ realmente existe?

Fonte: Rússia Today

Rachel Marsden  é colunista, estrategista política e apresentadora de um programa em francês produzido de forma independente que vai ao ar no Sputnik France

O Fórum Econômico Mundial (WEF), coloquialmente conhecido como “Davos”, para aqueles que estão familiarizados com a peregrinação anual da elite internacional, políticos servis e oligarcas bilionários à cidade homônima na Suíça, tem estado na ponta de muitas línguas nos últimos dois anos – principalmente dentro do contexto da crise do Covid-19. 

Pouco antes da pandemia de Covid, em 15 de outubro de 2019, a organização anunciou que estava realizando um “exercício de simulação ao vivo para preparar líderes públicos e privados para resposta à pandemia. ” Se isso soa estranhamente coincidente, aperte o cinto, porque só fica mais estranho.

Falando em uma videoconferência das Nações Unidas no outono de 2020, [o covarde e pusilânime marionete do WEF,] Justin Trudeau levantou as sobrancelhas, com uma sugestão de uma possível ligação entre a pandemia global e o Fórum. “Esta pandemia proporcionou uma oportunidade de redefinição”, disse Trudeau. “Esta é a nossa chance de acelerar nossos esforços pré-pandemia, para reimaginar sistemas econômicos que realmente abordem desafios globais como pobreza extrema, desigualdade e mudanças climáticas” , acrescentou, evocando um conceito de “reinicialização” [o The Great Reset] muito promovido pelo WEF a partir do início da pandemia, que enquadra a crise como uma oportunidade para mudar fundamentalmente a forma como as sociedades desenvolvidas funcionam e o seu controle sobre a mesma. 

Então, em agosto de 2021, o deputado holandês Gideon van Meijeren perguntou ao primeiro-ministro Mark Rutte sobre uma carta que ele escreveu ao fundador do WEF, Klaus Schwab, na qual ele dizia que o livro de Schwab, “Covid-19: The Great Reset”, publicado em 9 de julho de 2020, nos primeiros meses da pandemia, “o inspirou a reconstruir melhor”. A frase também é o nome da agenda legislativa do presidente dos EUA, o senil marionete Joe Biden , que inclui o aumento da transferência de riqueza para o obscuro buraco negro das mudanças climáticas e dos “gastos sociais”. 

Seria fácil atribuir tudo a uma coincidência retórica assustadora se não houvesse uma ligação real entre Schwab, Davos e autoridades eleitas como Rutte e Trudeau . É um link do qual até o próprio Schwab se gabou. Em 2017, ele disse a uma audiência na Escola de Governo John F. Kennedy da Universidade de Harvard: “Estamos muito orgulhosos da geração jovem, como o primeiro-ministro Trudeau… penetramos nos gabinetes”.  

Ele não está brincando. A atual ministra das Finanças canadense e vice-primeira-ministra, Chrystia Freeland, está no conselho de administração do WEF, ao lado do ex-governador do Banco do Canadá e do Banco da Inglaterra, Mark Carney. Freeland foi visto pela última vez anunciando congelamentos de ativos e medidas de repressão contra caminhoneiros e seus simpatizantes e apoiadores nos protestos contra a tirania de Trudeau nas ruas do Canadá, exigindo o fim dos mandatos e restrições pesados ​​do Covid. E Carney recentemente qualificou o Freedom Comvoy como “sedição” em um artigo de opinião histérico publicado no jornal Globe and Mail .

É lógico que quando os cidadãos começam a ver a marca visível do “Fórum Econômico Mundial” naqueles que tomam – ou defendem publicamente – medidas liberticidas drásticas e sem precedentes contra eles, ao invés de governar o pais de acordo com os interesses de seu povo, eles começam a fazer perguntas sobre a natureza da influência da organização.  

Nenhum cidadão em nenhum país votou para adotar a agenda de Davos. E é discutível se um número suficiente realmente teria. De acordo com seu próprio site, a agenda do WEF inclui maior integração digital e digitalização , resposta “urgente” às mudanças climáticas e uma visão de uma “Quarta Revolução Industrial” que é “caracterizada por uma série de novas tecnologias que estão fundindo o físico, o digital e mundos biológicos, impactando todas as disciplinas, economias e indústrias, e até mesmo desafiando ideias sobre o que significa ser humano.” A organização também está explorando a noção de “aprimoramento humano” [Transhumanismo]. 

E esses são apenas os aspectos que são públicos. Tudo isso parece ter o potencial de dar origem a uma realidade distópica, particularmente associada às medidas anteriormente inimagináveis ​​tomadas por governos democráticos sob pretexto sanitário nos últimos dois anos. E Quem, ou o Que, influencia a própria organização desde às sombras do oculto ? 

Uma lista enorme de entidades multinacionais com obrigações fiduciárias para aumentar a riqueza dos acionistas, de acordo com o site da organização. O WEF gostaria que o cidadão médio acreditasse que tudo o que faz é para nossos próprios interesses. Mas é difícil imaginar o que os apoiadores da organização realmente ganham ao capacitar os cidadãos comuns em vez de manter o controle sobre eles.

No entanto, o que é flagrantemente óbvio é que o WEF serve como uma câmara de compensação e consolidador de ideias que promovem uma agenda global de tamanho único que se tornou intercambiável com o status quo do establishment ocidental. Não há nada mais antidemocrático do que funcionários eleitos servindo a qualquer outro senhor do que o seu povo que o elegeu.

Muito mais luz merece ser lançada sobre essa entidade supranacional, seus puxadores de cordas, sobre seus marionetes na política e até que ponto sua agenda se infiltra em nossas vidas diárias.


“Precisamos URGENTEMENTE do seu apoio para continuar nosso trabalho baseado em pesquisa independente e investigativa sobre as ameaças do Estado [Deep State] Profundo, et caterva, que a humanidade enfrenta. Sua contribuição, por menor que seja, nos ajuda a nos mantermos à tona. Considere apoiar o nosso trabalho. Disponibilizamos o mecanismo Pay Pal, nossa conta na Caixa Econômica Federal   AGENCIA: 1803 – CONTA: 000780744759-2, Operação 1288, pelo PIX-CPF 211.365.990-53 (Caixa)” para remessas do exterior via IBAN código: BR23 0036 0305 0180 3780 7447 592P 1


Mais informação adicional:

Permitida a reprodução, desde que mantido no formato original e mencione as fontes.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.