browser icon
Você está usando uma versão insegura do seu navegador web. Por favor atualize seu navegado!
Usando um navegador desatualizado torna seu computador inseguro. Para mais segurança, velocidade, uma experiência mais agradável, atualize o seu navegador hoje ou tente um novo navegador.

Banqueiros (HSBC) Gangsters: muito grandes para serem presos (Parte II, final)

Posted by on 12/06/2016

Bankster CTC

Banqueiros Gangsters (banksters): eles são muito grandes (ou eles sabem muito também) para serem presos?

Como o banco HSBC fez negócios e lucrou com dinheiro de terroristas, traficantes de drogas, negociou com países párias sob sanções da ONU e dos EUA, como IRÃ, Sudão e Coreia do Norte e seus dirigentes conseguiram escapar da cadeia, ilesos, e sem nenhuma condenação. 

Eles violaram todas as malditas leis  que constam no livro,Eles fizeram todas as formas de negócios ilegais imagináveis, possíveis  e ilícitos“. disse Jack Blum, advogado e ex-investigador do Senado dos EUA.

Tradução, edição e imagensThoth3126@protonmail.ch

Gangsters como banqueiros: ou eles são muito grandes (ou eles sabem muito também) para serem presos? – II PARTE, final.

Fonte: http://www.rollingstone.com/

Por Matt Taibbi, Revista Rolling Stone 

Primeira parte em: http://thoth3126.com.br/banqueiros-gangsters-muito-grandes-para-serem-presos/

Até então, os controles da lavanderia  de lavagem de dinheiro do HSBC havia infectado praticamente toda a empresa. Os russos identificando-se apenas como vendedores de carros usados estavam em um ponto de depositar US$ 500.000 por dia em contas HSBC, principalmente através de uma operação “torta” através de traveler’s-cheques no Japão. O programa especial para embaixadas estrangeiras do HSBC bancário estava tão estrepado que tinha alertas de atividade suspeita apoiados por milhares de pessoas. Há também fortes indícios de que o banco estava permitindo que os clientes no Sudão, Cuba, Birmânia e Coreia do Norte operassem para fugir das sanções.

Quando uma das chefes da área de conformidades legais, Carolyn Wind, levantou preocupações de que não teria pessoal suficiente para monitorar as atividades suspeitas em uma reunião do conselho do banco, em 2007, ela foi demitida. As “boladas” que levavam o banco a ignorar os avisos de seus executivos de conformidades e continuasse a receber dinheiro de tantas fontes diferentes e obscuras enquanto ostensivamente tinha um enxame de fiscais reguladores todo dia seguindo cada movimento seu é incrível. “Você não poderia fazer mais flagrantes de lavagem de dinheiro que permeasse toda uma instituição”, disse Spitzer.

bancos-cartooncorrupção

Até o final dos anos 2000, outras agências da lei estavam começando a pegar o mau cheiro no HSBC. O Departamento de Segurança Interna (DHS – Department of Homeland Security) começou a investigar o HSBC pela lavagem de dinheiro das drogas, enquanto o gabinete do procurador-geral, em West Virginia farejava em torno do envolvimento do HSBC em um caso de fraude no Medicare (plano de saúde). Uma reunião inter-agências federais foi convocada em Washington em setembro de 2009, em que foi determinado que o HSBC estava fora de controle e precisava ser investigado mais de perto.

O próprio banco foi, então, notificado de que a sua habitual revisão das normas OCC (Office of the Comptroller of the Currency – U.S. Department of Treasury) estava sendo “expandida”. Mais pessoal da OCC foi designado para pesquisar os “livros” do HSBC, e, entre outras coisas, eles encontraram um acúmulo de (pasmem) 17.000 alertas de atividades suspeitas que não haviam sido processados. Eles também observaram que o banco tinha um engavetamento similar de intimações em casos de lavagem de dinheiro.

Finalmente parecia que o governo dos EUA estava à beira de se tornar realmente chateado com o grupo financeiro britânico. Em março de 2010, depois de ver incontáveis ultimatos ignorados, eles lançaram mais um, dando ao HSBC três meses para limpar essa carteira de 17.000 malditos alertas  ou então haveria consequências graves. O HSBC também não respeitou esse prazo, mas meses depois, a OCC novamente encontrou o banco no ato de lavagem de dinheiro querendo controlar a sério, forçando o governo a tomar, bem … medidas mais drásticas, certo?

Algo desse tipo! Em outubro de 2010, a OCC respirou fundo, colocou-se em seu macacão de grande-menino  e … emitiu uma segunda ordem de cessar-e-desistir, apenas isto! Em outras palavras, foi um aviso do tipo “Não faça isso outra vez” – mais uma vez, de novo. A punição para todos que o desafio covarde era trazer o processo de regulamentação de volta para o mesmo tipo de duplo segredo ordem de liberdade condicional  que tinham tentado em 2003. Não quer dizer que o HSBC não fez mudanças após a segunda Notificação. Ele fez – contratou algumas pessoas.

No verão de 2010, Everett Stern, então com 25 anos de idade, estava saindo da faculdade formado em negócios e à procura de um emprego, mas também com gosto para a aventura. Seu sonho era ser um agente da CIA, lutando contra bandidos e pegando terroristas do Oriente Médio. Ele prestou teste para o serviço clandestino da agência, teve até uma entrevista, um pouco antes da formatura, Stern, um jovem de óculos exuberante foi recusado pela CIA.

Goldman-Sachs

Ele ficou decepcionado, mas então ele encontrou um trabalho via online que despertou seu interesse. O HSBC, um grande banco internacional importante, estava à procura de pessoas para ajudar com seu programa anti-lavagem de dinheiro. “Eu pensei que isso era exatamente o que eu queria fazer”, diz ele. “Parecia tão excitante.”

Stern subiu para os escritórios do HSBC em New Castle, no estado de Delaware, para uma entrevista, e em outubro, poucos dias depois que o OCC emitiu a segunda Notificação, ele começou a trabalhar como integrante de parte do programa “expandido” do HSBC  contra lavagem de dinheiro sujo.

Desde o início, Stern sabia que havia algo estranho com o seu trabalho. “Eu tinha que ir para a biblioteca para retirar livros sobre lavagem de dinheiro”, diz Stern agora, rindo. “Isso é era ruim.” Havia cursos para formação ou seminários sobre lavagem de dinheiro – o que era, como detectá-lo. Seu trabalho consistia principalmente de olhar os nomes dos personagens desagradáveis na Internet e, em seguida, executá-los através de sistemas internos do banco para ver se eles apareceriam em quaisquer nomes de conta em qualquer lugar no banco.

Ainda mais estranho, ninguém parecia se importar se alguém estava fazendo algum trabalho real. O escritório de Delaware esteve quase sempre vazio por um longo tempo, era apenas um quarto gigante pintado com uns poucos cubículos organizado às pressas e apenas uma dúzia de pessoas trabalhando nele, e ninguém realmente prestava assistência a qualquer um dos trabalhadores. Stern e um colega de trabalho que rotineiramente concluam todo o seu trabalho até às 10:30 da manhã, depois de passar algumas horas jogando pedras em uma pedreira localizada atrás das agências bancárias. 

Em seguida, eles voltavam para seus cubículos e saiam as três horas da tarde mais ou menos, ou até que fosse pelo menos plausível que eles fizessem algo em um dia de trabalho real. “Se pedíssemos para trabalharmos mais”, Stern diz, “eles ficavam com raiva.” Stern ganhava um salário inicial de $ 54.900 dólares ($ 4,575,00 por mês).

bancoseservidão

Em pouco tempo, porém, morrendo de tédio e talvez também por um pouco de patriotismo, Stern começou a vasculhar alguns dos alertas de atraso da OCC e tentou dar-lhes algum sentido. Quase imediatamente ele encontrou uma série de problemas profundos sobre algumas transações. Havia uma troca de grandes somas de dinheiro via cabo para destinos não rastreáveis no Oriente Médio. A empresa de frutas Arábia estava enviando milhões de dólares, Stern também encontrou com uma simples pesquisa na Internet, uma figura de alto escalão na ala iemenita da Irmandade Muçulmana. Stern, mesmo sabendo que o HSBC estava permitindo que milhões de dólares fossem movimentados a partir da cadeia de supermercados Karaiba na África para uma empresa chamada Tajco, comandada pelos irmãos Tajideen, que haviam sido apontados pelo Departamento do Tesouro dos EUA como grandes financiadores do grupo terrorista Hezbollah.

Certa vez Stern trouxe uma dessas descobertas ao conhecimento dos seus chefes, eles reviraram os olhos para ele, se não pior. Quando ele alertou seu chefe no HSBC de que uma empresa de transporte com laços com o IRÃ estava fazendo um monte de negócios com o banco, ele explodiu. “Você me chamou para ver isso?” gritou o seu chefe.

Logo depois, o outrora escritório vazio começou a encher-se de pessoal. O que o HSBC fez como meio de contratação de novos funcionários foi realmente muito inteligente. O banco liquidou sua unidade de cartão de crédito e mudou-se a maior parte dos funcionários para o departamento de anti-lavagem de dinheiro. Mais uma vez, sem realmente treinar alguém, ele colocou centenas de funcionários barulhentos, mastigando goma de mascar, a maioria sem nenhum treinamento, ocasionalmente turbulentos oriundos de call-center, transformados em trabalhadores em um novo show, em investigadores em lavagem de dinheiro.

Stern disse que seus colegas de emprego não só não faziam nada em seus trabalhos, como eles nem sequer sabiam o que seus empregos lhes pediam para ser feito. “Você pode andar em todo o edifício hoje”, disse ele, “e perguntar a qualquer um o que é lavagem de dinheiro – e eu garanto, ninguém vai saber responder.”

Quando algo suspeito aparece em conexão com uma conta bancária, o banco gera um alerta. Um alerta pode ser gerado por quase nada, de alguém remetendo via cabo $ 9,999 dólares (para manter abaixo do valor de $ 10 mil dólares que gera relatório para o governo) para alguém remetendo grandes somas em dinheiro redondo para alguém abrir uma conta com um nome e/ou endereço que soa falso.

Quando um alerta é gerado, o banco deve investigar imediatamente o assunto. Se o banco não resolver o alerta, ele cria um “Relatório de atividades suspeitas”, que deverá ser entregue ao Departamento do Tesouro dos  EUA para ser investigado.

drogas-matam

O HSBC estava fazendo negócios com traficantes de drogas, o cartel Del Valle, do Norte da Colômbia e os cartéis mexicanos de Sinaloa, que eram “as piores organizações de tráfico de drogas imagináveis”

Stern, em seguida, encontrou-se no meio de um mecanismo perverso tipo anticompliance. O banco HSBC tinha “cumprido” com o aviso do governo “não faça isso novamente”, novamente para a contratação de centenas de corpos que se transformaram em um exército para “branquear” dinheiro de operações suspeitas. Lembre-se, a primeira queixa contra o HSBC não era tanto pelo que o banco especificamente tinha autorizado dinheiro terrorista ou de drogas a circular em suas agências, mas que o banco tinha permitido contas suspeitas a amontoarem-se sem serem verificadas.

O chefe do escritório de Delaware  de Stern deu novos objetivos para sua equipe: Todo mundo foi incumbido para tentar limpar 72 alertas por semana. Para aqueles de vocês que sabe fazer contas, isso é quase dois alertas investigados e apurados a cada hora. Segundo Stern, quase qualquer tipo de informação era boa o suficiente para limpar um alerta. “Basicamente, se a empresa tinha um site, você poderia soluciona-los”, diz ele.

Logo depois, os executivos do HSBC de conformidade (compliance) estavam circulando entre si alegre e-mails. “Grande trabalho dee alguns profissionais de Delaware, na primeira parte da semana”, escreveu o chefe de Stern em 30 de junho de 2011. O e-mail estava com o assunto em destaque, “A multidão de mais de 60 casos”, significando elogios aos funcionários que tinham erradicado mais de 60 operações suspeitas naquela semana.

Depois de tentar, em vão, convencer seus chefes, pelo menos a deixá-lo fazer o seu trabalho e procurar por lavagem de dinheiro, Stern decidiu se transformar em denunciante, dizendo ao FBI e outras agências o que estava realmente acontecendo no banco. Ele deixou o seu “trabalho” no HSBC em 2011, esperando que o governo iria sacar o martelo sobre seus antigos empregadores.

Por esse tempo, diversas agências, incluindo o Departamento de Segurança Interna, se arrastavam em um longo caminho até chegar ao traseiro do HSBC, entre outras coisas, examinando-o como parte de uma grande investigação internacional de lavagem do dinheiro de tráfico de drogas. Em um período de quatro anos, entre 2006 e 2009, um espantoso valor de US$ 200 trilhões de dólares em transferências eletrônicas (incluindo de países de alto risco como o México) passou pelo banco sem qualquer tipo de fiscalização sobre a origem do dinheiro

cia-drogas

O banco também não conseguiu fazer a devida diligência na compra de uma incrível soma de US$ 9 bilhões em dólares em espécie (papel moeda) norte-americanos do México e desempenhou um papel fundamental na Bolsa de Peso chamado Mercado Negro, que permitiu que os cartéis de drogas no México e na Colômbia pudessem converter dólares da venda de drogas em pesos a serem usados em casa. Agentes descobriram que os traficantes de drogas no México estavam construindo caixas de dinheiro especiais para atender as dimensões precisas do HSBC para depósitos em caixas do banco.

O ex-inspetor e procurador federal Neil Barofsky, que tem ajudado a garantir acusações de lavagem de dinheiro contra numerosos estrangeiros, salienta que as pessoas do HSBC estava fazendo negócios com traficantes de drogas, o cartel Del Valle, do Norte da Colômbia e os cartéis mexicanos de Sinaloa, que eram “as piores organizações de tráfico de drogas imagináveis” – grupos que não apenas cometem assassinato em massa, mas são conhecidos por decapitações, execuções, vídeos de tortura (“a coisa nova agora”, diz ele) e outras atrocidades, nenhum dos quais acontece sem a ajuda de bancos lavadores de dinheiro. É por esta razão, Barofsky diz, que os promotores de drogas não têm vergonha de cair em cima com pesadas penas de prisão nos branqueadores do dinheiro sujo das drogas. “Francamente, a nossa visão de lavagem de dinheiro é que fica a par com, e é tão importante quanto, os próprios traficantes”, diz ele.

Barofsky estava envolvido na extradição de um traficante nacional da Colômbia (Pablo Trujillo, membro do mesmo cartel que o HSBC lavou dinheiro) por acusações de lavagem de dinheiro. “Esse cara tem 10 anos de pena”, diz Barofsky. “O HSBC estava fazendo a mesma coisa, só que em escala muito maior do que o meu idiota estava fazendo.”

Claramente, o HSBC havia violado a orientação de 2010 “não faça isso novamente”. Everett Stern viu com seus próprios olhos, assim como pessoal da OCC e do Senado dos EUA, cujo  Subcomissão Permanente de Investigações decidiu direcionar a empresa para uma investigação de um ano em lavagem de dinheiro em escala mundial. O próprio banco, em resposta à investigação do Senado dos EUA, reconheceu que tinha “às vezes não cumprido com os padrões que os reguladores federais e os clientes esperam.” Ele mais tarde viria a dizer que estava “profundamente arrependido”.

Poucos dias depois do feriado de Ação de Graças de 2012, Stern ouviu que o Departamento de Justiça estava prestes a anunciar um acordo. Desde que ele deixou o HSBC no ano anterior, ele tinha vivido um tempo difícil. Ir a público com suas alegações o deixou emocionalmente e financeiramente devastado. Ele tinha sido incapaz de encontrar um emprego, e em um determinado momento apelou até para o seguro desemprego. Mas agora que os federais estavam finalmente prestes a cair com o martelo sobre o HSBC, ele imaginou que teria a satisfação de saber que o seu sacrifício tinha valido a pena.

corrupção-grandes-bancos

Então ele foi para Nova York e se sentou em um quarto de hotel, à espera de jornalistas para solicitar os seus comentários. Quando ouviu a notícia de que o “castigo” Breuer havia sido anunciado era um DPA – um acordo sobre as notificações de “não faça isso de novo”, se você quiser – ele ficou espantado.

“Eu pensei: ‘Tudo isso, para nada?” “, Diz ele. “Eu não podia acreditar.”

O escritor Ambrose Bierce disse uma vez que só há uma coisa no mundo pior do que um clarinete: dois clarinetes. No mesmo sentido, só há uma coisa pior no mundo do que um banco totalmente corrupto: muitos bancos completamente corruptos.

Se os negócios sujos do HSBC mostrou quanta porcaria covarde o Estado poderia tolerar a partir de um banco, Breuer estava de volta uma semana depois de mostrar que o governo iria agir fácil com os bancos, que fazem equipes com outros bancos para perpetrar escândalos ainda maiores. Em 19 de dezembro de 2012, ele anunciou que o Departamento de Justiça essencialmente deixou o banco Suíço gigante UBS (União de Bancos Suiços) fora da punição pela sua participação  no que é provavelmente a maior fraude financeira de todos os tempos da história bancária.

O chamado escândalo da LIBOR, que está no coração dos papéis do UBS, faz o escândalo da Enron parecer uma violação de estacionamento. Muitos dos maiores bancos do mundo, incluindo o UBS da Suíça, o britânico Barclays e o Royal Bank of Scotland, se uniram e secretamente conspiraram para manipular a London Interbank Offered Rate, ou LIBOR, que mede a taxa a que os bancos emprestam uns aos outros. Muitas, se não a maioria, das taxas de juros estão atreladas a LIBOR. Os preços de centenas de trilhões de dólares de produtos financeiros estão ligados a LIBOR, desde empréstimos comerciais, cartões de crédito, hipotecas, títulos municipais e para trocas de moedas.

Se você pode imaginar os executivos da Ford, GM, Mitsubishi, BMW e Mercedes se reunindo todas as manhãs para fixar os preços de alumínio e aço inoxidável, você tem uma idéia aproximada do que o escândalo de manipulação da LIBOR foi, exceto que nessa analogia do carro-empresa, você estaria lidando com números absurdamente menores. Estes são os maiores bancos do mundo, se reunindo todas as manhãs para, essencialmente, fixar o preço do dinheiro no mercado financeiro internacional. Baixas taxas LIBOR são um indicador de que os bancos estão fortes e saudáveis. Esses bancos estavam maquiando os resultados de seus exames diários. Em termos bancários, seus números eram “suco”.

bancos-liborbankster

Dois tipos diferentes de manipulação ocorreu. Em 2008, durante o calor do crash global, os bancos apresentaram taxas artificialmente baixas, a fim de apresentar uma imagem de solidez financeira aos mercados. Mas em outras vezes ao longo dos anos, os comerciantes individuais planejaram para mover as taxas para cima ou para baixo, a fim de lucrar em negócios individuais.

Não há ninguém em lugar nenhum do mundo plantando erva daninha crescendo forte o suficiente para ajudar a mente humana a compreender a enormidade desse crime. É uma conspiração tão grande que os advogados que estão processando os bancos estão tendo um momento extremamente difícil para descobrir como calcular o tamanho dos danos.

Veja como funciona: Toda manhã, 16 dos maiores bancos do mundo, apresentam números para um painel de taxas com base em Londres indicando que taxas de juros estão cobrando de outros bancos para emprestar dinheiro e que eles mesmos são cobrados. O painel da LIBOR em seguida, leva os 16 diferentes taxas de juros, joga fora as quatro mais altas e as quatro mais baixas, e as médias das oito taxas restantes criam as taxas do dia LIBOR – a base para as taxas de juros utilizadas pelas instituições financeiras em quase todo o mundo.

O fato de que o painel da LIBOR joga fora os quatro números maiores e menores a cada dia é um detalhe importante, porque isso significa que é difícil influenciar artificialmente a taxa final, a menos que múltiplos bancos estejam conspirando uns com os outros. Um banco aceitando relatórios de que os bancos estão emprestando dinheiro entre si, basicamente de graça, não move a agulha muito. Para realmente ter certeza de que você está criando uma taxa de juros artificialmente baixa ou alta, você precisa de um grupo de bancos a bordo do acordo – e verificou-se que eles estavam.

Talvez durante os últimos 20 anos, os bancos têm apresentando números falsos, muitas vezes em conjunto com outros bancos. Eles fizeram isso por uma variedade de razões, mas uma grande, normalmente, é que um trader está segurando alguns investimentos vinculados à LIBOR – pacotes de moedas, títulos municipais, hipotecas, seja o que for – que ganharia mais dinheiro se a taxa de juros fosse baixar. Então, o que aconteceria é, algum negociante inecrupuloso e corrupto no Banco X contata o banco apresentador da LIBOR e oferece-lhe dinheiro, bebida, um boquete ou simplesmente um tapinha nas costas para levá-lo a apresentar um número falso naquele dia.

O primeiro escândalo explodiu no ano passado, quando o megabanco britânico Barclays  admitiu a sua parte na fixação de taxas de LIBOR. Reguladores britânicos lançaram um cache de e-mails nojentos que mostram os traders de vários bancos diferentes alegremente brincando com as suas contas de cartão de crédito, taxas de hipoteca, a sua fatura fiscal, sua conta do Imposto de Renda, etc, de modo que eles poderiam fazer-se melhor em alguns  negócio  sórdido naquele dia. Em um caso, um trader de um grande banco não identificado enviou um e-mail para um trader do Barclays agradecendo-lhe por ajudar a fixar as taxas de juros e prometendo uma garrafa de espumante pelos seus esforços:

“Cara. Devo-lhe um grande momento! Venha um dia depois do trabalho, e eu estou abrindo uma garrafa de Bollinger.”

hsbc-banking-scandal

O UBS foi o próximo banco a confessar, e sua pena – US$ 1,5 bilhão em multas – foi a mesma dos outros, apenas que os e-mails que foram divulgados, no mínimo, eram mais repugnantes e condenáveis. O britânico Financial Services Authority, FSA – o equivalente ao nosso agente fiscalizador SEC – U.S. Securities and Exchange Commission – descobriu milhares de pedidos para manipular taxas durante um período de anos, envolvendo dezenas de indivíduos diferentes e múltiplos bancos. Em muitos casos, os crimes foram cometidos mais ou menos abertamente, por escrito, com os traders e corretores oferecendo subornos em textos de e-mails com uma despreocupação óbvia com a punição que, mais tarde, infelizmente, mostrou-se justificada.

“Eu vou fazer um baita negócio com você”, pediu um trader do UBS que queria um corretor para fixar a taxa. “Eu vou pagar, você sabe, US$ 50.000, US$ 100.000.”

Os reguladores britânicos do mercado financeiro não estão escondendo o tamanho do escândalo. A penalização do UBS demonstrou, sem sombra de dúvida, que o escândalo da manipulação da taxa LIBOR envolveu mais do que apenas um ou dois bancos, e, provavelmente, envolveu centenas de pessoas em muitas das maiores e mais prestigiadas instituições financeiras – em outras palavras, um caso verdadeiramente épico de acordo e conluio anti-competitivo que coloca em causa se os maiores bancos do mundo estão inovando uma nova forma, não inteiramente capitalista da alta finança. “Nós temos dito há mais cinco instituições sob investigação”, diz Christopher Hamilton, da FSA. “E há um grande número de pessoas também.” (Até o momento, um outro banco, o Royal Bank of Scotland, também se confessou culpado para crimes relacionados com a LIBOR)

Estes fatos se encaixam com o que Bob Diamond, o ex-chefe do Barclays, disse ao Parlamento britânico no dia seguinte, ele deixou seu cargo no ano passado. “Existe um problema de toda a indústria financeira vindo à tona agora”, disse ele. Michael Hausfeld, advogado famoso de ação coletiva que está processando os bancos sobre a LIBOR em nome de cidades como Baltimore cujos investimentos perderam dinheiro quando as taxas de juros foram reduzidas artificialmente, diz que o público ainda não compreendeu a importância de comentários como feitos por Diamond. “Diamond essencialmente disse: ‘Este é um problema a nível de indústria financeira” (um problema do SISTEMA), diz Hausfeld. “Mas ninguém ainda definiu o que este problema significa, o que é. “

Hausfeld aponta que – de que “o problema a nível de indústria” que Diamond falou pode ser mais do que apenas alguns caras brincando com as taxas da LIBOR, que poderia ser um esforço sistêmico do capitalismo pervertido  em si mesmo – ressalta o erro de cálculo extrema dos recentes acordos de negócios para não-acusação .

No HSBC, o banco fez mais do que fechar os olhos para algumas transações obscuras. Ele repetidamente desafiou as ordens do governo e reguladores do sistema financeiros dos EUA, uma vez que fez um esforço consciente, e com anos de duração para parar completamente de discriminar entre o dinheiro ilegítimo e legítimo. E quando ele falou de alguma forma com o governo dos EUA para a elaboração de uma resolução sobre estes crimes com o objetivo de preservar a licença do banco, conseguiu, finalmente, em fazer o crime como objetivo final.

O gigante UBS, entretanto, foi um caso elementar semelhante, em que os crimes não só violaram a letra da lei – eles ameaçaram a integridade do sistema de concorrência. Se você estiver deixando centenas de banqueiros embriagados gastar todas as manhãs enviando e-mails um para o outro, trocando em cada um deles apelidos de super-heróis, enquanto outros manipulam o custo do dinheiro (os traders do UBS se apelidavam, entre outras nomes e títulos, como “capitão caos”, os “três mosqueteiros” e “Superman”), você pode muito bem deistir completamente do capitalismo e apenas declarar os 16 maiores bancos do mundo, como o Bureau Internacional dos Preços das taxas.

Assim, no espaço de apenas algumas semanas, os reguladores do sistema financeiro na Grã-Bretanha e EUA se uniram para declarar a sua quase total rendição em relação ao crime de manipulação e de monopólio. Isso foi muito mais do que deixar livres um par de casos de caras ricos manipulando o mercado financeiro internacional. Estas foram as principais decisões políticas que reverberam para a próxima geração.

too-big-to-fail

Ainda pior do que os assentamentos reais foi o  explicação Breuer oferecida por eles. “No mundo de hoje de grandes instituições bancárias, onde grande parte do mundo financeiro está baseado na confiança”, disse ele, “uma resolução correta é garantir que contra-partes não fugirão de uma instituição, que os trabalhos não estão perdidos, que não há algum evento econômico mundial que é desproporcional a resolução que quiser. “

Em outras palavras, Breuer está dizendo que os bancos nos tem como refens, que o custo social de colocar seus executivos na cadeia pode acabar sendo maior do que o custo de deixá-los fugir com, bem, nada, livres, sem nenhuma punição pelos seus atos.

Isso é besteira, e exatamente o oposto da verdade, mas é o que o nosso governo atual acredita. De JonBenet para o JO com Robert Blake, os americanos sabem há tempos que os ricos contratam bons advogados e escapam, enquanto aos pobres resta chupar os ovos podres e fazer tempo. Mas esse caso é algo diferente. Este é o governo admitindo ter medo de julgar o muito poderoso – algo que nunca fez, mesmo nos tempos áureos de Al Capone ou Pablo Escobar, algo que não fez até mesmo com Richard Nixon. E quando você admitir que algumas pessoas são importantes (ricos) demais para serem julgados, estamos apenas a poucos passos curtos para o corolário óbvio – que todo mundo não é importante o suficiente para ir para a cadeia.

Uma classe sujeita às leis e à prisão e uma classe INTOCÁVEL (como os banqueiros nos EUA  e resto do mundo). Nós sempre suspeitávamos sobre isto, mas agora esta claramente admitido. Então, o que vamos fazer?

Mais informações sobre “grandes bancos”, drogas e corrupção:

  1. http://thoth3126.com.br/o-trafico-de-opio-em-hong-kong-illuminatis/ 
  2. http://thoth3126.com.br/hsbc-bancolavanderia-do-dinheiro-das-drogas/
  3. http://thoth3126.com.br/a-verdade-sobre-os-grandes-bancos-ocidentais/
  4. http://thoth3126.com.br/grupo-bilderberg-entrevista-com-banqueiro-suico/
  5. http://thoth3126.com.br/a-situacao-global-uma-atualizacao/
  6. http://thoth3126.com.br/category/reptilianos/
  7. http://thoth3126.com.br/eua-multa-cinco-grandes-bancos-em-57-bilhoes-por-manipulacao-em-taxas-de-cambio/
  8. http://thoth3126.com.br/grandes-bancos-se-preparam-para-enfrentar-a-falencia-dos-eua/
  9. http://thoth3126.com.br/barclays-eua-uk-multam-banco-em-us-453-milhoes-por-fraude/
  10. http://thoth3126.com.br/h-s-b-c-opio-e-drogas-a-origem-do-banco-ingles/
  11. http://thoth3126.com.br/manipulacoes-do-mercado-financeiro-e-ouro/

Permitida a reprodução desde que mantida a formatação original e a citação das fontes.

thoth(172x226)www.thoth3126.com.br

One Response to Banqueiros (HSBC) Gangsters: muito grandes para serem presos (Parte II, final)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *