browser icon
Você está usando uma versão insegura do seu navegador web. Por favor atualize seu navegado!
Usando um navegador desatualizado torna seu computador inseguro. Para mais segurança, velocidade, uma experiência mais agradável, atualize o seu navegador hoje ou tente um novo navegador.

Índia: Máquinas Voadoras descritas em antigos textos

Posted by on 03/08/2016

VIMANAS-2Máquinas Voadoras descritas em velhos e sagrados textos em sânscrito, da antiga Índia

Todo estudioso da cultura védica da antiga Índia conhece o Vaimanika Shastra, uma coleção de esboços cujo núcleo  é atribuído ao sábio Bharatvaj escrita em torno do século 4 a.C.

Os escritos do Vaimanika Shastra foram redescobertos somente em 1875. O texto trata do tamanho e das partes mais importantes das diversas máquinas voadoras da remota antiguidade (antediluviana) da antiga Índia (Bharata) .

Tradução, edição e imagens:  Thoth3126@protonmail.ch

Máquinas Voadoras usadas pelos “deuses” são descritas em velhos e sagrados textos em sânscrito, da antiga Índia

Fonte: http://www.bibliotecapleyades.net

O Professor Dr. Dileep Kumar Kanjilal deu uma palestra brilhante com este título para o Sixth Congress of the Ancient Astronaut Society (Sexto Congresso da Sociedade de Astronautas Antigos) em Munique, em 1979. Kanjilal é professor de sânscrito da Faculdade de Calcutá  e, portanto, um estudioso e um líder do conhecimento em sânscrito. 

Mas se seguirmos a história narrada em antigos textos na Índia nos deparamos com duas obras importantes, entre tantas, o Kausitaki e o Satapatha Brahmana, que datam de antes de 500 a.C. e que nos falam sobre as imagens dos deuses.

vimana-Rama

Uma ilustração de Rama descendo de sua máquina voadora, uma Vimana

O antigo texto e as ilustrações mostram forçosamente que os deuses eram seres originalmente físicos, corpóreos. Mas então, e esta questão deve ser enfrentada, como é que esses deuses chegaram à terra através da atmosfera planetária?

O Ayurveda diz muito claramente que uma máquina voadora foi usada pelos Asvins (dois gêmeos celestiais). O Vimana é simplesmente sinônimo de máquina voadora nesses antigos textos. Ela ocorre no Yajurveda, no Ramayana, no Mahabharata, no Bhagavata Purana, bem como na literatura clássica indiana.

Pelo menos 20 passagens do Rig Veda (1.028 hinos dedicados aos deuses) referem-se exclusivamente para o veículo voador dos Asvins. Esta máquina voadora é representada como tendo três andares, triangular e de três rodas. Ela poderia levar pelo menos três passageiros. Segundo a tradição, a máquina era feita de ouro, prata e ferro, e tinha duas asas. Com esta máquina voadora os Asvins salvaram o Rei Bhujyu que estava em perigo no mar.

Vaimanika_Shastra

Todo estudioso conhece o Vaimanika Shaastra, uma coleção de esboços cujo núcleo  é atribuído ao sábio Bharadwaaja escrita em torno do século 4 a.C. Os escritos do Vaimanika Shastra foram redescobertos somente em 1875. O texto trata do tamanho e das partes mais importantes das diversas máquinas voadoras da remota antiguidade (antediluviana) da antiga Índia (Bharata) .

Ali aprendemos como eles eram dirigidos, que precauções especiais se deveria ter em vôos longos, como as máquinas poderiam ser protegidas contra tempestades violentas e relâmpagos, como fazer um pouso forçado e até mesmo como mudar a unidade para a energia solar para fazer o combustível durar ainda mais. Bharadwaaja refere-se a nada menos do que 70 autoridades e a dez especialistas de viagem aérea na antiguidade da Índia !

A descrição dessas máquinas em textos indianos antigos são incrivelmente precisas. A dificuldade que enfrentamos atualmente de compreensão é basicamente a de que os textos mencionam diversos metais e ligas metálicas que não podemos traduzir para o conhecimento presente.

AncientAliens

Nós não sabemos ao que os nossos antepassados ​​estão se referindo por eles. No Samarangana Sutradhara cinco máquinas voadoras foram originalmente construídas para os deuses Brahma, Vishnu, Yama, Kuvera e Indra. Mais tarde, houve algumas adições. Quatro tipos principais de Vimanas voadoras são descritas: Rukma, Sundara, Tripura e Sakuna.

As espaçonaves-vimanas Rukmas eram produzidas de forma cônica e pintadas de cor de ouro, enquanto o Sundara eram feitas com formato de foguetes e tinha um brilho prateado. O Tripura era de três andares e o Sakuna se parecia com pássaros (formato em delta?).

Havia 113 subdivisões desses quatro tipos principais de vimanas que diferem apenas em pequenos detalhes. A posição e o funcionamento dos coletores de energia solar são descritos no Vaimanika Shastra.

Vishnu-kalkiavatar

Vishnu

Ele diz que oito tubos tiveram de ser feitos de vidro especial para absorção dos raios do sol. Toda uma série de detalhes estão listados, alguns dos quais nós não conseguimos entender ainda.

O Samarangana Sutradhara explica a unidade, os controles e o combustível para a máquina de voar vimana. Ela diz que o mercúrio (n.t. utilizados em espaçonaves UFOs extraterrestres acidentadas recuperadas pelos EUA) e ‘Rasa’ eram utilizados. Infelizmente nós ainda não sabemos o que era “Rasa” .

Dez seções estranhamente tratam com  temas de atualidade como a formação de pilotos, as rotas de voo, as partes individuais de máquinas voadoras, bem como vestuário para pilotos e passageiros, e a comida recomendada para vôos longos.

Havia muito detalhes técnicos: os tipos de metais utilizados, metais de absorção de calor e seu ponto de fusão, as unidades de propulsão e de vários tipos de máquinas voadoras. As informações sobre metais utilizados na construção são de três tipos e nome, somala, soundaalika e mourthwika.

vimana-india2

Esquema de um dispositivo vortex acionado por plasma de mercúrio

Se eles fossem misturados nas proporções corretas, o resultado era a obtenção de 16 tipos de metais de absorção de calor com nomes como ushnambhara, ushnapaa, raajaamlatrit, etc, que não conseguimos traduzir para o Inglês.

Os textos também explicam como limpar metais, os ácidos utilizados, como limão ou maçã a serem utilizados e a mistura correta, os óleos certos para trabalhar e a temperatura correta para eles. Sete tipos de motor são descritos com as funções especiais para que estejam aptos para uso e as altitudes de navegação em que eles funcionam melhor.

O catálogo é abundante sobre dados demonstrando o tamanho das máquinas voadoras, que poderiam ser de vários andares, nem da sua adequabilidade para vários fins.

Este texto é recomendado a todos os que duvidam da existência de máquinas voadoras na antiguidade. O grito sem sentido dos que dizem que não havia tais coisas no passado remoto teria que se calar rapidamente e com vergonha. Teriam sido palco de batalhas aéreas “divinas” os locais em ruínas de Parhaspur ?

ufocerrogordojunho2006

Um “vimana” moderno fotografado em Cerro Gordo, Arizona, EUA, em junho de 2006. No centro é visível um provável sistema de vórtex de plasma de mercúrio.

As ruínas de pirâmides encontradas no centro da Parhaspur lembram as pirâmides maias encontradas nas selvas da América Central   .

Em 1979, um livro escrito por David W. Davenport, um inglês nascido na Índia, foi publicado na Itália. Seu título era 2.000 a.C. Diztruzione Atomica”,  (Destruição Atômica em 2000 a.C.).

Davenport afirmou ter provas de que Mohenjo Daro (sítio arqueológico localizado no vale do Rio Indus, hoje no Paquistão), uma das cidades mais antigas da história da civilização humana, tinha sido destruída por artefato nuclear, a explosão de uma bomba atômica.

Indus-Valley-Civilization,_Early_Phase_(3300-2600_BCE)

Aratta (Harappa?), o Reino Arborizado, estava localizado no vale de um grande rio sinuoso; numa grande planície, as pessoas cultivavam cereais e pastoreavam o gado. Também se construíram duas cidades (n.t. Hoje as suas ruínas são Mohenjo-Daro e Harapa, no Vale do rio Indus, no atual Paquistão) com tijolos de barro, encheram-nas de celeiros.

{ n.t. Excerto do post: O Livro perdido de Enki – 12ª Tabuleta :

 A Constelação da Virgem foi atribuída a Inanna; no ano oitocentos e sessenta (2.900 a.C.), segundo a conta dos anos da Terra, honrou-se assim a Inanna. Longe, nas terras orientais, além das sete cadeias montanhosas, estava a Terceira Região. Zamush, a Terra das Sessenta Pedras Preciosas, chamou a seu reino das terras altas Inanna.

Aratta (Harappa?), o Reino Arborizado, estava localizado no vale de um grande rio sinuoso; numa grande planície, as pessoas cultivavam cereais e pastoreavam o gado. Também se construíram duas cidades (n.t. Hoje as suas ruínas são Mohenjo-Daro e Harapa, no Vale do rio Indus, no atual Paquistão) com tijolos de barro, encheram-nas de celeiros. 

Como exigia o decreto de Enlil, o Senhor Enki, Senhor da Sabedoria, designou uma nova língua para a Terceira Região, um novo tipo de signos de escritura elaborou para ela, em sua sabedoria, Enki criou para Aratta uma língua de homem até então desconhecida; mas Enki não deu os ME dos reinos civilizados à Terceira Região: Que Inanna compartilhe com a nova região o que obteve para o Unug-ki!, declarou Enki. Excerto do post: O Livro perdido de Enki – 12ª Tabuleta }

David W. Davenport mostra que a região, um local arruinado conhecido como o “local da morte” por arqueólogos não foi formado naturalmente pela decomposição gradual. Originalmente Mohenjo Daro, que tem mais de 5.000 anos de idade, estava em duas ilhas do rio Indus. Dentro de um raio de 1,5 km do centro Davenport demonstra três graus diferentes de devastação que se espalhou a partir do centro para fora.

vimanas

Um calor enorme desencadeou a destruição total no centro. Milhares de nódulos, batizados de “pedras negras” por arqueólogos, acabaram por ser fragmentos de vasos de barro que tinham se derretido, fundidos pelo calor extremo.

A possibilidade de uma erupção vulcânica está excluída, porque não há lava endurecida ou cinzas vulcânicas, nem vulcão em ou perto de Mohenjo Daro. Davenport assumiu que o breve mas intenso calor atingiu mais de 2.000 graus C. Ele fez os vasos de cerâmica derreterem.

Ele diz ainda que, nos subúrbios de Mohenjo Daro esqueletos de pessoas deitadas no chão, muitas vezes de mãos dadas foram encontrados, como se a vida tivesse sido subitamente tomada por uma catástrofe inesperada. Apesar das possibilidades interdisciplinares, a arqueologia trabalha unicamente por métodos tradicionais em Mohenjo Daro. Eles deveriam usar o antigo, pois ele iria produzir muitos e melhores resultados.

mohenjodaro-01

Se as máquinas voadoras e uma explosão nuclear são a causa das ruínas isto é excluídos como fora de questão, não pode haver investigação “científica” pelas equipes ampliadas com físicos, químicos, metalúrgicos, etc.  Como uma cortina de ferro muitas vezes cai em locais que são importantes na história da humanidade, não posso deixar de sentir e pensar que fatos surpreendentes descobertos põe em perigo as formas existentes de pensar.

Uma explosão nuclear acontecida a 5.000 anos atrás não se encaixa no cenário dos acadêmicos e eruditos? A história teria que ser reescrita e a verdade poderia vir à tona …(Publicado originalmente em Abril de 2014.)

Para saber mais:

  1. http://thoth3126.com.br/vimana-antigo-20-mil-anos-trem-de-pouso-descoberto/
  2. http://thoth3126.com.br/espaconavesvimanas-da-antiga-india-baratha/
  3. http://thoth3126.com.br/vimanas-ufos-visitavam-a-india-ha-milenios/
  4. http://thoth3126.com.br/sinais-farois-antigos-na-terra-para-os-alienigenas/
  5. http://thoth3126.com.br/o-iraque-babilonia-ira-persia-e-a-luta-pela-heranca-extraterrestre/
  6. http://thoth3126.com.br/india-governo-em-contato-com-extraterrestres/
  7. http://thoth3126.com.br/o-governo-oculto-secreto-nos-eua-ii/
  8. http://thoth3126.com.br/area-51-entrevista-de-david-adair/

Permitida a reprodução, desde que mantido no formato original e mencione as fontes.

thoth(172x226)www.thoth3126.com.br

9 Responses to Índia: Máquinas Voadoras descritas em antigos textos

  1. Jose ferreira da silveira

    De acordo com estudos realizados, o nosso planeta tem aproximadamente cinco bilhões de anos. Querer que a terra tenha hospedado, apenas essa raça humana, é muita pretenção. nesse espaço de tempo, é muito provavel que outras civilizações tenham se desenvolvido, e, até que tenham sido visitadas por outras civilizações, do cosmos infinito.

  2. Satyaraja

    Os mergulhos foram proibidos na região onde provavelmente está afundada a cidade Dwaraka, que era o reino de Krishna quando esteve na Terra há aproximadamente 5300 anos atrás. Dizem ter encontrado artefatos de 30.000 anos de idade. Batalhas envolvendo Vimanas aconteceram na região, de acordo com o Maha Bharata e o Bhagavata Purana. Porque proibir as pesquisas?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *