Entre ou
Cadastre-se

Compartilhe
Receba nosso conteúdo

A Corrupção (de Tudo) da Ciência pela Política

Foi ao cinema ultimamente? Talvez você esteja experimentando-o novamente. Eles parecem ter melhorado sob o desejo desesperado de recuperar o público e receita. Eu sei que há críticas razoáveis, mas achei “Barbie” ‘divertido’, mesmo porque ignorou completamente os últimos 20 anos de disforia de gênero e afirmou o sexo binário estimulante, mas bem-vindo. “Missão Impossível” também foi uma explosão, mas esperamos isso dessa franquia . . .

A Corrupção (de Tudo) da Ciência pela Política

Fonte: The Epoch Times

Inesperado é o estrondoso sucesso de “The Sound of Freedom” que é uma exposição aterradora de questões MUITO contemporâneas que, por razões que não são clarasé um filme totalmente desprezado pela esquerda. Devíamos falar sobre “Oppenheimer”. É sobre muitas coisas, mas em última análise, o tema diz respeito ao uso e abuso da ciência [e dos CIENTISTAS] a serviço do poder do Estado.

O governo dos Estados Unidos contratou um físico promissor para construir uma bomba melhor. Uma vez que dois anos e $ 2 bilhões foram consumidos no grande projeto, ele precisava ser implantado, fosse necessário para vencer a guerra ou não. A Alemanha já estava derrotada e o Japão estava pronto para se render, mas a chance de demonstrar ao mundo o poderio militar superior dos Estados Unidos era boa demais para deixar passar.

O cientista J. Robert Oppenheimer engoliu seus escrúpulos morais sobre os bombardeios no Japão – ele pensou que a bomba seria usada contra os nazistas – que custaram centenas de milhares de vidas inocentes. Mas ele traçou a linha de empurrar para a bomba de hidrogênio ou construir ainda mais bombas que ele construiu. Ele se tornou um defensor do controle de armas para evitar uma escalada com a União Soviética.

Nesse ponto, ele foi perseguido por Washington por seus relacionamentos pessoais com a Rússia, que incluíam flertes com comunistas. Então, sim, seu benfeitor, o estado, voltou-se contra ele, exatamente como o filme retrata Albert Einstein prevendo para ele. Mais tarde, é claro, sua reputação foi restaurada. E este filme percorre um longo caminho para memorizá-lo como um homem complicado, mas brilhante.

Uma característica do filme que achei particularmente valiosa foi explicar a relação extremamente estranha entre os Estados Unidos e a União Soviética naqueles anos. Após a Grande Guerra, houve um enorme ‘Red Scare’ neste país de 1918 a 1923, e isso incluiu audiências no Congresso, censura e nova legislação de sedição que hoje está sendo usada pelo governo Biden contra Trump e seus apoiadores.

Durante o New Deal, que equivalia a uma rejeição da dinâmica de livre iniciativa do espírito americano, o presidente Roosevelt trouxe para seu governo muitos admiradores das “conquistas” soviéticas na agricultura e na habitação. Entre eles estava o extremamente influente Rex Tugwell, um economista que abraçou o planejamento central e elaborou grande parte da legislação naqueles anos que cartelizou a indústria, controlou preços e embarcou em projetos de estilo soviético.

Essa é uma das razões pelas quais os defensores da liberdade naquela época desprezavam o New Deal. Os vermelhos estavam por toda Washington. E, apesar da lenda, suas políticas não libertaram os Estados Unidos das garras da depressão, mas apenas a prolongaram com controles, gastos, regulamentação e subsídios.

Sim, eu sei, nunca vamos nos livrar do mito de que o New Deal nos salvou, mas a realidade é que a Depressão durou até a próxima guerra e não terminou realmente até que a paz veio em 1945.

Mas volte alguns anos no tempo. Quando os Estados Unidos entraram na Segunda Guerra Mundial, os EUA e a Rússia se tornaram aliados, e FDR e Stalin tornaram-se amigos no esforço de derrotar os nazistas e o Japão imperial. Foi o “Roosevelt’s Road to Russia” que foi concluído nesta aliança. Naquela época, não havia perigo para os cientistas e outros em ter conexões comunistas vermelhas, mas muito pelo contrário.

Depois da guerra, houve outra troca. O presidente Harry Truman estava enfrentando derrotas partidárias no Congresso e habilmente triangulou aumentando o Red Scare novamente. Em 1948, os comunistas venceram uma eleição na Grécia, e isso foi destacado nos Estados Unidos como evidência de um crescente imperialismo sob a influência de Moscou.

Num piscar de olhos, a Rússia passou de valente aliado a temido inimigo. E isso foi uma década e meia depois que os Estados Unidos passaram de temido inimigo a valiosa influência doméstica. E isso foi apenas uma década e meia depois que a Rússia passou de amiga do Ocidente a inimiga temida. Sim, ao longo de meio século, a mudança aconteceu três vezes.

Você já se perguntou por que o livro “1984” de George Orwell recebeu esse nome? Foi uma reviravolta em 1948, quando a Guerra Fria começou e, em um instante, a mente do público mudou de celebrar para odiar uma nação inteira. É por isso que, no livro, as relações internacionais entre a Oceania, a Eurásia e o Leste Asiático fictícios estavam em fluxo contínuo. A cada mudança, saía o anúncio de que sempre estivemos em guerra com quem quer que a classe dominante quisesse a próxima guerra.

No final da Guerra Fria em 1991, os Estados Unidos comemoraram a emancipação da Rússia e o fim da União Soviética e as relações comerciais foram retomadas. Mas com certeza, duas décadas e meia depois, a grande mídia – as mesmas vozes que uma vez favoreceram o controle de armas e a paz durante a Guerra Fria – está promovendo uma guerra com a Rússia. Como no livro de Orwell, eles nos dizem que sempre estivemos em guerra com a Rússia.

A mesma multidão que lutou por décadas pela paz com a Rússia agora quer uma guerra total!

De qualquer forma, este é o contexto histórico mais amplo no qual Oppenheimer foi interrogado por suas conexões comunistas e por que ele passou de amigo a inimigo tão rapidamente. Era tudo sobre as prioridades [agenda] do regime. Eles exerceram mais influência sobre a ciência nos tempos modernos do que gostaríamos de admitir.

Vamos explorar um caso da ciência da economia.

Quando a American Economic Association foi fundada em 1885, uma de suas primeiras publicações foi um tratado totalmente vicioso e vergonhoso que favorecia a segregação, a supremacia branca, a eugenia e muito pior, não apenas para os negros, mas também para os italianos do sul, judeus e eslavos. se você pode acreditar.

Essa implantação da falsa ciência manteve-se por décadas em todos os principais livros e jornais de economia. Realmente não terminou até depois da Segunda Guerra Mundial. Esta é uma história trágica porque a economia como ciência começou no final da Idade Média com um espírito emancipatório. Foi corrompido nos Estados Unidos durante o século XX por influência [dos políticos à serviço de seus senhores] do estado.

E assim tem sido ao longo do século. Isso afeta todas as disciplinas, da física à economia, da engenharia à climatologia.

Falando nisso, o fundador da climatologia na América é o professor de Harvard Robert DeCourcy Ward (1867–1931). Ele era um membro consumado do establishment acadêmico. Ele foi um dos fundadores da American Restriction League, uma das primeiras organizações a defender uma abordagem “científica” para a imigração enraizada na teoria evolutiva darwiniana e na política de eugenia.

“Darwin e seus seguidores lançaram as bases da ciência da eugenia”, alegou Ward em seu manifesto publicado na North American Review em julho de 1910. “Por que”, Ward exigiu, “deveria a criação do homem, o animal mais importante de todos, só poder ser deixado ao acaso?”

Por “acaso”, é claro, ele quis dizer escolha. Ward explicou que os Estados Unidos tiveram uma “oportunidade notavelmente favorável para praticar os princípios eugênicos”. E havia uma necessidade desesperada de fazê-lo, porque “já não temos centenas de milhares, mas milhões de italianos, eslavos e judeus cujo sangue está indo para a nova raça americana”.

Assim são os pensamentos do primeiro climatologista de Harvard. E seus sucessores também não se distanciaram das prioridades do Estado, como você pode facilmente descobrir folheando os jornais de hoje.

É diferente, mas também o mesmo. Diariamente, somos informados de que nossos fogões a gás, escapadelas de fim de semana e consumo de carne estão fazendo com que o planeta queime em uma bola de fogo. A evidência: é calor do verão lá fora. Isso eles chamam de mudança climática. O que é ruim. Isso só pode ser remediado desistindo do seu padrão de vida e tendo menos filhos.

Como você, estou farto dessa pseudociência e da religião de “confiar nos especialistas”. Foram os “especialistas”[ um monte destes imbecis] que disseram que só podemos nos proteger de um vírus respiratório comum abrindo mão de todas as nossas liberdades, obstruindo nossa capacidade de respirar e injetando em nós mesmos uma injeção experimental [cujos “efeitos colaterais” matam muito mais do que o próprio vírus].

Os bloqueios e o que se seguiu foram o despertar de que precisávamos. Eles afetaram quase todos. Eles foram abençoados por quase toda a “ciência” dominante e toda a Big Tech, governo e pre$$tituta$ da mídia cooperaram na santificação do fechamento de igrejas, bares, restaurantes e escolas e na brutalização da população.

Se há algo de bom nisso, é a disseminação da incredulidade em massa em relação à classe de especialistas com a qual temos sido excessivamente deferentes por muito tempo. A grande lição do filme “Oppenheimer” é que a ciência não é tão independente quanto nos dizem. Pode ser facilmente comprada [junto com os seus cientistas] pelos governos, por mais trágico que isso pareça.

Os verdadeiros heróis de todas as épocas são as vozes que se apegam à verdade e aos fatos, independentemente da narrativa E dos ventos da agenda política. Durante os bloqueios, esses foram poucos e distantes entre si. Mas talvez seja sempre assim.


“A sabedoria (Sophia) clama lá fora; pelas ruas levanta a sua voz. Nas esquinas movimentadas ela brada; nas entradas das portas e nas cidades profere as suas palavras:  “Até quando vocês, inexperientes, irão contentar-se com a sua inexperiência? Vocês, zombadores, até quando terão prazer na zombaria? E vocês, tolos, até quando desprezarão o conhecimento? Atentai para a minha repreensão; pois eis que vos derramarei abundantemente do meu espírito e vos farei saber as minhas palavras [o conhecimento]“. –  Provérbios: 1 – 20 : 23


Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *