browser icon
Você está usando uma versão insegura do seu navegador web. Por favor atualize seu navegado!
Usando um navegador desatualizado torna seu computador inseguro. Para mais segurança, velocidade, uma experiência mais agradável, atualize o seu navegador hoje ou tente um novo navegador.

A Crônica de Akakor – O livro da Águia (3)

Posted by on 13/10/2019

O mistério de uma antiga civilização subterrânea perdida da Amazônia que não existe “oficialmente” … que muitos exploradores MORRERAM tentando encontrar. Se a história da busca pela cidade perdida de Akakor e sua tribo Ugha Mongulala soa como o roteiro de ficção de um filme de Indiana Jones, é justamente porque ela foi usada como base para o quarto e último filme da série, “Indiana Jones and the Kingdom of the Crystal Skull” (O Reino da Caveira de Cristal). É uma história  envolta em muitos mistérios. Ela é contada em um polêmico livro, “A Crônica de Akakor”, que passamos a publicar em capítulos …

Edição e imagens:  Thoth3126@protonmail.ch

A CRÔNICA DE AKAKOR – O LIVRO DA ÁGUIA (2)

Livro: “A CRÔNICA de AKAKOR” (Die Chronik von Akakor – 1978), por Karl Brugger, prefácio de Erich Von Daniken, tradução de Bertha Mendes.

O LIVRO DA ÁGUIA

Esta é a águia.
Poderosas são as suas asas
E poderosas as suas garras.
Os seus olhos
Olham imperiosamente sobre a Terra.
Está acima do homem.
Não pode ser
Nem vencida nem morta.
Durante treze dias ergue-se no céu,
E durante treze dias
Voa ao encontro do sol-nascente.
É verdadeiramente sublime.


O legado dos Antigos Pais rege a vida dos Ugha Mongulala desde que nascem até que morrem. Frequentam escolas de sacerdotes desde os seis até aos dezoito anos de idade. Aí aprendem as leis da comunidade, do bem-estar, da caça aos animais selvagens, da pesca e do cultivo da terra. As raparigas aprendem a tecer, a cozinhar e a trabalhar no campo. Mas a tarefa mais importante das escolas dos sacerdotes é a revelação e a explicação do legado dos nossos ancestrais. O jovem Ugha Mongulala aprende os sinais sagrados dos deuses e como viver e morrer. Aos dezoito anos, o rapaz tem de fazer uma prova de coragem.

Cada jovem tem de lutar contra um animal selvagem do Grande Rio, porque só quem enfrenta a morte poderá controlar seu próprio medo e compreender a vida. Só então se torna digno de ser aceito pela comunidade dos Servos Escolhidos. É autorizado a escolher um nome e a iniciar uma família. Após a sua morte, a família corta-lhe a cabeça e queima o resto do corpo. O sacerdote mostra a cabeça ao sol-nascente, como sinal de que aquele que partiu cumpriu todos os seus deveres para com a comunidade. Depois a cabeça é conservada num dos nichos do Grande Templo do Sol, tal como está narrado na crônica, com boas palavras e numa escrita clara:

Assim, os vivos sacrificavam-se pelos mortos. Juntavam-se no Grande Templo do Sol. Os pranteadores ficavam em frente dos olhos dos Deuses. Ofereciam resina e ervas mágicas. E o grande-sacerdote falava: “Agradecemos verdadeiramente aos Deuses. Eles deram-nos duas vidas. Excelente é a sua ordem no céu e na terra.”

III – APOTEOSE E DECLÍNIO DO IMPÉRIO –  2.470 a. C. – 1.421 a. C.

No Egito, o Velho Reino terminou em cerca de 2.150 a. C. Aproximadamente na mesma altura, a Babilônia foi destruída, devido a invasão das tribos da montanha. O império de Sumer e Akkad estabeleceu-se cerca de 2.000 a. C. A unidade política durante o governo do rei Hammurabi atingiu ainda um mais elevado nível de arte e civilização. O seu código forneceu as bases das subseqüentes leis do Império Romano. Iniciadas cerca de 2.000 a. C., as tribos indo-germânicas começaram a espalhar-se pela Europa.

O império de Akakor, criado por LHASA, o Exaltado filho dos deuses

Todas as estruturas de estado do Velho Mundo tiveram uma nova imagem devido aos carros de combate. Enquanto o poderoso Novo Reino egípcio de Thotmés estendia as suas relações internacionais até Creta, a idade do Bronze florescia na Europa e levava ao desenvolvimento das civilizações mais diferenciadas. No Novo Mundo, a documentação dos acontecimentos históricos começa com as nações Chavin, no Peru, cerca de 900 a. C. Até esta data nada se sabia sobre os povos nativos {descendentes da raça vermelha de Atlântida} que habitavam a vasta Amazônia e os contrafortes da Cordilheira dos Andes.

O IMPÉRIO NA SUA MAIS ELEVADA FORMA DE PODER

Os territórios do meu povo eram vastos. Esta terra, primitivamente, só era habitada pelos Ugha Mongulala e tribos selvagens, entre as quais muitas nações poderosas habitantes às margens do Grande Rio {Amazonas}. Uma após outra, as tribos foram extintas pelos Bárbaros Brancos. Se a comunidade se defendia, os homens eram assassinados e as mulheres e as crianças eram tratadas como animais. Isto está escrito na nossa crônica e não na dos Bárbaros Brancos. Estes contaram a história erradamente. Afirmaram muitas coisas que não são verdadeiras. Só se referiram aos seus feitos heroicos e à estupidez dos “selvagens”. Os Bárbaros Brancos estão mentindo constantemente, enganando-se uns aos outros. Quebrando todas as leis da natureza, acreditam que criarão um mundo novo e melhor. Porém, segundo o legado dos nossos deuses, a Terra foi criada com o auxílio do Sol. O Mundo, a Terra e o meu povo pertencem uns aos outros. Estão inseparavelmente ligados, tal como Lhasa nos ensinou e está escrito na Crônica de Akakor:

Os Servos Escolhidos não governaram de mão leve. Não esbanjaram sacrifícios. Eles próprios os comeram e beberam. Alcançaram grande poder e receberam grandes tributos: ouro, prata, mel das abelhas, frutos e carne. Isto eram tributos das tribos escravas. Tudo isto aconteceu antes do príncipe, governador de Akakor.

No oitavo milênio (2.500 a. C.) o império de Akakor atingiu o seu mais alto grau. Dois milhões de guerreiros dominavam as planícies do Grande Rio, as vastas regiões de florestas de Mato Grosso e as férteis planícies das encostas orientais dos Andes. Duzentos e quarenta e três milhões de pessoas viviam de acordo com as leis do Exaltado Filho dos Deuses, Lhasa. Mas, na altura de o império atingir o seu máximo, começou a declinar. Primeiro, apareceram alterações que tornaram a colocar Akakor na defensiva das tribos selvagens, que agora atingiam os milhares. Dificilmente a terra produzia alimento para tanta gente. Levados pela fome, repetidamente invadiram os territórios do império. E as Tribos Aliadas igualmente se revoltaram contra o domínio dos Ugha Mongulala.

Surgiram novas nações, que Akakor teve dificuldade em vencer. Por ordem do alto comando saíram para a região do Grande Lago, nas montanhas, e também ocuparam os terrenos circunvizinhos. Eram batedores e guerreiros acompanhados pelo mensageiro com a Seta Dourada. Tinham sido enviados para observar os inimigos de Akakor e derrotá-los. Juntos, os guerreiros das Tribos Escolhidas foram para a guerra. As Tribos Aliadas fizeram muitos prisioneiros e rejeitaram o legado dos deuses. Tinham criado e viviam de acordo com as suas próprias leis. Viviam de acordo com as suas próprias regras. Mas os guerreiros dos Servos Escolhidos eram corajosos. Derrotaram o inimigo e deixaram-no sangrar. Durante milhares de anos, os exércitos dos Ugha Mongulala tinham sido superiores aos dos guerreiros das tribos rebeldes, porque eram cuidadosamente treinados e iam para o campo de batalha de acordo com planos legados por Lhasa. Cem mil guerreiros estavam sob as ordens do comandante-chefe, o Chefe de Cem Mil Homens. Dez mil homens eram chefiados por um capitão ou um Chefe de Dez Mil Homens. Os Chefes de Mil Homens e os Chefes de Cem Homens iam à frente do exército e davam sinal de ataque. 

Depois de uma batalha vitoriosa, fizeram prisioneiros e dividiram o saque. Se a luta parecia perdida, os Ugha Mongulala retiravam-se encobertos pela escuridão e preparavam as suas posições. Só em casos muito raros o príncipe acompanhava o exército. Batedores escolhidos mantinham-no em contato com os guerreiros, de modo a poder dar-lhes assistência, mas com o seu palácio guardado, para qualquer caso de emergência. Quando os Bárbaros Brancos vieram, o meu povo abandonou esta ordem de batalha. Mesmo um enorme exército não poderia resistir às setas invisíveis deste novo inimigo. A época das grandes campanhas vitoriosas havia passado.

Hoje, temos simplesmente um exército de dez mil guerreiros, todos treinados para combate individual. Estão agrupados em partes iguais e sob o comando de cinco dos mais altos comandantes e cinco dos mais altos sacerdotes. Cada guerreiro está equipado com arco e setas, uma comprida lança pontiaguda, uma funda e uma faca de bronze. Tem um escudo de grossas tranças de bambu, que lhe serve de proteção contras as setas do inimigo. O exército é acompanhado por grande número de batedores. Os chefes determinam a duração do ataque, de acordo com as suas informações. A declaração de guerra é decidida pelo príncipe. É ele também que envia o batedor com a Seta Dourada, como sinal de batalha iminente.

A maior campanha antes da chegada dos Godos deu-se em cerca do ano 8.500. De acordo com o que contam os sacerdotes, tribos selvagens dos limites do norte do império aliaram-se com a Tribo dos Vagabundos. Assassinando e roubando, avançaram até ao Grande Rio. A Tribo das Grandes Vozes fugiu em pânico. Maid, o legítimo governador das Tribos Escolhidas, declarou então guerra às tribos inimigas. Como um poderoso exército de toda a parte do império se começasse a organizar, os Ugha Mongulala iniciaram as necessárias preparações militares. Fizeram arcos, setas, fundas e lanças de bambu nos vales e florestas banhados pelo Grande Rio. 

Tanto de noite como de dia os caçadores partiam para trazer a caça necessária para alimentar os guerreiros. As mulheres teciam panos de guerra para os seus homens e cantavam canções sobre os feitos heróicos dos grandes príncipes. Todo o reino de Maid foi dominado por um grande desejo de combater. Seja como for, é isto que os sacerdotes contam. Finalmente, depois de seis meses, quando um exército de trezentos mil homens estava reunido, Maid, o  príncipe, chamou os mais velhos e os sacerdotes. Vestindo a toga brilhante de ouro de Lhasa e com o bastão azul, vermelho e amarelo, com penas pretas, mandou chamar o batedor da Seta Dourada. Quando este chegou, todos os presentes fizeram uma profunda vênia. Maid deu-lhe pão e água, sinais de vida e de morte. Espalhou-se a alegria por entre as tribos dos Servos Escolhidos, gritos de entusiasmo que alcançaram os quatro cantos do mundo e espalharam o medo e o terror entre as tribos inimigas.

Depois começou a grande marcha para a fronteira norte. Durante dois meses, os tambores ressoaram e fizeram tremer a terra. E os sacerdotes contam também que no fim do segundo mês as Tribos Escolhidas encontraram o exército inimigo. Gritando os seus brados de guerra, os guerreiros precipitaram-se uns contra os outros. Os arqueiros lançaram as suas setas e desbarataram a vanguarda do inimigo. Eram seguidos por tropas de lanceiros que tentaram vencer a principal força inimiga que resistia. A batalha cedeu na noite seguinte, pois, de acordo com o legado dos deuses, nenhum guerreiro pode entrar na segunda vida se morrer durante as horas de escuridão. Contudo, na manhã seguinte o combate foi retomado com intensidade dobrada. Os Ugha Mongulala venceram a Tribo dos Vagabundos num poderoso ataque. Os seus chefes renderam-se implorando perdão. Mas Maid não os escutou, e nenhum deles foi poupado. Tanto a tristeza como a alegria se espalharam ao mesmo tempo por todo o império.

OS POVOS DEGENERADOS

Durante o oitavo e o nono milênio, os Ugha Mongulala empreenderam várias campanhas contra as tribos rebeldes. Maid derrotou a Tribo dos Vagabundos e repeliu o ataque das tribos selvagens da zona baixa do Grande Rio. Nimaia edificou as três fortalezas de Mano, Samoa e Kin, na região do país hoje chamado Bolívia, e construiu fortes posições defensivas na vizinhança dos recintos do destruído templo de Mano. Outros chefes travaram outras batalhas: Anau combateu contra a Tribo dos Comedores de Serpente e a dos Corações Negros. Ton castigou os Matadores de Antas pela sua desobediência e mandou os batedores até às costas do oceano leste. Kohab, um descendente do Exaltado Filho dos deuses, Lhasa, particularmente heroico, derrotou a Tribo das Caras Torcidas numa sangrenta batalha que  durou três dias, na parte superior do rio Negro, e estendeu o seu império até ao país hoje chamado Colômbia. Muda construiu um segundo cinturão de defesa em volta de Akakor e armazéns subterrâneos nos vales dos Andes.

Mas foi o príncipe Maid que teve de suportar a guerra mais violenta. Trata-se da luta contra a Tribo que Vive na Água, que fundara o seu próprio império nas montanhas do Peru depois da segunda Grande Catástrofe. No decorrer de oitocentos anos, os seus chefes dominaram numerosos povos selvagens e avançaram até Machu Picchu. A fim de evitar que essa tribo atacasse Akakor, o Alto Conselho decidiu submetê-los. Numa guerra com pesadas baixas, que durou três anos e em que os Ugha Mongulala sofreram muitas derrotas humilhantes, Maid finalmente venceu a Tribo que Vive na Água e fez prisioneiro o seu chefe. O perigo que vinha do oeste parecia ter sido vencido.

Como acabará isto? Cada vez mais, as pessoas fazem as suas próprias leis e esquecem o legado dos deuses, vivem como animais. Grande é o número dos Servos Escolhidos, mas inúmeros são os Degenerados. Eles devastam os nossos campos e matam os nossos filhos. São imperiosos e muitos são os povos que dominaram. As tribos rebeldes citadas na crônica pertencem aos Degenerados. Lhasa integrara-os no império de Akakor e ensinaram-lhes o legado dos deuses. No decorrer dos milênios fugiram à soberania dos Ugha Mongulala e esqueceram o ensino dos Antigos Pais. 

Viviam como tribos selvagens em cabanas de palha ou casas feitas de canas com feitio retangular, bastante grandes para toda a comunidade tribal. As suas instalações eram cercadas por uma alta barreira de madeira. Não usavam roupas. Não conheciam o tear. Mas são peritos em trabalhar as penas que usam na cabeça. Os Degenerados cultivam a terra depois de queimarem a floresta. Plantam mandioca, trigo e batatas. Para eles a caça e a pesca é tão  importante como o cultivo da terra. Os seus arcos e setas são semelhantes aos nossos, mas menores e mais leves. Adotam o mesmo veneno que os Ugha Mongulala. Em combate usam a lança com a ponta de pedra afiada.

O meu povo venera o legado dos deuses, e as Tribos Degeneradas adoram três diferentes divindades: o Sol, a Lua e um deus do Amor. Para eles, o Sol é a mãe de toda a vida da Terra. A Lua é a mãe de todas as plantas e animais. O deus do Amor protege a tribo e é responsável pela fertilidade dos povos. Se uma tribo acredita que é infeliz, o sacerdote mágico afasta os maus espíritos. Os Degenerados também sabem do essencial Eu, que se solta do corpo no momento da morte e inicia uma segunda vida. Acreditam que esta segunda vida se realiza nas moradias subterrâneas dos Primitivos Mestres.

VIRACOCHA, O FILHO DO SOL

Os Bárbaros Brancos acreditam que possuem o mais elevado conhecimento e sabedoria. E, na verdade, fazem muitas coisas que nunca compreenderemos e que, para nós, são um mistério. Mas o verdadeiro elevado conhecimento dos humanos há muito que desapareceu. O conhecimento dos Bárbaros Brancos é simplesmente um reaprender e redescobrir dos segredos dos deuses, que moldaram a vida de todos os povos da Terra. Os Servos Escolhidos têm lealmente preservado o legado dos deuses, e o seu conhecimento e sabedoria é conseqüentemente maior. As Tribos Degeneradas dificilmente recordam a época dos seus antepassados e vivem na escuridão. O legado dos deuses nunca foi revelado aos Bárbaros Brancos ou às tribos selvagens, que, tal como animais, vagueiam pelo país.

Só um povo à parte dos Ugha Mongulala conhecia as leis dos deuses. Eram os povos Incas, nação irmã das Tribos Escolhidas. A sua história começa no ano 7.951 (2.530 a. C.). Neste ano, Viracocha, o segundo filho do príncipe Sinkaia, ergueu-se contra o legado dos deuses. Fugiu para a Tribo que vive na Água e fundou o seu próprio império.  Os sacerdotes, homens poderosos em magia, se juntaram a ele. Sabiam sobre futuras guerras. Tudo lhes era revelado sabiam se a guerra e a discórdia tinham acabado. Na verdade, o seu conhecimento era poderoso.

E desde que previra a traição de Viracocha, o segundo filho de Sinkaia, castigaram-se e jejuaram no Grande Templo  do Sol de Akakor. Só comiam três espécies de fruta e pequenos bolos de trigo. Era na verdade um grande jejum, para vergonha de Viracocha, que não tinha fé. Nenhuma mulher se lhes juntou. Durante muitos dias ficaram sozinhos no templo, perscrutando o futuro, sacrificando incenso e sangue de animais. Era assim que passavam o seu tempo desde a  madrugada ao entardecer e ainda as suas noites. Rezavam com corações exaltados, pelo perdão para o descrente filho de Sinkaia.

As orações dos sacerdotes não conseguiram comover o coração do segundo filho de Sinkaia. Embora não fosse autorizado a ocupar o cargo do príncipe, reclamou a soberania sobre o povo dos Ugha Mongulala. Revoltou-se contra o legado dos deuses e infringiu as leis deixadas pelo príncipe Lhasa. Para manter a paz no reino o Alto Conselho levou Viracocha a julgamento. Na Grande Sala do Trono os mais velhos do povo consideraram-no culpado. O seu julgamento foi a pena maior e mais dura, e foi enviado para o exílio. Viracocha, o filho do Sol, como mais tarde chamou a si próprio, foi o único descendente de Lhasa que infringiu as leis dos deuses e teve de pagar pelo seu crime com o exílio.

Esse foi o maior castigo do meu povo até a chegada dos soldados alemães, que insistiram na introdução da pena de morte. Para crimes menores, tal como a violência ou desobediência, os culpados devem justificar-se publicamente. A preguiça é considerada uma fratura das leis da comunidade e é punida com um período de serviço nas mais longínquas e perigosas fronteiras. A embriaguez é somente um crime se o acusado não cumpriu com os seus deveres por causa dela. O mais hediondo crime é o roubo, visto o meu povo possuir tudo em comum e a propriedade individual não ter significado. Tal como os adúlteros, os assassinos, os rebeldes e os ladrões são também enviados para o exílio.

Viracocha, o Degenerado, não só infringiu o legado dos deuses como também ignorou a decisão do Alto Conselho. Em vez de viver sozinho na montanha, como é prescrito pelas leis do meu povo, fugiu para a Tribo que Vive na Água. Levou a tribo para um vale nas montanha, na cordilheira dos Andes, e construiu Cuzco, a cidade dos quatro cantos do mundo, como lhe chamou. Uma nação irmã nascera, o povo dos Incas, os filhos do Sol. O seu império ergueu-se rápido e poderoso. Sob a chefia de Viracocha e dos seus descendentes, conquistaram muitos países e submeteram inúmeras tribos selvagens. Os seus guerreiros conquistaram as costas ocidentais do grande oceano e avançaram profundamente na selva de cipós do Grande Rio. Juntaram enorme fortuna na capital do império e introduziram novas leis contra o legado dos deuses.

Os Incas até desenvolveram a sua própria escrita. Consta de cordas multicoloridas atadas em nós. Cada nó e cada corda tem um significado definido. Várias cordas atadas representam uma mensagem. Deste modo desenvolveram o seu império, fundado na idolatria e na opressão, e não levou muito tempo para montarem uma campanha de destruição contra os Ugha Mongulala. Mas estava escrito que os descendentes de Viracocha rejeitariam o legado dos deuses. Quando o seu poder atingiu o máximo, cumpriu-se o predito pelos nossos sacerdotes. Eclodiu uma cruel guerra fratricida que abalou o império nas suas próprias bases. E a destruição foi completada com a chegada dos Bárbaros Brancos às costas ocidentais da grande cordilheira dos Andes.

IV – OS GUERREIROS DO LESTE – 1.421 A. C. – 1.400 D. C.

Com o colapso dos grandes e antigos impérios, no Oriente Médio, Mesopotâmia e na Ásia, a ordem no velho mundo oriental desintegrou-se em pequenos estados. Israel foi criado por Salomão {filho de Davi} em cerca de 1.000 a. C. Ao mesmo tempo, despertava na Grécia uma grande civilização e, séculos mais tarde, uma outra floresceria em Roma, à beira do rio Tibre. Presume-se que o nascimento de Jesus tenha sido em Belém em torno do ano 7 a. C. Depois da ascensão, glória e queda do Império Romano, os Ostrogodos, chefiados pelo seu rei, Teodorico, o Grande, fundaram na Itália o seu próprio império. Em 552, na batalha do monte Vesúvio, o general romano Narses derrotou inteiramente Teja, o último rei dos Bárbaros. Nada se sabe acerca dos sobreviventes desta raça.

A história dos Vikings fez-se no mesmo período. O ousado povo marinheiro de gigantes louros, fortes e sanguinários ocupou a costa oeste da França e o norte da Inglaterra e estabeleceu uma base na Groenlândia e mais tarde teriam alcançado às costas do Canadá. Através da foz de grandes rios que desembocavam nas geladas águas do mar do norte, especialmente o rio Volga, eles penetravam continente adentro, entre os séculos VIII e X sendo que os povos da tribo viking dos Rus vieram a ser os ancestrais dos povos da atual Rússia. De acordo com informações não confirmadas, os vikings até mesmo teriam alcançado a costa leste da América do Norte, no que hoje seria o Canadá em torno do século X.

A Idade Média européia inicia-se no ano de 900 d.C. Nesta época começavam na América Central as histórias dos Astecas, dos Maias e dos Incas. As tribos dos Astecas e dos Incas, com a sua estrutura de classes, desenvolveram uma pura civilização neolítica exemplificada pelos hieróglifos e pelo sofisticado calendário maia. No entanto, a mais forte  característica dos povos Incas foi a expansão do seu império, que alcançou o apogeu no princípio do século XV, sob a chefia de Huayana Capac, um pouco antes da chegada dos conquistadores espanhóis chefiados pelo sanguinário Francisco Pizarro.

A CHEGADA DOS GUERREIROS ESTRANGEIROS

Os Bárbaros Brancos são cruéis. Incendeiam florestas, e quando estas ardem pode-se ver os animais cercados pelo fogo, que correm tentando escapar às chamas, mas que, no entanto morrem queimados. A mesma coisa também acontece a nós. Desde que os Bárbaros Brancos vieram para o nosso país, tem havido uma guerra contínua. Mas os Ugha Mongulala nunca foram os primeiros a disparar a seta. Os Bárbaros Brancos enviaram os primeiros guerreiros, depois vieram a segunda, e a terceira leva de bárbaros. Só então mandamos o nosso batedor com a Seta Dourada. Mas os nossos sacrifícios foram em vão.

Os Bárbaros Brancos penetraram mais ainda no nosso terreno, ocupando a região e devastando tudo como um tornado. Dominaram as Tribos Aliadas e obrigaram-nas a seguir os seus costumes, que eram ditados por espíritos  mesquinhos. Mas o homem nascera livre nas montanhas, na planície e no Grande Rio, onde o vento sopra liberto e nada escurece a luz do Sol durante o dia, onde pode viver em liberdade e respirar livremente, mesmo durante as batalhas, e o caos pode vir, tal como está escrito na Crônica de Akakor:

A discórdia e a inveja surgiram de toda a parte. E os homens discutiam acerca de suas irmãs e pela sua presa. Os festivais da comunidade degeneraram em ébrias orgias. Os Servos Escolhidos revoltaram-se uns contra os outros e atiraram uns aos outros ossos e crânios dos seus mortos. As Tribos Aliadas abandonaram as tradicionais pousadas e seguiram novos caminhos, onde se instalaram. Contra a vontade do Alto Conselho de Akakor, edificaram numerosas cidades. Cada um dos seus novos chefes comandava o seu próprio exército.

Tiahuanaco, Puma Punku e suas pedras espalhadas

No meio do décimo primeiro milênio, o império dos Ugha Mongulala ultrapassara o seu zênite. O exemplar reino de Lhasa tremeu com a revolta das Tribos Aliadas. Grandes exércitos de tribos selvagens dominaram as fortalezas da fronteira no hoje Mato Grosso e na Bolívia. Em Akakor aumentava a tensão entre o Alto Conselho e os sacerdotes. A falsa fé e a idolatria ameaçavam o legado dos Primitivos Mestres. Só a tripla divisão do poder introduzida por Lhasa evitou o colapso do total do império. O povo dos Ugha Mongulala beneficiou-se com a sua ordem e as suas leis, mas não conseguiu evitar uma lenta desagregação do próprio império, que foi mais tarde acelerada pelos acontecimentos da fronteira ocidental (Cordilheira dos Andes).

Aí os Incas haviam travado ferozes batalhas e subjugado muitas tribos. Conquistaram as estradas de acesso aos estreitos do norte e avançaram pelas encostas orientais dos Andes para destruir a cidade-templo de Tiahuanaco. Pela primeira vez desde o regresso dos deuses, hordas hostis e selvagens penetraram até às muralhas de Akakor. Mas então aconteceu o que na nossa crônica é descrito com as seguintes palavras:

Agora falamos dos guerreiros do Leste. E falaremos também da chegada dos Bárbaros. Era assim que se chamavam a eles próprios. E aqui está a sua história. Já tinham decorrido trezentas e sessenta e quatro gerações desde a partida dos deuses, desde o começo da luz, da vida e da tribo. Já cento e quatro príncipes tinham sucedido a Lhasa, o filho dos deuses. Os corações dos Servos Escolhidos estavam tristes. O clã de Viracocha seguira para Cuzco. Aí construiu as suas cabanas. Aí erigiu templos aos seus deuses e pregou o ódio e a guerra. Esse era o seu alimento diário desde a madrugada ao entardecer e durante a noite. Então, uma estranha mensagem chegou a Akakor. Guerreiros estrangeiros subiam o Grande Rio – homens valentes, tão fortes como o gato-selvagem e tão corajosos como o jaguar. As mulheres e os filhos acompanhavam-nos. Iam em busca dos seus deuses. E assim os Bárbaros alcançaram o império das Tribos Escolhidas.

 

A chegada de guerreiros estrangeiros que a si próprios se chamavam Bárbaros é um dos grandes e antigos mistérios da história do meu povo. Os Ugha Mongulala tinham provavelmente sido informados, desde o tempo de Lhasa, da existência de um grande império para além do oceano que ficava a leste, e que fora governado por Samon  {Salomão?}. Mas desde a destruição da cidade de Ophir, no sétimo milênio, a ligação do comércio com o império de Samon tinha sido cortada. Até a chegada dos Bárbaros, os sacerdotes acreditavam que o império de Samon tinha desaparecido. Os guerreiros estrangeiros vindos do leste trouxeram uma mensagem inteiramente diferente. Havia muitas tribos e nações poderosas para além do oceano {Atlântico} oriental. De acordo com a história dos Bárbaros, eles também descendiam de seres divinos. Uma velha família principesca viera dos céus e tinha-lhes ensinado tudo acerca da vida e da morte. Muitos milhares de anos mais tarde, os Bárbaros foram obrigados pela fome e pelas tribos inimigas a vaguear em terra alheia. E aqui se cumpriu o seu destino.


Sobre a referência ao perdido reino de OPHIR, com o qual o rei de Israel, Salomão, em conjunto com Hiram, rei de Tiro, teriam enviado três expedições, há cerca de 3 mil anos atrás, para coleta de material para a construção do primeiro Templo de Jerusalém, saiba mais nos links à seguir:


Nota de Thoth: Referências bíblicas sobre o reino de Ophir e suas riquezas em MADEIRA, PEDRAS PRECIOSAS E OURO:

“Também as navios de Hirão, que de Ofir levavam ouro, traziam de Ofir muita madeira de almugue, e pedras preciosas”. 1 Reis 10:11

“E também os servos de Hirão e os servos de Salomão, que de Ofir tinham trazido ouro, trouxeram madeira de algumins, e pedras preciosas”. 2 Crônicas 9:10

“E fez Jeosafá navios de Társis, para irem a Ofir por causa do ouro; porém não foram, porque os navios se quebraram em Eziom-Geber”. 1 Reis 22:49

“E enviou-lhe Hirão, por meio de seus servos, navios, e servos práticos do mar, e foram com os servos de Salomão a Ofir, e tomaram de lá quatrocentos e cinqüenta talentos* de ouro; e os trouxeram ao rei Salomão”. 2 Crônicas 8:18

“E mandou Hirão com aquelas naus a seus servos, marinheiros, que sabiam (os caminhos) do mar, com os servos de Salomão”. 1 Reis 9:27

  • Um Talento pesava 34,2 kg nos tempos do rei Salomão. Assim sendo, foi extraído cerca de 15.390 quilos de OURO do reino de Ophir, equivalentes em reais, pela cotação atual do ouro de R$ 152,08 a GRAMA (cotação do dia 16/01/2019) o valor de R$ 2.340.511.200,00 !!!. Parece que nosso país vem sendo explorado há muito mais tempo do que imaginávamos…!!!

Este é o nome do príncipe dos Bárbaros. Eles chamaram-lhe o Caçador Selvagem {alusão à constelação de Órion, o Caçador}. Tinha grande sabedoria e muito espírito. Era um profeta de boa vontade e realizara feitos heróicos. Salvou-os da destruição. Porque os valentes guerreiros foram batidos; pareciam condenados à perdição na montanha que vomitava fogo. Concluiu uma aliança com os ousados marinheiros do Norte. E o seu povo continuou em busca dos Deuses. Os Bárbaros procuravam pelos quatro cantos do mundo, no Extremo Azul do Mundo e no Extremo Vermelho do Mundo. Cruzaram a infinidade dos oceanos. E depois de trinta luas fundaram uma nova pátria, e o país dos Servos Escolhidos.

A ALIANÇA ENTRE DUAS NAÇÕES

A chegada dos Bárbaros no ano de 11.051 (570 d.C.) teve um decisivo significado para os Ugha Mongulala. Akakor conseguiu o apoio de um grupo de experimentados guerreiros, infinitamente superior ao das tribos rebeldes. Durante séculos, o Alto Conselho e os sacerdotes estavam afastados da luta pelo poder. O Povo Escolhido ganhara a sua confiança no legado deixado pelos Antigos Pais. Uma vez mais, a profecia dos deuses provava ser verdadeira. Na hora da direta necessidade eles enviaram auxílio, como está escrito na Crônica de Akakor:

Assim, os Bárbaros alcançaram o império das Tribos Escolhidas. E assim se estabeleceram em Akakor. Agora existiam dois clãs, mas um só espírito. Não era nem de discórdia nem de combate. A paz reinava entre eles. Não havia nem violência nem disputa. Os seus corações estavam tranqüilos. Não conheciam nem ciúme nem inveja.

A aliança entre os Bárbaros e os povos Ugha Mongulala foi selada pela troca de dádivas. O Alto Conselho concedeu habitações e terra fértil aos Bárbaros recém-chegados. Em troca os Bárbaros presentearam o meu povo com novas sementes e uma espécie de enxadas puxadas por animais. Ensinaram-lhes outras formas de cultivar o solo e mostraram aos artífices como construir melhores teares. Mas a sua melhor dádiva foi o segredo de produzir um duro metal negro que era desconhecido do meu povo e a que os Bárbaros Brancos chamavam ferro. Até a chegada dos Bárbaros nós só tínhamos trabalhado ouro, prata e bronze. O ouro e a prata vinham da região da destruída cidade-templo de Tiahuanaco.

Operários escolhidos arrastavam redes pelo leito dos rios em que encontravam as pedras onde havia ouro e prata. Os
sacerdotes conseguiam fabricar o bronze em grandes queimadores de carvão voltados para leste. Mas o seu calor não era suficiente para fundir o castanho minério do ferro. Ora os Bárbaros construíram fornalhas de pedra. Buracos abertos a distâncias regulares asseguravam a ventilação e o aumento de calor. Guiados pelos novos aliados, os operários começaram a fazer grandes facas e aguçadas pontas de lança, que eram superiores às das outras tribos. Fizeram peças de vestuário trabalhadas com ferro para os dirigentes e para os Chefes de Dez Mil Homens. Durante mil anos os nossos chefes foram para a guerra com essas armas. Depois vieram os Bárbaros Brancos com as armas de fogo, contra as quais não tínhamos nenhuma proteção.

A armadura de ferro, as velas negras e as coloridas cabeças de dragão dos navios dos Bárbaros foram guardadas até agora no Grande Templo do Sol. Segundo o desenho dos nossos sacerdotes, os navios podiam transportar sessenta homens e eram movidos por meio de uma vela de fino tecido que estava ligada a um elevado mastro. Mais de mil guerreiros alcançaram Akakor transportados em quarenta navios. Restabeleceram o desintegrado império e tornaram-no novamente forte e poderoso, tal como está narrado na crônica, com boas palavras e numa escrita clara:

Assim, a grandeza e o poder dos Servos Escolhidos aumentou. A fama dos seus filhos e a glória dos seus guerreiros cresceu. Aliados aos guerreiros do ferro, derrotaram os seus inimigos. Construíram um poderoso império. Governaram em muitas terras. O seu poder alcançou os quatro cantos do mundo.

A CAMPANHA DO NORTE

Apesar da sua derrota na montanha que vomitava fogo, os Bárbaros continuaram a ser uma nação de bravos guerreiros. Pouco depois da sua chegada começaram a defender os Ugha Mongulala na sua luta contra as tribos rebeldes. Com as novas armas de ferro fizeram recuar a Tribo das Grandes Vozes para a estéril região de lianas na parte baixa do rio Vermelho. Dominaram a Tribo da Glória Crescente e a Tribo onde Cai a Chuva, que tinha cessado de pagar tributo, e destruíram inúmeras tribos selvagens. No princípio do sétimo século, no cálculo dos Bárbaros Brancos, os guerreiros Ugha Mongulala mais uma vez avançaram até ao coração da grande floresta no sul do império e até à parte baixa do Grande Rio. O velho império de Lhasa parecia ressurgir das cinzas do passado como uma fênix.

Monte Roraima UM LOCAL SAGRADO E CHEIO DE MISTÉRIOS NO NORTE DO BRASIL

Assim principiou a Grande Guerra. Os exércitos dos Servos Escolhidos avançaram. Atacaram a Tribo das Grandes Vozes. Esmagaram a sua arrogância. Os arqueiros e fundeiros subiram as paliçadas. Arrombaram as portas das povoações do inimigo. Mataram mais adversários do que os que se podiam contar, e um grande saque caiu-lhes nas mãos. Eis a lista de alguns itens: flautas de osso e chavelhos de concha, preciosos enfeites de penas dos Grandes Pássaros da Floresta, peles de jaguar e escravos. Capturaram tudo.

As Tribos Escolhidas ganharam uma força que não possuíam já há muitos milhares de anos. Segundo A Crônica de Akakor, os exércitos aliados dos Ugha Mongulala e os Bárbaros combateram nos quatro cantos do império e obrigaram as Tribos Degeneradas a pôr-se em fuga. Era a época do castigo e da retribuição da sua traição ao legado dos Primitivos Mestres. Só na fronteira oeste de Akakor se puseram à defesa. Fiel à ordem dos Antigos Pais de nunca combater contra os seus próprios irmãos, o Alto Conselho limitou-se a mandar erigir um alto paredão contra os Incas. Durante treze anos, trinta mil aliados trabalharam na larga muralha de pedra, com os seus suportes e defesas. Torres de vigia quadradas, feitas de gigantescos silhares, foram colocadas a seis horas de distância, a passo.

Eram armazéns de armas e mantimentos e também casernas. Estradas pavimentadas ligavam as fortalezas com Akakor. Uma grande campanha para o norte foi o maior feito militar no décimo primeiro milênio. Quando da sua chegada, os Bárbaros tinham-se referido a um povo de pele castanha que usava penas. Viviam para além dos estreitos do Norte e haviam comerciado com os seus antepassados. Desde essa época os sacerdotes começaram a descobrir no céu sinais luminosos e o Alto Conselho receava um iminente ataque de nações desconhecidas. O
Conselho decidiu organizar um grande exército e enviá-lo para a fronteira mais setentrional. Deste modo, cerca de um milhão de guerreiros Ugha Mongulala e das Tribos Aliadas partiram no ano 11.126 (645 d. C.), tal como está escrito na crônica:

E o príncipe assim falou à assembléia reunida: “Partam para esse país. Nada receiem. Se houver inimigos, combatam -nos, matem-nos. E mantenham-nos informados para vos podermos ajudar”. Estas foram as suas palavras. E a força gigantesca partiu. E todos marcharam: batedores, arqueiros, fundeiros e lanceiros. Passaram para além das colinas. E também ocuparam as praias dos oceanos. E, por ordem do príncipe,  continuaram a avançar. Marcharam para o norte e construíram poderosas cidades para mostrar a força das Tribos Escolhidas.

A maior campanha da história das Tribos Escolhidas terminou sem qualquer resultado concreto. Poucas luas depois da partida do imenso exército, as comunicações foram subitamente cortadas. As últimas informações a chegar a Akakor referiam-se a uma tremenda catástrofe. O país para além das fronteiras era agora um mar de chamas. Os guerreiros sobreviventes fugiram para o norte e juntaram-se a um povo estranho. Só mil anos mais tarde, quando os Bárbaros Brancos avançaram no Peru, os receios do Alto Conselho foram confirmados: estranhos guerreiros vieram do norte e destruíram o império Inca. E com a chegada o poderoso e tranqüilo império dos Ugha Mongulala e dos Bárbaros desapareceu também.

UM MILÊNIO DE PAZ

O império tranqüilo durou mil anos, desde 11.051 a 12.012 (570 – 1531 d. C.). Neste período, só duas tribos tinham força e prestígio: os Ugha Mongulala, a nação das Tribos Escolhidas e os Incas, os filhos do Sol. Haviam divido o país entre eles e viviam em paz. Os descendentes de Viracocha, o Degenerado imperador Inca, governaram um enorme império desde Cuzco. Em Akakor, o legítimo sucessor dos nossos Antigos Pais governava de acordo com o legado dos deuses.

Os Servos Escolhidos conheceram a felicidade. Viveram em paz. Na verdade, o seu império era grande. Ninguém os podia prejudicar. Ninguém os podia derrotar; a sua força crescia constantemente. Tudo começou com a chegada dos Bárbaros. Tanto as maiores como as mais pequenas tribos ficaram transidas de medo; receavam os guerreiros de ferro. Dispunham-se a servir as Tribos Escolhidas e trouxeram muitas dádivas. Mas os sacerdotes voltaram a face para o céu. Deram graças pelos seus fortes aliados. Sacrificaram incenso e mel das abelhas. E rezaram assim aos Deuses:

“Dai-nos filhas e filhos. Protegei o nosso povo do mal e do pecado. Protegei-o da lascívia; não os deixei tropeçar quando sobe e quando desce. Defendei-nos os caminhos e as estradas. Que nenhuma infelicidade e nenhum mal aconteçam a esta aliança. Preservai a unidade nos quatro cantos e nos quatro lados da Terra, para que a paz e a felicidade possam governar no império das Tribos Escolhidas”.

E os Deuses prestaram atenção às orações dos sacerdotes e abençoaram a união entre a nação dos Bárbaros e dos Ugha Mongulala. Os guerreiros estrangeiros que haviam cruzado o oceano nos seus navios com dragões de boa vontade se submeteram ao legado dos deuses. Aprenderam a nossa língua e a nossa escrita, e dentro em pouco fundiram-se na nossa nação. Os seus chefes ocuparam importantes cargos na administração do império. Os seus generais tornaram-se o terror das tribos inimigas. Os seus sacerdotes chegaram mesmo a renunciar ao seu falso credo, que tinham trazido escrito num grande e pesado livro encadernado em ferro.

Este livro, a que os soldados alemães depois chamavam “Bíblia”, está escrito com sinais ininteligíveis para o meu povo. Contem gravuras da vida dos Bárbaros no seu próprio país e também fala num poderoso deus, que veio à Terra em sinal-da-cruz para libertar os homens do obscurantismo. Mil anos mais tarde os Bárbaros {espanhois} traçaram a sua origem divina com o mesmo sinal.

Um OVNI sobrevoando o Monte Roraima e liberando uma sonda:

Em seu nome e em sua honra destruíram o império dos Incas e provocaram a morte de milhões de pessoas. Mas até a sua chegada, que está descrita na terceira parte da Crônica de Akakor, os Ugha Mongulala e os Bárbaros conviveram tranqüilamente unidos, de acordo com o legado dos Antigos Pais. Faziam os sacrifícios prescritos, honravam os deuses e recordavam o muito distante período em que na Terra não havia nem homens nem o Grande Rio, como está escrito na crônica:

“Foi há muitos, muitos anos, quando o Sol e a Lua se queriam casar. Mas ninguém podia uní-los. Porque o amor do Sol era feito de fogo e poderia incendiar a Terra. E as lágrimas da Lua eram muitas, tantas que teriam inundado a Terra. Assim, ninguém os uniu e os Sol e a Lua separaram-se. O Sol seguiu um caminho e a Lua seguiu outro. Mas a Lua chorou durante todo o dia e toda a noite. E as lágrimas do seu amor inundaram a Terra e aumentaram o mar. E o mar zangou-se e as suas águas, que cresceram durante seis luas e desceram durante outras seis luas, repeliram as lágrimas. Assim, a Lua deixou-as cair na Terra e com elas criou o Grande Rio”. 

{Continua…}


Mais informações, leitura adicional:

Permitida a reprodução desde que mantida na formatação original e mencione as fontes.

phi-cosmoswww.thoth3126.com.br

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.