browser icon
Você está usando uma versão insegura do seu navegador web. Por favor atualize seu navegado!
Usando um navegador desatualizado torna seu computador inseguro. Para mais segurança, velocidade, uma experiência mais agradável, atualize o seu navegador hoje ou tente um novo navegador.

A Crônica de Akakor – O Livro da Serpente da Água (7)

Posted by on 07/03/2019

O mistério de uma antiga civilização subterrânea perdida da Amazônia que não existe “oficialmente” … que muitos exploradores MORRERAM tentando encontrar. Se a história da busca pela cidade perdida de Akakor e sua tribo Ugha Mongulala soa como o roteiro de ficção de um filme de Indiana Jones, é justamente porque ela foi usada como base para o quarto e último filme da série, “Indiana Jones and the Kingdom of the Crystal Skull” (O Reino da Caveira de Cristal). É uma história  envolta em muitos mistérios. Ela é contada em um polêmico livro, “A Crônica de Akakor”, que passamos a publicar em capítulos …

Edição e imagens:  Thoth3126@protonmail.ch

A CRÔNICA DE AKAKOR – O LIVRO DA ÁGUIA (2)

Livro: “A CRÔNICA de AKAKOR” (Die Chronik von Akakor – 1978), por Karl Brugger, prefácio de Erich Von Daniken, tradução de Bertha Mendes.

Fonte:  https://www.bibliotecapleyades.net/arqueologia/akakor


Capítulos anteriores:


O LIVRO DA SERPENTE DA ÁGUA

“Esta é a serpente da água; É poderosa. Em silêncio, ela desliza pelo rio Grande em busca de seu inimigo. Com poder luta contra as inúmeras mãos de seus caçadores. Rasga seus laços. Porque ela é livre e invencível em seu território”.

III – TATUNCA NARA – 1968 – 1970

O desenvolvimento dos grandes depósitos de petróleo existentes nas regiões de selva do Peru precedeu a terceira fase da exploração econômica da Amazônia pela civilização do homem branco. O Peru iniciou a colonização do antigo território virgem da província de Madre de Dios e o Brasil, por sua vez, decidiu construir a Transamazônica.

Esse processo acelerou ainda mais a extinção das tribos indígenas, a destruição das florestas e dos animais que sucumbiram às doenças dos colonos brancos e perderam seus últimos territórios. Quinhentos anos após a {re} descoberta das Américas, os oito milhões de pessoas que uma vez povoaram as florestas foram reduzidas a apenas 150.000 sobreviventes.

O plano dos senhores da guerra

Quando meu pai ainda estava vivo, um dia ele me ensinou a existência das terras no Oriente e no Ocidente, e eu não via outras pessoas além dos Ugha Mongulala e suas Tribos Aliadas. Depois de muitos anos, olhei de novo e observei que povos estrangeiros haviam chegado para privar seus donos legítimos de suas terras. Por quê? Por que os Ugha Mongulala têm que deixar seu país e vagar pelas montanhas, rios e florestas desejando que os céus os esmagassem?

Ao mesmo tempo, os Ugha Mongulala eram um grande povo. Poucos sobrevivem e não têm nada a não ser um pequeno pedaço de terra nas montanhas. E eles ainda têm a Crônica de Akakor, a história registrada do meu povo, o povo mais velho da Terra. Até o presente, a crônica não era conhecida pelos brancos bárbaros. Hoje eu estou revelando isso para espalhar a verdade, porque este é meu dever como líder das Tribos Aliadas e como príncipe do Povo Escolhido.

Dois anos se passaram desde a morte de Sinkaia, o incomparável príncipe. E os Servos Escolhidos se encontraram, junto com os soldados alemães e as Tribos Aliadas. Todas as classes e raças se reuniram para realizar o conselho e buscar maneiras de salvar o povo. E mesmo aqueles que não tinham casas e caminhavam sozinhos pela floresta, chegaram até Akakor. Porque sua necessidade era grande. O sol brilhava mais fracamente. O céu estava coberto de nuvens. As pessoas viviam na pobreza, percorriam as florestas, fugindo de seus inimigos. Eles levantaram o rosto para o céu e imploraram aos deuses. Eles pediram sua ajuda na luta contra os Bárbaros Brancos.

Poucos meses depois de eu ter assumido o poder em Akakor no ano 12.449 (1.968), a luta na fronteira ocidental foi reacendida com força renovada. Nossos inimigos atacaram a Tribo Aliada dos Corações Negros e levaram seu líder como prisioneiro. Eles acreditavam que eles poderiam desencorajar seus guerreiros e forçá-los a renunciar à aliança com Akakor. Mas mais uma vez. os Bárbaros Brancos estavam errados. Apesar de suas torturas cruéis, eles não podiam subjugar os guerreiros do último e ainda leais aliados. Onde um Ugha Mongulala caiu prisioneiro, ele seguiu o governo dos senhores da guerra; ele então confiou sua vida aos deuses e morreu.

Para impedir a descoberta de Akakor por aviões. Dei ordens para camuflar todos os templos, palácios e casas de bambu e com videiras. Eu ordenei a destruição das torres de vigia do lado de fora de Akakor e substituí-las por armadilhas. Depois de algumas luas, a capital estava tão coberta por florestas que até as Tribos Aliadas tinham dificuldade em localizá-la. O acesso a Akakor foi assim completamente fechado para caçadores e buscadores brancos. Em seus ataques, eles não se opõem mais do que ruínas abandonadas. Eles suspeitariam que era o trabalho de espíritos malignos e se retirariam para trás da fronteira na Grande Cachoeira.

Mas os “maus espíritos” não habitaram as florestas: eles viviam em Akakor. Os senhores da guerra e os líderes dos soldados alemães observavam com medo o poder crescente dos Bárbaros Brancos e planejavam uma campanha contra Cuzco, dentro do território inimigo. Eles já haviam iniciado os preparativos necessários. As tribos aliadas estavam igualmente preparadas. Era necessário apenas receber a aprovação do príncipe, conforme prescrito pelo legado dos deuses. Apesar da insistência dos soldados alemães e dos senhores da guerra, rejeitei o plano de guerra. Minha experiência em Manaus me convencera da futilidade de tal empresa.

Nossos inimigos eram numerosos demais. Meu povo não estava preparado para o engano e astúcia deles. Além disso, eu temia que a luta continuasse. O segredo de Akakor estava em perigo. Então eu mandei os guerreiros e líderes de soldados alemães impacientes às fronteiras perigosas e tentamos estabelecer um contato mais próximo com os sacerdotes e para fortalecer minha posição como príncipe. Nem acreditavam no sucesso de uma guerra formal e aconselhavam uma lenta retirada para as residências subterrâneas dos deuses. Mas eu ainda não perdi toda a esperança. Como todas as minhas ações militares foram coroadas de sucesso, eu tentaria agora alcançar a paz.

O Sumo Sacerdote dos Bárbaros Brancos

Isso está escrito na Crônica de Akakor:

“Grande foi a miséria dos Servos Escolhidos. O sol queimou a terra; nos campos, os frutos secaram. Uma terrível seca se espalhou. Pessoas morriam famintas nas montanhas e nos vales, nas planícies e nas florestas. Nisto parecia consistir o destino dos Servos Escolhidos: em ser extinto, em ser varrido da face da terra. Esta parecia ser a vontade dos deuses, que não se lembravam mais de seus irmãos do mesmo sangue e do mesmo pai”.

O ano 12.450 (1.969) viu o começo de uma terrível seca. A estação chuvosa foi atrasada por várias luas. Os cervos se retiraram para as regiões do nascimento dos rios. Nos campos as sementes foram secas. Para salvar meu povo da morte por inanição, tomei uma decisão desesperada. De acordo com os sacerdotes, mas sem o conhecimento nem do conselho supremo nem dos senhores da guerra, saí para me colocar em contato com os Bárbaros Brancos.

Vestido com as roupas dos soldados alemães, deixei Akakor e depois de uma jornada laboriosa, cheguei a Rio Branco, capital do Acre. uma de suas grandes cidades, localizada na fronteira entre o Brasil e a Bolívia. Aqui fui ao sumo sacerdote dos Bárbaros Brancos, que conheci através dos doze oficiais brancos. Revelei o segredo de Akakor e contei sobre a situação miserável do meu povo. Como prova da minha história, entreguei-lhe dois documentos dos deuses, e estes definitivamente convenceram o sumo sacerdote branco de que falava a verdade. Ele concordou com o meu pedido e voltou comigo para Akakor.

A chegada a Akakor do sumo sacerdote branco provocou discussões violentas com o conselho supremo. Os anciãos e os senhores da guerra rejeitaram todo o contato com ele. Para evitar qualquer possível traição, eles até exigiram seu cativeiro. Apenas os sacerdotes estavam preparados para discutir uma paz justa. Após discussões intermináveis, o conselho supremo concedeu ao sumo sacerdote branco um período de seis meses, durante o qual expôs ao seu próprio povo a terrível situação dos Ugha Mongulala. Para que ele pudesse reforçar sua história, vários escritos dos Pais Antigos foram entregues a ele. Se ele não pudesse convencer os Bárbaros Brancos, ele tinha a obrigação de devolver os documentos a Akakor.

Durante seis meses, nossos exploradores esperaram no local acordado para a reunião na área superior do rio Vermelho. O sumo sacerdote branco não retornou. (Algum tempo mais tarde eu iria descobrir que tinha morrido em um acidente de avião. Documentos de qualquer forma, tinha enviado para uma cidade distante chamada Roma. Isto é o que, em qualquer caso, eles disseram que seus servidores fizeram.) Uma vez que o prazo acordado tinha expirado, convoquei o conselho supremo para discutir o destino do meu povo. Os anciãos e os sacerdotes ficaram chateados e exigiram guerra. E mais uma vez eu recusei. Rejeitei sua decisão graças ao meu direito a três vetos como Príncipe dos Ugha Mongulala. O que o sumo sacerdote branco não havia conseguido, eu tentaria alcançar por mim mesmo.

Esta é a despedida de Tatunca , o legítimo príncipe das Tribos Escolhidas. Ele era forte, ele deixou sua aldeia. Como a grande serpente da água, ele silenciosamente se aproximou do inimigo. Ele saiu sozinho, protegido pelas orações dos sacerdotes no Grande Templo do Sol:

“Oh, deuses! Defenda-o contra seus inimigos neste tempo de escuridão, nesta noite de más sombras. Espero que ele não desmaie. Espero que ele supere o ódio dos Bárbaros Brancos e supere sua falsidade e sua astúcia. Porque o povo escolhido quer a paz”.

E Tatunca começou sua difícil jornada. Acompanhado pelo olhar dos deuses, desceu aos desfiladeiros, atravessou o rio veloz e não tropeçou. Ele chegou à outra margem. Ele continuou até chegar ao lugar onde os Bárbaros Brancos construíram suas casas feitas de argamassa e pedras.

Tatunca Nara no país dos Brancos Bárbaros

No ano 12.451 (1970), passei oito luas no território do nosso pior inimigo. Eu nunca vou esquecer disso. Foi a experiência mais amarga da minha vida e me mostrou claramente quão diferentes são os corações dos dois povos. Para Bárbaros Brancos apenas poder, ganância, avareza e violência contam. Seus pensamentos são tão intrincados quanto os arbustos dos Grandes Pântanos, onde nada verde e fértil pode crescer. Mas os Ugha Mongulala vivem de acordo com o legado dos deuses. E atribuíam a cada tribo e a cada aldeia um lugar adequado e uma terra e água suficiente para sua sobrevivência. Eles trouxeram luz à humanidade para sua iluminação e para espalhar sua sabedoria e conhecimento.

A compreensão da inflexibilidade dos brancos bárbaros era a mais difícil de suportar, dado que meus primeiros contatos pareciam ter sido bem-sucedidos. Os oficiais do exército que eu havia resgatado intercederam por mim e fui apresentado a um funcionário brasileiro de alto escalão. Eu contei a ele sobre a miséria do meu povo e pedi-lhe ajuda. O líder branco me ouviu cheio de surpresa e prometeu transmitir meu relatório. Enquanto isso, ele me mandou para Manaus, onde eu teria que esperar pela decisão do Conselho Supremo do Brasil.

Durante três meses eu vivi em um acampamento de soldados dos Bárbaros Brancos. Eles eram homens bem treinados que conheciam a vida nos rios e na imensidão das lianas das florestas. Eles fizeram regularmente campanha penetrando para os territórios mais remotos do império de Akakor. Para eles, eu sabia e por minha infelicidade que os Bárbaros Brancos estavam lutando em praticamente todas as fronteiras existentes. No Mato Grosso eles lutaram contra a tribo dos caminhantes. Nas regiões do nascimento do Grande Rio, eles estavam incendiando os assentamentos da Tribo dos Espíritos Malignos. Na terra dos Akahim eles atacaram as tribos selvagens e as empurraram para as montanhas.

Ainda não havia esquecido as terríveis descrições dos soldados brancos quando fui chamado à capital do Brasil. Aqui, mais uma vez expus o desespero e a miséria do meu povo. Revelei a história dos Ugha Mongulala aos líderes supremos dos brancos bárbaros. Meus ouvintes ficaram surpresos. Eles checariam meu relatório e também me colocariam em contato com um representante alemão. Ele me recebeu com gentileza e me escutou com atenção. Mas então ele disse que não podia acreditar na minha história porque nunca houve uma invasão de 2.000 soldados alemães no Brasil. Nem mesmo os nomes que mencionei puderam convencê-lo. Impaciente, ele sugeriu que eu colocasse o destino do meu povo nas mãos dos Bárbaros Brancos.

Apenas dois anos se passaram desde essa conversa. Somente na fronteira entre a Bolívia e o Brasil, sete Tribos Aliadas foram exterminadas pelos Bárbaros Brancos, entre eles os orgulhosos guerreiros dos Corações Negros e da Grande Voz. Quatro tribos selvagens fugiram para a região da nascente do rio Vermelho para escapar à extinção. A terceira parte do meu povo foi vítima dos brancos bárbaros. É isso que o representante alemão quis dizer quando me aconselhou a colocar o destino do meu povo nas mãos dos Bárbaros Brancos?

É assim que os Bárbaros Brancos são. Seus corações estão cheios de ódio. Cruel são seus atos. Eles não mostram compreensão. Eles têm um rosto invejoso e dois corações, um branco e um preto ao mesmo tempo. Eles cobiçam riqueza e poder. Eles planejam o mal contra as Tribos Escolhidas, que não as prejudicaram. Mas os deuses são justos e punirão aqueles que violarem seu legado. Os Bárbaros Brancos pagarão caro por seus crimes. Eles expiarão seus pecados. Porque o círculo está se fechando. Sinais sinistros são mostrados no céu. A terceira Grande Catástrofe, que irá destruí-los enquanto a água destrói o fogo e a luz destrói as trevas, não está muito longe.

Sete luas já haviam passado comigo ainda no território dos brancos bárbaros. Então um de seus líderes me disse que me acompanharia até a Grande Cachoeira, vinte horas a caminho de Akakor. Aqui eu queria estabelecer o primeiro contato com meu povo; e, durante um ano mais tarde, seria planejada uma expedição de um grupo maior de soldados brancos para a capital dos Ugha Mongulala . Isso me daria tempo para preparar o meu povo para a sua chegada. Eu me senti feliz; minha missão parecia cumprida. Mas mais uma vez os Bárbaros Brancos mostraram seus corações malignos.

Eles quebraram o acordo que me sugeriram e me prenderam em Rio Branco. Eles amarraram o príncipe das Tribos Escolhidas, o supremo servo dos deuses, como um animal selvagem e o mantiveram cativo em uma grande casa de pedra. Tenho que agradecer aos deuses porque consegui escapar. Eles me deram a força para me livrar dos meus laços. Eu bati nos meus guardiões e fugi. Oito luas depois da minha partida voltei a Akakor de mãos vazias, desapontado pelas mentiras dos brancos bárbaros.

E os sacerdotes se encontraram. Durante treze dias eles jejuaram no Grande Templo do Sol. Eles estavam dispostos a sacrificar suas vidas, a oferecer seus corações por seus filhos, por suas esposas e por seus descendentes. Eles queriam morrer por seu povo. Este foi o preço que eles estavam dispostos a pagar. Essa era a responsabilidade que eles estavam dispostos a assumir para salvar as Tribos Escolhidas. Os Ugha Mongulala não aceitaram o sacrifício oferecido pelos sacerdotes. Por 12.000 anos eles repudiaram os sacrifícios humanos e mantiveram as leis dos Antigos Mestres, dos quais nunca deveriam se desviar.

Porque são leis eternas que determinam a vida de todas as pessoas dos Servos Escolhidos e atribuem a cada indivíduo uma função na comunidade, como está escrito na Crônica Akakor, com boas palavras, com linguagem clara:

“Aconteceu há muito tempo atrás. Uma pedra de pavimento foi colocada na estrada que levava ao Grande Templo do Sol. Ela viu passar todas as pessoas que pisaram nela quando iam fazer oferendas aos Deuses. Eu vi pessoas que vieram dos quatro cantos do universo passarem. E para a pedra do pavimento veio um desejo veemente. E quando o Sumo Sacerdote pisou em cima dela, ele pediu pernas. O Sumo Sacerdote ficou muito surpreso”.

“Mas o homem sábio, o mágico, o senhor de todas as coisas, empurrou as pernas. Ele deu a ela quatro pernas que nunca parariam de se mover. E a pedra do pavimento foi embora. Ele vagou aqui e ali, através de montanhas e vales, através de florestas e planícies, até ver tudo e se cansar de olhar. Então ele retornou ao Grande Templo do Sol. E quando ele chegou ao seu antigo lugar, ele notou que seu local já estava ocupado. E seu coração estava triste e ela chorou lágrimas amargas. E a pedra do pavimento reconheceu a verdade: somente aquele que cumpre seus deveres com a comunidade cumpre as leis dos deuses”.

IV – O RETORNO DOS DEUSES, DE 1970 ATÉ O PRESENTE

O mundo está cheio de ceticismo, crueldade, maldades e incertezas. Mudanças estão ocorrendo em todas as esferas do conhecimento que ameaçam mudanças em todas as áreas, desde os sistemas políticos e econômicos até então válidos. Os estoques de bombas atômicas e de hidrogênio são suficientes para destruir toda a vida na Terra centenas de vezes. A crescente escassez de matérias-primas levou ao assalto final das últimas regiões inexploradas.

Na Amazônia, as estradas principais e os aeroportos lançaram as bases necessárias para a exploração das imensas riquezas naturais existentes nas regiões de florestas virgens, restringindo ainda mais o espaço vital da população nativa. De acordo com as estimativas da FUNAI , o Serviço de Proteção ao Índio do governo brasileiro, apenas cerca de 10.000 índios, indivíduos da floresta veriam nascer o ano de 1985.

A morte do sumo sacerdote

Quando um homem não tem muito a perder e todos os caminhos para o futuro parecem cegos, ele se volta para o passado. Isto é o que eu fiz ao revelar o segredo da existência da cidade mais antiga da Terra, de Akakor. Mas os Bárbaros Brancos não acreditavam em minhas palavras. Como formigas que destroem tudo, elas tiram a pequena terra que ainda resta. E desta maneira os Ugha Mongulala estão se preparando para a sua extinção. Porque o fim está próximo; o círculo está se fechando. A terceira Grande Catástrofe está se aproximando. Então os deuses retornarão, como está escrito na crônica:

“Ai de nós! O fim está próximo. Chegamos a uma situação triste. O que os senadores eleitos fizeram para cair tão baixo? Oh, que os antigos mestres retornem. “Assim falavam os homens no conselho supremo. Eles falavam com tristeza e melancolia, com suspiros e lágrimas. Porque o tempo estava se aproximando de sua conclusão. Nuvens negras cobriam o sol. Um véu ofuscou a estrela da manhã. E o Sumo Sacerdote inclinou-se diante do espelho de ouro. Foi assim que ele falou no Grande Templo do Sol:

“Quem são essas pessoas? Quem os envia? De onde vem? Verdadeiramente, nossos corações estão tristes, porque o que eles fazem é somente o mal. Seus pensamentos são cruéis. Suas existências, cheias de ameaças. Mas se eles nos forçarem a lutar, lutaremos. Creia na força da sua mão, confiando no arco e na flecha, vamos morrer como os servos dos antigos mestres, que em breve voltarão para nos vingar”.

No ano de 12.452 (1.971), algumas luas após o meu regresso a Akakor, o povo Ugha Mongulala foi visitado por mais  outro desastre: Magus, o sumo sacerdote, tinha morrido. Ele havia desmoronado após uma reunião do conselho supremo, dominado pela dor e por seu conhecimento do perigo iminente. Sua morte era como um sinal sinistro para os Ugha Mongulala, uma indicação de que o fim de nosso povo estava próximo. Assediados pelo avanço dos Bárbaros Brancos, eles perderam a coragem e a fé no legado dos Antigos Mestres.

As cerimônias de luto de Magus, o Sumo Sacerdote das Tribos Escolhidas, duraram três dias. Os sacerdotes reuniram-se no Grande Templo do Sol e prepararam o seu corpo para a jornada para a segunda vida. Envolveram-no em um tecido fino e o transferiram para a pedra de consagração em frente ao espelho de ouro, o olho dos deuses. Aos pés colocaram um pão e uma fonte de água, os sinais de vida e morte. Os anciãos ofereciam incenso, mel e frutas maduras.

Os senhores da guerra lembravam a sabedoria e as ações daquele que partia. Então os sacerdotes levaram seu corpo para a câmara de sepultamento previst na parte da frente do Grande Templo do Sol. Durante três dias, as pessoas desfilaram perante o corpo mumificado de Magus com dor e tristeza, dando seu adeus ao sumo sacerdote. Na manhã seguinte, antes que os raios do sol tocassem a terra, os sacerdotes fecharam a tumba. Magus, o sábio sumo sacerdote que havia predito todas as guerras e a quem todas as coisas haviam sido reveladas a ele, retornara para o convívio com os deuses.

Agora vamos falar sobre Magus. Sua memória durará para sempre nos corações do Povo Escolhido, porque ele só fez o que era certo e verdadeiro. Tudo o que era falso e confuso era desconhecido para o seu coração. Ele dedicou sua vida aos deuses. Ele era um mestre do conhecimento. Cada parte de seu corpo e de sua mente e coração estavam cheias de sabedoria e verdade. Ele sabia o equilíbrio de todas as coisas. Ele podia ler nos corações de todos os homens e entendia as leis da natureza. Seus atos não estavam sujeitos à influência da hora. Ele não conhecia nem ambição nem inveja. Obedecendo às leis dos deuses, ele completou o seu círculo de vida. E a eles foi oferecido na hora da morte que é irrevogável, assim como o sol ao amanhecer que determina a vida e a existência de todos os homens.

A retirada para as moradas subterrâneas de Akakor

Magus, o sumo sacerdote dos Ugha Mongulala, havia morrido. De acordo com o legado dos deuses, sua posição passou para seu primogênito. Este, como o príncipe, teve que superar um severo teste do conselho supremo e falar com os deuses. Após os treze dias de seu teste, sozinho, o primogênito de Magus, retornou ao Grande Templo do Sol. Os anciãos o confirmaram como o novo Sumo Sacerdote. As leis de Lhasa foram cumpridas. Convoquei o conselho supremo para decidir sobre o futuro das Tribos Escolhidas. A reunião foi breve. Por unanimidade, os anciãos decidiram se mudar para as residências subterrâneas dos deuses, último refugio em Akakor.

É assim que o Ugha Mongulala retornou ao mesmo lugar onde seus ancestrais já haviam sobrevivido a duas Grandes Catástrofes. Os homens lamentaram quando deixaram suas casas e cortaram todo o contato com o mundo exterior. Com sua pólvora negra, soldados alemães destruíram os templos, palácios e edifícios de Akakor. Os guerreiros incendiaram as últimas aldeias e cidades. Eles não deixaram nenhum sinal, nenhum traço que pudesse indicar o caminho para Akakor.

Eles abandonaram até mesmo as poucas bases remanescentes na região do nascimento do Grande Rio. Às tribos aliadas foram oferecidas a opção de se juntar aos Ugha Mongulala ou quebrar as relações. Das sete tribos, seis decidiram continuar em seus antigos territórios tribais. Apenas a Tribo de Comedores de Cobra acompanhou meu povo ao interior das residências subterrâneas. Eles foram recebidos com todas as honras e seu líder foi oferecido um assento no conselho supremo como um sinal de gratidão por sua lealdade aos Ugha Mongulala e ao legado dos deuses.

A retirada para os subterrâneos está completa. Os Servos Escolhidos se retiraram para as residências subterrâneas para esperar o retorno dos deuses. Então seus corações descansaram. E eles falaram aos seus filhos sobre os dias do passado e sobre a glória dos deuses, sobre os poderosos magos que criaram as montanhas e os vales, as águas e a terra. Eles falaram com eles sobre os senhores do céu que são do mesmo sangue e têm o mesmo pai.

Desde que os Servos Escolhidos se retiraram para as residências subterrâneas no ano 12.452 (1.971), apenas cerca de 5.000 guerreiros Ugha Mongulala permanecem no exterior. Eles cultivam os campos, introduzem as plantações e também informam o conselho sobre o avanço e o progresso dos Brancos Bárbaros. Mas eles foram proibidos de lutar. Quando o inimigo aparece, eles devem retirar-se para preservar o segredo das residências subterrâneas.

Descoberta de imensas cavernas na Amazônia: A Cueva de los Tayos está localizada na floresta tropical alta, a 2 km ao sul do rio Santiago e a 800 m a oeste do rio Coangos. De acordo com a última medição do GPS em 2008, sua altitude é de 539 m acima do nível do mar. Localizado a uma altitude de cerca de 800 m dentro de calcário e xisto de cama fina , a principal entrada para Cueva de Los Tayos está dentro de uma floresta tropical no fundo de um vale seco. A maior das três entradas é um poço de 65 metros de profundidade que leva a 4,6 quilômetros de passagens espaçosas e uma câmara de 90 metros por 240 metros. A caverna tem um alcance vertical de 201 metros com seu ponto mais baixo terminando em um poço .

Trinta mil pessoas vivem nos subterrâneos de Akakor, Bodo e Kish. As outras cidades estão desertas ou, como Mu, cheias de carne e material de guerra. A luz artificial ainda ilumina as treze cidades subterrâneas dos deuses. O ar respirável penetra pelas paredes. As grandes portas de pedra ainda podem ser movidas tão suavemente quanto há 10.000 anos. Após a retirada, os soldados alemães tentaram resolver o mistério do Akakor inferior. Eles mediram o túnel e fizeram mapas precisos.

A pedido de seus líderes, eu mesmo abri o espaço secreto sob o Grande Templo do Sol. Aqui os soldados alemães descobriram estranhos instrumentos e ferramentas dos deuses que se pareciam com seus próprios dispositivos. Sua impressão era de que os velhos pais haviam abandonado as residências dos deuses em um vôo apressado. Mas, de qualquer maneira, nossos aliados não puderam explicar o segredo do Akakor inferior. Porque os deuses construíram cidades de acordo com seus próprios planos, que são desconhecidos para nós. Somente quando eles voltarem, os humanos entenderão seus empregos e o por que de suas ações.

Os soldados alemães já estão resignados a permanecer conosco. Eles envelheceram ou morreram. Seus filhos pensam e se sentem como os Ugha Mongulala e vivem de acordo com o legado dos deuses. Os sacerdotes celebram os serviços de consagração no Grande Templo do Sol. As pessoas comuns fazem objetos para seu uso diário. Os oficiais do príncipe mantêm comunicações com Bodo e com Kish. Este é um tempo de aprendizado e contemplação.

Todas as pessoas vivem em suas memórias, e seus corações estão pesados ​​quando pensam nos gloriosos dias de Lhasa. Nada resta para eles agora, exceto a esperança de se proteger do ataque dos Bárbaros Brancos nas residências subterrâneas. E eles estão certos de que os deuses voltarão em breve, assim como eles prometeram em sua partida.

O retorno dos deuses

Se os Ugha Mongulala fossem um povo como outro qualquer, seu destino teria sido cumprido há muito tempo. Mas eles são os Servos Escolhidos dos deuses e confiam em seu legado milenar. Eles vivem de acordo com as leis dos antigos Pais, mesmo nos momentos em que a necessidade é mais urgente. Isso os autoriza a julgar os Bárbaros Brancos e alertar a Humanidade, como está escrito na Crônica de Akakor:

“Povos das florestas, das planícies e das montanhas, ouçam: os Bárbaros Brancos estão enlouquecendo. Eles se matam. Tudo é sangue, terror e perdição em seu caminho de destruição. A luz da Terra está perto da extinção. A escuridão cobre as estradas. Os únicos sons que são ouvidos são o piar das corujas e os gritos do grande pássaro da floresta. Temos que nos manter fortes contra eles. Quando um deles se aproximar, estenda as mãos. Rejeite-os e grite”:

“Cale a boca, você é aquele com uma voz poderosa. Suas palavras são como o estrondo do trovão, nada mais. Fiquem longe de nós, você com seus prazeres e suas ambições, sua ganância por riquezas, sua avareza para ser mais do que um próximo a você, com todas as suas ações sem sentido com o constrangimento de suas mãos, a sua curiosidade pensamento e conhecimento, que realmente não sabe nada. Nada disso precisamos. Estamos felizes com o legado dos deuses, cuja luz nos ilumina e não nos confunde, mas ilumina todas as estradas para que possamos absorver toda a sua grande sabedoria e viver como dignos seres humanos”.

Eu me lembro disso. Foi no ano 12.449 quando visitei pela primeira vez a terra dos brancos bárbaros. Uma e outra vez os soldados me fizeram as mesmas perguntas. Eles conversaram sobre a vida dos povos do Grande Rio, sobre sua suposta preguiça e seus supostos vícios. Os selvagens, eles me disseram, são congenitamente estúpidos, astutos e falsos. Eles têm pouco espírito e falta de coragem. Eles se matam pelo prazer de matar um ao outro. Era assim que os Bárbaros Brancos falavam sobre povos que já haviam escrito leis quando ainda caminhavam livres pela floresta em todas as direções, como está escrito na crônica. Mas eu aceitei a maldita conversa deles; Eu valorizei suas palavras dentro de mim como o explorador que se lembra dos passos de seus inimigos.

Mas nas oito luas que passei no país dos Bárbaros Brancos, não encontrei nada que pudesse ser útil para o meu povo. É verdade que eles também cultivaram os campos e construíram cidades, que eles traçaram estradas e inventaram instrumentos poderosos que nenhum Ugha Mongulala pode entender. Mas eles não conhecem o legado dos deuses. Com suas crenças falsas, os Bárbaros Brancos estão destruindo seu próprio mundo. Eles estão tão cegos que nem sequer reconhecem sua origem. Porque só quem conhece seu passado pode encontrar o caminho do futuro.

Os Ugha Mongulala conhecem seu passado, escrito na Crônica de Akakor. Portanto, eles também conhecem seu futuro. Segundo as profecias dos sacerdotes, após o ano 12.462 (1981) virá uma terceira Grande Catástrofe que destruirá a Terra. A catástrofe começará onde Samon {Salomão, no Oriente Médio, Israel} estabeleceu seu grande império. Neste país vai explodir uma guerra que se espalhará lentamente por toda a Terra. Os Bárbaros Brancos irão destruir uns aos outros com armas mais brilhantes que mil sóis. Apenas alguns sobreviverão às grandes tempestades de fogo, e entre eles estarão o povo dos Ugha Mongulala que se refugiaram nas residências subterrâneas. Isto é, em qualquer caso, o que os sacerdotes dizem, e eles escreveram na crônica:

“Um destino terrível aguarda a humanidade dos bárbaros brancos. Uma comoção ocorrerá e as montanhas e vales vão tremer. O sangue cairá do céu e a carne do homem se contrairá e ficará tórrida. As pessoas ficarão sem força e sem movimento. Eles vão perder o motivo para viver. Eles não poderão mais olhar para trás. Seus corpos se desintegrarão. Será assim que os Bárbaros Brancos completarão a colheita de suas más ações. A floresta estará cheia de sombras, agitadas pela dor e pelo desespero. Então os deuses retornarão, cheios de tristeza, pelas pessoas que esqueceram seu legado. E um novo mundo surgirá em que homens, animais e plantas viverão juntos em uma união sagrada. Então uma nova Era Dourada começará” .

Assim se conclui a Crônica de Akakor.

FIM


Mais informações, leitura adicional:

Permitida a reprodução desde que mantida na formatação original e mencione as fontes.

phi-cosmoswww.thoth3126.com.br

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.