Entre ou
Cadastre-se

Compartilhe
Receba nosso conteúdo

A Geopolítica da Invasão Al-Aqsa Floods do Hamas à Israel

O foco global acabou de mudar da Ucrânia para a Palestina. Esta nova arena de confronto irá desencadear ainda mais a competição entre os blocos atlantista e euroasiático. Estas lutas são cada vez mais de soma zero; tal como na Ucrânia, apenas um polo pode emergir fortalecido e vitorioso. O ataque do Hamas na Operação Al-Aqsa Flood foi meticulosamente planejada. A data de lançamento da invasão foi condicionada por dois fatores desencadeantes. 

A Geopolítica da Invasão Al-Aqsa Floods do Hamas à Israel

Fonte: The Cradle – Por Pepe Escobar

  • O primeiro fator foi o primeiro-ministro israelita, Benjamin Netanyahu, exibindo o seu mapa do “Novo Oriente Médio” na Assembleia Geral da ONU em Setembro, no qual apagou completamente a Palestina e zombou de cada resolução da ONU sobre o assunto. 
  • Em segundo lugar estão as provocações em série na mesquita sagrada de Al-Aqsa, em Jerusalém, incluindo a gota d’água que quebrou as costas do camelo: dois dias antes da invasão do Hamas, em 5 de outubro, pelo menos 800 colonos israelenses lançaram um ataque em torno da mesquita, espancando peregrinos muçulmanos, destruindo lojas de palestinos, tudo sob a observação das forças de segurança israelitas.

Qualquer pessoa com um cérebro funcional sabe que a mesquita de Al-Aqsa é uma linha vermelha definitiva, não apenas para os palestinos, mas para todo o mundo árabe e muçulmano de cerca de 1,6 bilhões de habitantes. 

Fica pior. Os israelitas invocaram agora a retórica de um “Pearl Harbor”. Isso é o mais ameaçador possível. O Pearl Harbor original foi a desculpa americana para entrar numa guerra mundial e bombardear o Japão com bombas atômicas, e este “Pearl Harbor” judeu pode ser a justificação de Tel Aviv para lançar um genocídio em Gaza, já existem políticos israelenses pedindo o uso até mesmo de armas atômicas.  

A membro do Likud do Knesset Revital israelense [deputada] ‘Tally’ Gotliv apelou às forças de ocupação para usarem uma “arma do Juízo Final” contra Gaza, no que muitos acreditam significar uma ogiva nuclear

Secções do Ocidente que aplaudem a iminente limpeza étnica em Gaza – incluindo os sionistas que se fazem passar por “analistas” e dizem em voz alta que as “transferências populacionais” que começaram em 1948 “devem ser concluídas” – acreditam que com armamento massivo e cobertura massiva dos meios de comunicação social, podem mudar as coisas, agindo rapidamente, aniquilar a resistência palestina e deixar enfraquecidos os aliados do Hamas, como o Hezbollah e o Irã. 

O seu Projeto Ucrânia fracassou, deixando não apenas ovos em rostos poderosos, mas economias europeias inteiras em ruínas.

No entanto, quando uma porta se fecha, outra se abre: salte da aliada Ucrânia para o aliado Israel e afie os seus olhos no adversário Irã em vez de na formidável adversária Rússia.  Existem outras boas razões para usar todas as armas em punho. 

Uma Ásia Ocidental pacífica significa a reconstrução da Síria – na qual a China está agora oficialmente envolvida; redesenvolvimento ativo para os destruídos Iraque e Líbano; o Irã e Arábia Saudita como parte do BRICS+6; a parceria estratégica Rússia-China respeitando plenamente e interagindo com todos os intervenientes regionais, incluindo os principais aliados dos EUA no Golfo Pérsico.

Incompetência. Estratégia intencional. Ou ambos.

Isto leva-nos ao custo de lançar esta nova “guerra ao terror”. A propaganda está a todo vapor. Para Netanyahu em Tel Aviv, o Hamas é o ISIS. Para Volodymyr Zelensky em Kiev, o Hamas é a Rússia. Durante um fim de semana de outubro, a guerra na Ucrânia foi completamente esquecida pelas pre$$tituta$ da grande mídia ocidental. Desde o Portão de Brandemburgo, a Torre Eiffel, ao Senado brasileiro são todos israelenses agora. 

A inteligência egípcia afirma ter alertado Tel Aviv com antecedência sobre um ataque iminente do Hamas. Os israelitas optaram por ignorá-lo, tal como fizeram com os exercícios de treino do Hamas que observaram nas semanas anteriores, convencidos do seu “conhecimento [arrogância] superior” de que os palestinos nunca teriam a audácia de lançar uma operação de libertação.

Aconteça o que acontecer a seguir, o fulminante ataque do Hamas já destruiu, irremediavelmente, a forte mitologia pop divina em torno da invencibilidade do Tsahal, da Mossad, do Shin Bet, do tanque Merkava, do Iron Dome e das Forças de Defesa de Israel. 

Mesmo quando abandonou as comunicações eletrônicas, o Hamas lucrou com o colapso flagrante dos sistemas eletrônicos multibilionários de Israel que monitorizam a fronteira, os muros e as cercas mais vigiados do planeta. 

Drones palestinos baratos atingiram múltiplas torres de sensores, facilitaram o avanço de uma infantaria de parapente e abriram caminho para equipes de assalto com camisetas e empunhando AK-47 infligirem brechas no muro e cruzarem uma fronteira que nem mesmo gatos vadios ousavam fazê-lo. 

Israel, inevitavelmente, voltou-se para atacar a Faixa de Gaza, uma jaula à céu aberto cercada de área com cerca de 365 quilômetros quadrados repleta de 2,3 milhões de pessoas. O bombardeamento indiscriminado de campos de refugiados, escolas, blocos de apartamentos civis, mesquitas e bairros de lata já começou. Os palestinos não têm marinha, nem força aérea, nem unidades de artilharia, nem veículos blindados de combate, nem exército profissional. Têm pouco ou nenhum acesso à vigilância de alta tecnologia, enquanto Israel pode consultar dados dos EUA-UE se assim o desejar. 

O ministro da Defesa israelense, Yoav Gallant, proclamou “um cerco completo à Faixa de Gaza. Não haverá eletricidade, nem comida, nem combustível, nem água, está tudo fechado. Estamos lutando contra animais humanos e agiremos de acordo”.

Os israelitas podem envolver-se alegremente em punições coletivas porque, com três vetos garantidos do Conselho de Segurança da ONU no bolso de trás, sabem que podem escapar impunes. Não importa que o Haaretz, o jornal mais respeitado de Israel, admita abertamente que “na verdade, o governo israelita é o único responsável pelo que aconteceu (Operação Al-Aqsa Flood do Hamas) por negar os direitos dos palestinos”.

Os israelenses não são nada senão consistentes. Em 2007, o então chefe da Inteligência de Defesa israelense, Amos Yadlin, disse:  “Israel ficaria feliz se o Hamas assumisse o controle de Gaza porque as IDF poderiam então lidar com Gaza como um estado hostil”

Ucrânia canaliza [vende] armas para os palestinos

Há apenas um ano, o comediante, o palhaço suado de Kiev [um judeu khazar] falava em transformar a Ucrânia num “grande Israel” e foi devidamente aplaudido por um bando de bots e psicopatas do Hospício Ocidental. Bem, aconteceu de forma bem diferente. Como uma fonte tradicional do Deep State acabou de me informar:

“As armas destinadas à Ucrânia estão acabando nas mãos dos palestinos. A questão é qual país está pagando por isso. O Irã acabou de fazer um acordo com os EUA no valor de seis bilhões de dólares e é improvável que o Irã ponha isso em risco. Tenho uma fonte que me deu o nome do país mas não posso revelá-lo. O fato é que as armas ucranianas vão para a Faixa de Gaza e estão sendo compradas, mas não pelo Irã.” 

Depois do impressionante ataque do fim-de-semana passado, um Hamas experiente já garantiu mais poder de negociação do que os palestinos conseguiram em décadas. Significativamente, embora as negociações de paz sejam apoiadas pela China, Rússia, Turquia, Arábia Saudita e Egipto, Tel Aviv recusa negociar. Netanyahu está obcecado em arrasar Gaza, mas se isso acontecer, uma guerra regional mais ampla será quase inevitável. 

O fortemente armado Hezbollah do Líbano – um firme aliado da resistência palestina no Eixo da Resistência – prefere não ser arrastado para uma guerra que pode ser devastadora no seu lado da fronteira no Líbano já devastado por crises sem fim, mas que pode mudar se Israel perpetrar um genocídio de fato em Gaza. 

O Hezbollah possui pelo menos 100.000 mísseis balísticos e foguetes, de Katyusha (alcance: 40 km) a Fajr-5 (75 km), Khaibar-1 (100 km), Zelzal 2 (210 km), Fateh-110 (300 km), e Scud BC (500 km). Tel Aviv sabe o que isso significa e estremece com os frequentes avisos do líder do Hezbollah, Hassan Nasrallah, de que a sua próxima guerra com Israel será conduzida dentro daquele país. O que nos leva ao Irã. 

Negação plausível geopolítica

A principal consequência imediata da operação do Hamas é que o sonho neoconservador de Washington de “normalização” entre Israel e o mundo árabe irá simplesmente desaparecer se isto se transformar numa Longa Guerra.De fato, grandes áreas do mundo árabe já estão a normalizando os seus laços com Teerã – e não apenas dentro do recém-ampliado BRICS+6. 

No caminho para um mundo multipolar, representado pelos BRICS+6, pela Organização de Cooperação de Xangai (SCO), pela União Econômica Eurasiática (EAEU) e pela Iniciativa Cinturão e Rota da China (BRI), entre outras instituições inovadoras da Eurásia e do Sul Global, simplesmente não há lugar para um Estado de Apartheid etnocêntrico, favorável à punição coletiva.    

Ainda este ano, Israel viu-se desconvidado da Cúpula da União Africana. Mesmo assim, uma delegação israelense apareceu e foi expulsa sem cerimônia do grande salão, uma imagem que se tornou viral. Nas sessões plenárias da ONU no mês passado, um diplomata israelita solitário tentou perturbar o discurso do presidente iraniano, Ibrahim Raisi. Nenhum aliado ocidental ficou ao seu lado e ele também foi expulso do local. 

Como afirmou diplomaticamente o presidente chinês, Xi Jinping, em Dezembro de 2022, Pequim “apoia firmemente o estabelecimento de um Estado independente da Palestina que goze de plena soberania com base nas fronteiras de 1967 e com Jerusalém Oriental como sua capital. A China apoia a Palestina para se tornar membro de pleno direito das Nações Unidas.”

A estratégia de Teerã é muito mais ambiciosa – oferecendo aconselhamento estratégico aos movimentos de resistência da Ásia Ocidental, desde o Levante até ao Golfo Pérsico: Hezbollah, Ansarallah, Hashd al-Shaabi, Kataib Hezbollah, Hamas, Jihad Islâmica Palestina e inúmeros outros. É como se todos fizessem parte de um novo Grande Tabuleiro de Xadrez supervisionado de fato pelo Grão-Mestre Irã. 

As peças do tabuleiro de xadrez foram cuidadosamente posicionadas por ninguém menos que o falecido Comandante da Força Quds do Corpo da Guarda Revolucionária Islâmica, General Qassem Soleimani, um gênio militar único. Ele foi fundamental na criação das bases para os sucessos cumulativos dos aliados iranianos no Líbano, na Síria, no Iraque, no Iémen e na Palestina, bem como na criação das condições para uma operação complexa como a Al-Aqsa Flood. 

Noutras partes da região, o esforço atlantista de abertura de corredores estratégicos através dos Cinco Mares – o Cáspio, o Mar Negro, o Mar Vermelho, o Golfo Pérsico e o Mediterrâneo Oriental – está a debater-se gravemente. 

A Rússia e o Irã já estão destruindo os projetos dos EUA no Mar Cáspio – através do Corredor Internacional de Transporte Norte-Sul (INSTC) – e no Mar Negro, que está em vias de se tornar um lago russo. Teerã está a prestar muita atenção à estratégia de Moscou na Ucrânia, ao mesmo tempo que refina a sua própria estratégia sobre como debilitar o Hegemon ianque sem envolvimento direto: chame-lhe negação geopolítica plausível.   

Bye bye EU-Israel-Saudi-India corridor

A aliança Rússia-China-Irão foi demonizada como o novo “eixo do mal” pelos neoconservadores ocidentais. Essa raiva infantil trai a impotência cósmica. Estes são Soberanos Reais com os quais não se pode mexer e, se o forem, o preço a pagar é impensável. 

Um exemplo chave: se o Irã, sob ataque de um eixo EUA-Israel, decidisse bloquear o Estreito de Ormuz, a crise energética global dispararia e o colapso da economia ocidental sob o peso de trilhões de dívidas seria inevitável. 

O que isto significa, no futuro imediato, é que o Sonho Americano de interferir através dos Cinco Mares nem sequer pode ser qualificado como uma miragem. A operação do Hamas também acabou de enterrar o recentemente anunciado e muito alardeado corredor de transporte UE-Israel-Arábia Saudita-Índia. 

A China está perfeitamente consciente de toda esta incandescência que ocorre apenas uma semana antes do seu 3º Fórum do Cinturão e Rota, em Pequim. Em jogo estão os corredores de conectividade da BRI que importam – através do Heartland, através da Rússia, além da Rota Marítima da Seda e da Rota da Seda Ártica. 

Depois, há o INSTC que liga a Rússia, o Irã e a Índia – e, por extensão auxiliar, as monarquias do Golfo. 

As repercussões geopolíticas da invasão do Hamas irão acelerar as ligações geoeconômicas e logísticas interligadas da Rússia, da China e do Irã, contornando o Hegemon e o seu Império de Bases. O aumento do comércio e o movimento ininterrupto de carga têm tudo a ver com (bons) negócios. Em termos de igualdade, com respeito mútuo – não é exatamente o cenário do Partido da Guerra para uma Ásia Ocidental desestabilizada.  

Ah, as coisas que um movimento lento de uma infantaria voando em parapente sobrevoando uma muralha pode acelerar. 


AVISO PARA OS ASSINANTES DO BLOG: Para os leitores assinantes do Blog, que recebiam o link para acessar as postagens em seus endereços de E-Mail, solicitamos, por favor, que refaçam a sua inscrição aqui neste LINK: https://linktr.ee/thoth3126, devido à problemas técnicos e perda de dados que tivemos com a migração de servidor. Também avisamos aos nossos leitores que estamos preparando uma NOVA VERSÃO do Blog que em breve será disponibilizada para todos.


Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *