Entre ou
Cadastre-se

Compartilhe
Receba nosso conteúdo

O Pior Cenário de Caos Econômico para a Guerra entre Israel e Palestina

Em outubro de 1973, Israel travou a Guerra do Yom Kippur contra uma coalizão de Estados Árabes liderada pelo Egito e pela Síria. Como resultado disto, a Organização dos Países Árabes Exportadores de Petróleo proclamou um embargo petrolífero contra os países ocidentais que apoiam Israel. Em seis meses, o preço do petróleo subiu quase 300%, a nível global, e ainda mais nos EUA, que naquela altura se tinham tornado dependentes do petróleo do Médio Oriente. Hoje a situação pode ser muito pior.

A espada de Dâmocles: O Pior Cenário de Caos Econômico para a Guerra entre Israel e Palestina

Fonte: Tuomas Malinen via Substack

Na terça-feira, publiquei  um post  no X (Twitter), que resumia o pior cenário económico para a guerra Israel-Palestina. Incluiu 10 pontos:

  1. O conflito transforma-se numa guerra regional com o envolvimento direto dos EUA.
  2. A OPEP responde com um embargo petrolífero.
  3. O Irã fecha o estreito de Ormuz.
  4. O preço do petróleo chega a US$ 300/barril.
  5. A Europa sucumbe numa crise energética total devido à escassez de GNL.
  6. O aumento maciço dos preços da energia revigora a inflação, com os bancos centrais respondendo em conformidade.
  7. Os mercados financeiros e o setor bancário ocidental entram em colapso.
  8. A crise da dívida pública envolve os EUA, forçando a Reserva Federal a decretar mais um resgate do mercado financeiro.
  9. O comércio de petrodólares entra em colapso.
  10. A hiperinflação emerge.

Atualmente, na pior das hipóteses, Israel lança uma grande contra-ofensiva contra a Palestina, levando a uma declaração de guerra, a Israel, do Irã e da Síria (outros também poderão aderir). Nesta situação, os EUA seriam quase certamente forçados a responder e a participar na defesa de Israel. 

O grupo de ataque de porta-aviões nuclear USS Gerald Ford (que inclui o maior navio de guerra do mundo, o USS Gerald R. Ford) foi despachado para o Mediterrâneo Oriental e a administração Biden foi informada de considerar enviar outro grupo de ataque de porta-aviões {USS Eisenhower] para o Mediterrâneo Oriental. Há também rumores de aviões militares de carga dos EUA fazendo viagens de rotina a Israel.

Qualquer envolvimento direto dos EUA na guerra à favor de Israel forçaria quase certamente uma resposta da Organização dos Países Exportadores de Petróleo, ou OPEP, ou pelo menos de alguns dos seus membros. Isto assumiria, muito provavelmente, a forma de um embargo petrolífero aos “acordados” EUA e possivelmente à louca Europa.

O estreito de Ormuz é um estreito crucial para os mercados petrolíferos globais. Um sexto de todo o petróleo e um terço de todo o gás natural liquefeito, ou GNL, consumido no mundo passa por ele DIARIAMENTE. O estreito inclui oito ilhas, das quais sete são controladas pelo Irã, mas tem presença militar em todas as oito. Assim, o Irã tem capacidade militar para fechar o estreito e a torneira do petróleo.

Os meios de fechar o estreito são muitos. Essencialmente, vão desde um encerramento baseado em ameaças, onde o Irã ameaçaria afundar qualquer navio-tanque que passe por ele, até ao afundamento real de um super-petroleiro no estreito, fechando-o por um período de tempo desconhecido e também poluindo o Golfo Pérsico. No entanto, como cerca de 85% das importações iranianas também passam pelo estreito, a última opção pode ser considerada improvável.

Se o encerramento, ou mesmo uma interrupção do tráfego de petróleo e gás através do Estreito de Ormuz ocorresse, com a continuação do embargo russo ao petróleo e ao gás, veríamos muito provavelmente os preços globais do petróleo e do GNL dispararem para níveis nunca antes vistos. Isto revigoraria a rápida inflação, mas também haveria repercussões muito mais sérias.

O calcanhar de Aquiles da Europa

Depois de fechar [explodir] a maior parte dos gasodutos que transportam gás russo para a Europa, o continente dependeu do mercado global de GNL para preencher a lacuna. Mais importante ainda, a Europa tem dependido de fontes dos EUA e do Oriente Médio para o fornecimento de gás.

Por exemplo, a Alemanha acaba de assinar  um contrato  com a Oman LNG para entregas de gás, que passa pelo estreito de Ormuz. A Alemanha também assinou um  acordo  com a Venture Global, sediada nos EUA, sobre entregas de GNL, tornando-a o maior fornecedor de GNL para a Alemanha. No entanto, a VG ainda nem começou a construir as instalações de onde o gás será entregue à Alemanha.

Os EUA foram  responsáveis  ​​por pouco mais de metade da procura de GNL da Europa durante o ano passado, com a Rússia e o Oriente Médio fornecendo cerca de 30%. Se ambas as últimas fontes fossem cortadas, ou o seu fornecimento fosse seriamente reduzido, é improvável que os EUA ou outras fontes conseguissem preencher a lacuna, porque o mercado global de GNL está subabastecido. 

Além disso, combinar o corte de gás no Oriente Médio (e possivelmente na Rússia) com um Inverno normal ou frio poderia criar condições totalmente devastadoras para o já  “finamente equilibrado”   mercado de gás europeu.

Isto significa que o conflito Israel-Palestina tem a capacidade de inviabilizar todos os planos para a segurança energética na Europa, uma vez que o gás russo foi cortado (e seus gasodutos destruídos). É difícil exagerar a gravidade desta ameaça, com as economias alemãs e europeias já a afundarem-se numa recessão. O retorno da crise energética (com vingança!) iria muito provavelmente desferir um golpe mortal na economia europeia e derrubar o seu setor bancário, com  consequências globais conhecidas, num efeito queda de dominós imparável.

Do caos financeiro, falta de combustível, alimentos e à hiperinflação

Naturalmente, as pressões inflacionistas revigoradas forçariam os bancos centrais a decretar outra ronda de aumentos das taxas de juros. Isto causaria estragos entre consumidores e empresas, mas também nos mercados de capitais. Os rendimentos da dívida soberana provavelmente explodiriam. Isto seria seguido por um colapso total dos mercados de ativos e de crédito, como na Primavera [setembro à dezembro] de 2020.

Nesta altura, muito provavelmente veríamos os bancos centrais levarem as suas “perversões monetárias” a outro nível. Isto significa que, embora aumentassem as taxas de juro para conter a inflação, também promulgariam programas de compra de ativos para apoiar a dívida soberana, o crédito e os mercados de ativos. 

O resgate dos mercados financeiros precisaria de atingir vários bilhões de dólares, como durante a  Primavera de 2020 . Isto empurraria enormes quantidades de dinheiro e especialmente dólares americanos para a economia global. Naturalmente, isto aumentaria enormemente as pressões inflacionárias, mas existe o risco de algo ainda pior.

Como uma “opção nuclear”, a OPEP poderia parar completamente de utilizar o dólar americano no comércio de petróleo. Isto significaria que a procura de dólares entraria subitamente em colapso, e os “dólares excedentes”, anteriormente utilizados para comprar petróleo, acabariam por regressar para casa. 

Isto criaria um aumento sem precedentes na oferta monetária dos EUA, criando condições perfeitas para a hiperinflação, com o colapso da produção devido a uma recessão profunda alimentada por uma inflação rápida, taxas de juro elevadas, preços dos combustíveis e uma crise bancária. A destruição na economia dos EUA e, portanto, no mundo ocidental, seria nada menos que apocalíptica.

Conclusões

Enquanto estou finalizando isso (em 11 de outubro), os primeiros relatos de ataques com mísseis do Hezbollah contra Israel surgiram no X (Twitter). Neste ponto, é impossível corroborar ou desmascarar essas afirmações. Se isto ocorreu, apenas tomamos medidas para chegar ao primeiro ponto do pior cenário.

Em qualquer caso, o cenário acima descrito sublinha a gravidade da situação em que nos encontramos atualmente. O conflito Israel-Palestina tem a capacidade de 1) dar um xeque-mate energético à Europa e 2) iniciar um colapso devastador da economia dos EUA.

No entanto, deve notar-se que, embora seja atualmente improvável que vejamos todos os 10 pontos se concretizarem, se atingirmos mesmo os primeiros pontos, eles desfeririam um golpe esmagador na frágil economia global. É por isso que a situação precisa ser acompanhada de muito perto.

Independentemente disso, pode não ser uma má ideia comprar ouro, estocar gasolina, gás, alimentos, água e lenha (se você tiver fogão).


AVISO PARA OS ASSINANTES DO BLOG: Para os leitores assinantes do Blog, que recebiam o link para acessar as postagens em seus endereços de E-Mail, solicitamos, por favor, que refaçam a sua inscrição aqui neste LINK: https://linktr.ee/thoth3126, devido à problemas técnicos e perda de dados que tivemos com a migração de servidor. Também avisamos aos nossos leitores que estamos preparando uma NOVA VERSÃO do Blog que em breve será disponibilizada para todos.


Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *