browser icon
Você está usando uma versão insegura do seu navegador web. Por favor atualize seu navegado!
Usando um navegador desatualizado torna seu computador inseguro. Para mais segurança, velocidade, uma experiência mais agradável, atualize o seu navegador hoje ou tente um novo navegador.

A Guerra dos judeus khazares (Israel) Contra o Dinheiro em Espécie está prestes a ficar mais drástica

Posted by on 01/08/2022

A partir desta segunda-feira, 01 de agosto, será uma ofensa criminal em Israel pagar mais do que o equivalente a US$ 1.700 em dinheiro a uma empresa ou US$ 4.360 em dinheiro a um indivíduo,  à medida que o governo intensifica sua guerra em andamento contra o uso de dinheiro tangível em espécie. É uma guerra que começou para valer com a aprovação em 2018 da Lei de Redução do Uso de Dinheiro. 

A Guerra dos judeus khazares (Israel) Contra o Dinheiro em Espécie está prestes a ficar mais drástica. Em breve o CBDC será implantado por imposição!

Fonte: Zero Hedge

Empresas e indivíduos israelenses começaram a enfrentar limites nas transações em dinheiro em janeiro de 2019. No entanto, em 1º de agosto, esses limites foram reduzidos quase pela metade. 

“Queremos que o público reduza o uso de dinheiro em espécie”, disse Tamar Bracha, responsável por cumprir a lei para a Autoridade Tributária de Israel, ao The Media Line .

“O objetivo é reduzir a fluidez do caixa no mercado, principalmente porque as organizações criminosas tendem a depender do caixa. Ao limitar o uso dele, a atividade criminosa é muito mais difícil de realizar.”

Israel também limita o uso de dinheiro em transações envolvendo vários métodos de pagamento . Se o valor total da transação for superior aos limites acima, o dinheiro só poderá ser usado para 10% da compra. As compras de carros recebem um limite mais alto de 50.000 NIS (novo shekel israelense) – cerca de US$ 14.700 . 

Os infratores estão sujeitos a penalidades que podem chegar a 25% da transação para pessoas físicas e 30% para empresas. De acordo com o Israel National News, o governo acumulou o equivalente a US$ 5 bilhões em multas desde que as restrições começaram em 2019.

Nem todas as transações são afetadas, como explica  a The Media Line :

Existem algumas exceções à nova lei: instituições de caridade, que são mais comuns na sociedade ultra-ortodoxa; e comércio com palestinos da Cisjordânia, que não são cidadãos de Israel. No caso deste último, serão permitidos negócios que incluam grandes quantias em dinheiro, mas exigirão um relatório detalhado à Autoridade Tributária de Israel.

No entanto, na “abordagem gradual” de Israel para eliminar o dinheiro da sociedade, essas exceções estão destinadas a expirar.   

Em seguida, o Ministério das Finanças de Israel planeja entregar uma proposta ao parlamento para criminalizar a mera posse de dinheiro acima de uma certa quantia. Uma versão da proposta estabeleceu o limite de posse no equivalente em shekel de apenas US$ 14.700. 

Limites como os de Israel são apenas uma maneira de trabalhar para “descontar” uma população. Um documento do Fundo Monetário Internacional de 2017 delineou outras táticas, incluindo a abolição de notas de grande valor, a imposição de requisitos de relatórios sobre transações em dinheiro acima de um determinado limite, a exigência de declaração de dinheiro ao entrar ou sair de um país ou a aplicação de um imposto adicional quando o dinheiro é usado. Vários países e blocos econômicos já começaram a implementar medidas desse menu

Uma guerra ao dinheiro em ESPÉCIE não é a única maneira pela qual Israel está liderando o caminho para um futuro autoritário ; tem também:

“Certa vez avisei que a arquitetura da opressão estava próxima. Ela Chegou”.

Israel intensifica vigilância de palestinos com programa de reconhecimento facial na Cisjordânia. A iniciativa de vigilância, lançada nos últimos dois anos, envolve em parte uma tecnologia de smartphone chamada Blue Wolf, que captura fotos dos rostos dos palestinos e as compara a um banco de dados de imagens tão extenso que um ex-soldado a descreveu como um segredo do exército.

O advogado Uri Goldman, especialista em direito tributário civil e criminal e lavagem de dinheiro que representou clientes em um recurso contra a lei de caixa em 2018, afirma que o principal problema com a lei é que ela simplesmente não é eficiente.

“Estávamos nas discussões sobre o projeto de lei. Os dados que trouxemos mostraram que desde que a primeira fase da lei entrou em vigor, a quantidade de dinheiro no mercado só aumentou. Então, claramente, algo não está funcionando”, disse Goldman ao The Media Line.

Goldman também explicou a desvantagem da lei. “Quando o projeto foi aprovado, havia mais de um milhão de cidadãos sem contas bancárias em Israel. A lei os impediria de realizar qualquer negócio e, praticamente, transformaria 10% da população em criminosos”, disse.


{Nota de Thoth: A estrondosa queda da “Estátua de Nabucodonosor“, com o fim do Hospício e os psicopatas da civilização ocidental e a própria destruição da região da cidade de Roma [incluso a cloaca do Vaticano] estão bem próximos de acontecer. O Hospício Ocidental, o circo do G-7 [do qual dois marionetes já caíram, Mario Draghi e Boris Johnson], os ditos “Países de Primeiro Mundo” vão fazer face ao seu carma “liberal“}


“Precisamos URGENTEMENTE do seu apoio para continuar nosso trabalho baseado em pesquisa independente e investigativa sobre as ameaças do Estado [Deep State] Profundo, et caterva, que a humanidade enfrenta. Sua contribuição, por menor que seja, nos ajuda a nos mantermos à tona. Considere apoiar o nosso trabalho. Disponibilizamos o mecanismo Pay Pal, nossa conta na Caixa Econômica Federal   AGENCIA: 1803 – CONTA: 000780744759-2, Operação 1288, pelo PIX-CPF 211.365.990-53 (Caixa)” para remessas do exterior via IBAN código: BR23 0036 0305 0180 3780 7447 592P 1


Mais informação adicional:

Permitida a reprodução, desde que mantido no formato original e mencione as fontes.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.