A Real História por trás dos Cavaleiros Templários (VII)

Em 1127, foi o ano em que Cavaleiros Templários foram estabelecidos na Terra “Santa”. Mesmo em seu estado inicial, eles haviam impressionado tanto o nobre francês Fulk de Anjou  que, em 1124, ele lhes deu trinta mil libras com os aluguéis de suas terras.[1]  Outros senhores feudais da Europa também doaram propriedades à Ordem dos Cavaleiros Templários, especialmente no condado natal de Hugh de Payns, na região de Champagne.

Tradução, edição e imagens:  Thoth3126@protonmail.ch

A Verdadeira História por trás dos Cavaleiros Templários

Livro “The Real History Behind the Templarsde Sharan Newman, nascida em 15 de abril de 1949 em Ann Arbor, Michigan , ela é uma historiadora americana e escritora de romances históricos. Ela ganhou o prêmio Macavity de Best First Mystery em 1994.


PARTE UM – CAPÍTULO SETE

O Conselho de Troyes

No final de 1128, Hugh de Payns retornou da viagem ao norte da França, Inglaterra e Flandres para o seu local de nascimento em Champagne. Aqui, ele finalmente receberia o reconhecimento oficial dos Templários como uma ordem monástica.

Um concílio da igreja se reuniu na cidade de Troyes em 13 de janeiro de 1129.[1] O papa, Honório II, não compareceu. Em vez disso, enviou seu legado, Mateus, cardeal-bispo de Albano, que havia sido padre em Paris. Havia dois arcebispos, Renaud de Reims e Henrique de Sens. Havia também vários abades, quatro da ordem de Cister, entre eles Bernard de Clairvaux. [2] Havia também dez bispos e dois “mestres”, isto é, acadêmicos, Alberic de Reims e Fulger.[3]

O Abade Bernard apoiou os Templários, mas ele não parecia estar ansioso para participar do conselho. Ele pediu para ser dispensado com base em problemas de saúde.[4] Mas não havia como ele sair dessa. Mesmo em 1128, Bernard tinha uma reputação de sabedoria e piedade. Seu apoio foi muito importante. E depois do conselho, esse apoio continuaria.

O conselho ouviu Hugh contar a história de como ele começou a ordem e sua missão. Ele pediu aos clérigos um hábito oficial para marcar os Templários como cavaleiros-monges e também uma regra para viver como a de outros monges. Os clérigos deliberaram e deram aos templários permissão para usar um hábito branco, como os cistercienses faziam. Eles também forneceram uma Regra monástica em latim, baseada na de outras ordens monásticas.[5] (A Regra foi criada por Bernard de Clairvaux)

No entanto, os clérigos não estavam realmente preparados para fazer uma regra monástica para os homens cuja função principal não era rezar, mas lutar. Sabiamente, eles pediram o conselho de homens que entendiam a vida ativa. Junto com os clérigos, Thibaud, conde de Champagne e sobrinho e herdeiro de Hugh de Champagne  e William, conde de Nevers, estavam presentes. O secretário do conselho, Mateus, explica a presença desses “analfabetos” dizendo que eles eram amantes da Verdade que repassavam cuidadosamente a Regra dos Templários e jogavam fora tudo o que não parecia razoável. “Foi por isso que eles estavam no conselho.” [6]

A regra latina fez provisões para as necessidades dos cavaleiros. Ao contrário de outros monges, que comiam peixe e ovos, os templários podiam comer carne vermelha três vezes por semana.[7] Se estivessem muito cansados, não precisariam se levantar no meio da noite para orar.[8] A Regra também permitia que os cavaleiros tivessem cavalos e servos para mantê-los.

Os clérigos aproveitaram a oportunidade para se posicionar fortemente contra a moda atual. Eles proibiam os cavaleiros de usar barbas e cabelos excessivamente longos, sapatos com pontas compridas e encaracoladas, babados rendados ou túnicas excessivamente longas.[9] Obviamente, o cavaleiro comum na estrada era um pouco dândi.

As nobres atividades de caça e falcoaria também foram proibidas, com exceção da caça ao leão, “porque ele [o leão] está sempre procurando alguém para devorar e sua força é contra todos, então toda força está contra ele”.[10] Isso mostra que nem todo perigo em uma peregrinação vinha de agressores humanos. No entanto, o conselho pode estar pensando em uma analogia bíblica aqui, do leão caindo sobre o rebanho de peregrinos fiéis.

Outras seções da Regra dizem respeito ao comportamento durante as refeições, ao cuidado com os irmãos que adoecem e a outros costumes comuns da vida monástica; por exemplo, todas as propriedades eram mantidas em comum e as orações eram feitas sete vezes ao dia. Visto que não se esperava que os cavaleiros entendessem latim, eles foram instruídos a simplesmente repetir o Pai-Nosso nos momentos corretos.

Um assunto sobre o qual o conselho era extremamente firme dizia respeito à associação com mulheres. Conhecendo a reputação dos cavaleiros por conquistas sexuais, duas seções da Regra deixam claro que eles não deviam nem mesmo beijar suas próprias mães ou irmãs. “Acreditamos que é perigoso para qualquer homem religioso prestar muita atenção nos rostos das mulheres;  portanto nenhum irmão pode tomar a liberdade de beijar uma viúva, nem uma virgem, nem sua mãe, nem sua irmã, nem sua amiga, nem qualquer outra mulher ”.[11]

Isso era dado como certo na maioria das casas monásticas, onde os monges passavam a maior parte do tempo longe da vista de qualquer tentação feminina. Mas está claro que o conselho se preocupou com o fato de que após um dia duro de luta contra os sarracenos , pode ser difícil para um Cavaleiro do Templo lembrar que, embora ainda pudesse pilhar, o estupro não era mais uma opção.

Embora a Regra latina logo tenha provado que precisa de muitas edições e acréscimos, no momento Hugh de Payns estava satisfeito com os resultados do concílio. Ele voltou a Jerusalém em 1131, com novos recrutas, doações e uma regra formal para os Cavaleiros Templários viverem. Eles agora eram aceitos como parte da vida religiosa tanto no Ocidente quanto no Oriente.

Relatos mais antigos fornecem essa data como 1128, mas isso foi causado pela confusão em torno do fato de que muitas pessoas no século XII começaram o ano novo na primavera, não no meio do inverno.

Charles-Joseph Hefele e Dom H. Leclercq, História dos Conselhos segundo os documentos originais vol. V (Paris: Letouzey e Ané, 1912) p. 670.

Laurent Dailliez, Règle et Status de l’Ordre du Temple , 2ª ed (Paris: Éditions Dervy, 1972). Reimpressão da regra latina de 1721, pp. 325-26. Os bispos eram de Chartres, Soissons, Paris, Troyes, Orleans, Chalons, Laon e Beauvais, todos aproximadamente do norte e leste da França. O filho de Guilherme de Nevers, Raynald, morreu prisioneiro dos turcos durante a Segunda Cruzada. Guilherme terminou seus dias como monge cartuxo.

Bernard of Clairvaux Works , vol. 1 (Paris, 1839) Carta 21, col. 164-65. “Savientis para febre alta queimada pelo calor e pelo esforço exaustivo.” Ou seja, ele estava com uma febre que o exauria.

Dailliez, pp. 327-59.

Ibid., P. 326

Ibid., P. 332, capítulo 10.

Ibid., Pp. 335-36, capítulo 18.

Ibid., P. 340, capítulo 29. “A Plataforma e as ações, e é claro que os pagãos, e os abomináveis, que todos reconhecem param. . . cabelos  e roupas de barba de comprimento imoderado não permitem isso. ”

10 Ibid., P. 348. “Uma vez que ele está prestes a encontrar sua presa, contra tudo e todos em suas mãos.”

11 Ibid., P.359, capítulo 72. “É perigoso acreditar em todas as religiões, as mulheres enfrentam muita atenção e, portanto, nem muito altas nem virgens ou mãe ou irmã ou tia e outra mulher e não ousaram beijar nenhum irmão.”


Nosso trabalho no Blog é anônimo e não visa lucro, no entanto temos despesas fixas para mantê-lo funcionando e assim continuar a disseminar informação alternativa de fontes confiáveis. Desde modo solicitamos a colaboração mais efetiva de nossos leitores que possam contribuir com doação de qualquer valor ao mesmo tempo que agradecemos a todos que já contribuíram, pois sua ajuda manteve o blog ativo. Disponibilizamos o mecanismo Pay Pal, nossa conta na Caixa Econômica Federal AGENCIA: 1803 – CONTA: 00001756-6 – TIPO: 013 [poupança] e pelo PIX 211.365.990-53 (Caixa).


A regra dessa ordem da Cavalaria de monges  guerreiros foi escrita por {São} Bernardo de Clairvaux. A sua divisa foi extraída do livro dos Salmos: “Non nobis Domine, non nobis, sed nomini tuo da gloriam” (Salmos. 115:1 – Vulgata Latina) que significa “Não a nós, Senhor, não a nós, mas pela Glória de teu nome” (tradução Almeida)

“Leões na guerra e cordeiros no lar; rudes cavaleiros no campo de batalha, monges piedosos na capela; temidos pelos inimigos de Cristo, a suavidade para com os seus amigos”. – Jacques de Vitry


Saiba mais sobre os Templários:

Permitida a reprodução desde que mantida a formatação original e mencione as fontes.

www.thoth3126.com.br

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Receba nosso conteúdo

Junte-se a 4.328 outros assinantes

compartilhe

Últimas Publicações

Indicações Thoth