Entre ou
Cadastre-se

Compartilhe
Receba nosso conteúdo

A Real História por trás dos Cavaleiros Templários (XLII)

O atributo alt desta imagem está vazio. O nome do arquivo é cavaleiros-templarios-gif.gif

Livro “The Real History Behind the Templars”, de Sharan Newman,  nascida em 15 de abril de 1949 em Ann Arbor, Michigan , ela é uma historiadora americana e escritora de romances históricos. Ela ganhou o prêmio Macavity de Best First Mystery em 1994. No ano de 1119, esses nobres encontraram sua vocação como protetores dos fiéis em uma peregrinação perigosa à Jerusalém recém-conquistada.

A Verdadeira História por trás dos Cavaleiros Templários

Livro “The Real History Behind the Templars

Agora, a historiadora Sharan Newman elucida os mistérios e equívocos dos Templários, desde sua verdadeira fundação e papel nas Cruzadas até intrigas mais modernas, incluindo:

Eles eram cavaleiros devotos ou hereges secretos?
– Eles deixaram para trás um tesouro fantástico – escondido até hoje?
– Como eles foram associados ao Santo Graal?
– Eles vieram para a América antes da época de Colombo?
– A Ordem dos Cavaleiros do Templo [Templários] ainda existe?


PARTE QUATRO  – CAPÍTULO QUARENTA E DOIS

O COMEÇO DAS LENDAS – Os Templários na ficção

Considerando a quantidade de ficção popular existente sobre eles hoje, pode parecer estranho que os Templários tenham aparecido muito raramente na literatura épica e romântica da Idade Média e nunca como personagens principais.

A primeira referência a eles está no épico sombrio Raoul de Cambrai. A história, escrita no último quartel do século XII, se passa no que é hoje o norte da França, supostamente no século X. É um conto de traição, honra, assassinato e redenção. Os Templários figuram apenas no último deles. No final da história, o anti-herói Bernier, confrontado com a execução por matar o assassino de sua mãe, se oferece para ir a Acre e se tornar um Templário como sua penitência.

O Templo é usado como local de penitência em outros épicos, como La Chevalerie d’Ogier de Danemarche e Renaut de Montauban. Em Ogier o cavaleiro está disposto a servir no “Hospital ou no Templo” como sua penitência. Esta é uma indicação precoce de que a ordem dos Hospitalários e dos Templários eram intercambiáveis ??na mente de muitas pessoas. Como Raoul, o cavaleiro de Ogier, chamado Charlot, está se juntando ao Templo (ou Hospital) como penitência pelo assassinato de outro cavaleiro. Ressalta-se, a propósito, que Charlot sente muito por isso e deixa todos os seus bens para Ogier, pai do cavaleiro assassinado. Era bem entendido que a penitência sem arrependimento era inútil. Juntar-se aos Templários com a atitude errada não renderia pontos no céu.

Essas obras de ficção medievais populares sublinhavam o propósito das ordens militares como casas religiosas. Eles eram vistos pelos autores como lugares onde um lutador bem-nascido poderia expiar seus pecados de violência usando essa violência contra os inimigos dos católicos. Este é o aspecto dos Templários que foi enfatizado na exortação de Bernardo de Claraval aos cavaleiros. Então, neste caso, os cavaleiros fictícios estão espelhando as ações dos contemporâneos e, talvez, encorajando outros a seguirem seu exemplo.

É surpreendente que nas muitas obras que compõem as histórias épicas das cruzadas, os Templários apareçam apenas como coadjuvantes. Na Chanson des Chétifs (“a canção dos prisioneiros miseráveis”, às vezes traduzida como “a canção dos bastardos”). O personagem Harpin é baseado em uma pessoa real que esteve em cativeiro durante a Primeira Cruzada. 

Enquanto estava na prisão, o verdadeiro Harpin fez um voto de que, se algum dia fosse libertado, terminaria sua vida como monge. Ele se juntou ao mosteiro de Cluny em 1109. No entanto, isso não daria um bom drama, então o autor de Chétifs o fez se juntar aos Templários.

Novamente, na história os Templários existem, mas nunca os vemos lutando ou participando ativamente.

Um papel que os Templários frequentemente desempenhavam na ficção medieval era como protetores dos amantes. No século XIII, vários romances apresentavam amantes que foram aos Templários em busca de refúgio. Em Sone de Nancy, os Templários ajudam os amantes a escapar de uma rainha que desejava ter Sone para si. Pergunto-me se não lhes foi atribuído este papel na literatura porque, na realidade, eles e os hospitalários compunham muitas vezes as escoltas das noivas reais a caminho das suas novas casas.

Em alguns épicos, os Templários também são aqueles que organizam o enterro de amantes condenados. Nenhum desses papéis é tão importante e, na maioria das vezes, os Templários são exemplos genéricos de homens gentis, piedosos e cavalheirescos.

O fato é que os Templários não eram tão importantes na literatura medieval. Ao contrário de Ricardo Coração de Leão ou Saladino, não há poemas empolgantes exaltando suas façanhas. Por que não? Acho que é porque os Templários eram vistos como pano de fundo [eram discretos]. 

Eles eram um bom grupo de homens fazendo um trabalho importante, mas não os verdadeiros jogadores. Eles eram frequentemente mencionados de passagem como exemplos de cavaleiros altruístas, geralmente para castigar aqueles que negligenciavam seu dever. Um exemplo é o poeta cruzado Marcabru, que escreveu: “Na Espanha e aqui, o Marquês e os do Templo de Salomão sofrem o peso e o fardo do orgulho pagão”. Marcabru acha que alguém deveria ajudar.

Na ficção moderna, os Templários são associados a Arthur e aos Cavaleiros da Távola Redonda, mas na tradição medieval sua única conexão com a literatura arturiana é como os guardiões do Graal no  Parzival de Wolfram von Eschenbach . 

Os Templários são cavaleiros que “habitam com o Graal em Munsalvaesche. Sempre quando saem a cavalo, como costumam fazer, é em busca de aventura. Eles fazem isso por seus pecados, esses  Tempeleisen, seja sua recompensa a derrota ou a vitória.” 

Os Templários em Parzival são uma pequena parte da história, mais pano de fundo do que qualquer outra coisa, e eles têm várias características que os Templários reais não compartilhavam. Por exemplo, na história de Wolfram havia mulheres Tempeleisen .

Com exceção de alguns autores que se basearam no trabalho de Wolfram, os Templários não são vistos em associação com o Graal ou com os contos muito populares do Rei Arthur e sua corte. No mundo da fantasia medieval, os Templários não tinham lugar. No final do século XIII, eles eram considerados mais símbolos de devassidão do que guardiões da sabedoria secreta. 

A frase “bêbado como um templário” tornou-se comum na França. No século XVI, Rabelais a utiliza em sua obra. “Uma vez ele reuniu três ou quatro bons camponeses e os fez beber como templários a noite inteira.” Na Alemanha, “ir ao templo” era um eufemismo popular para visitar um bordel.

Por mais de seiscentos anos, escritores populares não consideraram os Templários dignos de seu tempo. Isso mudou no início do século XIX, com os dois romances de Sir Walter Scott, The Talisman e Ivanhoe. Situadas no tempo das cruzadas, essas obras, uma mistura de história, lenda e imaginação, e reintroduziram os Templários em um mundo que, fora da Maçonaria, os havia esquecido.

O vilão de Scott é Brian de Bois-Guilbert, um templário que encarna as queixas medievais de orgulho e ganância. Somado a essas falhas de caráter, Bois-Guilbert também trama contra o verdadeiro rei e cobiça a judia Rebecca. Ele é o adversário do mal consumado no renascimento neomedieval que começou na Grã-Bretanha no início do século XIX.

Ivanhoe foi publicado pela primeira vez em 1820. Foi filmado muitas vezes e o livro ainda está sendo impresso. Gerações receberam sua primeira, às vezes única, impressão dos Templários da empolgante ficção de Scott.

É apenas no início do século XXI que os Templários parecem ter se destacado na ficção. A última parte do século XX viu uma explosão de mitos e teorias sobre os Templários, a maioria dos quais pode ser categorizada como Pé Grande e OVNIs. Essas teorias não históricas renderam uma mina de ouro de ideias de enredo que ainda estão sendo refinadas em histórias divertidas e emocionantes.

Mais recentemente, houve pelo menos três romances sobre os Templários. Dois, The Last Templar de Raymond Khoury e The Templar Legacy de Steve Berry, são ambientados no mundo moderno. Ambos mostram como a lenda dos Templários pode ser relevante para as preocupações que temos hoje. O terceiro, The Knights of the Black and White de Jack White, é um romance histórico que utiliza algumas das lendas recentes, situando-as no tempo dos verdadeiros Templários.

Parece uma pena que os Templários tiveram que esperar setecentos anos para finalmente ter um papel de protagonista na ficção.


“Precisamos do seu apoio URGENTEMENTE para continuar nosso trabalho baseado em pesquisa independente e investigativa sobre as ameaças do Estado [Deep State] Profundo, et caterva, que a humanidade enfrenta. Sua contribuição, por menor que seja, nos ajuda a nos mantermos à tona. Considere apoiar o nosso trabalho. Disponibilizamos o mecanismo Pay Pal, nossa conta na Caixa Econômica Federal  AGENCIA: 1803 – CONTA: 000780744759-2, Operação 1288, pelo PIX-CPF 211.365.990-53 (Caixa)”. para remessas do exterior via IBAN código: BR23 0036 0305 0180 3780 7447 592P 1


O atributo alt desta imagem está vazio. O nome do arquivo é servo-monge-guerreiro-templário-cristo-300x251.jpg

A regra dessa ordem da Cavalaria de monges  guerreiros foi escrita por {São} Bernardo de Clairvaux. A sua divisa foi extraída do livro dos Salmos: “Non nobis Domine, non nobis, sed nomini tuo da gloriam” (Salmos. 115:1 – Vulgata Latina) que significa “Não a nós, Senhor, não a nós, mas pela Glória de teu nome” (tradução Almeida)

“Leões na guerra e cordeiros no lar; rudes cavaleiros no campo de batalha, monges piedosos na capela; temidos pelos inimigos de Cristo, a suavidade para com os seus amigos”. – Jacques de Vitry


Saiba mais sobre os Templários:

Permitida a reprodução desde que mantida a formatação original e mencione as fontes.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *