Entre ou
Cadastre-se

Compartilhe
Receba nosso conteúdo

A Real História por trás dos Cavaleiros Templários (XLVI)

O atributo alt desta imagem está vazio. O nome do arquivo é cavaleiros-templarios-gif.gif

Livro “The Real History Behind the Templars”, de Sharan Newman,  nascida em 15 de abril de 1949 em Ann Arbor, Michigan , ela é uma historiadora americana e escritora de romances históricos. Ela ganhou o prêmio Macavity de Best First Mystery em 1994. No ano de 1119, esses nobres encontraram sua vocação como protetores dos fiéis em uma peregrinação perigosa à Jerusalém recém-conquistada.

A Verdadeira História por trás dos Cavaleiros Templários

Livro “The Real History Behind the Templars

Agora, a historiadora Sharan Newman elucida os mistérios e equívocos dos Templários, desde sua verdadeira fundação e papel nas Cruzadas até intrigas mais modernas, incluindo:

Eles eram cavaleiros devotos ou hereges secretos?
– Eles deixaram para trás um tesouro fantástico – escondido até hoje?
– Como eles foram associados ao Santo Graal?
– Eles vieram para a América antes da época de Colombo?
– A Ordem dos Cavaleiros do Templo [Templários] ainda existe?


PARTE QUATRO  – CAPÍTULO QUARENTA E SEIS

Os Templários e o Sudário de Turim

Pelo que sei, os Templários se apegaram à história do Sudário de Turim por uma coincidência. Uma vez que o sudário se tornou parte da tradição dos Templários, precisamos repassar sua história, até onde sabemos. Não tenho intenção de explorar o que é o sudário ou como, quando e onde foi feito, apenas a maneira como os Templários foram trazidos para sua órbita.

No século XIII, a Igreja de St. Marie de Blakerne em Constantinopla afirmava ter o sudário de Jesus. Não consegui descobrir como eles o conseguiram ou quando, mas foi em 1204, quando a Quarta Cruzada decidiu contornar a Terra Santa e conquistar Constantinopla. Segundo Robert de Clari, cronista e participante da cruzada, “Há outra igreja que se chama Madame Santa Maria de Blakerne, onde estava o sidoine em que Nosso Senhor foi envolvido. Todas as sextas-feiras se erguia para que se visse bem a figura de Nosso Senhor; mas não há ninguém, nem grego nem francês, que saiba para onde foi o sydoine quando a cidade foi tomada”.

Devo admitir que esse é o tipo de informação que faz os olhos de um romancista brilharem. Uma relíquia perdida, roubada em plena guerra: para onde pode ter ido? As possibilidades são infinitas.

Robert de Clari também menciona o véu de Verônica, no qual Jesus teria enxugado o rosto no caminho para o Calvário, e uma tanga sagrada que um fabricante de azulejos emprestou a Jesus para o mesmo fim. A imagem da tanga transferiu-se milagrosamente para um dos azulejos, que também foi guardado. 

Junto com essas relíquias de Constantiopla estavam a cabeça de João Batista, alguns pedaços da Verdadeira Cruz, a Coroa de Espinhos, a túnica que Jesus usava enquanto carregava a cruz, dois dos pregos e um frasco com seu sangue. Alguns deles apareceriam mais tarde na França na posse do rei Luís IX. Ele construiu a Igreja de Ste. Chapelle para abrigá-los. Mas a mortalha sagrada, a tanga sagrada e a telha parecem ter desaparecido.

Não parece haver qualquer menção ao sudário novamente até meados do século XIV, quando um cavaleiro chamado Geoffrey de Charny pode tê-lo possuído. Ele foi uma figura importante nas primeiras batalhas do que viria a ser a Guerra dos Cem Anos. Ele também se juntou a uma cruzada para Esmirna na Turquia em 1345, uma experiência que ele não gostou. 

Mais tarde, ele tornou-se membro fundador da efêmera Companhia da Estrela, um grupo de cavaleiros próximos ao rei da França, D. João II. Charny foi morto na Batalha de Poitiers em 19 de setembro de 1356. Entre suas façanhas militares, ele conseguiu escrever três tratados sobre cavalaria. Ele também mandou construir uma capela em seu terreno em Lirey com o objetivo de celebrar missas pelas almas de sua família e como cemitério familiar.

Agora, em todas as suas petições para construir sua igreja e em seus próprios escritos, Geoffrey de Charny nunca mencionou que ele tinha uma mortalha sagrada. Mas, assim que ele morreu, seu filho, também chamado Geoffrey, começou a mostrar o sudário a amigos, vizinhos e convidados como objeto de veneração, sempre tomando cuidado para não dizer que era o verdadeiro pano funerário de Jesus. O bispo local tentou convencê-lo a parar de fazer isso, certo de que o sudário era falso. Eventualmente, ele conseguiu.

Ninguém mencionou os Templários. Não havia razão para isso. Os Templários não participaram da Quarta Cruzada. Eles não acreditavam em lutar contra outros cristãos – pelo menos foi o que disseram aos organizadores da cruzada, e acho que provavelmente estavam falando sério. Eles estavam muito ocupados na época lutando contra os herdeiros de Saladino e devem ter ficado irritados com o fato de os cruzados estarem saqueando o Império Grego em vez de ajudá-los.

O Sudário de Turim ou Santo Sudário é um pedaço de pano de linho com o negativo da imagem de um homem. Alguns descrevem a imagem como representando Jesus de Nazaré e acreditam que o tecido é o mortalha fúnebre no qual ele foi envolto após a crucificação. Mencionado pela primeira vez em 1354, o sudário foi denunciado em 1389 pelo bispo de Troyes como sendo falso. Atualmente a Igreja Católica não endossa nem rejeita formalmente o sudário e, em 2013, o Papa Francisco referiu-se a ele como um “ícone de um homem flagelado e crucificado” O sudário é guardado na capela real do Catedral de Turim, no norte da Itália, desde 1578

É possível que Geoffrey de Charny tenha comprado o sudário como lembrança quando estava na Turquia, não acreditando que fosse genuíno, mas sim um ícone de corpo inteiro. Se seu filho sabia disso ou não, é impossível dizer.

Então, por que os Templários estão ligados ao Sudário? Tudo tem a ver com a coincidência de que o Visitante Templário da Normandia, Geoffrey de Charney, que foi queimado na fogueira logo após Jacques de Molay, tem o mesmo nome do primeiro dono do sudário. Os dois Geoffreys podem ter sido parentes, mas não há evidências disso.

Isso não impediu um autor do século XX, Ian Wilson, de decidir que não apenas os dois homens estavam conectados, mas que o sudário também pertencia originalmente aos Templários. Este é um exemplo de pegar um fato, que os dois homens têm o mesmo nome, e então criar todo um cenário baseado em nenhuma evidência.

Existem vários problemas com a teoria de Wilson.

Já indiquei que os Templários não estiveram envolvidos na pilhagem de Constantinopla. Esse é o primeiro problema. No entanto, se de alguma forma eles conseguissem algo que pensavam ser o sydoine , não haveria como eles manterem isso em segredo. Como apontei, os Templários estavam constantemente sem dinheiro e as relíquias eram um grande negócio. As relíquias que eles possuíam foram expostas, como a cabeça da Virgem número 58 no Templo [Comenda Templária] de Paris ou a cruz feita de uma banheira em que Jesus se banhou.

Wilson diz que o sudário e o véu de Verônica se confundiam e eram a mesma coisa. Então ele diz que o sudário, ou talvez imagens dele, era o que os Templários foram acusados ??de adorar em seu julgamento. Considerando o número de descrições imaginativas feitas pelos Templários da cabeça que eles deveriam adorar, isso não funciona. Mas também, se eles tivessem uma relíquia genuína da Ressurreição, não é lógico que eles diriam isso? A ideia de que isso seria um segredo não faz sentido no quadro do mundo medieval, ou mesmo moderno.

Uma das teorias mais surpreendentes que surgiu da conexão do sudário com os Templários sugere que a imagem no pano é na verdade Jacques de Molay. Isso foi feito, não surpreendentemente, por dois maçons, nenhum dos quais é historiador.

Eles baseiam essa conclusão em uma série de suposições.

A primeira suposição é que Jacques foi torturado pelos inquisidores em uma imitação da paixão de Cristo. Posteriormente, o sangrento Grão-Mestre foi colocado em uma mortalha porque, “como a Igreja de Jerusalém antes deles e a Maçonaria depois deles, os Templários mantiveram uma mortalha de linho para envolver os candidatos a membros seniores”.

Eles fizeram isso? Não encontro nada sobre isso na Regra nem nos vários autos dos interrogatórios.  Adoraria saber onde diz isso mas, infelizmente, os autores não citam a fonte.

O livro apresenta um cenário horrível, completo com ilustrações, sobre como Molay deve ter sido torturado. Estranhamente, essa tortura imaginada corresponde exatamente às feridas da imagem no sudário. No entanto, há um problema com isso também. (Na verdade, há muitos problemas, mas vou falar do mais óbvio.) Em primeiro lugar, não há registro em parte alguma de uma pessoa sendo torturada pela Inquisição em imitação de Cristo. 

Isso não seria apenas blasfêmia, mas também elevaria o status do acusado, fazendo com que seu sofrimento parecesse igual ao de Jesus. Mais importante ainda, os autores afirmam que Jacques de Molay mostrou as marcas de tortura quando se apresentou aos mestres da Universidade de Paris. Jacques de Molay não tirou a camisa para mostrar como havia sido torturado, como diz o livro, nem fez o discurso que os autores citam. Eles citam, aliás, não dos autos do julgamento, mas de uma tradução feita em um livro chamado Sociedades Secretas da Idade Média . O autor é aquela conhecida figura do Anonymous.

Segundo os autos, Jacques nunca disse que foi torturado. Ele disse que passou fome e foi ameaçado de tortura. Quando arregaçou as mangas diante dos mestres de Paris, foi para mostrar a eles como havia emagrecido.

Isso me leva ao motivo mais convincente para pensar que, qualquer que seja o sudário, não é um retrato de Jacques de Molay. A imagem no Sudário de Turim é de um jovem alto e bastante robusto, com cabelos longos e barba. Agora, depois de algum tempo na prisão, Jacques poderia ter se soltado um pouco, não aparando a barba ou cortando o cabelo. Mas Jacques de Molay estava com quase sessenta anos, se não mais.  Ele estava morrendo de fome. Olhando para a imagem do sudário, mesmo com as melhores intenções, não consigo ver que o homem ali é um homem esquálido de quase setenta anos.

Finalmente, outra teoria sobre o Sudário de Turim que recebeu alguma atenção é a de Lynn Picknett e Clive Prince. A princípio parece livre dos Templários. Eles acham que o sudário foi pintado por Leonardo da Vinci.

Mas você sabe, eles simplesmente não conseguiram manter os Templários fora disso, embora Leonardo tenha vivido mais de um século após a dissolução da ordem. Eles baseiam a conexão dos Templários não em pesquisas primárias, mas em outro livro popular, The Holy Blood and The Holy Grail . Este livro é baseado, entre outras coisas, em uma farsa e em documentos forjados. Eu vi esses documentos e eles estão cheios de imprecisões e erros.

Mais uma vez, os autores adicionam os Templários à mistura, continuando a suposição de que os Geoffreys de Charney e Charny estão conectados e adicionando-os à árvore genealógica dos governantes dos reinos latinos e, portanto, aos Templários novamente. Não há documentação para isso e não concorda com as genealogias conhecidas das famílias.

Eu realmente não me importo com o que é o Sudário de Turim. Só acho que é hora de deixarmos os Templários fora das discussões. Os pobres rapazes já tiveram o suficiente.


“Precisamos do seu apoio URGENTEMENTE para continuar nosso trabalho baseado em pesquisa independente e investigativa sobre as ameaças do Estado [Deep State] Profundo, et caterva, que a humanidade enfrenta. Sua contribuição, por menor que seja, nos ajuda a nos mantermos à tona. Considere apoiar o nosso trabalho. Disponibilizamos o mecanismo Pay Pal, nossa conta na Caixa Econômica Federal  AGENCIA: 1803 – CONTA: 000780744759-2, Operação 1288, pelo PIX-CPF 211.365.990-53 (Caixa)”. para remessas do exterior via IBAN código: BR23 0036 0305 0180 3780 7447 592P 1


O atributo alt desta imagem está vazio. O nome do arquivo é servo-monge-guerreiro-templário-cristo-300x251.jpg

A regra dessa ordem da Cavalaria de monges  guerreiros foi escrita por {São} Bernardo de Clairvaux. A sua divisa foi extraída do livro dos Salmos: “Non nobis Domine, non nobis, sed nomini tuo da gloriam” (Salmos. 115:1 – Vulgata Latina) que significa “Não a nós, Senhor, não a nós, mas pela Glória de teu nome” (tradução Almeida)

“Leões na guerra e cordeiros no lar; rudes cavaleiros no campo de batalha, monges piedosos na capela; temidos pelos inimigos de Cristo, a suavidade para com os seus amigos”. – Jacques de Vitry


Saiba mais sobre os Templários:

Permitida a reprodução desde que mantida a formatação original e mencione as fontes.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *