Entre ou
Cadastre-se

Compartilhe
Receba nosso conteúdo

A Tempestade Coletiva no Ocidente …

Poucos estão ouvindo o desajeitado marionete covarde PM do Canadá, a piada Justin Trudeau e o desastrado marionete [do Deep State] senil Joe Biden e todas as hipocrisias tóxicas que eles encarnam e praticam. O primeiro-ministro “liberal” do Canadá, o pusilânime covarde Justin Trudeau, invocou na semana passada a lei marcial para prender e destruir financeiramente os caminhoneiros e seus apoiadores sob a acusação de que seus protestos amplamente pacíficos estão “desmantelando a economia canadense” que já havia sido desmantelada por dois anos sob alguns dos bloqueios e lockdowns covid mais tirânicos e draconianos do mundo.

O Canadá agora é governado pelo absurdo e é sintomático de uma elite ocidental mental e moralmente doente e indecente

Fonte: Amgreatness.com – Por Victor Davis Hanson

A “seita” caminhoneira, acrescentou Trudeau, é culpada de criminosas “visões inaceitáveis”. Mas sua retórica ainda não consegue enquadrar o círculo de demonizar trabalhadores vitais enquanto admite que não pode governar seu país sem eles. 

Ele invocou a Lei de Emergências pela primeira vez nos 34 anos de história da lei, mesmo quando a variante Omicron altamente infecciosa diminui após espalhar a imunidade natural [para desgosto do psicopata Bill (Hell’s) Gates] e ainda se mostrar relativamente suave em seus efeitos. Trudeau não tem a ciência nem uma boa governança do seu lado, especialmente considerando o quão civilizado os protestos foram. Os caminhoneiros, que mais ou menos trabalham em serviços solitários, estão mais bem informados sobre a “ciência” e são eles próprios, em sua maioria, vacinados.  

Seja por acidente ou intenção, os caminhoneiros agora se tornaram ícones de problemas muito maiores que antes estavam ocultos e agora foram escancarados. Sua resistência aos mandatos de vacinação do governo os transcende. E assim, eles estão desempenhando o papel de canudo proverbial que pode quebrar as costas de um cidadão canadense outrora compatível, sobrecarregado por mais de dois anos de imposição do uso de máscaras, bloqueios, fechamento de empresas, distanciamento social, “Passaportes de Vacina”, desemprego em massa, isolamento e mandatos obrigatórios de vacinação

Eles são Howard Beales gritando: “Estou bravo pra caramba e não vou aguentar mais!” ou o icônico mascate tunisiano Tarek el-Tayeb Mohamed Bouazizi , cuja autoimolação provocou a Primavera Árabe, ou o Homem do Tanque, que ficou de pé em Tiananmen quando um tanque que se aproximava teve que parar e finalmente desviou dele. 

Os caminhoneiros estão dizendo ao povo canadense ao mundo: “Observem e mostraremos gentilmente por que você sempre suspeitou em particular que esse primeiro-ministro e sua laia eram fraudes”. Como no caso de rebeldes exasperados anteriores, não sabemos as consequências exatas que se seguirão, apenas que os [pseudo]líderes políticos que atacaram os dissidentes caminhoneiros provavelmente terminarão pior do que os seus alvos. 

O público norte-americano tem sofrido quase diariamente mudanças absurdas nos decretos estaduais “siga a ciência”, bem como vastas assimetrias entre aqueles que lucraram e aqueles que foram prejudicados pelas reações do [des]governo à pandemia. Por um lado, Trudeau ameaça usar seus poderes de estado para arruinar financeiramente os manifestantes e os cidadãos canadenses seus apoiadores. 

Por outro lado, o covarde marionete do WEF, o primeiro-ministro se gaba de ter participado das versões canadenses dos protestos do BLM no verão de 2020. Aqui nos Estados Unidos, os distúrbios combinados do BLM/Antifa do verão de 2020 causaram as maiores reivindicações de danos materiais de qualquer tumulto na história dos EUA, cerca de US$ 2 bilhões. 

A violência acabou levando a mais de 35 mortes, o incêndio de um tribunal federal, delegacia de polícia e a histórica igreja de Washington DC, mais de 1.500 feridos policiais – e, misteriosamente, muito poucas acusações das cerca de 14, 000 pessoas presas. O ponto de Trudeau é enfatizar que destruir coisas torna os manifestantes mais autenticamente de esquerda e, portanto, isentos de culpabilidade, enquanto os protestos principalmente pacíficos contra a sua tirania perdem a dissuasão e, portanto, podem ser esmagados? 

A esquerda norte-americana justifica tal assimetria de tratamento tanto em termos grosseiros quanto em termos ideológicos debochados. Um funcionário de Trudeau chamou os caminhoneiros de “apoiadores de Trump”, como se esse rótulo tivesse alguma relevância além de justificar a violação das liberdades civis pelo governo de Trudeau, que acha que um “apoiador de Trump” necessariamente vota pior do que um “apoiador de Trudeau”? O homem idiota que em sua juventude [Trudeau] achava legal ser fotografado com blackface é rápido em demonizar um protesto multiétnico e multirracial como “racista”? 

As administrações de esquerda em Toronto e Washington sentem que os supostos objetivos sociais mais elevados dos protestos violentos Antifa e BLM (que supostamente promovem suas próprias agendas políticas) justificam isenções de todo tipo e espécie. Mais de 1.000 profissionais de saúde dos EUA foram registrados em 2020, justificando as violações flagrantes dos manifestantes de rua de bloqueios rigorosos do COVID-19, no auge da pandemia pré-vacinação.  

Recebemos um sermão de que conter qualquer protesto do BLM pode causar problemas de saúde mental. Os caminhoneiros inadimplentes e seus reforços devem tentar esse ardil?  

A aplicação assimétrica da punição depende apenas do grau em que qualquer violação ajuda ou prejudica a implantar as agendas da esquerda que levam à dissolução da sociedade e geram caos perpétuo. Um artigo pós-eleição da revista Time de Molly Ball entregou o jogo. Ela se gabou de como CEOs e plutocratas conspiraram para modular o pulso da violência Antifa/BLM para garantir a calma na eleição de Joe Biden – e mais ou menos resumiu o impulso da elite progressista (“Houve uma conspiração se desenrolando nos bastidores, uma que tanto restringiu os protestos e coordenou a resistência dos CEOs. Ambas as surpresas foram resultado de uma aliança informal entre ativistas de esquerda e [a elite] dos titãs dos negócios.” 

O COVID acentuou uma divisão cultural, política, social e econômica maior e crescente no Ocidente. Em parte, as fissuras foram provocadas intencionalmente pelos deslocamentos da globalização. Em parte, eles apareceram com o domínio final de uma enorme classe de apparatchiks governamentais credenciados. E, em parte, a divisão deriva do paradoxo dos governos convidando milhões de imigrantes não-ocidentais para a Europa e a América do Norte de sociedades empobrecidas e distópicas. Sua desigualdade na chegada, supostamente baseada na raça e não na classe, torna-se então alimento político para agendas redistributivas progressivas que, de outra forma, tinham pouco apoio político entre suas populações cidadãs.  

Mais uma vez, os caminhoneiros e seu movimento de protesto no Canadá [e agora em outros países] simbolizam essa lacuna, em uma época em que as elites não se importam muito com divisões de classe, que incentivam e provocam, apenas distinções raciais como forma de demonizar os menos abastados. 

Afinal, quem difama os caminhoneiros é, em sua maioria, da classe de zoom e laptop. Suas principais agendas durante os últimos dois anos de crise foram se abrigar para evitar o contato com qualquer pessoa, enquanto ampliavam e voavam para manter e aumentar suas rendas já generosas. Poucos como o pusilânime covarde Trudeau já se perguntaram como a elite permaneceu totalmente empregada, mas raramente presente no trabalho – muito menos por que se esperava que milhões de outras pessoas zombassem do vírus e viessem fisicamente para o trabalho, enquanto suas rendas geralmente diminuíam ou terminavam devido às tirânicas políticas de bloqueio do governo.  

As classes de trabalhadores braçais menos favorecidos não gozavam de tais isenções. Seus filhos saíram das escolas públicas que foram fechadas ou que exigiam máscaras. Os pais perderam renda ao ficarem em casa para cuidar de crianças que professores titulares não ensinaram. Os caminhoneiros não tinham essa margem de segurança ou proteção, mas estavam entre o público entregando comida, combustível, roupas e os acessórios do estilo de vida confortável ocidental. Em nossa atual espiral inflacionária, eles ganharam um pouco mais, enquanto a inflação os deixou mais pobres, enquanto aqueles a quem serviram ganharam muito mais.  

Os caminhoneiros canadenses e os cidadãos que os apoiam lembram ao público ocidental que o progressismo moderno dos “liberais” [com o trabalho e renda dos mais pobres] iguala o trabalho muscular e a remuneração horária a uma espécie de neandertalismo. Ou seja, infelizes grudentos supostamente nunca entenderam bem a globalização muito menos como um mercado de quase 8 bilhões de pessoas recompensa aqueles que digitam nos teclados e, em termos relativos, pune os supostamente menos conscientes que fisicamente entregam, consertam, fabricam e produzem coisas.

Podemos quase reduzir a divisão à ótica embaraçosa de um primeiro-ministro de pijama com cara de beicinho, com um penteado de topete, fazendo ameaças a trabalhadores calmos, mas musculosos e calejados. Cada vez que Trudeau fala com sua nação, a mensagem visual é que qualquer um dos caminhoneiros poderia fazer um trabalho melhor do que ele tanto na definição quanto na explicação de políticas, enquanto ele se tornaria uma criança chorosa indefesa se colocado atrás do volante de um grande caminhão. 

De alguma forma, a classe de elite extrapola o valor moral de sua superioridade manipulada em compensação financeira. E dada a sua alavancagem econômica e cultural – mídia social, entretenimento, academia, esportes profissionais, diretoria corporativa, Wall Street – ela institucionalizou a ideia de que, de forma circular, quanto mais credenciados e melhor remunerados, mais a elite merece mais influência sobre como as sociedades devem funcionar de uma maneira que beneficie principalmente a si mesmos, a própria elite.  

Paradoxos surgem constantemente. Grandes do governo são pegos sem máscaras em restaurantes da moda. Os demagogos das mudanças climáticas voam em jatos particulares. Os fanáticos pró-sindicato dos professores, anti-charter e anti-escola em casa garantem que seus filhos permaneçam em escolas particulares. A multidão da propriedade fechada ridiculariza a ideia fossilizada de um muro na fronteira. Burocratas profissionais rotineiramente mentem sob juramento ao Congresso e aos investigadores federais sem quaisquer consequências – como John Brennan, James Clapper, Anthony Fauci e Andrew McCabe podem atestar. 

Para explicar o governador democrata da Califórnia Gavin Newsom se divertindo sem máscara em reuniões de elite, devemos supor que sua classe merece isenção das ramificações de sua ideologia – para viajar mais rápido, dormir melhor, ter uma rede de apoio maior e relaxar em casas e jardins merecidamente maiores – tudo para que eles pudessem salvar melhor nós mesmos, idiotas e escórias sem noção. 

Nossas elites como Trudeau e Newsom parecem zangadas por serem injustamente subestimadas por seus beneficiários ignorantes. Os últimos supostamente nunca apreciam os remédios necessários para as mudanças climáticas, a limpeza de pensamento necessária para eliminar o racismo sistêmico e a reprogramação da mente exigida para a verdadeira diversidade, equidade e pensamento de inclusão.  

The Freedom Convoy and the rise of right-wing populism

Em vez disso, os perdedores se apegam a noções inconscientes e incorretas de que classe, não raça, continua sendo a verdadeira divisão pós-moderna, que imprimir dinheiro não nos torna mais ricos, que uma nação sem fronteiras é um nada amorfo, que gasolina e diesel acessíveis (não eólica e solar) por enquanto mantém o Ocidente vivo, que um feto está vivo na concepção, que a biologia determina em grande parte o gênero, que a assimilação e a integração são as únicas curas para o tribalismo e que a lei reflete uma moralidade natural inata, e não deve ser aplicada com base em vítimas percebidas manipuladas por ele, ou os supostos vitimizadores manipulando-o.  

Essa ferida de uma elite imperiosa, mas falsificada, supurou por muito tempo sob uma crosta lisa. E de repente, os caminhoneiros pelo menos arrancaram um pouco dela e os expuseram para todo o mundo.  

O que se segue agora é a ampliação e o esclarecimento da divisão ocidental. Nós, o público, estamos no teatro global. E estamos assistindo a uma tragicomédia. No palco, um elenco petulante do tipo sem noção Justin Trudeau e do desajeitado marionete senil Joe Biden, que simplesmente não conseguem entender por que poucos ainda estão ouvindo-os.  Mais e mais norte-americanos estão perplexos por que alguém desejaria seguir figuras mentais e físicas tão inexpressivas, idiotas sem nada de força interior, sujeitos vazios, juntamente com todas as hipocrisias tóxicas que incorporam e armam.

Sobre Victor Davis Hanson (Autor): Hanson é membro distinto do Center for American Greatness e Martin and Illie Anderson Senior Fellow na Hoover Institution da Universidade de Stanford. Ele é um historiador militar americano, colunista, ex-professor de clássicos e estudioso da guerra antiga. Ele é professor visitante no Hillsdale College desde 2004. Hanson recebeu a Medalha Nacional de Humanidades em 2007 pelo presidente George W. Bush. Hanson também é agricultor (cultivando uvas passas em uma fazenda familiar em Selma, Califórnia) e crítico das tendências sociais relacionadas à agricultura e ao agrarismo. Ele é o autor mais recentemente de The Second World Wars: How the First Global Conflict Was Fought and Won , The Case for Trump e o recém-lançado The Dying Citizen ..


O corrupto ESTABLISHMENT fará qualquer coisa para impedir que sites como o nosso revelem a verdade. A mídia corporativa Big Tech faz isso desmonetizando sites como o meu, bloqueando o site da receita de publicidade. Se você receber e perceber algum valor real deste site, mantenha-o funcionando com uma doação.


“Precisamos URGENTEMENTE do seu apoio para continuar nosso trabalho baseado em pesquisa independente e investigativa sobre as ameaças do Estado [Deep State] Profundo, et caterva, que a humanidade enfrenta. Sua contribuição, por menor que seja, nos ajuda a nos mantermos à tona. Considere apoiar o nosso trabalho. Disponibilizamos o mecanismo Pay Pal, nossa conta na Caixa Econômica Federal   AGENCIA: 1803 – CONTA: 000780744759-2, Operação 1288, pelo PIX-CPF 211.365.990-53 (Caixa)”. para remessas do exterior via IBAN código: BR23 0036 0305 0180 3780 7447 592P 1


Mais informação adicional:

Permitida a reprodução, desde que mantido no formato original e mencione as fontes.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *