browser icon
Você está usando uma versão insegura do seu navegador web. Por favor atualize seu navegado!
Usando um navegador desatualizado torna seu computador inseguro. Para mais segurança, velocidade, uma experiência mais agradável, atualize o seu navegador hoje ou tente um novo navegador.

Ucrânia pede ajuda à OTAN e pondera retaliação contra a Rússia: seis principais conclusões do discurso de Zelensky

Posted by on 22/02/2022

Kiev espera que não haja guerra com Moscou, mas pode cortar relações diplomáticas com seu vizinho, diz presidente Zelensky. Apesar do reconhecimento da Rússia na segunda-feira das regiões separatistas do Donbass como estados soberanos e uma ordem para enviar tropas para a região separatista, a Ucrânia não acredita que haverá uma guerra com a Rússia, disse o presidente Volodymyr Zelensky nessa terça-feira.

Ucrânia pede ajuda à OTAN e pondera retaliação contra a Rússia: seis principais conclusões do discurso de Zelensky

Fonte: Rússia Today

O “líder” ucraniano está considerando romper relações diplomáticas com a Rússia e quer mais assistência externa para seu país, disse ele durante uma entrevista coletiva conjunta com o presidente visitante da Estônia, Alar Karis.

Aqui está uma recapitulação do que Zelensky disse:

1-Não haverá guerra
A Ucrânia não se considera em guerra com a Rússia, disse Zelensky, quando perguntado se iria impor a lei marcial em seu país. Pouco depois de Moscou reconhecê-los como estados soberanos, o presidente russo Vladimir Putin ordenou que tropas russas fossem enviadas para as Repúblicas Populares de Donetsk e Lugansk para protegê-las de uma possível retaliação militar da Ucrânia.


“Acreditamos que não haverá guerra [da Rússia] contra a Ucrânia”, enfatizou Zelensky. Se houver, vamos declarar estado de guerra.”

2-Laços diplomáticos podem ser cortados
O Ministério das Relações Exteriores da Ucrânia pediu a Zelensky que corte todos os laços diplomáticos com a Rússia, disse o presidente. “Vou deliberar sobre esta questão e outras logo após esta conferência”, disse ele. O Ministério das Relações Exteriores da Rússia respondeu ao aviso dizendo que não desejava tal medida. “Essa seria a decisão de Kiev”, disse o porta- voz Andrey Rudenko.

3-Não haverá retirada de tropas
Zelensky rejeitou a ideia de falar com os líderes das repúblicas separatistas, rotulando-os de “organizações terroristas” e afirmando com desdém que “não sabia quem eram”. A observação veio depois que um jornalista perguntou se a Ucrânia retiraria suas tropas, conforme solicitado pelos líderes rebeldes.

Moscou disse que a recusa contínua de Kiev em conversar com Donetsk e Lugansk sobre como eles poderiam resolver o conflito foi um fator importante na decisão de reconhecer sua independência

4-Nord Stream 2 deve ser interrompido
O presidente ucraniano disse esperar que outras nações imponham “sanções rápidas” à Rússia em resposta ao anúncio de segunda-feira. Em particular, ele solicitou que o gasoduto Nord Stream 2, que liga a Rússia à Alemanha através do Mar Báltico, fosse proibido de bombear combustível. A Alemanha anunciou na terça-feira que seu processo de certificação havia sido suspenso.

Kiev e o Ocidente afirmam há anos que o oleoduto é um “projeto político” que a Rússia usará contra a Ucrânia. Este último atualmente recebe bilhões de dólares anualmente em taxas de trânsito de gás natural que é canalizado através de seu território para a Europa Ocidental.

5-Rússia cometeu um ato de “agressão judicial”
O reconhecimento de Moscou das regiões separatistas foi um ato óbvio de “agressão judicial”, disse Zelensky. Ele alegou que violou a resolução do Conselho de Segurança da ONU de 2015 que consagrou o chamado Protocolo de Minsk – um roteiro para a reconciliação entre Kiev e suas províncias rebeldes.

Mas Moscou disse que Kiev vem falhando há sete anos em cumprir sua parte do acordo, como implementar um status especial para as duas regiões e emitir uma anistia geral para combatentes rebeldes. Alegou que, por meio desse fracasso, a Ucrânia demonstrou claramente que não queria ver as regiões reintegradas.

6-Ucrânia quer compromissos de adesão e mais ajuda
O presidente ucraniano solicitou que, diante da “agressão russa”, outras nações aumentem sua assistência financeira e militar à sua nação. Ele disse que a UE e a OTAN devem deixar claro para Kiev quando será permitido se juntar a eles. “Esperamos que este ano seja um ano de decisões definitivas sobre as necessidades da Ucrânia” , disse ele.

Zelensky agradeceu ao presidente estoniano por permanecer um firme defensor de seu país em um momento difícil. “Alguns diplomatas estão saindo da Ucrânia, enquanto “bravos líderes de grandes potências” fazem o oposto e nos visitam para apoiar a Ucrânia” , disse ele.


O estabelecimento corrupto fará qualquer coisa para impedir que sites como o nosso revelem a verdade. A mídia corporativa Big Tech faz isso desmonetizando sites como o meu, bloqueando o site da receita de publicidade. Se você receber e perceber algum valor real deste site, mantenha-o funcionando com uma doação.


“Precisamos URGENTEMENTE do seu apoio para continuar nosso trabalho baseado em pesquisa independente e investigativa sobre as ameaças do Estado [Deep State] Profundo, et caterva, que a humanidade enfrenta. Sua contribuição, por menor que seja, nos ajuda a nos mantermos à tona. Considere apoiar o nosso trabalho. Disponibilizamos o mecanismo Pay Pal, nossa conta na Caixa Econômica Federal   AGENCIA: 1803 – CONTA: 000780744759-2, Operação 1288, pelo PIX-CPF 211.365.990-53 (Caixa)”. para remessas do exterior via IBAN código: BR23 0036 0305 0180 3780 7447 592P 1


Mais informação adicional:

Permitida a reprodução, desde que mantido no formato original e mencione as fontes.


One Response to Ucrânia pede ajuda à OTAN e pondera retaliação contra a Rússia: seis principais conclusões do discurso de Zelensky

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.