Entre ou
Cadastre-se

Compartilhe
Receba nosso conteúdo

Agricultores e políciais entram em confronto em Paris (VÍDEO)

“Agricultores franceses em protesto contra o governo francês invadiram uma grande feira agrícola de Paris no sábado, antes da visita do presidente, o marionete Rothschild, Emmanuel Macron, e acabaram brigando com a polícia de choque. Eles têm protestado contra as Regulamentações (Emissão Zero CO²) Ambientais restritivas da UE, bem como contra o aumento dos custos de produção e dos impostos.

Os Agricultores franceses têm-se manifestado contra o aumento dos custos, dos impostos e das rigorosas regulamentações “Verdes” da UE.

Fonte: ReutersRússia Today

  • Polícia e agricultores furiosos entram em confronto antes da visita de Macron
  • Macron reúne dirigentes sindicais e partes interessadas daqui a 3 semanas
  • Discussão acalorada irrompe entre Macron e os agricultores em protesto

Vídeos compartilhados nas redes sociais mostram agricultores gritando: “Macron, renuncie!” enquanto tentam passar pelas linhas da polícia de choque já dentro do pavilhão da feira. “Esta é a nossa casa!” eles também foram ouvidos gritando enquanto enfrentavam policiais com equipamento de choque.

A certa altura, eclodiu uma luta violenta, com os agricultores, os funcionários da feira e a polícia a empurrarem-se e a pontapearem-se uns aos outros. Os manifestantes conseguiram romper as linhas policiais. Um vídeo mostra os manifestantes demolindo o que se afirma ser um estande da UE preparado para a exposição.

Não está claro se alguém ficou ferido no impasse. Segundo a Reuters, pelo menos uma pessoa foi presa após os confrontos. A polícia francesa até agora não comentou os acontecimentos. O incidente ocorreu antes de uma visita programada do ‘acordado’ e ‘verde’ Macron à feira.

O [pseudo]líder francês tomou o desjejum com líderes sindicais de agricultores no sábado e também deveria realizar um debate com os agricultores e outras partes interessadas do setor agrícola na feira. O debate foi cancelado em meio aos protestos violentos de um grupo de agricultores.

“Estou dizendo isso para todos os agricultores: vocês não estão ajudando nenhum dos seus colegas destruindo barracas, vocês não estão ajudando nenhum dos seus colegas ao tornar o show impossível e, de certa forma, assustando as famílias para que não compareçam”, disse Macron aos jornalistas. Segundo a Reuters, a invasão da exposição por agricultores atrasou a abertura ao público em pelo menos uma hora.

O presidente francês disse que reuniria representantes dos sindicatos de agricultores e outras partes interessadas do setor agropecuário no Palácio do Eliseu dentro de três semanas, depois de ter cancelado um debate que pretendia realizar na feira com os agricultores, processadores de alimentos e retalhistas. Ele negou relatos de que planejava convidar o polêmico grupo ambientalista Soulevements de la Terre para esse debate, o que despertou ainda mais a raiva entre os agricultores franceses.

Uma discussão acalorada e improvisada entre Macron e os manifestantes foi transmitida ao vivo pelos canais de notícias franceses. A feira agrícola de Paris – um grande evento na França, atraindo cerca de 600 mil visitantes durante nove dias – é um evento político, onde se espera que os presidentes e os seus opositores interajam com o público sob intenso escrutínio dos meios de comunicação social.

Os protestos dos agricultores que se espalharam por toda a Europa suscitaram preocupações na França e noutros países sobre as suas consequências políticas, uma vez que representam um eleitorado crescente para a extrema direita, que deverá obter ganhos nas eleições para o Parlamento Europeu em Junho.

Os protestos dos agricultores começaram em vários países da UE no final de Janeiro, em resposta às rigorosas políticas e regulamentações ambientais da UE, que incluíram cortes nos subsídios e aumento das regulamentações e impostos. Argumentaram que os planos de Bruxelas iriam colocá-los fora do mercado e ameaçar os seus meios de subsistência e a produção de alimentos.

Na época, foram realizadas grandes manifestações de agricultores na Alemanha, França, Polônia, Espanha, Portugal, Romênia e Bulgária. Paris descartou os planos para reduzir os subsídios ao diesel para os agricultores no final de Janeiro, depois de os manifestantes terem usado tratores e outras máquinas agrícolas para bloquear importantes rodovias de Paris e uma estrada que ligava a França a Espanha. Os comícios foram praticamente suspensos, mas foram retomados no início desta semana.

Os agricultores franceses suspenderam em grande parte os protestos no início deste mês depois de o primeiro-ministro Gabriel Attal ter prometido novas medidas no valor de 400 milhões de euros (433 milhões de dólares). Mas os protestos recomeçaram esta semana para pressionar o governo a fornecer mais ajuda e a cumprir as promessas, antes da feira agrícola de Paris.


Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *