browser icon
Você está usando uma versão insegura do seu navegador web. Por favor atualize seu navegado!
Usando um navegador desatualizado torna seu computador inseguro. Para mais segurança, velocidade, uma experiência mais agradável, atualize o seu navegador hoje ou tente um novo navegador.

Antártida: Base Alien descoberta no Lago Vostok e sua estranha anomalia magnética (1)

Posted by on 06/09/2019

A inspiração para escrever este artigo começou no verão de 1996, quando uma série de mensagens de e-mail começou a aparecer em minha caixa, sugerindo a possibilidade de que “alguém” ou “alguma coisa” estivesse clandestinamente removendo todos os mapas recentes da Antártica. Intrigado com as declarações eletrônicas, liguei para a Penn-Oh-West Maps em Pittsburgh para verificar a disponibilidade das projeções de mapas da Antártica. A resposta do lojista foi surpreendente: “Desculpe senhor. Todos os nossos novos mapas de Polo Sul estão em ordem pendente.  Deve haver algum tipo de problema com o USGS.”

Tradução, edição e imagens:  Thoth3126@protonmail.ch

Antártida: Vostok, o Lago das “Sombras” e estranha anomalia magnética

Por Scott Corrales – do site GreyFalcon – Fonte: https://www.bibliotecapleyades.net/antarctica/antartica09.htm

“Dúvida dos fatos reais, como devo revelá-los, é inevitável; no entanto, se eu suprimisse o que pareceria extravagante e incrível, não restaria nada”.  – HP Lovecraft

A inspiração para este artigo começou no verão de 1996, quando uma série de mensagens de e-mail começou a aparecer em minha caixa, sugerindo a possibilidade de que “alguém” ou “alguma coisa” estivesse clandestinamente removendo todos os mapas recentes da Antártica. A noção era tão ultrajante que até os teóricos da conspiração obstinados se viram tendo que esclarecer o assunto – não era que o “Big Brother” e seus capangas estavam arrancando páginas de mapas de todos os almanaques e atlas mundiais do país, que apenas se tornaria mais difícil para obter mapas recentes na Antártica. 

Intrigado com as declarações eletrônicas, liguei para a Penn-Oh-West Maps em Pittsburgh para verificar a disponibilidade das projeções da Antártica. A resposta do lojista foi surpreendente:

“Desculpe senhor. Todos os nossos novos mapas de Polo Sul estão em ordem pendente. Deve haver algum tipo de problema com o USGS.

A Antártica possui quase 90% do gelo e 70% da água doce da Terra. É o terceiro maior continente, com um tamanho de uma vez e meia dos EUA. Várias nações, incluindo Estados Unidos, Grã-Bretanha, Austrália, Nova Zelândia, França, Alemanha e Argentina realizam experimentos em bases espalhadas pelo continente.

O Serviço Geológico dos Estados Unidos, ou USGS, produz os mapas mais detalhados disponíveis, como os mapas topográficos da série de 7,5 minutos na escala de 1:20.000. O USGS também não está interessado somente ao planeta Terra – na confecção de mapas, sua experiência se estende a mapas detalhados da Lua, de Marte e de Vênus.

Refletindo sobre a situação, pensei que as mudanças no sétimo continente (Antártida) são tão poucas que dificilmente justificam a criação de novos mapas. Se alguém precisasse desesperadamente de um mapa do Polo Sul, seria suficiente recorrer a um mapa da National Geographic ou ao atlas de Rand McNally mais próximo. Mas poderiam os teóricos da conspiração polar entender alguma coisa?

A questão da cartografia polar logo foi esquecida – pelo menos para mim – até 1999, a mídia divulgou notícias de uma descoberta verdadeiramente sensacional: um lago cujas águas nunca haviam visto a luz do dia, pelo menos por milhões de anos, localizado alguns milhas abaixo da calota polar. A nova massa de água foi batizada com o nome da estação experimental russa localizada imediatamente acima do lago: Vostok.

Um lago verdadeiramente estígio (isto é, dos “Infernos”, Estígio é o nome do rio dos infernos)

A descoberta do lago Vostok foi uma fonte de interesse quase imediato para o programa espacial dos EUA, cujos cientistas viram a oportunidade de realizar uma série de experimentos prenunciando futuras missões não tripuladas para Europa, uma das luas de Júpiter, cuja superfície gelada contém lagos e depósitos semelhantes ao lago Vostok.

Em setembro de 1999, um total de 80 cientistas de mais de uma dúzia de países se reuniram no Lucy Cavendish College da Universidade de Cambridge para estabelecer protocolos para pesquisar as supostas formas de vida que fervilham nas que certamente devem ser as águas mais escuras do mundo.

Em uma série de press releases, os cientistas reunidos relataram que os microrganismos do novo lago estariam isolados do resto do mundo por milhões de anos e, portanto, representavam uma possível fonte de novos antibióticos e enzimas.

O microbiologista britânico Cynan Ellis-Evans enfatizou que a escassez de fontes de alimentos, a intensa pressão e a escuridão do lago subterrâneo significavam que seria difícil encontrar vida animal avançada nessas profundidades.  Seus comentários deram esperanças de encontrar “O Mundo Perdido”, de Arthur Conan Doyle, sob a calota de gelo da Antártica.

No entanto, indiferentes ao seu colega, os cientistas reunidos em Cambridge elaboraram um ambicioso programa de pesquisa para o Lago Vostok, incluindo as precauções a serem tomadas para evitar manchar as águas cristalinas do oculto lago polar. O uso de um “criobot” foi sugerido: um dispositivo de três metros de comprimento que lembra um implemento de escrita com uma ponta quente.

O criobot desceria as quatro milhas que separam a superfície polar e o lago e, ao chegar ao lago Vostok, lançava um sonar e um “hidrobot” equipado com câmera para explorar o ambiente líquido. Durante os anos 70, os cientistas russos conseguiram perfurar a uma profundidade de 3.600 metros, quase chegando à superfície do lago, cuja existência ainda era insuspeita e ignorada. Amostras de núcleo de gelo provaram a existência de metano – o gás predominante na atmosfera da  distante lua Europa de Júpiter.

Cientistas e leigos ficaram emocionados com a descoberta e suas implicações relacionadas a conquista do espaço, mas dai o Lago Vostok nunca foi mencionado novamente fora dos círculos especializados … até agora.

A Antártida, o continente gelado que guarda muitos mistérios e segredos.

Antártida, um continente de mistério, segredos, magia e terror

A Antártida sempre representou uma fonte de inspiração para autores de romances de ficção e aventura. Uma das passagens mais memoráveis ​​da obra “As 20.000 léguas submarinas” de Jules Verne é o momento em que seu anti-herói, capitão Nemo, ostenta sua vasta bandeira negra no Pólo Sul, alegando ser o primeiro a atingir o objetivo.

Mas seriam os personagens de carne e osso que escreveriam as verdadeiras histórias de aventura da Antártica:

  • As heróicas tentativas de Shackleton de chegar ao polo em uma série de expedições, nenhuma delas bem-sucedida
  • a trágica morte de Robert Falcon Scott no polo, após a amarga descoberta de que Amundsen o havia derrotado em questão de dias
  • finalmente, os esforços do vice-almirante Robert Byrd para estabelecer uma presença permanente dos EUA na Antártica – a estação de pesquisa conhecida como “Little America”

Mas a Antártica sempre consegue escapar dos limites dos livros didáticos e parece estar empenhada em obras de ficção assustadoras.  O marinheiro errante de “Rime of the Ancient Mariner“, de Coleridge, encontra-se em um reino antártico cheio de fantasmas, enquanto o mestre escritor de terror HP Lovecraft, autor de “Nas montanhas da Loucura“, descreve a jornada polar feita por uma expedição científica.

A jornada resulta na descoberta de uma cadeia de montanhas desconhecida que oculta a existência de uma cidade antiga e sem nome, construída pelos “Antigos”. Essa espécie primitiva, não humana, chegou ao fim nos tentáculos de suas próprias criações: as enormes e Shoggodos aterrorizantes. O homem que raramente se aventurou para longe de sua cidade natal, Providence, Rhode Island, conta uma história tão convincente que o frio da Antártica arrepia as pontas dos dedos do leitor.

É precisamente nos trabalhos de Lovecraft que o puramente fantástico se mistura desconfortavelmente com o factual, levando-nos a confrontar outros mistérios polares de natureza igualmente ambígua. A principal delas é a expedição da Alemanha nazista para conquistar “Neuschwabenland“, ou o que antes era conhecido como Terra da Rainha Maud na maioria dos mapas.

A expedição nazista de 1938/1939 e seus objetivos têm sido o cadinho de todo tipo de teoria – cada uma mais escandalosa que a anterior – sobre civilizações intra-terrenas, discos voadores nazistas e a criação bem-sucedida de “super-homens” nazistas alemães em bases polares subterrâneas ocultas.

Os teóricos da conspiração buscam reforçar suas especulações, referindo-se à exibição repentina da força militar americana no Polo Sul nos anos seguintes à Segunda Guerra Mundial (Operação Highjump), com o suposto objetivo de combater as forças que defendiam o último reduto nazista.

Mais recentemente, espetáculos de filmes como The Thing (John Carpenter) (1982) e X-Files: Fight the Future (1998) empregaram o continente branco como esconderijo de forças extraterrestres, chegando por acidente ou como parte de uma sombria operação de conquista da Terra; os esforços feitos por protagonistas humanos para superar as quantidades desconhecidas de mistérios no polo sul.

Possivelmente inspirada por essa variedade de fontes, a crença na Atlântida também encontrou um novo “continente perdido” no qual se aninhar. Após 17 anos de intensa pesquisa, os autores britânicos Rand e Rose Flem-Ath concluíram um trabalho intitulado When the Sky Fell (1995). O livro deles não procurava determinar a localização do continente supostamente afundado, mas de outras terras onde os sobreviventes de uma catástrofe assim teriam procurado abrigo.

Os estudos de Flem-Ath os levaram a selecionar duas regiões em continentes distintos: os arredores do Lago Titicaca, nas terras altas do Peru-Bolívia e o Lago Tana, na Etiópia, sugerindo que essas duas áreas eram particularmente adequadas para a reintrodução de técnicas agrícolas na esteira de um desastre planetário (e incrivelmente, eles acertaram em relação ao Lago Titicaca nas terras altas do Peru-Bolívia)

Atlântida estava na Antártica? 

Graham Hancock, autor de Fingerprints of the Gods (1995), juntou-se a Flem-Aths e outros autores no apoio a teorias científicas controversas sobre o deslocamento de placas tectônicas. No que diz respeito à Antártica, a teoria sugere que o continente mais ao sul estava localizado ao norte do atual Círculo Antártico e poderia ter sido habitado, apresentando “um clima ameno e recursos adequados para o desenvolvimento de uma civilização”.

Esses pesquisadores poderiam ter resolvido o enigma da cultura mãe que passamos a identificar com a Atlântida de Platão ? Independentemente de Atlantida estar localizada na Antártida ou não, vale lembrar das profecias de Edgar Cayce , o “Profeta Adormecido”. Além de realizar várias curas em estado de transe, Cayce também nos deu uma série de leituras sobre a Atlântida que são estudadas até hoje. Uma delas fez menção a um enorme cristal supostamente empregado pelos atlantes como fonte de energia. 

Cayce previu que esse objeto seria redescoberto no final do século 20, mas sem especificar sua localização. Se as profecias do Profeta Adormecido coincidem com as teorias apresentadas por Flem-Aths e Graham Hancock, a anomalia do Lago Vostok poderia ser conectada à fonte de energia perdida dos antigos atlantes?

A “anomalia magnética” do Lago Vostok

As primeiras pesquisas no lago Vostok indicaram que o corpo de água tinha uma profundidade de cerca de 2.000 pés – muito mais profundo do que qualquer um dos Grandes Lagos e metade da profundidade do lago Baikal da Ásia (5.000 pés) – um comprimento de cerca de 300 milhas e uma largura de 50 milhas. Ao contrário do que se acreditava inicialmente, o lago recebeu luz filtrada.

Lago Vostok visto de satélite.

O Lago Vostok é uma massa de água subglacial localizada na Antártida, por baixo da Estação Vostok, um centro de investigação dirigido pela Rússia. Este lago  permaneceu desconhecido durante muito tempo, graças ao seu peculiar enquadramento geográfico e permanece como uma das últimas zonas por explorar do planeta Terra. Só recentemente, em 1996, se descobriu a sua verdadeira extensão.

O lago Vostok tem uma forma elíptica com cerca de 250 km de comprimento e 40 km de largura cobrindo uma área de 14 mil km². O seu fundo é irregular e divide-se em duas bacias, a mais profunda com cerca de 800 m e a outra com 200 m. Calcula-se que o lago contenha um volume de 5.400 km³ de água doce. Está totalmente protegido da atmosfera e outros contactos com o exterior por uma espessura de 4 km de gelo antártico.

tempo de residência da água no Lago Vostok é cerca de 1 milhão de anos; por comparação, no Lago Ontário (de dimensões semelhantes) este valor é de seis anos. Este fato leva a que o ambiente químico do lago seja extremamente oxidante, com concentrações de oxigénio 50 vezes superiores ao lagos normais. O gelo que se encontra na zona entre o lago e os, em média, 100 metros subsequentes é conhecido por gelo acrecionário que se crê ser derivado do congelamento da água do próprio lago.

Esta característica faz desta zona uma potencial amostra do que se encontra por baixo do gelo e é, até à data, o único local colhido para amostragem. A espessura de gelo acrecionário aumenta de Sul para Norte, de acordo com o fluxo do gelo no sentido do Oceano Índico.

Investigações posteriores também detectaram a existência de fontes geotérmicas que aqueciam as águas do lago a impressionantes 50 graus Fahrenheit (10º C), com “pontos quentes” de até 65 graus F (18,3º C). Dadas essas novas descobertas sobre radiação solar e temperatura, os cientistas sugeriram a possibilidade de que a atmosfera encapsulada do lago se purificasse através de uma complexa interação com a água, e que as chances de formas de vida vegetais eram muito boas.

A pesquisa realizada pelo cientista russo Ian Toskovoi – que desapareceu perto da estação de Vostok em março de 2000 para nunca MAIS SER VISTO – sobre a “recuperação geotérmica” também sugeriu um meio alternativo de purificação e reposição para a atmosfera do lago subterrâneo. As fontes geotérmicas de Toskovoi estavam localizadas nas chamadas “dunas de gelo”, que parecem ser formadas por milhares de bolhas de ar que medem entre vários metros e centenas de metros.

No entanto, as notícias mais intrigantes que saíram da Antártida tinham a ver com a extremamente poderosa “anomalia magnética” localizada no extremo norte da costa do lago: uma descoberta que daria origem a várias conjecturas e seria comparada com a TMA fictícia -1 (Anomalia Magnética Tycho-1) no filme 2001: Uma Odisséia no Espaço no jornal eletrônico Antarctic Sun, que logo se tornou a principal fonte de informação sobre a anomalia magnética do lago Vostok, afirmaram que durante o voo inicial do SOAR (Escritório de Suporte à Pesquisa Aerofísica), destinado a realizar imagens de ressonância magnética sobre a área, o magnetômetro registrou um aumento de 1.000 nanoteslas além dos 60.000 nanoteslas que caracterizavam a Estação Vostok.

Os cientistas esperavam encontrar anomalias magnéticas na faixa de 500 a 600 nanoteslas em áreas onde o material vulcânico poderia ser localizado, mas as faixas encontradas eram simplesmente surpreendentes.

“Essa anomalia é tão grande que não pode ser o produto de uma mudança diária no campo magnético”, afirmou Michael Studinger, um dos pesquisadores envolvidos no esforço de mapeamento.

Também significativo foi o tamanho da anomalia: 65 por 46 milhas quadradas. De acordo com a equipe geológica da missão, o tamanho e a gravidade da anomalia apontavam para o fato de que mudanças geológicas e magnéticas haviam ocorrido sob o lago, sugerindo a possibilidade de que fosse um local onde “a crosta terrestre era mais fina”. O geólogo australiano Harry Mason resumiu o assunto portanto:

“O tamanho e a intensidade da anomalia magnética sugerem a presença de um grande componente de ultrabase sob esta seção do lago Vostok na superfície da rocha da crosta continental, em outras palavras, na superfície antiga antes da formação de gelo.”

Usando uma linguagem muito menos técnica, outros observaram que a explicação de Mason correspondia à hipótese sugerida pelo Prof. Thomas Gold na revista Nexus da Austrália. Segundo o professor Gold, a quantidade de metano e gases exóticos, como xenônio e argônio, podem representar uma ameaça direta ao clima global, uma vez que eles viriam diretamente do manto da Terra usando as características geológicas sob o lago Vostok como “chaminés”.

Além do perigo que isso pode representar para a atmosfera de apuros do nosso planeta, as equipes de cientistas e técnicos encarregados de perfurar a cúpula de metano estariam na primeira linha de perigo, pois essa operação provavelmente resultaria em uma explosão catastrófica.

Dois milhões de nazistas

A franja lunática dos teóricos da conspiração não esperou muito tempo antes de entrar para especular sobre a  situação do lago Vostok. Os rumores mais ultrajantes emanaram não dos EUA, mas da Austrália, onde um site (Fortress Australia Outpost) indicou – ou argumentou, mais adequadamente – que a população total de nazistas na Antártica agora já ultrapassaria os dois milhões de indivíduos que muitos deles haviam sido submetidos a cirurgia plástica para se deslocar com maior facilidade pela América do Sul e realizar todo tipo de transações comerciais.

Os teóricos da conspiração alimentaram o fogo dizendo que os nazistas da Antártida haviam roubado com sucesso uma prensa para imprimir dólares, além de terem também imprimido libras esterlinas virtualmente indetectáveis. . As necessidades monetárias da comunidade nazista polar foram suplementadas pelo “ouro roubado durante a guerra”. Eles argumentavam que era lógico que o mistério do lago Vostok também estivesse diretamente relacionado às atividades nefastas dos nazistas dissidentes.

Os estranhos escritos do autor conhecidos apenas pelo sobrenome “Branton” também ressurgiram, especialmente um conjunto de documentos alegando que os nazistas haviam conseguido construir discos voadores e que se transferiram para a Antártica durante a II Guerra Mundial, e que as bases nazistas no Polo Sul também incluia grupos de extraterrestres das plêiades.

Uma digressão se torna necessária neste momento: embora as chances de que ets das Pleiades estejam esfriando os calcanhares em uma base subterrânea da Antártida sejam praticamente nulas, há uma base factual nas alegações envolvendo um forte interesse demonstrado pela Alemanha nazista sobre o Polo Sul. Em 1938, o navio transportador de hidroavião Schwabenland deixou o porto alemão de Hamburgo capitaneando a Terceira Expedição Antártida da Alemanha para as terras geladas do polo sul, comandada pelo capitão Alfred Ritscher, um veterano das operações de clima frio.

schwabenland-nazismo-antartica

O capitão Alfred Ritscher , disse em abril de 1939: “Eu cumpri as ordens do tenente-general Goering, a cada 25 km que jogou flâmulas cobrindo uma área de 600.000 km2, dos quais 350.000 km2 foram fotografadas.” Esta missão mais tarde em mãos do almirante Karl Dönitz , que disse: “A frota de submarinos alemã se orgulha, no outro extremo do mundo, na Antártica fizemos uma fortaleza inexpugnável para o nosso Fuhrer.” FONTE

Os cientistas da Expedição Ritscher usaram seus grandes barcos a motor Dornier para explorar os resíduos polares, imitando os esforços do Almirante dos EUA Richard E. Byrd uma década antes. Os cientistas alemães descobriram lagos sem gelo com vestígios de vegetação e conseguiram pousar neles. Acredita-se amplamente que as visitas subseqüentes da Schwabenland ao pólo visavam explorar uma base secreta de operações no continente branco.

O navio “Schwabenland”, que foi preparado para esta expedição ao custo de um milhão de Reichsmark, deixou o porto de Hamburg uma semana antes do natal de 1938 e chegou nas águas geladas do pólo sul em 19 de janeiro de 1939. Para a exploração do território, os alemães utilizaram dois hidroaviões pesados, o “Boreas” e o “Passat“, os quais eram lançados através de catapultas a vapor, diretamente do convés do “Schwabenland“.  

Eles sobrevoaram uma região de cerca de 600.000 km², documentaram os inúmeros vôos de reconhecimento com quase 11.000 fotos e jogaram boias sinalizadoras com bandeiras do Império alemão, consolidando assim a posse do território para o nazismo.

Este método era aceito internacionalmente naquela época. Todo o território foi batizado de Neuschwabenland”  (Terra da Nova Suábia)  e as paisagens descobertas receberam também nomes alemães, como por exemplo, a região livre de gelo onde até existe um pouco de vegetação – a Schirmacher-Seegruppe, e também as Montanhas Mühlig-Hofmann, com mais de 3.000 m de altura, que foi escavado em uma instalação conhecida apenas como “Base 211”.

Em 1947, o almirante Byrd lideraria uma força-tarefa de 13 navios de superfície e cerca de 6.000 soldados para a Antártica como parte da Operação Highjump. Embora a intenção declarada da expedição fosse o teste de equipamento militar sob condições extremas, a sugestão de que se tratava de uma operação de combate destinada a desalojar as tropas nazistas de seu último reduto sempre flutuou no ar.

A expedição do almirante Richard E. Byrd, a Operação Highjump teria sido recebida pelos discos voadores dos nazistas e batido em retirada com pesadas baixas e perdas materiais.FONTE

Para saber mais sobre A “Operação Highjump”: 

A certa altura, a torrente de mensagens de meus e-mails sobre o lago Vostok na Antártida sugeriu a crença de que quase todo mundo estava envolvido no mistério (a primeira-dama Laura Bush foi supostamente encarregada de coordenar remessas de “artefatos desconhecidos” dirigidos para a Antártica) e que o mistério também envolvia o fenômeno OVNIs. Outras observações indicaram que quatro especialistas em montanhismo antártico foram enviados ao lago Vostok como parte de uma “missão secreta”.

No início de março de 2001, uma psíquica canalizadora norte americana conhecida como Lady Kadjina respondeu a uma série de perguntas sobre o mistério do lago Vostok. Em relação à natureza da estranha anomalia magnética existente no local, ela declarou que muito antes da Antártica se tornar congelada, há milhares de anos, o continente havia sido usado como ponto de aterrissagem e uma espécie de base por seres extraterrestres.

Abaixo, vídeo que registram fenômenos luminosos estranhos”  naquela região da Antártica, sobre a atual base alemã Neumayer Station, mesma localização da antiga base nazista Neuschwabenland .

Os alienígenas que se instalaram naquela região eram benevolentes e construíram o que chamaríamos de observatório, explicou a canalizadora, equipado com um dispositivo de sinalização e comunicação capaz de transmitir mensagens codificadas.

Ela também disse que m ais e mais observatórios e instalações semelhantes desse tipo seriam descobertas nos próximos meses e anos subsequentes, e os governos da Terra tentariam aproveitá-los e manteriam tudo em segredo. Lady Kadjina acrescentou que o observatório extraterrestre encontrado embaixo do gelo do Lago Vostok continha vastos cristais que produziam um certo tipo de energia magnética, que havia sido empregada como um sistema de orientação para que grandes naves espaciais pudessem pousar naquele local.

Mas isso não foi tudo: a anomalia magnética também servia como porta de entrada para outras dimensões. O vice-almirante Byrd aparentemente tropeçou em um deles e transmitiu por rádio os relatórios de ter visto uma paisagem completamente diferente e verdejante sob a sua aeronave quando sobrevoava o polo sul. Com o conhecimento adequado desse equipamento, um ser humano seria capaz de viajar no tempo e através do espaço e acessar informações armazenadas em locais distantes. Mas seremos impedidos de usar essa tecnologia avançada até que nossos governos deixem de lado a corrida armamentista e atinjam um nível mais pacífico de coexistência e aprópria humanidade alcance um novo patamar de consciência.

A Conferência de Imprensa Interrompida abruptamente

  • “Bom Dia. Posso falar com Debra Shingteller? ”
  • “ É claro, um momento ”, respondeu o operador da central na sede da NASA em Washington, DC

Esta foi a minha segunda tentativa de entrar em contato com a protagonista da conferência de imprensa extremamente bizarra, que supostamente seria realizada pela NASA, sobre seu envolvimento, ou melhor, o fim repentino de seu envolvimento no projeto Lake Vostok.

Parecia que os cortes no orçamento da agência haviam sido tão severos que nem a música de fundo podia ser ouvida enquanto eu estava em modo de espera no telefone.

  • “Me desculpe senhor. Ela não está no momento. ”
  • “ Ah … você poderia me dar o correio de voz dela? ”
  • “ Claro. Aguarde, por favor.”

Embora eu duvidasse que a incomunicável Srta. Shingteller realmente retornasse minha mensagem, pensei que ainda valia a pena tentar. Fiquei surpreso, no entanto, quando a voz na secretária eletrônica não correspondia à do porta-voz, mas a outro funcionário do Escritório de Informações Públicas da NASA. Parece que Shingteller tirou um tempo de folga após a conferência o que seu nome viria a ser familiar nos círculos da conspiração em todo o mundo.

“Na expedição científica NAZISTA ao continente da Antártida de 1938-39, os alemães nazistas descobriram os restos de uma antiga base de uma civilização extraterrestre e mantiveram essa descoberta em absoluto segredo, porque a revelação de sua existência revolucionaria e transformaria toda a nossa realidade. Eles descobriram o que agora chamamos de ruínas pré-adamitas, e este é um grupo de ALIENS que mostrei uma imagem que se parece fisicamente com os faraós. Eles têm os torsos muito estranhos. Eles têm formas estranhas, costelas estreitas e quadris largos. Eles definitivamente não parecem que são iguais a humanidade atual”. FONTE:

De qualquer forma, minha pergunta foi direta: por que o comunicado à imprensa sobre o repentino distanciamento da NASA e do JPL com o projeto Lake Vostok não apareceu entre os documentos disponíveis publicamente na web (www.nasa.gov)?

O comunicado sobre a conferência de imprensa sobre o Lago Vostok, que desapareceu do meio eletrônico, teria a seguinte redação:

“MISSÃO CARTOGRÁFICA ANTÁRTICA FOI INTERROMPIDA PELA SUBSTITUIÇÃO DA NSA (National Security Agency) ”, acrescentando que a porta-voz da NASA, Shingteller, havia mencionado aludir a “questões de segurança nacional” que exigiam o término do envolvimento de ambas as agências de exploração espacial nas iniciativas de pesquisa no Lago Vostok.

Depois de dizer essas palavras, a porta-voz foi escoltada do pódio, enquanto sua assistente respondia às perguntas inevitáveis ​​dos membros da imprensa com uma sentença mecânica:

“O projeto foi cancelado devido a “razões ambientais.”

Logo após esse evento, Frank D. Carsey, do laboratório JPL, tentou acabar com os rumores, dizendo que o acrônimo errado havia sido empregado, e “intervenção da NSA” deveria ter sido “intervenção da NSF”, dada a suposição da National Science’s Foundation de que as operações de perfuração da NASA, decorrentes do esgotamento dos fundos da agência espacial.

Isso não contribuiu em nada para acalmar o mistério.

Teóricos da Conspiração espalharam pela Internet que pesquisadores estacionados na Base de Amundsen, da Noruega, a 160 quilômetros a leste de Vostok, testemunharam a chegada de uma grande quantidade de equipamentos e pessoal na área de estudo em Vostok. Fontes australianas observaram que as duas mulheres que haviam enfrentado o desafio de atravessar a Antártica esquiando de um extremo ao outro haviam sido evacuadas à força.  Aparentemente, as duas esquiadores foram transferidas para a base polar australiana e de lá para Samoa por uma unidade de elite dos fuzileiros navais dos EUA, apesar dos protestos do pessoal australiano.

Uma possível nova fonte apresentou informações corroborantes sobre a descoberta de uma grande cidade ALIENÍGENA congelada sob duas milhas (3.200 metros) sob o gelo da Antártica, localizado a cerca de 16 milhas do pólo sul geográfico. O avanço para desenterrar do gelo a cidade ocorreu em agosto de 2016, de acordo com esta última fonte, e foi visitado alguns meses depois por VIPs como John Kerry e Buzz Aldrin, entre OUTROS marionetes do sistema de controle. FONTE

Outro boato dizia que cientistas russos haviam sido expulsos da base de Vostok pelos Navy SEALS dos EUA (o que Vladimir Putin deve ter pensado sobre tudo isso?) Enquanto um êxodo de pessoal das bases americanas estava em andamento: sete indivíduos, todos empregados pela Raytheon , que fornece serviços de suporte para as bases polares americanas, foram evacuados por “razões médicas”, enquanto outros quatro partiram da base de McMurdo voluntariamente.

De acordo com declarações feitas no Art Bell Show, dois dos membros que partiram do Polo Sul estavam sofrendo de uma doença sobre a qual se recusaram a comentar. Muito foi feito sobre um comentário dado pelo médico encarregado da Base McMurdo ao médico que o substituía:

“Encha seus bolsos com sal” – aparentemente uma frase comumente empregada na indústria nuclear, referente à ingestão de comprimidos de iodo , a fim de evitar danos à glândula tireóide em caso de exposição à radioatividade”.

Ainda mais surpreendente foi uma declaração publicada na Internet e atribuída a Mike Bara, que coordena a   “Atualização da Missão Empresarial do Polo Sul” .

A declaração supostamente sugeria que a escassez ou falta completa de sal no Pólo Sul no final do verão antártico, numa época em que quantidades suficientes deveriam ser encontradas após a revitalização sazonal, sugeria a possibilidade de que o sal estivesse sendo consumido pelos trabalhadores. devido a altos níveis de radioatividade – sugerindo a possibilidade de que a fonte de calor do lago Vostok possa ter natureza radioativa.

Uma conclusão,  para que o leitor não tenha a ideia de que a Antártica tenha o monopólio do mistério, pode ser necessária uma visita às terras ao redor do Círculo Polar Ártico. Em seu livro Atlantis Rising (1976), o renomado pesquisador paranormal e de OVNIs Brad Steiger mencionou um artigo de 1965 apresentado pelo geofísico canadense John M. DeLaurier, do Observatório do Domínio do Canadá . Segundo esse cientista, havia algo estranho acontecendo embaixo do solo em Ellesmere Island, um local árido, coberto principalmente pela calota glacial e percorrido por manadas de caribus e bois de almíscar.

Antarctica-Camp-Scientists-Disappeared-mary-byrd-land

“As conversas entre as tripulações de voo dos aviões era de que existe uma base UFO no Pólo Sul e alguns membros da tripulação dos aviões de resgate ouviram falar de alguns dos cientistas que trabalham no Pólo Sul com os EBEs (Extraterrestrial Biological Entity), extraterrestres trabalham e interagem com os cientistas humanos naquela Base/área experimental com um grande buraco no gelo”. – Declaração de “Brian”, um engenheiro de vôo aposentado da marinha dos EUA(US Navy) FONTE

O artigo do professor DeLaurier discutiu a existência de uma estrutura tão vasta que desafiava a imaginação – um pedaço quase cilíndrico de um objeto medindo 65 milhas de comprimento por 65 milhas de diâmetro a uma profundidade impressionante de 80 milhas. A enorme estrutura havia sido detectada por equipamentos sísmicos localizados em Alert, uma das estações de alerta precoce à distância EUA-Canadá (DEW) no deserto do Ártico.

CONTINUA na segunda parte …


“Haverá muitas mudanças dramáticas no clima do planeta, muitas mudanças nas condições meteorológicas  na medida em que o tempo da grande colheita se aproxima muito rapidamente ao longo dos próximos anos. Você vai ver a velocidade do vento em tempestades ultrapassando 300 milhas (480 quilômetros) por hora, às vezes. Deverão acontecer fortes tsunamis e devastação generalizada NAS REGIÕES COSTEIRAS, e emissão de energia solar (CME-Ejeção de Massa Coronal do Sol)  que fará  importante fusão e derretimento das calotas de gelo nos polos, e subseqüente aumento drástico no nível do mar, deixando muitas áreas metropolitanas submersas em todo o planeta“.  SAIBA MAIS no LINK 


Mais informações sobre ANTÁRTIDA, leitura adicional:

Permitida a reprodução desde que mantida na formatação original e mencione as fontes.

phi-golden-ratiowww.thoth3126.com.br

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.