browser icon
Você está usando uma versão insegura do seu navegador web. Por favor atualize seu navegado!
Usando um navegador desatualizado torna seu computador inseguro. Para mais segurança, velocidade, uma experiência mais agradável, atualize o seu navegador hoje ou tente um novo navegador.

Antártida: Lago de lava Imenso e super-raro é descoberto na região sub antártica

Posted by on 01/08/2019

Lava Lake Discovered on Mount MichaelUma coisa que nem todos imaginam encontrar nas imediações da congelante Antártida é um lago composto por uma enorme quantidade de lava incandescente e fumegante. Entretanto, pesquisadores do Reino Unido identificaram uma dessas raridades recentemente em uma ilha situada na região subantártica, que compreende a área que fica imediatamente ao norte do continente gelado onde esta o Monte Michael, um estratovulcão ativo com uma enorme “piscina” de lava incandescente.

Edição e imagens:  Thoth3126@protonmail.ch

Antártida: Um tipo incrivelmente raro de lago de lava foi encontrado escondido na região do continente gelado. Lago de lava imenso e super-raro é descoberto na região sub antártica.

Peter Dockrill  –  Fonte:  https://www.sciencealert.com/

Quando pensamos em vulcões, temos a tendência a invocar visões de piscinas borbulhantes de lava derretida, prontas para consumir qualquer coisa que se aventure muito perto. A realidade é um pouco diferente. Esses terríveis lagos de lava existem, mas são muito mais raros do que você imagina. 

Apenas um punhado de lagos de lava persistentes existe entre os estimados 1.500 vulcões potencialmente ativos ao redor do mundo – e essa coorte fogosa apenas acabou de receber um novo membro em suas fileiras.

Um Ocorrência Extraordinariamente incomum

Apesar de estarmos acostumados a ver vulcões contendo “piscinas” de lava borbulhante em filmes, animações e games, essas estruturas são extremamente difíceis de encontrar na vida real. Tanto que, dos cerca de 1,5 mil vulcões terrestres potencialmente ativos que existem em todo o mundo, apenas 7 contêm lagos permanentes de lava.

main article image

Monte Michael. (Fonte: Science Alert/Pete Bucktrout)

A estrutura permanente de lava descoberta pelos pesquisadores na região da Antártida é a oitava identificada em todo o planeta e se encontra nas entranhas do Monte Michael, um estratovulcão ativo, daqueles que têm o tradicional formato de cone, situado na Ilha Saunders, que faz parte das Ilhas Sandwich do Sul, no extremo sul da região subantártica.

Na verdade, o monitoramento da atividade desse vulcão vem sendo realizado há quase 2 séculos. Nos anos 1990, cientistas chegaram a identificar anomalias térmicas por meio de imagens de satélite, indicando a possível presença de um fluxo de magma persistente na cratera do Monte Michael.

Além disso, equipes de pesquisadores organizaram expedições à ilha em diversas ocasiões, mas ninguém se arriscou a escalar o vulcão até o topo para ver o que ele abrigava, onde existe um acúmulo de neve de consistência bastante fina, o que praticamente torna a empreitada uma missão suicida.

Assim, por conta da resolução das imagens disponíveis ser bastante ruim, o vulcão se encontrar em uma região bastante remota e as condições para exploração serem super perigosas, o lago de lava ativo passou esse tempo todo “esperando” para ser descoberto.

Um Lago enorme

Pesquisadores do British Antarctic Survey e da University College London obtiveram novas imagens de satélite em alta resolução e dados coletados pelos equipamentos Landsat, Sentinel-2 e ASTER entre 2003 e 2018, assim como informações dos últimos 30 anos que já existiam sobre o Monte Michael, e finalmente confirmaram a existência do lago de lava na cratera do vulcão.

Imagem de satélite de cor falsa da Ilha Saunders e do lago de lava dentro da cratera do Monte Michael. (BAS)

Os cientistas também estabeleceram que a estrutura mede entre 90 e 215 metros de diâmetro e que a lava atinge temperaturas máximas de quase 1,3 mil graus Celsius. E não foi só isso: além de o estudo oferecer ao time de cientistas a oportunidade de compreender melhor a atividade vulcânica no Monte Michael e os potenciais perigos que o vulcão oferece, os pesquisadores acabaram desenvolvendo novas técnicas de análise para fazer, desde o espaço, o monitoramento dos vulcões.

“A ilha foi visitada em diversas ocasiões, mas ninguém jamais escalou a montanha”, disse à BBC o analista geoespacial Peter Fretwell, da Pesquisa Antártica Britânica (BAS) .

“Se você olhar para as imagens, verá o porquê: o pico é cercado por um enorme cogumelo de neve, neve extremamente macia com uma consistência de açúcar de confeiteiro, provavelmente causada pela contínua ventilação do vapor pelo vulcão”.

De acordo com Fretwell, este terreno macio e traiçoeiro faria expedições no local serem impraticáveis para avaliar o vulcão, para não mencionar desaconselhável.

“Você não pode superar essa dificuldade”,  disse ele . “Você teria que cavar através do cume, mas levar tempo para fazer isso em um vulcão tão ativo seria muito perigoso.”

Resultado de imagem para gifs volcano eruptionApesar dos obstáculos, há muito tempo existe um ímpeto para saber mais sobre o que está acontecendo sob o cume fumegante do Monte Michael. Anomalias térmicas no vulcão foram detectadas por satélite na década de 1990 , mas as leituras não eram indicativas de transbordamento de magma que se espalhava pela cratera, sugerindo potencialmente a existência de um lago de lava.

Em contraste com as “piscinas de lava” temporárias em outros vulcões (que só aumentam durante períodos de erupção), os lagos de lava são uma característica duradoura que pode durar além de um único episódio eruptivo, em alguns casos por até centenas de anos. Em um novo estudo, Fretwell e outros pesquisadores examinaram imagens de satélite mais recentes e de maior resolução, registradas nos dados Landsat, Sentinel-2 e ASTER entre 2003 e 2018.

Uma análise térmica dos dados de infravermelho de ondas curtas (SWIR) identificou um lago de lava sob o Monte Michael com uma largura estimada de 110 metros, e temperaturas de lava chegando a 1.279 ° C (2.334 ° F), embora o calor médio do total o volume é mais frio devido à dissipação de calor na crosta.

Este é um achado notável, mas o maior impacto a longo prazo pode ser as novas técnicas analíticas desenvolvidas para descobrir essa formação extremamente rara” . “Identificar o lago de lava melhorou nossa compreensão da atividade vulcânica e o perigo nesta ilha remota na Antártida, e nos diz mais sobre esses recursos raros”, explica o geólogo do BAS Alex Burton-Johnson em um comunicado de imprensa. “E, finalmente, nos ajudou a desenvolver técnicas para monitorar os vulcões desde o espaço.”

Os resultados são relatados no Journal of Volcanology and Geothermal Research.


Image result for the end gifs

Isto é tudo pessoal, o Tempo acabou!

“Haverá muitas mudanças dramáticas no clima do planeta, muitas mudanças nas condições meteorológicas  na medida em que o tempo da grande colheita se aproxima muito rapidamente ao longo dos próximos anos. Você vai ver a velocidade do vento em tempestades ultrapassando 300 milhas (480 quilômetros) por hora, às vezes. Deverão acontecer fortes tsunamis e devastação generalizada NAS REGIÕES COSTEIRAS, e emissão de energia solar (CME-Ejeção de Massa Coronal do Sol)  que fará  importante fusão e derretimento das calotas de gelo nos polos, e subseqüente aumento drástico no nível do mar, deixando muitas áreas metropolitanas submersas em todo o planeta“.  SAIBA MAIS no LINK 


Muito mais informações, LEITURA ADICIONAL:

Permitida a reprodução desde que mantida a formatação original e mencione as fontes.

www.thoth3126.com.br

 

 

One Response to Antártida: Lago de lava Imenso e super-raro é descoberto na região sub antártica

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.