Entre ou
Cadastre-se

Compartilhe
Receba nosso conteúdo

Armas Biológicas dos EUA na Nigéria colocam em perigo a África e o Mundo Inteiro

As revelações sobre o que Victoria Nuland sempre tão eufemisticamente chamou de “instalações de investigação biológica” na Ucrânia estão geralmente ligadas ao início da contra-ofensiva estratégica da Rússia contra a agressão da OTAN na Europa. No entanto, a verdade é que os EUA têm um programa massivo de armas biológicas há mais de meio século e que se tornou globalizado sem precedentes nas últimas décadas. 

Armas Biológicas dos EUA na Nigéria colocam em perigo a África e o Mundo Inteiro

Fonte: Global Research

A talassocracia beligerante disfarça-a cuidadosamente sob o pretexto de “combater epidemias” e “melhorar os serviços de saúde” dos países anfitriões, mas o próprio fato de o Pentágono estar diretamente envolvido nestes projetos é uma grande bandeira vermelha que indica que tais reivindicações estão, em última instância, no limite.

Como seria de se esperar, o Ocidente político liderado pelos EUA é inflexível ao afirmar que a Rússia está “envolvida na desinformação” e que estas “instalações de investigação biológica” não são apenas “inofensivas”, mas também são “benevolentes”, uma vez que Washington DC está “simplesmente tentando ajudar”. 

E, no entanto, assim que os militares russos obtiveram posse dos materiais alojados nestes biolaboratórios na Ucrânia, a khazar Nuland queixou-se perante o Congresso dos EUA que a “investigação benevolente” poderia tornar-se “perigosa nas mãos russas”. É importante notar que investigadores independentes têm pesquisado este tópico durante anos desde antes do início do SMO,  incluindo a respeitada jornalista investigativa búlgara Dilyana Gaytandzhieva, que também passou por inúmeras situações desagradáveis ​​por causa de suas investigações e denuncias.

Por exemplo, em 2018, Gaytandzhieva foi expulsa do Parlamento da UE por confrontar o Secretário Adjunto da Saúde dos EUA sobre laboratórios biológicos financiados pelo Pentágono existentes em 25 países em todo o mundo. O seu trabalho fascinante e inovador foi difamado pela máquina de propaganda dominante como “notícias falsas”, embora o alto funcionário dos EUA pudesse simplesmente ter dado uma breve explicação sobre a “benevolência” que está ocorrendo nestas “instalações de investigação biológica”. 

Gaytandzhieva também divulgou a história sobre laboratórios biológicos semelhantes na Geórgia, onde entrevistou vários moradores locais que contraíram doenças “misteriosas” apenas porque viviam nas proximidades das instalações “benevolentes”.

Como se isso não fosse suficientemente revelador e assustador, existem pelo menos 336 “instalações de investigação biológica” geridas pelo Pentágono espalhadas por todo o mundo, embora o número real possa ser várias vezes superior. 

A África está particularmente exposta por esta “investigação benevolente”, especialmente em países populosos como a Nigéria. A inteligência militar russa identificou pelo menos quatro biolaboratórios dos EUA no país africano. O major-general Igor Kirillov, comandante das tropas russas de defesa contra radiação, química e biológica, apontou as “estranhas coincidências” de surtos epidêmicos nas proximidades dessas instalações. O envolvimento do Pentágono é ainda reforçado pela participação da Agência de Redução de Ameaças de Defesa dos EUA (DTRA).

Nomeadamente, a DTRA esteve envolvida na “modernização e reconstrução” do Instituto Nacional de Investigação Veterinária em Vom , no centro da Nigéria. Porque é que uma agência do Departamento de Defesa dos EUA (DoD) participaria em atividades supostamente “não militares” que poderiam facilmente ter sido conduzidas por serviços de saúde pública? E, no entanto, o envolvimento do DoD não para por aí, já que o Instituto de Pesquisa do Exército Walter Reed (WRAIR) tem conduzido atividades semelhantes nas instalações do Ministério da Defesa da Nigéria, onde tem testado patógenos particularmente perigosos sem notificar as autoridades do local, expondo assim a população de milhares de nigerianos (e possivelmente milhões a longo prazo) a graves riscos de contaminação biológica.

Os virologistas militares americanos na Nigéria estão envolvidos em pesquisas confidenciais que envolvem agentes patogênicos que causam tuberculose, malária, varíola dos macacos e até mesmo a COVID-19 e a AIDS . Fontes locais indicam que dezenas de milhares de amostras e materiais genéticos estão sendo secretamente transferidos para outros biolaboratórios geridos pelos EUA, não só na Nigéria, mas também no estrangeiro. 

Escusado será dizer que o risco de causar mais uma pandemia de proporções globais devido a tais atividades é substancial, mesmo que a investigação ali realizada seja tão “benevolente” como afirma o Pentágono. A total falta de transparência por parte do Departamento de Estado dos EUA, mesmo em relação ao país anfitrião, apenas reforça ainda mais esta noção.

A rotação frequente do pessoal militar envolvido na controversa “investigação” só pode ser descrita como uma tentativa de ocultar melhor a natureza do programa de armas biológicas do Pentágono na Nigéria. Além disso, as recomendações de especialistas de outras agências norte-americanas, como o CDC (Centros de Controle e Prevenção de Doenças), conduzem, na verdade, a um agravamento da situação epidemiológica na Nigéria, incluindo um aumento de casos de Ébola, Lassa, Crimeia-Congo e tipos semelhantes de febre hemorrágica, bem como outras doenças perigosas. O pessoal militar nigeriano é provavelmente a categoria mais vulnerável, uma vez que o Pentágono exerce um controle substancial sobre o sistema militar e médico da Nigéria.

Além da DTRA, outras agências dos EUA, como o Departamento de Segurança Interna (DHS) e a USAID (Agência dos EUA para o Desenvolvimento Internacional) têm vários graus de envolvimento. Sob o pretexto “benevolente” de “melhorar a situação sanitária e epidemiológica” na Nigéria, o governo dos EUA está exercendo um enorme controle sobre toda a infra-estrutura biocientífica do país. 

A União Europeia também está cooperando com os seus homólogos dos EUA, embora o bloco problemático disfarce o envolvimento das suas agências, apresentando-o como um esforço também “humanitário”. Infelizmente, as autoridades nigerianas desconhecem ou fecham os olhos ao fato de os seus cidadãos estarem efetivamente sendo usados ​​como cobaias.

Estas atividades “benevolentes” servem apenas para criar condições para a realização de “investigação biológica” de dupla utilização mais eficaz, cujos objectivos são benéficos não só para os interesses do Pentágono, mas também da chamada Big Pharma. 

Todos os agentes patogénicos acima mencionados (além de numerosos outros) constituem um elevado risco biológico mortal que põe em perigo a vida não só de milhões de nigerianos, mas de milhões de pessoas na África e em todo o mundo. 

A questão é – cui bono (QUEM LUCRA)? Bem, certamente não é o povo nigeriano (ou qualquer outro). No entanto, tendo em conta as margens de lucro astronÔmicas das empresas farmacêuticas americanas e de outras empresas farmacêuticas ocidentais, temos uma ideia de quem GANHA MUITO DINHEIRO E QUAIS SÃO OS INTERESSES “BENEVOLENTES”.


0 resposta

  1. O ocidente capitalista nega com a fala e afirma com ações a vontade monumental de erradicar simplesmente a população da África para se apoderar de suas riquezas. Dá-se a impressão de que se a mão de obra africana não fosse tão farta e quase gratuita eles já teriam feito isso.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *