browser icon
Você está usando uma versão insegura do seu navegador web. Por favor atualize seu navegado!
Usando um navegador desatualizado torna seu computador inseguro. Para mais segurança, velocidade, uma experiência mais agradável, atualize o seu navegador hoje ou tente um novo navegador.

As Pedras Megalíticas de Baalbek [templo construído pelos Anunnakis]: Engenharia Antiga ‘Impossível’

Posted by on 28/06/2021

Engenharia Antiga ‘Impossível’: As Pedras Megalíticas de Baalbek [templo construído pelos Anunnakis]:  

Existem alguns locais antigos em nosso planeta que, simplesmente, não deveriam ter sido possíveis de se construir há milhares de anos pelos “povos antigos”. Alguns “eruditos” referem-se a essas megalíticas construções em locais antigos como resultado de Engenharia Antiga “Impossível”.

Tradução, edição e imagens:  Thoth3126@protonmail.ch

As Pedras Megalíticas de Baalbek [templo construído pelos Anunnakis]: Engenharia Antiga ‘Impossível’

Fonte:  Ancient Code

Um dos enigmas mais fascinantes para os arqueólogos do “tecnológico” século XXI é como a “humanidade antiga” [se isso fosse possível] conseguiu cortar com precisão milimétrica, extrair, levantar, encaixar e interligar blocos megalíticos de pedra pesando entre 10 e 2.000 toneladas.

Baalbek

Sem o uso de tecnologias avançadas, como as culturas antigas ao redor do mundo construiriam  construções em pedras megalíticas como TeotihuacanSacsayhuamanOllantaytambo  Puma Punku Baalbek, no Líbano ?  É possível que eles tivessem em sua posse uma tecnologia avançada, agora “perdida”, da qual não temos nenhum conhecimento?

Engenheiros, arquitetos e até arqueólogos permanecem fascinados pelas “realizações” [atribuídas por eruditos ignorantes] do homem antigo.Um dos locais antigos mais impressionantes do planeta é Baalbek no hoje Líbano.

Localizado no atual Líbano , já na época dos romanos, esse antigo complexo era conhecido como Heliópolis , ou a cidade do sol. Os gigantescos blocos de pedra encontrados aqui são um dos maiores enigmas da arqueologia. A verdadeira idade deste local sagrado permanece um profundo mistério para os “estudiosos”.

Os arqueólogos tradicionais têm sentimentos confusos sobre o local e a sua idade. A maioria dos pesquisadores acredita que Baalbek era um santuário fenício dedicado ao deus Baal , embora a maioria das pessoas concordasse que o local foi construído pelos romanos . A verdade, porém, é que ninguém pode dizer com precisão quantos anos ele tem. Muitos acreditam que Baalbek  remonta a dezenas de milhares de anos, possivelmente até cerca de 20.000 anos , tornando-o, junto com as pirâmides de Gizé,  um dos locais mais antigos do planeta.

Mas a idade e a história de Baalbek não são as únicas características impressionantes do local.  Os blocos de pedra megalíticos encontrados no local têm causado admiração, espanto e polêmica, não só na comunidade arqueológica, mas também na população em geral.

O templo em homenagem a Júpiter fica em uma plataforma que desafia qualquer explicação.

O Trilithon é onde todas as explicações [e as convenções acadêmicas dos “eruditos especialistas”] principais são destruídas impiedosa e inapelavelmente. Três blocos colossais de 22 metros de comprimento, quase 5 metros de altura e 3,5 metros de largura são um dos maiores enigmas. Seu peso varia entre uma e duas mil toneladas. Como os povos antigos conseguiram extrair, transportar, levantar e colocar esses blocos megalíticos de pedras há milhares de anos, sem o uso de tecnologia moderna?

Os três blocos estão posicionados sobre uma fileira de seis blocos de granito, que medem 10 metros de comprimento e 4 metros de altura, com peso estimado em mais de 300 toneladas cada um.

Hoje, os engenheiros modernos teriam dificuldade em transportar um bloco de granito maciço de apenas 50 toneladas. No entanto, os povos antigos pareciam ter uma maneira de transportar blocos de pedra de tamanho incrível com muita facilidade.

Todo o antigo complexo de Baalbek foi construído com ENORMES blocos megalíticos que variam em peso de 100 a 2.000 toneladas cada um. Como é possível que os povos antigos conseguissem transportar esses enormes blocos de pedra e depois colocá-los em posição para que se encaixassem perfeitamente uns nos outros. A arqueologia e a engenharia convencional não tem nenhuma ideia!

Melhor ainda, a precisão encontrada em Baalbek é fascinante, semelhante a construções em outros locais antigos da América do Sul . A precisão dos megálitos é de tirar o fôlego; eles foram organizados e unidos de tal forma que você não pode colocar uma única folha de papel entre eles.

Mas, curiosamente, como muitos outros sítios antigos encontrados ao redor do globo como Puma Punku , Ollantaytambo , Teotihuacan , etc … a construção do sítio megalítico em Baalbek teve uma parada drástica em sua fase de construção.

Surpreendentemente, nas proximidades, os pesquisadores descobriram outro enorme bloco de pedra parcialmente enterrado com dimensões surpreendentes: 19,6 metros de comprimento, 6 metros de largura e cerca de 5,5 metros de altura.

Os pesquisadores estimam que o peso deste enorme bloco de pedra é de cerca de 1.650 toneladas, o que o colocaria como o maior bloco de pedra conhecido extraído desde a antiguidade. Mas por que os construtores antigos interromperam a sua utilização na construção?

É por isso que uma das maiores questões sobre Baalbek continua sendo o maior mistério: como os antigos faziam isso? 


{Excerto do Post: O Livro perdido de Enki – 10ª Tabuleta (o DILÚVIO)

Depois do encontro em Arrata, as águas do Dilúvio seguiram retirando-se, e se mostrou pouco a pouco a face da Terra desde debaixo das águas. As terras montanhosas saíram ilesas em sua maior parte, mas nos vales ficaram buracos de lodo e lama. Desde os navios celestiais e dos Torvelinhos, os Anunnaki inspecionaram as paisagens.

Tudo o que tinha existido nos Tempos de Antigamente (Antes do Dilúvio) no Edin  (Mesopotâmia) e no Abzu  (África do Sul) estava enterrado sob o barro! Eridú, Nibru-ki, Shurubak, Sippar, todas tinham desaparecido, se haviam desvanecido por completo; mas nas Montanhas dos Cedros a grande plataforma de pedra reluzia sob a luz do Sol, o Lugar de Aterrissagem (n.t. Baalbek no hoje Líbano), feito nos Tempos de Antigamente, seguia em pé.

Um após o outro, aterrissavam os Torvelinhos sobre a plataforma; a plataforma estava intacta; na quina de lançamento, os gigantescos blocos de pedra se mantinham firmes. Apartando escombros e ramos de árvores, os primeiros em aterrissar fizeram sinais aos carros; um após o outro chegaram os carros celestiais, baixaram sobre a plataforma.  Depois se enviaram palavras a Marduk no Lahmu (Base Anunnaki em MARTE) e a Nannar na (Base Anunnaki na) Lua, e eles também voltaram para a Terra, sobre o Lugar de Aterrissagem (Baalbek) pousaram. Então, os Anunnaki e os Igigi que se reuniram junto a Enlil foram convocados em assembleia. Sobrevivemos [os “deuses”] ao Dilúvio, mas a Terra está devastada! Assim lhes disse Enlil. Temos que avaliar todas as formas de recuperação, seja na Terra, seja onde seja! }


Nosso trabalho no Blog é anônimo e não visa lucro, no entanto temos despesas fixas para mantê-lo funcionando e assim continuar a disseminar informação alternativa de fontes confiáveis. Desde modo solicitamos a colaboração mais efetiva de nossos leitores que possam contribuir com doação de qualquer valor ao mesmo tempo que agradecemos a todos que já contribuíram, pois sua ajuda mantem o blog ativo. Disponibilizamos o mecanismo Pay Pal, nossa conta na Caixa Econômica Federal AGENCIA: 1803 – CONTA: 00001756-6 – TIPO: 013 [poupança] e pelo PIX 211.365.990-53 (Caixa).


Saiba QUEM” construiu Baalbek LENDO A SÉRIE:

  1. http://thoth3126.com.br/o-livro-perdido-de-enki/
  2. http://thoth3126.com.br/o-livro-perdido-de-enki-atestado/

Muito mais informações, leitura adicional:

Permitida a reprodução desde que mantida a formatação original e mencione as fontes.

phi-golden-ratiowww.thoth3126.com.br

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.