Entre ou
Cadastre-se

Compartilhe
Receba nosso conteúdo

Ataque à Ponte na Crimeia forçou a Rússia a retaliar pesado a Ucrânia

A inteligência russa vazou informações cruciais para o correspondente militar Alexander Kots. A carga explosiva foi encomendada por um cidadão ucraniano: explosivos embalados em 22 paletes, em rolos de filme embrulhados em plástico, foram enviados da Bulgária para o porto georgiano de Poti. Depois, a carga foi carregada em um caminhão com placas estrangeiras e seguiu por terra para a Armênia. Bastrykin disse a Putin: “Já estabelecemos a rota do caminhão, onde ocorreu a explosão. Bulgária, Geórgia, Armênia, Ossétia do Norte, Krasnodar… Os portadores foram identificados. Com a ajuda de agentes do FSB, conseguimos identificar todos os suspeitos.”

O chefe do Comitê de Investigação da Rússia, Alexander Bastrykin, confirmou direto com Putin que o Terror na Ponte foi realizado pelo SBU – serviços especiais ucranianos.

Fonte: The Cradle

A inteligência russa vazou informações cruciais para o correspondente militar Alexander Kots. A carga explosiva foi encomendada por um cidadão ucraniano: explosivos embalados em 22 paletes, em rolos de filme embrulhados em plástico, foram enviados da Bulgária para o porto georgiano de Poti. Depois, a carga foi carregada em um caminhão com placas estrangeiras e seguiu por terra para a Armênia.

O desembaraço na fronteira Armênia-Rússia foi tranquilo – de acordo com as regras da  União Aduaneira da Eurásia  (a Rússia e a Armênia são membros da União Econômica da Eurásia, ou EAEU). A carga evidentemente evitou a detecção através de raios-X. Esta rota é padrão para caminhoneiros que viajam para a Rússia.

O caminhão então entrou novamente na Geórgia e cruzou a fronteira para a Rússia novamente, mas desta vez pelo posto de controle Upper Lars. É o mesmo usado por milhares de russos fugindo da mobilização parcial. O caminhão foi parar em Armavir, onde a carga foi transferida para outro caminhão, da responsabilidade de Mahir Yusubov: aquele que entrou na ponte da Crimeia vindo do continente russo.

Muito importante: o transporte de Armavir para um endereço de entrega em Simferopol na Crimeia deveria ter acontecido de 6 a 7 de outubro: ou seja, programado para o aniversário do presidente Putin na sexta-feira 7. Por alguma razão inexplicável, isso foi adiado por um dia.

O motorista do primeiro caminhão já está depondo. Yusubov, o motorista do segundo caminhão – que explodiu na ponte – estava “cego”: ele não tinha ideia do que estava carregando e está morto.

Nesta fase, duas conclusões são primordiais.

Primeiro: este não foi um ataque suicida padrão de caminhão estilo ISIS – a interpretação preferida após o ataque terrorista.

Segundo: A embalagem certamente ocorreu na Bulgária. Isso, como a inteligência russa insinuou enigmaticamente, indica o envolvimento de “serviços especiais estrangeiros”.

‘Uma miragem de causa e efeito’

O que foi revelado em público pela inteligência russa conta apenas parte da história. Uma avaliação incandescente recebida pelo The Cradle  de outra fonte de inteligência russa é muito mais intrigante.

Pelo menos 450 kg de explosivos foram empregados na explosão. Não no caminhão, mas montado dentro do próprio vão da Ponte da Crimeia. O caminhão branco era apenas um chamariz dos terroristas “para criar uma miragem de causa e efeito”. Quando o caminhão chegou ao ponto da ponte onde os explosivos foram montados, foram detonados e ocorreu a explosão.

Segundo a fonte, funcionários da ferrovia disseram aos investigadores que havia uma forma de sequestro eletrônico; os operadores terroristas assumiram o controle da ferrovia, de modo que o trem que transportava combustível recebeu um comando para parar por causa de um sinal falso de que a estrada à frente estava ocupada.

Bombas montadas nos vãos da ponte foram uma hipótese de trabalho amplamente debatida nos canais militares russos no fim de semana, bem como o uso de drones submarinos.  

No final, o plano bastante sofisticado não pôde seguir o timing necessariamente rígido. Não havia alinhamento milimétrico entre as cargas explosivas montadas, o caminhão que passava e o trem de combustível parado em seus trilhos. Os danos foram limitados e facilmente contidos. O combo cargas, caminhão explodiu na pista externa direita da estrada. Os danos foram apenas em duas seções da pista externa e não houve muito dano na ponte ferroviária.

No final, Terror on the Bridge rendeu uma vitória curta e pírrica de relações públicas – devidamente celebrada em todo o [hospício do] Ocidente coletivo – com sucesso prático insignificante: a transferência de carga militar russa por ferrovia foi retomada em cerca de 14 horas.

E isso nos leva à informação chave na avaliação da fonte de inteligência russa: o “QUEM FEZ’.

fOI um plano do MI6 britânico, diz esta fonte, sem dar mais detalhes. O que, ele elabora, a inteligência russa, por várias razões, é um jogo de sombras como “serviços especiais estrangeiros”.

É bastante revelador que os americanos se apressaram em estabelecer uma negação plausível. O proverbial “funcionário do governo ucraniano” disse ao porta-voz da CIA The Washington Post que o SBU fez isso. Essa foi uma confirmação direta de um relatório do Ukrainska Pravda baseado em um “funcionário da lei não identificado”.

A tríplice linha vermelha perfeita

Já, no fim de semana, ficou claro que a linha vermelha final havia sido cruzada. A opinião pública e a mídia russas ficaram furiosas. Apesar de todo o seu status de maravilha da engenharia, o Krymsky Most representa não apenas infraestrutura crítica; é o símbolo visual do retorno da Crimeia à Rússia.

Além disso, este foi um ataque terrorista pessoal contra Putin e todo o aparato de segurança russo.

Então tivemos, em sequência, terroristas ucranianos explodindo o carro de Darya Dugina em um subúrbio de Moscou (eles admitiram o ato terrorista); as Forças especiais dos EUA/Reino Unido (parcialmente) explodindo os gasodutos Nord Stream e Nord Stream 2 (eles admitiram e depois se retiraram); e o ataque terrorista a ponte Krymsky Most (mais uma vez: admitido e depois retraído).

Sem mencionar o bombardeio de aldeias russas em Belgorod, a OTAN fornecendo armas de longo alcance a Kiev e a execução rotineira de soldados russos.

Darya Dugina, Nord Streams e Crimea Bridge fazem de um trio de Atos de Guerra [da OTAN]. Portanto, desta vez a resposta foi inevitável – nem mesmo esperando a primeira reunião desde fevereiro do Conselho de Segurança da Rússia agendada para a tarde de 10 de outubro.

Moscou lançou a primeira onda de um Shock’n Awe russo sem sequer mudar o status da Operação Militar Especial (SMO) para Operação Contra-Terrorista (CTO), com todas as suas sérias implicações militares/legais.

Afinal, mesmo antes da reunião do Conselho de Segurança da ONU, a opinião pública russa estava maciçamente atrás de tirar as luvas de pelica. Putin nem tinha agendado reuniões bilaterais com nenhum dos membros. Fontes diplomáticas sugerem que a decisão de deixar o martelo cair já havia sido tomada no fim de semana.

A “Operação Choque e Pavor” usando mísseis khinzal e cia não esperou pelo anúncio de um ultimato à Ucrânia (que pode vir em alguns dias); uma declaração oficial de guerra (não necessária); ou mesmo anunciando quais “centros de tomada de decisão” na Ucrânia seriam atingidos.

A metástase de fato da SMO no CTO significa que o regime em Kiev e aqueles que o apoiam agora são considerados alvos legítimos, assim como o ISIS e Jabhat al-Nusra durante a Operação Antiterror (ATO) militar russa na Síria.

E a mudança de status – agora esta é uma verdadeira guerra contra o terror – significa que acabar com todas as vertentes do terrorismo, físico, cultural, ideológico, é a prioridade absoluta, e não a segurança dos civis ucranianos. Durante o SMO, a segurança dos civis era primordial. Até a ONU foi forçada a admitir que em mais de sete meses de SMO o número de baixas civis na Ucrânia foi relativamente baixo.

Digite ‘Comandante Armageddon’

O rosto do russo Shock’n Awe é o Comandante Russo das Forças Aeroespaciais, General do Exército Sergey Surovikin: o novo comandante-chefe do agora totalmente centralizado SMO/CTO.

Perguntas eram feitas sem parar: por que Moscou não tomou essa decisão em fevereiro? Bem, melhor tarde do que nunca. Kiev agora está aprendendo que eles mexeram com o cara errado. Surovikin é amplamente respeitado – e temido: seu apelido é “General Armageddon”. 

Outros o chamam de “Canibal”. O lendário presidente checheno Ramzan Kadyrov – também coronel-general das forças armadas russas – elogia generosamente Surovikin como “um verdadeiro general e guerreiro, um comandante experiente, obstinado e perspicaz”.

Surovikin é comandante das Forças Aeroespaciais Russas desde 2017; foi premiado com o título de Herói da Rússia por sua liderança da operação militar na Síria; e teve experiência no terreno na Chechénia nos anos 90.

Surovikin é o Dr. Shock’n Awe com carta branca completa. Isso até rendeu especulações ociosas de que o ministro da Defesa Sergei Shoigu e o chefe do Estado-Maior Geral Valery Gerasimov foram removidos ou forçados a renunciar, conforme especulado pelo canal de Telegram do grupo Wagner Zona Cinza.

Ainda é possível que Shoigu – amplamente criticado pelos recentes reveses militares russos – possa ser eventualmente substituído pelo governador de Tula, Alexei Dyumin, e Gerasimov pelo vice-comandante em chefe das Forças Terrestres, tenente-general Alexander Matovnikov.

Isso é quase irrelevante: todos os olhos estão em Surovikino general Armageddon.  

O serviço britânico de inteligência MI6 tem algumas toupeiras bem localizadas em Moscou, falando relativamente. Os britânicos alertaram o presidente ucraniano Volodymyr Zelensky e o Estado-Maior que os russos lançariam um “ataque de advertência” nesta segunda-feira o que foi feito.

O que aconteceu não foi um “ataque de advertência”, mas uma ofensiva massiva de mais de 100 mísseis de cruzeiro lançados “do ar, mar e terra”, como Putin observou, contra “instalações de energia, comando militar e comunicações” ucranianas. 

O MI6 também observou que “o próximo passo” será a destruição completa da infraestrutura energética da Ucrânia. Isso não é um “próximo passo:” já está acontecendo. O fornecimento de energia acabou completamente em cinco regiões, incluindo Lviv e Kharkov, e há sérias interrupções em outras cinco, incluindo Kiev.

Mais de 60% das redes elétricas ucranianas já estão desativadas. Mais de 75% do tráfego da Internet desapareceu. A guerra em rede Starlink de Elon Musk foi “desconectada” pelo Ministério da Defesa.

A operação Choque e Pavor [Shock’n Awe] provavelmente progredirá em três etapas.

Primeiro: Sobrecarga do sistema de defesa aérea ucraniano (já ativado).

Segundo: Mergulhar a Ucrânia na Idade das Trevas (já em andamento).

Terceiro: Destruição de todas as principais instalações militares (a próxima onda).

A Ucrânia está prestes a abraçar a escuridão quase total nos próximos dias. Politicamente, isso abre um jogo completamente novo. Considerando a marca registrada de Moscou “ambiguidade estratégica”, isso poderia ser uma espécie de Tempestade no Deserto remixada (ataques aéreos maciços preparando uma ofensiva terrestre); ou, mais provavelmente, um ‘incentivo’ para forçar a OTAN a negociar; ou apenas uma ofensiva implacável e sistemática de mísseis misturada com Guerra Eletrônica (EW) para destruir a boa capacidade de Kiev de travar a guerra.

Ou pode ser todos os itens acima.

Como o império do hospício ocidental humilhado pode aumentar as apostas agora, a não ser se tornar nuclear, continua sendo uma questão-chave. Moscou mostrou uma contenção admirável por muito tempo. Ninguém deve esquecer que no verdadeiro Grande Jogo – como coordenar o surgimento do mundo multipolar – a Ucrânia é apenas um mero espetáculo à parte. Mas agora os corredores de shows secundários correm melhor para se proteger, porque o General Armageddon está à solta e com os coldres cheios de mísseis hipersônicos imparáveis.

Pepe Escobar, nascido no Brasil, é correspondente e editor-geral do Asia Times e colunista do Consortium News and Strategic Culture. Desde meados da década de 1980, ele viveu e trabalhou como correspondente estrangeiro em Londres, Paris, Milão, Bruxelas, Los Angeles, Cingapura, Bangkok. Ele cobriu extensivamente o Paquistão, Afeganistão e Ásia Central para a China, Irã, Iraque e todo o Oriente Médio. Pepe é o autor de Globalistan – How the Globalized World is Dissolving into Liquid War; do Red Zone Blues, a snapshot of Baghdad during the surge um instantâneo de Bagdá durante o surto. Ele estava contribuindo como editor para The Empire e The Crescent e Tutto in Vendita na Itália. Seus dois últimos livros são Empire of Chaos e 2030. Pepe também está associado à Academia Europeia de Geopolítica, com sede em Paris. Quando não está na estrada, vive entre Paris e Bangkok. Ele é um colaborador regular da Global Research, The Cradle e da Press TV.


“Precisamos URGENTEMENTE do seu apoio para continuar nosso trabalho baseado em pesquisa independente e investigativa sobre as ameaças do Estado [Deep State] Profundo, et caterva, que a humanidade enfrenta. Sua contribuição, por menor que seja, nos ajuda a nos mantermos à tona. Considere apoiar o nosso trabalho. Disponibilizamos o mecanismo Pay Pal, nossa conta na Caixa Econômica Federal  AGENCIA: 1803 – CONTA: 000780744759-2, Operação 1288, pelo PIX-CPF 211.365.990-53 (Caixa)”. para remessas do exterior via IBAN código: BR23 0036 0305 0180 3780 7447 592P 1


Saiba mais, leitura adicional:

Permitida a reprodução, desde que mantido no formato original e mencione as fontes.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *