Entre ou
Cadastre-se

Compartilhe
Receba nosso conteúdo

Castelo de Wewelsburg – o Centro do Ocultismo nazista das S.S.

O castelo medieval, localizado perto da cidade de Paderborn, na Renânia do Norte-Vestfália, foi construído em 1123 por ordem do famoso conde Fredrich von Arnsberg (1075-1124). Um ano depois, o castelo passou para a posse do Conde von Waldeck, que vendeu a propriedade ao bispo de Paderborn – Bernhard V. zur Lippe (1277-1341) – em 1301. Nos 300 anos seguintes, o castelo mudou várias vezes de dono, mas durante este período não foi particularmente ampliado.

Castelo de Wewelsburg – o Centro do Ocultismo nazista das S.S.(Büren, Renânia do Norte-Vestfália, Alemanha).

Fonte: Mojepodrozezhistoria.blogspot.com – Polônia

Somente nos anos 1603-1609, o próximo bispo – Dietrich von Fürstenberg (1546-1618) – decidiu expandir o castelo devido às frequentes invasões dos exércitos inimigos. Não ajudou muito, porque já em 1650, quando outro membro da família von Fürstenberg – Ferdinand (1626-1683) – se tornou proprietário, o castelo foi capturado. Isso foi feito pelo marechal de campo e almirante da frota sueco – o czar Gustaf Wrangel (1613-1676) – cujo exército causou grandes danos à fortaleza.

Após a retirada das tropas suecas, o castelo foi cuidadosamente reconstruído por Ferdinand, com muita ajuda do bispo Dietrich Adolf von der Recke (1601-1661). Foi nesta altura que o edifício assumiu a forma atual. Desde então, o castelo tornou-se uma espécie de quartel de oficiais, prisão militar e local de julgamento de bruxas.

Reichsführer-SS Heinrich Himmler com outros membros da S.S. no contexto do Castelo de Wewelsburg, visot ao fundo em 1937.

Até finais do século XVIII, o castelo caiu em ruínas e, em 1802, o estado prussiano tomou posse dele. Em 11 de janeiro de 1815, um raio causou um incêndio na torre norte, restando apenas as paredes externas. A próxima grande reforma foi realizada no castelo apenas em 1925. No entanto, durante muito tempo não se sabia para que fins este edifício monumental poderia ser utilizado.

Durante algum tempo, por ordem das autoridades locais, foram trazidas para o castelo várias dezenas de desempregados, que em troca dos chamados um teto sobre suas cabeças, eles deveriam cuidar dele. No entanto, tudo começou a mudar graças à visita, em novembro de 1933, do Reichsführer-S.S. Heinrich Himmler, que procurava um local adequado para sede para sua S.S. e seus altos dignitários.

Ele estava acompanhado por Karl Maria Wiligut (1866-1946) – seu ocultista pessoal mais tarde chamado de Rasputin de Himmler – que convenceu seu chefe a tomar uma decisão sobre o futuro quartel-general da S.S.. Num futuro próximo, Himmler queria transformá-lo numa espécie de santuário ocultista sagrado para a formação das tropas de elite das e uma escola da sua elite chamada por “Reichsführerschule S.S.”.

O castelo causou grande impressão em Himmler, o que resultou na decisão final de adotá-lo como sua sede. No início de 1934, foi arrendado pelos nazistas por um período de 100 anos, pagando um Reichsmark simbólico por cada ano. A partir desse momento, o castelo foi reconstruído e adaptado aos conceitos de Himmler incluídos nos planos.

Castelo Wewelsburg é um castelo renascentista localizado na aldeia de Wewelsburg. O castelo tem um layout triangular – três torres redondas conectadas por paredes maciças. Depois de 1934, foi usado pela S.S. sob Heinrich Himmler, e deveria ser expandido em um complexo que serviria como o local central de culto das S.S..

O plano era transformar o castelo de Wewelsburg numa sede S.S. em um local oculto onde seriam realizados diversos rituais de magia, ocultismo, esoterismo voltados às trevas. Nos primeiros anos, voluntários de cidades próximas e empresas privadas se voluntariaram para o trabalho de reconstrução de acordo com o projeto de Himmler. No entanto, a partir de 1939, foram usados os prisioneiros do campo de trânsito vizinho de Niederhagen-Wewelsburg, o chamado “Außenkommando Wewelsburg”.

Em 1943, Himmler gastou 11 milhões de marcos do Reich na reconstrução do castelo e, em 1944, outros 4 milhões. Nessa altura, a pedra rebocada das paredes ficou exposta, o fosso à volta do castelo foi alargado e aprofundado, e em muitos locais as fachadas foram decoradas com suásticas e outros símbolos derivados do antigo alfabeto rúnico viking.

Na torre norte – no rés-do-chão – existiam, entre outros, sala de reuniões dos oficiais de mais alta patente das S.S.“Obergruppenführersaal” – com o famoso “Sol Negro”[Schwarze Sonne], símbolo composto por doze raios pretos dispostos em círculo.

Obergruppenführersaal (Salão dos Generais das S.S.) no castelo de Wewelsburg com o SOL NEGRO (Schwarze Sonne-S.S.) em seu piso

As paredes e o teto eram sustentados por 12 colunas maciças, entre as quais havia pequenos pedestais destinados a conter urnas com as cinzas dos mais importantes representantes das elites S.S.. No porão foi criada uma cripta decorada com uma grande suástica, com local para um “fogo eterno” e local para cremação, cerimônias e rituais pagãos.

Muito provavelmente, foi ali que ocorreram várias cerimônias, incluindo batismos, casamentos, funerais e núpcias, ou seja, fazer o juramento de fidelidade. Foi aqui que foi criado o instituto de pesquisa “Deutsches Ahnenerbe” (Patrimônio Alemão), que enviou cientistas ao Peru, Tibete e outros lugares para encontrar o Santo Graal, a Atlântida e a cidade no interior da Terra origem da raça ariana.

Também foi criada uma grande biblioteca e sala de leitura, onde foram coletados e estudados todos os materiais relativos à pesquisa sobre a história da raça ariana. Na cripta – muitas vezes chamada de mausoléu dos falecidos mártires das S.S. – havia também uma caixa com cerca de nove mil anéis de caveira (Totenkopfring), que foram retirados dos dedos dos homens das S.S. mortos e levados para o castelo da Vestefália.

A maquete mostra o plano de desenvolvimento de todo o complexo, com o Castelo Wewelsburg no Centro.

As obras da torre norte duraram 4 anos, foram interrompidas em 1943 e nunca foram concluídas. Fora das muralhas, entre outros, foram construídos: quartéis – “S.S.-Burghauptmanns” – bem como edifícios administrativos, que foram gravemente danificados durante a tentativa de explodir o castelo pelos nazistas das S.S..

Hoje, neste local, sobre as antigas fundações, existe um novo edifício de escritórios e um museu regional. O salão nazista, centro cerimonial das S.S., é hoje o restaurante “Ottens Hof”. No local do “Führerhaus I”, hoje existe uma igreja evangélica. Além disso, muitas casas foram construídas para as famílias dos nazistas estacionadas no castelo. O principal arquiteto dos edifícios do complexo do castelo foi o arquiteto da coorte de Himmler – Hermann Bartels (1900-1989).

Em 1945, quando já se sabia que a Alemanha perderia a guerra, Himmler ordenou que o castelo fosse minado e explodido, e ele escapou. A ordem foi cumprida, mas por razões desconhecidas o castelo não foi destruído, apenas danificado em muitos locais. Após a guerra, a fortaleza foi restaurada e dentro das suas muralhas foram construídos um abrigo turístico e o Museu Histórico do Bispado de Paderborn.

Uma cripta com lugar para o “fogo eterno” e uma suástica incorporada no teto.

Atualmente, um museu dedicado à formação das tropas de elite das S.S. foi instalado no castelo. As exposições incluem o diário pessoal de Himmler, porcelana decorada com águias e suásticas, móveis, uma grande coleção de livros, todos os tipos de objetos decorados com suásticas e plantas originais do próprio castelo e um enorme complexo de edifícios para membros das S.S.

Também podemos ver uniformes pretos da formação das S.S. com insígnias de caveira, anéis e emblemas usados ​​pelos homens das S.S., um dispositivo de medição de cabeça necessário durante a pesquisa para determinar a raça ariana e castiçais Julleuchter.

Os membros das S.S. os recebiam como presentes por ocasião do solstício de inverno – um feriado pagão – que substituía o Natal, o nascimento de Jesus Cristo, para os nazistas. Aos interessados na história da nefasta e sombria S.S., o que merece atenção são principalmente os documentos originais e fotografias de arquivo que mostram o destino dos prisioneiros dos campos de concentração alemães, incluindo os estabelecidos na Polônia.

Chegar ao castelo não é complicado. Basta sair da rodovia 33 ou 44 em direção a Büren e as placas o guiarão até seu destino. O castelo é visível a uma distância considerável, o que também facilita o acesso ao seu destino. Do aeroporto de Paderborn seguimos em direção a Ahden e de lá diretamente para Büren.


Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *