Entre ou
Cadastre-se

Compartilhe
Receba nosso conteúdo

Ceticismo dos Jovens sobre o alarmismo das ‘Mudanças Climáticas’ está Gerando Apelos para Censurar Conteúdo

Um estudo recente revelou um ceticismo significativo entre o público jovem em relação ao alarmismo dos globalistas e das elites sobre as ‘Mudanças Climáticas’, um desenvolvimento que representa um desafio para os defensores de uma ‘ação climática urgente’, que provavelmente será bem recebido por aqueles que vem alimentando o medo e gerando pânico sobre os supostos males do aquecimento global como sendo exagerados e com ciência manipulada.

Ceticismo dos Jovens sobre o alarmismo das ‘Mudanças Climáticas’ está Gerando Apelos para Censurar Conteúdo

Fonte: The Epoch Times

O estudo foi divulgado em 16 de janeiro pelo Center for Countering Digital Hate (CCDH), uma organização de esquerda que por supostamente participar de uma “campanha assustadora” para afastar anunciantes que foi processado por Elon Musk

O estudo revela um aumento significativo entre 2018 e 2023 no conteúdo do YouTube que expressa um dos três pontos de vista a seguir:

  •  “as soluções climáticas não funcionarão”,
  • “a [pseudo]ciência climática e a o movimento climático não é confiável” ou
  • “os impactos do aquecimento global são benéficos ou inofensivos”.

Os investigadores também descobriram que cerca de um terço dos adolescentes (o público predominante no YouTube) têm opiniões como “as políticas climáticas causam mais danos do que benefícios” ou consideram “as alterações climáticas são uma farsa para controlar e oprimir as pessoas”.

As conclusões – que a CCDH chama de alarmantes e “surpreendentes” – sugerem que há uma rejeição crescente das narrativas feitas por globalistas sobre as mudanças climáticas que enfatizam uma catástrofe global iminente.

O grupo afirma considerar a tendência preocupante – e insta as grandes plataformas tecnológicas, como o YouTube, a censurar conteúdos que “contradigam o consenso científico oficial sobre as alterações climáticas.

No entanto, a tendência revelada pela pesquisa provavelmente será vista como uma lufada de ar fresco pelos céticos do alarmismo climático, também como por aqueles que acreditam que o ativismo climático tem tudo a ver com controle político ou se transformou em algum tipo de religião secular, que às vezes é rotulada de “culto climático” de fanáticos.

‘Uma Nova Onda de Negação das Mudanças Climáticas’

Os investigadores do CCDH reuniram transcrições de mais de 12.000 vídeos publicados em 96 canais do YouTube entre 2018 e 2023 e, em seguida, analisaram o conteúdo do ponto de vista das narrativas relacionadas com as alterações climáticas.

Eles encontraram um aumento acentuado no que chamam de “nova onda de negação climática”, definida como três narrativas cada vez mais predominantes:

  • “as soluções climáticas não funcionarão”,
  • “a ciência climática e o movimento climático não são confiáveis” e
  • “os impactos do aquecimento global são benéficos ou inofensivos.”

A prevalência destas três narrativas entre o conteúdo cético em relação ao clima no YouTube aumentou acentuadamente entre 2018 e 2023, concluiu o estudo. A narrativa de que “as soluções climáticas não funcionarão” aumentou para 30%, contra 9% do conteúdo cético do YouTube naquele período.

O conteúdo que expressa a opinião de que “a ciência climática e o movimento climático não são confiáveis” subiu de 23% para 35%, enquanto a narrativa de que “os impactos do aquecimento global são benéficos ou inofensivos” saltou de 4% para 6%.

Essa mudança, chamada de “nova onda de negação”, agora constitui a maioria (70%) do conteúdo cético em relação às mudanças do clima no YouTube.

Ao mesmo tempo, o conteúdo que expressa a opinião de que “o aquecimento global não está acontecendo” caiu para 14 por cento (2023) contra 48 por cento (2018) entre os conteúdos céticos do clima no YouTube.

Uma sondagem realizada como parte do estudo também descobriu que 33 por cento dos adolescentes pensam que “as políticas climáticas causam mais danos do que benefícios” e 30 por cento acreditam que “a [pseudo]ciência climática e o movimento climático não são confiáveis”.

“A propagação da Nova Onda de Negação Climática pode ter um impacto catastrófico na [agenda da] ação climática”, afirmou a CCDH num comunicado no qual o grupo apelou ao Google, proprietária do YouTube, para intensificar a sua política de desmonetização e desamplificação [CENSURA] de conteúdos céticos em relação ao clima. .

Charlie Cray, estratega sénior da Greenpeace EUA, fez uma afirmação semelhante numa declaração sobre o estudo: “Os negacionistas do clima têm agora acesso a vastos públicos globais através de plataformas digitais. Permitir que eles reduzam constantemente o apoio público à ação climática – especialmente entre os telespectadores mais jovens – poderia ter consequências devastadoras para o futuro do nosso planeta.”

Por outro lado, e muito importante, mais de 1.600 cientistas, especialistas e profissionais informados recentemente  assinaram um compromisso declarando que há “não há emergência climática” argumentando que modelos falhos [pseudo ciência] e retórica alarmista abafaram a realidade científica em prol do dinheiro, manipulação e do poder.

“A ciência climática deveria ser menos política, enquanto as políticas climáticas deveriam ser mais científicas”, diz a declaração. “Os cientistas deveriam abordar abertamente as incertezas e os exageros nas suas previsões do aquecimento global, enquanto os políticos deveriam contabilizar desapaixonadamente os custos reais, bem como os benefícios imaginados das suas medidas políticas.”

Os signatários incluem cientistas ganhadores do Prêmio Nobel, físicos teóricos, meteorologistas, professores e cientistas ambientais de todo o mundo.

‘Quase um Nadaburguer’

As alterações climáticas, ou a “emergência climática”, como muitos ativistas “acordados” insistem em chamá-la, tornaram-se um grito de guerra globalista cada vez mais vocal nos últimos anos.

O ex-vice-presidente Al Gore alertou sobre “bombas de chuva” e oceanos “fervendo” em um discurso histérico e incoerente sobre as alterações climáticas numa reunião de elites globais no [claro] WEF-Fórum Econômico Mundial, na Suíça, no ano passado.

O secretário-geral da ONU, António Guterres, fez um discurso igualmente alarmista no mesmo evento dos globalistas e das elites, dizendo que “estamos a flertar com o desastre climático” e que “cada semana traz uma nova história de terror climático”. Mas vários especialistas dizem que esse alarmismo não ajuda e que, embora alguns aspectos das alterações climáticas sejam um problema, não há necessidade de se entrar em pânico.

Entre eles está Steven Koonin, professor do Departamento de Engenharia Civil e Urbana da Universidade de Nova York, que já atuou como subsecretário de ciência no Departamento de Energia e possui doutorado em física teórica pelo Instituto de Tecnologia de Massachusetts-MIT.

Ele jogou água fria no alarmismo do chefe da ONU em uma entrevista recente com o professor de psicologia Jordan Peterson, argumentando que a adaptação da humanidade às mudanças climáticas pode ser um desafio, mas está longe de ser uma emergência.

Respondendo a uma pergunta de Peterson sobre a percentagem de cientistas que “tem uma visão apocalíptica” sobre a questão das alterações climáticas, Koonin disse acreditar que cerca de 95 por cento não estão no campo do pânico climático.

“Nenhum deles está pulando do telhado e dizendo ‘Meu Deus, é melhor fazermos alguma coisa ou iremos para a estrada climática para o inferno’. ou algo assim, que foi o que o secretário-geral da ONU disse há alguns meses”, disse Koonin, referindo-se aos comentários de Guterres na conferência climática COP27.

“É um problema. É um problema de longo prazo. Nós podemos lidar com isso. Mas não há razão para tocar o alarme. Se eu quisesse ser um pouco sarcástico, seria quase um hambúrguer nada. A ciência diz isso, se você ler os relatórios. Mas os [pseudos]efeitos prejudiciais são alardeados por vários jogadores.”

Embora os efeitos prejudiciais do aquecimento global sejam exagerados, os seus benefícios são ignorados pelos alarmistas climáticos, disse ele. Por exemplo, concentrações mais elevadas de dióxido de carbono trazem benefícios como uma maior ecologização do planeta, bem como um aumento da produção e rendimentos agrícolas para a agricultura global.

‘Tendências difíceis de encontrar’

Sr. Koonin também discutiu um relatório amplamente citado do Painel Internacional sobre Mudanças Climáticas; ele argumentou que os formuladores de políticas tendem a ler resumos em vez do relatório detalhado em si e, como consequência, formular conclusões incorretas.

O relatório detalhado reconhece a variação natural da temperatura, não apenas causada pelo homem, e que, além de coisas diretamente associadas ao aquecimento, como temperaturas recordes, não há basicamente tendências de eventos climáticos extremos, disse ele.

“Não se vê muita coisa [em termos de] tendências globalmente”, disse Koonin. “Seca – é difícil ver uma tendência. Furacões ou ciclones tropicais – é difícil ver qualquer tendência ao longo de um século.”

Ele reconheceu que há uma “pequena coisa” que merece alguma discussão – nomeadamente a subida do nível do mar – mas que está ocorrendo a cerca de 30 centímetros por século.

“É difícil encontrar tendências”, disse Koonin. “Não significa que as tendências não existam. Mas eles simplesmente não surgiram dos dados apresentados.”


SEJA UM ASSINANTE DO BLOG: Para os leitores do Blog que ainda não são assinantes e desejam acessar as postagens em seus endereços de E-Mail, solicitamos, por favor, que façam a sua inscrição aqui neste LINK: https://linktr.ee/thoth3126

Convidamos também a conhecerem e seguirem nossas redes sociais:
Instagram: https://www.instagram.com/th.oth3126/
Facebook: https://www.facebook.com/thoth3126.blog
X (antigo Twitter): https://twitter.com/thoth3126_blog
Youtube: https://www.youtube.com/@thoth3126_blog

Siga o canal “Blog Thoth3126” no WhatsApp: https://www.whatsapp.com/channel/0029VaF1s8E9Gv7YevnqRB3X


Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Receba nosso conteúdo

Junte-se a 4.305 outros assinantes

compartilhe

Últimas Publicações

NOSSOS PRODUTOS

Indicações Thoth

Seja um Anunciante

Divulge seu produto ou serviço em nosso portal!
Converse com a equipe comercial no WhatsApp