China responde às Ameaças de Sanções dos EUA por não romper com a Rússia

Pequim se comprometeu a defender empresas e indivíduos chineses que negociam com a Rússia contra os desejos dos Estados Unidos. A China protegerá suas empresas e pessoas que estão sob ameaça de sanções dos EUA por negociar com a Rússia, disse um porta-voz do Ministério das Relações Exteriores da China nesta quarta-feira, comentando as advertências vindas de Washington.

China responde às Ameaças de Sanções dos EUA por não romper com a Rússia

Fonte: Rússia TodayZero Hedge

O porta-voz do Ministério das Relações Exteriores do governo comunista chinês, Zhao Lijian, disse que Pequim “tomará todas as medidas necessárias para salvaguardar resolutamente os direitos e interesses legítimos das empresas e indivíduos chineses”.

A autoridade chinesa reiterou as críticas de seu governo às sanções unilaterais, dizendo que elas não têm base no direito internacional e apenas causam “sérias dificuldades à economia e à subsistência das pessoas” nos países visados, em vez de promover a paz e a segurança.

Washington deve “levar a sério as preocupações da China” ao implementar suas restrições contra a Rússia para que elas não “prejudiquem os direitos e interesses da China de forma alguma”, alertou Zhao.

Os EUA impuseram uma proibição à exportação de semicondutores avançados para a Rússia em resposta ao ataque militar de Moscou contra a Ucrânia. A proibição visa não apenas empresas americanas, mas também empresas estrangeiras que usam software e tecnologias americanas na produção. Nações como a Coreia do Sul, que querem continuar suas exportações para a Rússia, precisam solicitar isenções especiais ou enfrentarão a ira de Washington.

Em entrevista ao New York Times, a secretária de Comércio dos EUA, Gina Raimondo, alertou que seu governo poderia “essencialmente fechar” qualquer empresa chinesa que desafiasse as sanções americanas. O secretário destacou a Corporação Internacional de Fabricação de Semicondutores da China como enfrentando uma punição potencial por desrespeitar sua proibição de fazer negócios com à Rússia.

Ao contrário dos aliados dos EUA na Europa e em outros lugares, a China se recusou a condenar a Rússia por seu ataque contra a Ucrânia. Pequim concordou com a avaliação de Moscou de que a expansão descontrolada da OTAN na Europa Oriental e o fracasso em abordar as preocupações de segurança nacional da Rússia abriram o caminho para a crise atual.

China se opõe a sanções russas em cúpula de Xi Jinping com França e Alemanha

A cada dia que passa, a China está deixando claro que, à medida que a 3ª Guerra Fria fica mais quente a cada dia, o país mais populoso do mundo não estará do lado do [hospício do] Ocidente.

Durante uma cúpula virtual na terça-feira com o presidente francês Emmanuel Macron e o chanceler alemão Olaf Scholz, o presidente chinês Xi Jinping criticou as sanções abrangentes contra a Rússia e pediu “contenção máxima” na Ucrânia para evitar uma crise humanitária, informou o Nikkei .

Xi disse que as medidas punitivas dos EUA, União Europeia, Japão e outros “afetarão as finanças globais, a energia, o transporte e a estabilidade das cadeias de suprimentos”, conforme relatado pela China Central Television . Xi alertou que arrastar para baixo uma economia mundial já sobrecarregada pela pandemia de coronavírus “não é do interesse de ninguém” [a não ser para os psicopatas do Deep State].

Embora a China não tenha endossado a invasão da Ucrânia pela Rússia, que Moscou chama de “operação especial”, Pequim enfatizou seus sólidos laços com a Rússia e recuou das contra sanções impostas pelo ocidente que ameaçam debilitar sua economia.

Xi pediu diálogo em pé de igualdade entre a União Europeia, a Rússia, os EUA e a OTAN. “A tarefa urgente no momento é impedir que a situação tensa aumente ou até mesmo saia do controle” , disse ele. A China permanecerá em comunicação com a França, a Alemanha e a UE sobre o assunto, disse ele.

O líder chinês continuou evitando comprometer Pequim com um papel de mediador, apenas elogiando os esforços de Paris e Berlim para resolver o conflito por meio de negociações. A Ucrânia pediu ajuda à China para mediar um cessar-fogo.

Isso ocorreu depois que o ministro das Relações Exteriores, Wang Yi, disse a repórteres na segunda-feira que “a China está preparada para continuar desempenhando um papel construtivo para facilitar o diálogo pela paz e trabalhar ao lado da comunidade internacional quando necessário para realizar a mediação necessária”, sem fornecer mais detalhes.

Ecoando os comentários de Xi, esta manhã, o Ministério das Relações Exteriores da China abordou a proibição dos EUA às importações de petróleo chinês e disse que a China “se opõe a sanções unilaterais, que não trazem paz e segurança, mas apenas causam sérias dificuldades às economias e aos meios de subsistência das pessoas nos países envolvidos, trazem um situação perde-perde e intensifica o confronto.”

Espera-se que Pequim continue incentivando o diálogo entre as partes envolvidas por enquanto, enquanto considera opções que não colocam a responsabilidade direta em seus próprios ombros. Com o congresso do Partido Comunista duas vezes por década chegando neste outono, o governo está cauteloso com o risco de perder a fama se tentar mediar e falhar.


“Precisamos URGENTEMENTE do seu apoio para continuar nosso trabalho baseado em pesquisa independente e investigativa sobre as ameaças do Estado [Deep State] Profundo, et caterva, que a humanidade enfrenta. Sua contribuição, por menor que seja, nos ajuda a nos mantermos à tona. Considere apoiar o nosso trabalho. Disponibilizamos o mecanismo Pay Pal, nossa conta na Caixa Econômica Federal   AGENCIA: 1803 – CONTA: 000780744759-2, Operação 1288, pelo PIX-CPF 211.365.990-53 (Caixa)” para remessas do exterior via IBAN código: BR23 0036 0305 0180 3780 7447 592P 1


Mais informação adicional:

Permitida a reprodução, desde que mantido no formato original e mencione as fontes.

0 resposta

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Receba nosso conteúdo

Junte-se a 4.325 outros assinantes

compartilhe

Últimas Publicações

Indicações Thoth